fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Mesmo sem aulas presenciais, equipe escolar retomou e reestruturou o Projeto "Hortinha", desenvolvido com os alunos desde 2015

 

IBATÉ/SP - Apesar da suspensão das aulas presenciais na rede municipal de ensino em Ibaté, devido à pandemia do novo Coronavírus, a equipe escolar da EMEI "Bruna Esposito" resolveu dar continuidade a um projeto desenvolvido na unidade desde 2015.

O Projeto "Hortinha" é normalmente acompanhado pelos alunos, que aprendem e ajudam nos cuidados para o cultivo de flores, como girassóis, mas principalmente no plantio de verduras, raízes e temperos, como alface, rúcula, almeirão, couve, nabo, cenoura, cebolinha e salsa.

A Diretora da creche, Joselaine Valério Spilla, lembrou que em situações normais de aula os alunos, juntamente com as professoras, preparam a terra, plantam e regam diariamente a horta da escola. "Eles esperam e acompanham ansiosos a colheita, pois sabem que irão saborear os produtos junto com a merenda".

Com as aulas suspensas desde o fim de março, a horta precisou passar por uma reestruturação para ganhar vida novamente. "A equipe da escola resolveu dar continuidade ao projeto e colocar a 'mão na massa', mesmo sem a colaboração das crianças. Afinal, mesmo em épocas difíceis renascer é possível e, dessa forma, manteremos tudo pronto, bonito e produzindo para quando as aulas retornarem".

O Projeto "Hortinha" cultiva as plantas em pneus pintados, que circundam a área externa da escola, dando um colorido e tornando o espaço agradável  e acolhedor.  A  EMEI "Bruna Esposito" em Ibaté, atualmente,  tem matriculados 237 alunos de 04 meses a 03 anos de idade.

Desenvolvido pela SGAS, ação quer conscientizar a comunidade para o consumo consciente e a geração de menos resíduos.

 


SÃO CARLOS/SP - A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), por meio da Secretaria de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS), lançou nesta segunda-feira (31), o projeto de extensão "Compartilhando Menos Lixo!" (ProEx 23112.013065/2020-13), com a apresentação do site https://sgasproex.wixsite.com/menoslixo.  O objetivo do projeto é ampliar as ações de consumo consciente para além da Universidade. 

"O foco das ações será a conscientização sobre a importância da redução de materiais de uso único na comunidade de São Carlos. Queremos estimular mudança de hábitos e adaptação das práticas de consumo", contou Raquel Boschi, Engenheira Agrônoma, da Secretaria de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS) da UFSCar.

Um desses materiais de uso único é o plástico descartável. Segundo o Greenpeace, todos os anos, mais de 8 milhões de toneladas de lixo vão parar nas águas do planeta, e entre 60% a 90% dos resíduos são diferentes tipos de plástico. Ainda segundo a ONG, estudos indicam que, se o ritmo de consumo não diminuir e o descarte dos resíduos não for feito de forma adequada, em 30 anos teremos mais plástico do que peixes nos oceanos.

A proposta do "Compartilhando Menos Lixo!" é atingir consumidores e comerciantes, apresentando e discutindo possíveis alternativas para a geração de menos resíduos. O projeto também quer sensibilizar o poder público local para a criação de propostas e de novas regulamentações para tratar de questões da poluição e impactos ambientais, decorrentes da geração de resíduos sólidos.

Na Universidade, a Secretaria de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS) realiza diferentes iniciativas para a redução de materiais de uso único, como os descartáveis. Há 16 anos, o projeto CANECAS estimula a adoção de canecas reutilizáveis para reduzir o uso de copos descartáveis nos Campi. 

Em 2019, no campus de São Carlos, a SGAS desenvolveu o projeto "Desplastifica UFSCar" para motivar a comunidade universitária a redução do consumo de plástico. Em 1 semana de ação, foram coletados 1.143 itens, 581 só de copos descartáveis. Depois de identificar os locais com maior uso de copos descartáveis, a Secretaria entregou canecas reutilizáveis para os servidores. A segunda etapa do projeto, com a ampliação da distribuição de canecas, aconteceria no primeiro semestre de 2020, mas não foi possível devido a suspensão das atividades presenciais na Universidade. 

