fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

RIO DE JANEIRO/RJ - A dupla André e George faturou neste domingo (27) a primeira etapa do Circuito Nacional de Vôlei de Praia, disputada em Saquarema, no Rio de Janeiro.  Na final, os campeões da temporada passada venceram por 2 sets a 0 (parciais de 21/18 e 21/13)  os parceiros Guto e Arthur.

“Estamos muito felizes em voltar a competir, nos dedicamos muito nas últimas semanas. Trabalhamos muito, especialmente na parte física. Conforme fomos evoluindo conseguimos melhorar também tecnicamente o saque, o passe e o levantamento. Melhoramos individualmente para podermos melhorar como equipe. E chegar nessa final é o fruto deste trabalho”, afirmou André em entrevista ao site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV).

O jogador Guto, eleito o melhor da partida, agradeceu o carinho dos fãs e comemorou a boa estreia com o novo parceiro. "Obrigado ao pessoal que acompanhou e votou, fico feliz, as pessoas são muito apaixonadas pelo vôlei de praia. Quero agradecer ao meu parceiro, me ajudou demais. Fico feliz com esse carinho e essa estreia muito boa da nossa dupla. A energia está muito boa, desde o primeiro treino, e agora em nossa primeira competição já iniciar com uma final é maravilhoso".

Na briga pelo bronze, a dupla Adrielson e Renato superou a parceria Hevaldo e Saymon por 2 sets a 1 (19/21, 21/17 e 15/13). Classificadas para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, as duplas Álvaro e Alison e Evandro e Bruno participaram do torneio, mas foram eliminadas nas quartas de final. Álvaro e Alison não passaram por André e George. Evandro e Bruno foram eliminados por Guto e Arthur Mariano.

A segunda etapa da temporada do Circuito Nacional de Vôlei de Praia será entre os dias 15 a 18 de outubro (disputa feminina) e de 22 a 25 de outubro (masculina), também na cidade de Saquarema (RJ). As outras três etapas da temporada 2020/21 ainda terão locais a serem definidos, mas já possuem datas. A terceira fase será de 5 a 8 de novembro (feminino) e 12 a 15 de novembro (masculino). O quarto torneio será de 2 a 6 de dezembro, e o quinto de 16 a 20 de dezembro.

 

 

*Por Juliano Justo - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional

*AGÊNCIA BRASIL

RIO DE JANEIRO/RJ - Desde 15 de março não há competição de vôlei em território nacional por conta da pandemia do novo coronavírus, mas já existe um planejamento para sua retomada. Em 17 de setembro, será realizada a primeira etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 2020/2021, com os primeiros jogos do campeonato feminino acontecendo no Centro de Desenvolvimento de Voleibol (CDV), em Saquarema, Rio de Janeiro.

O Vôlei de Praia foi escolhido para dar início ao processo de retomada do esporte por ser uma modalidade praticada ao ar livre e ter apenas duas atletas por equipe. Para dar sequência a esse plano, o CDV precisará se transformar em uma bolha: protocolos de segurança rígidos, testagem constante, uso de máscaras e outros pontos.

“Nós estamos a 30 dias da retomada de nossas competições, e é uma satisfação enorme recomeçar pelo vôlei de praia. É uma ansiedade grande entre técnicos e atletas com essa retomada”, destacou Virgílio Pires, superintendente de competições de vôlei de praia da CBV, sobre a competição que será disputada com um número reduzido de duplas e sem a presença do público.

“Nós trabalhamos intensamente para desenvolver todo o protocolo de prevenção. Estamos contando os dias para ver o vôlei de praia nas areias de todo o Brasil, mas inicialmente estaremos apenas em nosso centro de treinamento em Saquarema, porque, acima de tudo, nos preocupamos com a saúde das pessoas. Então vamos começar gradualmente, mas a satisfação de começar esta retomada pelo vôlei de praia é muito grande”, completou.

Para Bárbara, medalhista olímpica em 2016, a ansiedade faz com que ela queira entrar em quadra o mais cedo possível e acha positiva a retomada do esporte. Ela formou dupla neste ano com a medalhista pan-americana Carol Horta e ambas trabalham forte nesta pré-temporada.

“A volta inspira todos os cuidados, e a CBV está tomando as medidas e seguindo os protocolos médicos que são necessários. Nós, atletas, estamos muito animados pelo retorno, depois de notícias não muito boas de cancelamentos de eventos em todo o mundo, é bom poder retomar nossa vida de forma segura e responsável. Agora nós encaramos o período de treinos como uma nova pré-temporada. Tivemos tempo para trabalhar a parte física e técnica. A gente precisa se apegar a um desafio, seja de curto ou médio prazo, e ter uma data é bom para este aspecto, bem como o planejamento da nossa comissão técnica na preparação da equipe”, contou Bárbara.

A volta do voleibol brasileiro começa com a primeira etapa do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 20/21, e ocorre de 17 a 20 de setembro, enquanto o torneio masculino acontece na semana seguinte, entre os dias 24 a 27.

A segunda etapa da temporada também será realizada em Saquarema, mas apenas em outubro, entre os dias 15 a 18 (feminino) e 22 a 25 (masculino). As outras três etapas ainda terão locais definidos, porém já possuem datas. A terceira será de 5 a 8 de novembro (feminino) e 12 a 15 de novembro (masculino). A quarta será de 2 a 6 de dezembro, e a quinta de 16 a 20 de dezembro, com possibilidade de realização dos dois naipes.

