fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

EUA - Max Verstappen foi o grande vitorioso do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1, em Austin, no Texas. Vencedor da corrida deste domingo (24), o holandês da Red Bull deixou o Circuito das Américas com uma vantagem ainda maior sobre Lewis Hamilton na disputa pelo título de 2021.

Verstappen largou da pole e chegou a perder a primeira posição para Hamilton, mas levou a melhor na primeira janela de trocas de pneus. A Mercedes chegou a ensaiar uma reação com a segunda janela de trocas, mas que não foi suficiente. Sergio Perez, da Red Bull, completou o pódio.

Com a vitória no Texas, Max Verstappen chegou a 287,5 pontos no Mundial de pilotos, contra 275,5 pontos de Hamilton. O britânico ainda faturou um ponto a mais pela melhor volta, mas viu a diferença aumentar de seis para 12 pontos para o principal rival.

Confira a classificação final do GP dos EUA

 

 

*Por: BAND

EUA - A Suprema Corte dos Estados Unidos concordou, na sexta-feira (21), em ouvir no dia 1º de novembro uma contestação a uma lei do Texas que impõe uma proibição quase total ao aborto, em um caso que pode reduzir drasticamente o acesso ao aborto nos EUA se os juízes endossarem a medida.

Os juízes aceitaram as solicitações do governo do presidente Joe Biden e de clínicas de aborto para analisar imediatamente suas contestações à lei. O tribunal recusou-se a atender ao pedido do Departamento de Justiça de bloquear imediatamente a execução da legislação do Texas.

O tribunal irá avaliar se o desenho incomum da lei é legalmente permissível e se o governo federal tem permissão para processar o Estado que tentar bloqueá-lo.

A medida do Texas proíbe o aborto após cerca de seis semanas de gravidez - um ponto em que muitas mulheres ainda não percebem que estão grávidas. A lei abre uma exceção para uma emergência médica documentada, mas não para casos de estupro ou incesto.

A juíza liberal Sonia Sotomayor discordou do adiamento da decisão do tribunal sobre o veto à aplicação da lei enquanto o litígio continua. Sotomayor disse que a nova lei suspendeu quase todos os abortos no Texas, o segundo Estado mais populoso dos EUA, com cerca de 29 milhões de pessoas.

"A estratégia do Estado funcionou. O impacto é catastrófico", escreveu Sotomayor.

A disputa no Texas é o segundo grande caso sobre aborto que o tribunal, que tem uma maioria conservadora de 6 a 3, agendou para os próximos meses. Além dela, será julgada em 1º de dezembro a legalidade de uma lei de aborto restritiva do Mississippi.

 

 

Por Andrew Chung - Repórter da Reuters

EUA - A Tesla quer mudar seus veículos elétricos para uma bateria mais barata, mas primeiro precisa descobrir como superar tensões políticas para conseguir que um parceiro chinês faça baterias à base de ferro perto de suas fábricas nos EUA.

As duas maiores economias do mundo ainda precisam resolver disputas sobre tarifas, direitos de propriedade intelectual. E a ampla repressão regulatória da China, voltada principalmente para o setor de tecnologia, pode representar outro obstáculo.

A China adotou a tecnologia cedo e fabrica 95% das baterias de LFP (fosfato de ferro e lítio) do mundo, mas as principais patentes expiram em breve e a Tesla disse que planeja adotar baterias LFP em sua frota de veículos de alcance padrão global e levar a produção de baterias para mais perto de sua fábricas.

“Nosso objetivo é localizar todas as peças-chave dos veículos no continente”, disse Drew Baglino, vice-presidente da Tesla, anteontem (20). A Tesla está montando fábricas nos Estados Unidos e na Alemanha.

A Tesla atualmente usa baterias LFP da CATL da China em alguns modelos fabricados na China. Nos Estados Unidos, iniciou as vendas de sedans Modelo 3 de nível básico com LFP.

A CATL provavelmente está em melhor situação na China, onde têm acesso aos materiais de custo mais baixo do mundo, disse Craig Irwin, analista da Roth Capital.

O presidente Joe Biden definiu como prioridade apoiar veículos elétricos para combater a mudança climática, mas as limitações da bateria podem ser um obstáculo importante.