Devido a pandemia da COVID-19, nesse momento, o desenvolvimento do projeto será feito de forma remota, com o uso das redes sociais da SGAS (Instagram, Facebook e Youtube) para criação e divulgação de materiais didáticos, ações da comunidade e cursos. 

Como participar - Na primeira fase do "Compartilhando Menos Lixo!", a comunidade deve acessar o site do projeto (https://sgasproex.wixsite.com/menoslixo) e contar sua experiência com resíduos de uso único, participar das discussões sobre formas alternativas de embalagens, ser um agente disseminador de conhecimento, propor alternativas para a redução de resíduos, aplicar as alternativas na sua própria rotina e/ou apresentar as dificuldades de mudanças de hábitos. 

A partir da participação da comunidade, a SGAS vai produzir e divulgar materiais educativos sobre consumo consciente e diminuição da geração de resíduos. Ao longo do segundo semestre serão realizados encontros virtuais e cursos relacionados ao tema. Outras informações podem ser obtidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., telefone (16) 3351-8278 e redes sociais da SGAS.

Diferença de temperatura está entre fatores apontados pelo estudo que facilitariam a incubação

 

SÃO CARLOS/SP - Uma pesquisa de doutorado realizada na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) identificou uma vantagem do sabiá-barranco (Turdus leucomelas) em fazer ninho em prédios, mesmo em ambiente com muitas árvores ao redor. Segundo o estudo, desenvolvido na área do campus sede da Universidade, os ninhos em prédios são, em média, 6°C mais quentes que os de árvores o que permite que as fêmeas passem menos tempo por dia incubando os ovos, reduzindo os esforços na incubação.
A tese foi elaborada pelo biólogo Augusto Florisvaldo Batisteli, no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais (PPGERN) da UFSCar, com orientação de Hugo Miguel Preto de Morais Sarmento, professor do Departamento de Hidrobiologia (DHb) da Universidade.
"De modo geral, o objetivo da tese foi avaliar o papel do uso dos prédios como local de construção do ninho no processo de adaptação do sabiá-barranco ao ambiente urbano. Para isso, foi necessário testar se esses ninhos em prédios seriam vantajosos, desvantajosos ou neutros em relação a aqueles construídos em árvores, considerando aspectos como a sobrevivência da ninhada e a dedicação da fêmea ao ninho. No caso do estudo publicado [que derivou da tese], o objetivo foi testar se o comportamento de incubação das fêmeas diferia entre ninhos em árvores e em prédios", descreve Batisteli.
Entre os principais resultados, a pesquisa indica que as fêmeas dos ninhos em construções humanas passam um tempo 7% menor no ninho durante a incubação do que as fêmeas dos ninhos em árvores. Os ninhos em prédios também são em média 6 ºC mais quentes em seu interior do que aqueles em árvores. "Além disso, outros resultados ainda não publicados apontam vantagens adicionais dos ninhos em prédios, como maior chance de sobrevivência da ninhada. Então, concluímos que o hábito de construir ninhos em prédios pode trazer certos benefícios para as espécies, embora também possam existir fatores prejudiciais que não foram investigados", destaca o biólogo.
Segundo ele, o interesse em pesquisar o tema surgiu da observação: "Na área urbana da UFSCar, desde a graduação, percebia que os ninhos de sabiá eram frequentemente construídos em edifícios, apesar da grande quantidade de vegetação na área urbana do Campus São Carlos. Com tantas árvores ao redor, era muito curioso que as fêmeas construíssem seus ninhos nas mais variadas estruturas pertencentes aos prédios, bem próximo da circulação de pessoas". 
Para o trabalho de campo, foram realizadas três etapas. "A primeira foi a captura dos adultos, que receberam combinações de anéis coloridos para que fosse possível identificar cada indivíduo e também distinguir machos e fêmeas. Depois, um extenso esforço de procura dos ninhos em toda a área urbana da UFSCar [campus sede], os quais foram revisitados dia sim, dia não, para acompanhar se as ninhadas vingariam. Por último, foram mais de 300 horas de observação do comportamento reprodutivo dos sabiás", detalha Batisteli.
A pesquisa, intitulada "Conquistando o ambiente urbano: valor adaptativo e comportamento parental nos ninhos de Turdus leucomelas (Aves, Turdidae) em edifícios", foi realizada entre 2016 e 2020, mas "novos estudos sobre o tema ainda estão em curso", afirma o pesquisador.
O artigo que aborda especificamente as diferenças na temperatura do ninho e no comportamento de incubação dos ovos pelas fêmeas - que constitui um dos capítulos da tese - foi publicado na revista britânica International Journal of Avian Science (IBIS), uma das mais tradicionais na área de Ornitologia, e está disponível no link https://bit.ly/2YHQhnn. O estudo teve apoio financeiro da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Mais informações e a íntegra do trabalho podem ser solicitadas ao pesquisador, pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Ao todo serão 21 editoras participantes, com descontos a partir de 20%. Nas compras acima de R$ 50, o frete é grátis