No Vôlei de Quadra, é previsto que a Superliga C seja realizada entre outubro e novembro. A Superliga Banco do Brasil 20/21 está planejada para começar em novembro.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

RIO DE JANEIRO/RJ - A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) confirmou nesta segunda-feira (03) que o circuito brasileiro de vôlei de praia da temporada de 2020 começa no próximo dia 17 de setembro. A primeira etapa seguirá até 27 de setembro. As duas primeiras etapas, das cinco previstas, ocorrerão em Saquarema (RJ). As sedes das demais ainda não foram confirmadas e as disputadas devem ocorrer até dezembro.

O rígido protocolo sanitário propõe, diferentemente do que ocorria antes da pandemia, que os jogos femininos ocorram antes, e as partidas dos homens encerrem as etapas.

A última temporada do circuito nacional da modalidade foi encerrada precocemente pela CBV por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Faltavam duas etapas a serem disputadas. E a dupla André Stein e George, que já não podia mais ser alcançada, foi considerada a campeã no masculino. Já entre as mulheres, Ana Patrícia e Rebecca, que tinham o título muito bem encaminhado, ficaram com a taça.

 

 

*Por Juliano Justo - Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

*AGÊNCIA BRASIL

SÃO PAULO/SP  - Nesta sexta-feira (24), a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) anunciou os nomes das equipes que atenderam as exigências da entidade para se inscreverem nas Superligas masculina e feminina da temporada 2020/2021.

A definição aconteceu após reuniões com clubes, análise de documentos e pagamento de inscrições. Ao todo 24 equipes, 12 de cada naipe, podem participar da próxima edição do principal torneio do vôlei nacional.

No feminino foram Sesi Vôlei Bauru (SP), Brasília Vôlei (DF), Curitiba Vôlei (PR), Fluminense (RJ), Itambé/Minas (MG), Osasco/Audax/São Cristóvão Saúde (SP), Pinheiros (SP), Dentil/Praia Clube (MG), São José dos Pinhais (PR), Sesc RJ Flamengo (RJ), São Paulo/Barueri (SP) e São Caetano (SP).

Para a liga masculina, as equipes são Apan/Eleva/Blumenau (SC), Minas Tênis Clube (MG), Vôlei UM Itapetininga (SP), Montes Claros América Vôlei (MG), Caramuru Vôlei (PR), Sada Cruzeiro (MG), EMS Taubaté Funvic (SP), Sesi-SP, Azulim/Gabarito/Uberlândia (MG), Vedacit Vôlei Guarulhos (SP), Pacaembu Ribeirão (SP) e Vôlei Renata (SP).

Na próxima sexta-feira (31) serão anunciados os times que participarão dos torneios.

Superliga C 2020

Na última quinta-feira (23) foi a vez do anúncio da Superliga C 2020. A competição deve acontecer entre os dias 14 e 28 de setembro. O prazo de inscrições das equipes começa em 14 de agosto e os candidatos a sediar a competição precisam enviar a proposta para a CBV até o dia 21 do mesmo mês.

Pelo regulamento, todas as equipes devem contar com pelo menos dois atletas sub-23 e dois sub-21.

Ainda dependendo do número de equipes inscritas, a fórmula da competição pode ser um triangular, grupo único ou em dois grupos com semifinal e final. Os dois melhores de cada naipe garantem o acesso para a Superliga B 2020.

 

 

*Por Juliano Justo - Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

*AGÊNCIA BRASIL

SÃO PAULO/SP - As Seleções Brasileiras masculina e feminina de vôlei só voltarão a jogar em 2021. Na última sexta-feira, a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) anunciou, em acordo com os técnicos das equipes, Renan e José Roberto Guimarães, o cancelamento de todas as atividades dos times nacionais.

A ideia inicial era reunir os grupos no Centro de Desenvolvimento de Voleibol (CDV), em Saquarema (RJ), mas depois de ouvir especialistas e avaliar o atual momento da pandemia da covid-19, a opção foi modificar a programação.

“É claro que a ideia é sempre oferecer a melhor estrutura possível para as nossas seleções e que gostaríamos que eles se reunissem, mas somente se houvesse condição adequada para isso. A partir do momento que a nossa comissão médica detectou que existe riscos, não cogitamos colocar ninguém nesta situação”, disse o diretor executivo da CBV, Radamés Lattari.

Em 2020, o principal objetivo do vôlei brasileiro era a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio. No entanto, a pandemia do coronavírus adiou o maior evento esportivo do mundo para o ano que vem. “Estamos em um ano que voltou a ser pré-olímpico e, consequentemente, muito importante. Gostaríamos de ter um período onde os atletas pudessem estar juntos. Mas, é claro, diante da situação que estamos atravessando, se não é possível, não será feito. A saúde de todos está acima de tudo”, afirmou Renan, técnico da Seleção masculina.

Já Zé Roberto promete continuar em contato com as jogadoras que estão no seu radar para Tóquio. “Gostaríamos de nos reunir, mas estamos cientes que ainda não é o momento. Nossa comissão médica detectou riscos e precisamos zelar pela saúde de todos os envolvidos no processo. Seguiremos monitorando as jogadoras e fazendo nossa parte para vencermos primeiramente esse vírus”, concluiu o técnico da Seleção feminina.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

ROMA - O Mundial de vôlei de praia que seria disputado em Roma, em setembro de 2021, foi adiado para junho de 2022 – anunciou a Federação Internacional de Voleibol (FIVB) nesta sexta-feira (24).

“A decisão foi tomada em resposta à situação de emergência duradoura provocada pela epidemia da covid-19 e pelo adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021”, explicou a FIVB em um comunicado.

“A organização do Mundial implica um investimento fora do habitual e, nas condições atuais, não é possível trabalhar com segurança”, declarou o presidente da Federação Italiana, Pietro Bruno Cattaneo, citado na nota à imprensa.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31