A China é o maior mercado global de EV e domina a cadeia de suprimentos para a fabricação de baterias de íon-lítio, incluindo o processamento de minerais e matérias-primas.

A Tesla enfrenta custos mais altos principalmente devido aos preços de cobalto (+70% neste ano), níquel (+20%) e alumínio (+50%). A Tesla usa esses materiais para fazer suas baterias. (Com Reuters)

 

 

*Por: FORBES

EUA - A China pediu nesta sexta-feira (21) ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, "prudência" após suas declarações sobre a defesa de Taiwan em caso de ataque de Pequim.

"Sobre as questões relacionadas com seus interesses fundamentais, como soberania e integridade territorial, a China não deixa espaço para compromisso", afirmou Wang Wenbin, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.

O governo dos Estados Unidos "deveria agir e falar com prudência sobre o tema Taiwan", completou o porta-voz.

Na quinta-feira, o presidente Joe Biden disse que os Estados Unidos defenderiam Taiwan se a ilha for atacada pela China, que a considera parte de seu território.

"Sim", respondeu ao canal CNN ao ser questionado se defenderia Taiwan.

"Estamos comprometidos com isto", completou.

Os comentários de Biden vão na contramão da antiga política americana de "ambiguidade estratégica", com qual Washington ajuda Taiwan a construir suas defesas, mas sem comprometer-se a sair em apoio da ilha.

 

 

*Por: AFP

EUA - Em crise, o Facebook planeja um reposicionamento de marca já na próxima semana. A empresa de Mark Zuckerberg vai mudar de nome com foco no metaverso, o que deve ser anunciado no próximo dia 28, em conferência anual da companhia. As informações são do site The Verge.

Acredita-se que o novo nome está ligado à Horizon, um novo produto apresentado em agosto que consiste em um mundo virtual, acessado pela plataforma Oculus. O Facebook deve apostar em tecnologias de realidade aumentada e virtual para ser mais que uma rede social.

Embora o Facebook esconda, é possível entender o metaverso como um grande projeto que une conceitos de Realidade Aumentada (RA), uma tecnologia que permite sobrepor elementos virtuais à visão da realidade, e Realidade Virtual (RV), que permite uma imersão em um mundo construído virtualmente, semelhante ao Second Life.

O projeto do metaverso foi anunciado por Zuckerberg em julho deste ano: “Faremos uma transição para as pessoas que nos veem como uma empresa de rede social passarem a nos verem como uma empresa de metaverso”, disse ao The Verge.

Para isso, o Facebook anunciou recentemente a criação de mais de 10 mil vagas de emprego na Europa, além de destinar U$ 10 milhões para incentivar criadores e programadores a criarem o projeto de realidade virtual.

O Facebook enfrenta graves acusações de Frances Haugen, ex-executiva que acusa a empresa de disseminar discursos de ódio e notícias falsas para aumentar sua margem de lucro. Haugen testemunhou no Congresso dos Estados Unidos contra o Facebook, cujas ações caíram mais de 12% desde então, segundo a CNN internacional.

Nestes sentidos, o “rebranding” busca também reverter a queda de credibilidade e reputação da gigante de tecnologia, que detém também o WhatsApp, Messenger e Instagram.

O Facebook ainda foi condenado pela justiça dos EUA a pagar U$ 14 milhões por negar trabalho a cidadãos estadounidenses – a empresa teria reservado as vagas a imigrantes com vistos de trabalho temporário em 2018 e 2019, de acordo com a CNN.

 

 

*Por: ISTOÉ DINHEIRO

EUA - Mesmo em um cenário global de reabertura e de intensa competição, a Netflix apresentou bons resultados no terceiro trimestre de 2021. A plataforma de streaming registrou um aumento de 4,4 milhões em sua base de assinantes, acima dos 2,2 milhões no mesmo período do ano passado.

Dessa maneira, a empresa registrou lucro líquido de US$ 1,45 bilhão, alta de 83,4% na comparação com igual período do ano passado. A receita da companhia, por sua vez, subiu 16,27%, para US$ 7,5 bilhões, na mesma comparação.