 

SÃO CARLOS/SP - Neste cenário de pandemia, a Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) está inovando e realiza entre os dias 7 e 13 de setembro a sua 1ª Feira Virtual de Livros. 

Ao todo, serão 21 editoras participantes: a própria EdUFSCar, Vozes, Unesp, Blucher, Companhia das Letras, Zahar, L&PM, Martin Claret, Paco Editorial, Girassol, Ciranda Cultural, Aletria, Cortez, Editora 34, Expressão Popular, Summus, Record, Rocco, Universo dos Livros, Boitempo e Senac.

A Feira estará disponível no site da EdUFSCar (www.edufscar.com.br). As pessoas interessadas deverão clicar no banner da Feira e, em seguida, visitar as editoras participantes. Os títulos estarão com descontos a partir de 20%. Outra vantagem é que nas compras acima de R$ 50 o frete será gratuito.

Mais informações podem ser obtidas no site www.edufscar.com.br.

IBATÉ/SP - Desde o mês de maio a Prefeitura de Ibaté, por meio da Secretaria Municipal de Educação e do Departamento de Merenda Escolar (CPA), está realizando a distribuição de kits merenda escolar para os alunos das 14 unidades de sua rede municipal de ensino. Neste mês de agosto, a distribuição dos kits, que aconteceu na última semana, foi reforçada com hortifruti.

Além dos produtos da cesta básica, como arroz, feijão, farinha de trigo, fubá, açúcar, macarrão, sal, leite em pó e óleo de soja, as famílias receberam também um kit com 1 kg de cada produto: batata, cebola, cenoura, tomate, maçã e banana nanica, produzidos pela agricultura familiar. Ainda foram passadas orientações sobre a higienização das mãos, das embalagens e das frutas, verduras e legumes antes do consumo.

A  Secretária Municipal de Educação de Ibaté, Fátima Heck Vaz, lembrou que o kit de hortifruti  reforça o trabalho que a Prefeitura de Ibaté já vem fazendo com a distribuição do kit merenda. "Todos os alunos matriculados na rede municipal de ensino, desde a Creche até o quinto ano do Ensino Fundamental, recebem mensalmente o kit merenda que agora ganhou reforço com hortifruti. Além de melhorar na qualidade da alimentação, esse reforço também colabora com a economia da agricultura familiar".

Em situações normais, a Prefeitura de Ibaté oferece a merenda nas férias, mas com o isolamento social durante a pandemia foi necessário criar uma outra alternativa, entregando o alimento para que a própria família prepare em casa.

A distribuição dos kits é feita na unidade escolar em que o aluno está matriculado e realizada pela equipe escolar, seguindo todas as medidas sanitárias para o controle do Coronavírus.  A recomendação é a de que os responsáveis não levem as crianças ou acompanhantes na hora da retirada, para não haver aglomerações.

SÃO CARLOS/SP - O Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus apresentou na tarde desta quinta-feira (27/08), no auditório do Paço Municipal, o protocolo de segurança sanitária para o retorno das atividades nas escolas particulares de educação infantil.

Fernanda Cereda, supervisora da Vigilância Sanitária, fez a apresentação do protocolo que foi amplamente debatido com as autoridades de saúde. O protocolo também segue as normativas do Plano SP.

“A partir de 8 de setembro, data estipulada pelo Plano São Paulo para retorno do chamado acolhimento ou reforço escolar, as instituições privadas de ensino infantil precisão fazer as adequações necessárias para receber as crianças, porém lembramos que somente 35% dos alunos poderão participar das atividades presenciais”, reforça Fernanda Cereda, supervisora da Vigilância Sanitária.

Apresentar capacidade total e quantidade de alunos que irá atender para garantir o distanciamento; garantir rotinas firmes e permanentes a cada mudança de turno, com limpeza e higienização dos espaços; elaboração de plano de contingência para possíveis casos positivos de alunos e/ou colaboradores, contendo obrigatoriamente rede de comunicação rápida entre os contatantes, além de testagem e isolamento; não compartilhar objetos pessoais de trabalho; estimular o uso de recipientes individuais para o consumo de água; uso de máscaras de proteção respiratória; uso e disponibilização de álcool em gel 70%, instalação de divisórias impermeáveis em postos fixos de trabalho, onde o distanciamento mínimo não for possível e disponibilização face shield para os trabalhadores que realizam a recepção das crianças, além de disponibilizar para as autoridades sanitárias quadro de funcionários com as datas de nascimento e os exames periódicos, estão entre as exigências do protocolo.
Mateus de Aquino, coordenador do Comitê Emergencial e secretário de Comunicação, disse que o protocolo que foi sugerido pelos próprios donos de escolas.

“Lembramos que esse retorno é facultativo, porém quem optar pela volta das atividades vai ter que seguir o protocolo apresentado pela Vigilância Sanitária. A fiscalização será rígida e realizada por agentes do município”, ressalta o coordenador.

Também participaram da reunião de apresentação do protocolo a diretora de Vigilância em Saúde, Crislaine Mestre, Fabrícia de Paulo, diretora do Departamento de Supervisão Escolar da Secretaria de Educação, o diretor de Fiscalização, Rodolfo Penela, a diretora do PROCON, Juliana Cortes, o secretário de Segurança Pública, Samir Gardini, o comandante da Guarda Municipal, Michael Yabuki.

Durante suspensão das aulas presenciais, rede municipal de ensino desenvolve atividades e homenagens utilizando ferramentas e recursos virtuais

 

IBATÉ/SP - A Escola Municipal de Ibaté “Julio Benedicto Mendes” fez uma homenagem a seus alunos no mês em que se comemorara o Dia do Estudante. A homenagem foi feita em formato de vídeo, disponível na página do Facebook da escola (https://www.facebook.com/E.M.JulioBenedictoMendes).

Cada aluno foi citado em um cartão virtual que compôs o vídeo e que também foi enviado via WhatsApp para os responsáveis. A unidade atende 168 alunos dos dois últimos anos do Ensino Fundamental 1 (quarto e quinto ano).

Alexandre Moraes Gaspar, diretor da escola, destacou que o objetivo foi marcar a data e estimular os alunos, principalmente, nesse momento difícil. "É importante reconhecer o esforço diário dos alunos, por isso fizemos essa singela homenagem.  Além de possibilitar que os alunos revejam os amigos, professores e toda gestão escolar, mesmo que de forma virtual".  Ele lembrou que o Dia do Estudante é comemorado em 11 de agosto e se remete a mesma data em 1827, quando D. Pedro I autorizou a criação dos primeiros cursos superiores no Brasil.

A  Secretária Municipal de Educação de Ibaté, Fátima Heck Vaz, explicou que com a suspensão das aulas presenciais, devido à pandemia do Coronavírus, as atividades e homenagens estão sendo constantemente adaptadas utilizando as ferramentas e recursos virtuais. "Apesar das restrições, a rede municipal de ensino em Ibaté está trabalhando muito e sempre em contato com os alunos e com as famílias, com atividades via redes sociais, telefone ou até impressas, se necessário, quando os pais buscam e devolvem a tarefa do aluno na própria escola".

A rede municipal de ensino de Ibaté conta com 14 unidades e atende 907 alunos da Creche; 870 da Pré-escola e 2464 alunos do Ensino Fundamental 1 (até o quinto ano), com duas turmas de jovens e adultos (EJA). 

Podem participar do estudo familiares que tenham crianças matriculadas nos anos iniciais do Ensino Fundamental

 

SÃO CARLOS/SP - O Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (PPGEEs) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) convida pessoas voluntárias para participar de pesquisa que analisa as percepções de familiares de crianças diagnosticadas com síndrome de Down ou autismo, matriculadas nos anos iniciais do Ensino Fundamental, em relação ao processo de escolarização no contexto da pandemia de Covid-19. O trabalho é produzido por Thereza Makibara Ribeiro, pedagoga, mestre em Educação Especial e aluna de doutorado do PPGEEs, sob orientação de Márcia Duarte Galvani, docente do Departamento de Psicologia (DPsi) da Instituição.
A pesquisa buscará descrever a opinião das famílias sobre os serviços oferecidos pelas escolas para as crianças no contexto da pandemia, bem como identificar as necessidades de apoio dessas famílias para exercer o seu papel na escolarização. Também visa analisar a opinião das famílias sobre a forma do ensino disponibilizado neste contexto e se as expectativas dos familiares em relação ao retorno das atividades no contexto pós-pandemia foram ou não atendidas. De acordo com Ribeiro, o trabalho poderá contribuir para a ampliação de estudos direcionados à relação entre a família e o processo de escolarização do público-alvo da Educação Especial (alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento, superdotação e altas habilidades).
Para a realização do projeto, estão sendo convidados pais ou responsáveis de crianças entre 6 e 10 anos, com síndrome de Down ou autismo, matriculadas nos anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 3º ano), para responderem a este questionário online (https://bit.ly/34x3Uth), que inclui perguntas relacionadas à caracterização do participante e da criança, processo de escolarização a distância e expectativas para o retorno das aulas presenciais no contexto pós-pandemia. O questionário é composto por cerca de 40 questões e o tempo estimado de preenchimento é de 10 minutos. O sigilo é assegurado.
Mais informações sobre a pesquisa constam no questionário (https://bit.ly/34x3Uth) e dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAEE: 34904620.4.0000.5504).

SÃO CARLOS/SP - Uma estudante da Escola Estadual Álvaro Guião encontrou na literatura uma forma de expressar os seus sentimentos. A vida da aluna foi transformada quando em uma caneta e em folhas de papel criou refúgio para manifestar suas emoções por meio de personagens fictícios.

A profundidade dos conflitos vividos pelos personagens criados pela estudante do terceiro ano Esther Rosa, de 17 anos, despertaram a atenção de amigos e professores, uma vez que levam os leitores a refletirem sobre conflitos existenciais.

A escritora adolescente redigiu até o momento sete histórias sobre aventura, fantasia e suspense, que são: Quatro Elementos, Entre Tayler e Tayler, O Amor É, O Urso Negro, O Guardião do Paraíso, Carly, S.O.S Planeta Terra: O diamante de Cartwheel. 

A história o "O Urso Negro" é a única publicada no aplicativo Wattpad (comunidade de leitores e escritores) e pode ser lida integralmente e gratuitamente. A história narra o desafio de doze irmãos que são mandados embora de casa para um país longe. Tendo que morar em uma residência, na qual é o motivo da maior superstição das pessoas a sua volta, os personagens precisam conviver com paranormalidades que acontecem entre eles, causando brigas, ataques e medo.

As demais histórias, Esther publicou alguns trechos nas redes sociais e guarda o acervo completo em uma pasta no formato de livros. A jovem disse que tudo começou a partir dos 10 anos. Quando era criança, na escola, enfrentou o bullying por estar acima do peso e acabou desenvolvendo depressão e ansiedade.

"Como eu era criança, não sabia ao certo o que estava acontecendo comigo e eu não tinha voz o suficiente para falar com meus pais sobre os problemas", afirmou a adolescente.

Foi então que ela começou a escrever aleatoriamente histórias curtas. "Eu expressava o que estava sentindo e passava para os sentimentos do protagonista da história, que no final, o personagem principal sempre arranjava uma solução para seus (e meus) problemas", contou a escritora, ressaltando que atualmente experiências pessoais e músicas inspiram as suas histórias. 

A adolescente afirma que é leitora assídua de histórias sobre utopia e aventura. O livro que mais gostou de ler foi a Saga do Maze Runner (possui uma trilogia em filme). O sonho da garota é ser escritora e atriz e ver suas histórias publicadas em livros de editoras e se tornarem roteiros de filmes.

Ela relembrou que familiares e amigos próximos chegaram a ler suas histórias e se identificaram com os dramas e dilemas que seus personagens enfrentam.

"Eu sei o quanto minhas histórias tem significado, não só pra mim, mas para aqueles que leram e me disseram o quanto os tocou emocionalmente. Minhas histórias em livros ajudariam pessoas a lidar com aquilo que elas não conseguem achar solução. Não precisam passar necessariamente pelo o que passei, mas sei que de alguma forma poderá ajudar", argumentou.

Projeto de Vida

Esther tem recebido apoio das aulas do Projeto de Vida, que faz parte do Programa Inova Educação, da Secretaria da Educação Estadual, administradas por Sonia Appleby, professora de Português e Inglês, na Escola Estadual Álvaro Guião.

O principal objetivo da matéria é contribuir para a concretização dos sonhos dos alunos, trabalhando com algumas competências socioemocionais, com a finalidade de ajudar os estudantes a lidarem com situações do cotidiano, especialmente neste momento de pandemia.

Foi em umas das atividades remotas propostas aos alunos sobre planejamento de um projeto de autorrealização que a professora Sonia observou a aptidão da aluna Esther para escrever, a qual ela mencionava que a sua autorrealização seria escrever e publicar pelo menos um livro no período de um ano.

"Isto me trouxe muita felicidade, por ver uma aluna tão dedicada, inteligente e com tanta determinação nesta fase de intensas transformações e dúvidas para os jovens que estão deixando o Ensino Médio, e ela já estar começando a construir sua identidade", afirmou a professora.

A docente disse que procura sempre incentivar e auxiliar Esther a buscar realizar o sonho de ser escritora. "Procuro fazer comentário e sugestões para auxiliá-la na criação de uma mentalidade proativa", ressaltou.

A dirigente Regional de Ensino da região de São Carlos, Débora Gonzales Costa Blanco, elogiou Esther e relembrou o desafio estudantil neste período de quarentena.

"Esther é uma excelente aluna, muita participativa e através das aulas de Projeto de Vida, que faz parte do programa Inova Educação, foi encorajada a mostrar suas histórias e concretizar os seus sonhos entre eles se tornar uma escritora. Nesse momento de isolamento social, em muitos casos, a aproximação entre professor e aluno foi intensificada. E temos esse belo exemplo, Esther e Sônia, professora de Projeto de Vida. Temos muito orgulho de tê-la como aluna", ressaltou a dirigente.

Resumo dos livros

Quatro Elementos - o livro conta a vida de três irmãos que são obrigados a morar com uma desconhecida e acabam vivendo coisas extraordinárias que estavam escondidas do resto do mundo (inclusive deles). A partir disso, precisam enfrentar problemas que todas aquelas maravilhas podem causar à humanidade.

Entre Tayler e Tayler - um garoto de sete anos que, após uma mudança com sua família, tende a viver um novo recomeço de sua vida. Mas dessa vez, com um companheiro um tanto inesperado. Tayler recebe a visita de si mesmo, que promete ajudá-lo a lidar com todas as ruindades que uma criança não deveria viver, e o auxilia a consertar aquilo que está fora de lugar em sua vida.

O amor é - Jonas e Miguel vivem uma vida rotineira e isolada, e quando a triste notícia de que Miguel não sobreviveria a doença que o abatia, Jonas e seu melhor amigo, Rick, entram em uma aventura baseada em quatro grandes viagens, para poder fazer dos últimos dias do garoto, os melhores que ele poderia ter.

O urso negro - doze irmãos são mandados embora de casa para um país longe. Tendo que morar em uma casa, na qual é o motivo da maior superstição das pessoas a sua volta, precisam conviver com paranormalidades que acontecem entre eles, causando brigas, ataques e medo. Não há quem possa escapar de quem pode ver tudo. Esta história pode ser encontrada no aplicativo Wattpad digitando "Therrosa".

O guardião do paraíso - curumins são mandados para uma outra ilha após sua tribo ser atacada pelos jaguares de Fergus. Sozinhos e com medo, as crianças pedem a ajuda do guardião do paraíso, Moshua, mas mal elas sabem que o que Fergus e os próprios deuses, estão caçando é aquele que as protege.

Carly - Liam Fray é um garoto popular e problemático, vivendo suas crises emocionais causadas pelos traumas que sofreu. Ao longo de sua adolescência, é obrigado a criar um laço com a garota que mais odiava, Carly, uma cadeirante, e a partir dessa ação, começa a notar o quanto ela poderia ser especial em sua vida.

S.O.S Planeta Terra - O diamante de Cartwheel-1980 e as ruas de Atlanta são um perigo para toda a sociedade, mas não é apenas a Via Láctea que luta contra um assassino cruel. Distante de tudo o que poderiam imaginar, Lizzy e Roan fogem de Sculptor, em direção à Terra, para proteger (e até mesmo destruir) aquilo que poderia fazer o universo todo explodir em guerra.

 

*Por Abner Amiel - Colaboração

Pesquisa procura por voluntários para responderem questionário online sobre o tema

 

SÃO CARLOS/SP - Uma pesquisa de mestrado realizada no Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional (PPGTO) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está convidando voluntários para analisar o impacto do distanciamento social em crianças de 4 a 6 anos. O trabalho é desenvolvido pela terapeuta ocupacional Ana Claudia Moron Betti, sob orientação da professora Patricia Carla Della Barba, do Departamento de Terapia Ocupacional (DTO) da Instituição.

De acordo com Betti, a pesquisa vai investigar os principais impactos do distanciamento social relacionados à rotina e às ocupações das crianças em idade escolar (4 a 6 anos) e discutir quais os recursos disponíveis para apoiar e promover a participação delas nesse contexto. "Consideramos que este estudo trará benefícios para as crianças, pois deve proporcionar uma compreensão sobre os possíveis impactos do distanciamento social em seus cotidianos e ocupações e sobre como facilitá-las e desenvolvê-las, contribuindo também com projetos futuros sobre o tema", afirma a pesquisadora.

A hipótese é que as famílias estejam encontrando desafios e desenvolvendo estratégias para adequar suas rotinas e promover a participação das crianças em atividades diárias neste período de pandemia da Covid-19. "Na literatura encontramos impactos relacionados à saúde física e mental das crianças, referentes às oportunidades de movimento, brincadeiras e interação social, bem como às mudanças de rotina", complementa a pesquisadora. De acordo com ela, alguns autores citam que as famílias têm utilizado estratégias relacionadas à organização de rotinas, autocuidado, fortalecimento de vínculos e engajamentos em ocupações significativas.

A partir da compreensão advinda do estudo, a expectativa é desenvolver estratégias e soluções individuais e coletivas de apoio às crianças e famílias. Para realizar a pesquisa, estão sendo convidados pais ou responsáveis por crianças entre 4 e 6 anos para responderem questionário online (https://bit.ly/3kNbjKr) que inclui perguntas gerais sobre a criança e sua família (condições de moradia, renda familiar, acesso a benefícios governamentais, escolaridade, condições de trabalho, características da criança etc.) e sobre mudanças percebidas pelo adulto em relação às ocupações da criança. Caso o voluntário tenha mais de uma criança nessa faixa etária, é preciso preencher um questionário para cada uma. São cerca de 50 questões e o tempo de resposta é de 10 minutos. Os interessados podem participar até o dia 18 de setembro.

Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 32535220.2.0000.5504).

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30