O lucro por ação ficou em US$ 3,19, acima da projeção da FactSet, de US$ 2,56.O resultado além das expectativas é uma boa notícia em um contexto de acirrada competição do setor. Além de enfrentar os dois serviços da Disney – que, segundo analistas, deve superar a atual líder até 2025 –, a empresa também enfrenta a expansão global de rivais como HBO Max e Amazon.

No total, a Netflix soma 213,6 milhões de assinantes. A retomada das produções pós-covid-19, após um período de atraso de entregas de conteúdos por causa da pandemia de covid-19, ajudou no desempenho trimestral, segundo comunicado divulgado pela empresa.

Diante dos resultados, as ações da Netflix subiam ontem após o fechamento do mercado em Nova York.

 

 

Iander Porcella / ESTADÃO

EUA - Elas podem estar na água, no ar, nos alimentos, nas embalagens, nos xampus e na maquiagem… Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira (18) uma ofensiva contra as PFAS, substâncias químicas muito comuns, mas nocivas à saúde.

A Agência americana de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) publicou uma diretriz para os três próximos anos, que estabelece, entre outras medidas, limitar estas substâncias per ou polifluoroalquiladas (PFAS) na água potável.

Há milhares de PFAS: seu ponto em comum é que se desintegram muito lentamente, o que lhes rendeu às vezes o apelido de “produtos químicos eternos”. Uma vez ingeridas, acumulam-se no organismo.

Segundo alguns estudos, a exposição a elas pode provocar esterilidade, atrasos no desenvolvimento das crianças, riscos crescentes de obesidade ou da ocorrência de alguns tipos de câncer (próstata, rim, testículos…), aumento da taxa de colesterol ou redução da resposta imunológica frente a algumas injeções ou após uma vacina.

A agência americana prevê designar algumas PFAS como “substâncias perigosas” e reivindicar que a indústria que as produz ofereça informação sobre sua toxicidade.

“Há muito tempo, as famílias americanas – em particular nos bairros desfavorecidos – sofreram com as PFAS na água, no ar ou nos terrenos onde seus filhos brincam”, declarou em um comunicado o diretor da EPA, Michael Regan.

“Esta estratégia completa sobre as PFAS protegerá as pessoas que sofrem, tomando medidas concretas e corajosas ao se atacar o ciclo de vida completo destas substâncias químicas”.

A diretriz define três eixos: aumentar as pesquisas sobre as PFAS, agir para “limitar” sua disseminação no meio ambiente e acelerar a limpeza dos locais contaminados.

EUA - Turistas estrangeiros completamente vacinados contra a Covid-19 poderão entrar nos Estados Unidos sem restrições a partir de 8 de novembro, anunciou na sexta-feira (15) o governo americano.

No início deste mês, o O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA já havia dito que aceitaria estrangeiros vacinados com uma das seis vacinas aprovadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) contra a Covid-19 -a Coronavac se inclui nessa lista.

EUA - Talvez você já tenha visto, nas latas de refrigerante diet ou em embalagens de outros alimentos com adoçante artificial, a seguinte frase: “Fenilcetonúricos: contém fenilalanina”. A fenilcetonúria é uma doença hereditária que torna o organismo incapaz de digerir o aminoácido fenilalanina – que se acumula no corpo e causa danos neurológicos.

Por isso, a pessoa não pode comer alimentos que o contenham, como carne, ovos e leite (além do adoçante). O medicamento BMN 307, que foi criado pelo laboratório americano BioMarin Pharma, prometia corrigir a mutação que provoca a doença: ele é feito com um vírus geneticamente modificado, que carrega e distribui uma versão consertada do gene PAH no organismo do paciente.

EUA - Em uma sessão de perguntas e respostas com funcionários na semana passada, Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, foi questionado a respeito de Frances Haugen, ex-gerente de produto que denunciou a empresa e prestou depoimento no Congresso sobre os danos causados pela rede social.

Zuckerberg passou cerca de 20 minutos falando da pessoa que fez a denúncia, seu depoimento e da recente cobertura da imprensa, tudo sem mencionar Frances pelo nome, de acordo com uma gravação da reunião a qual o The New York Times teve acesso. Algumas das declarações dela sobre como a plataforma polariza as pessoas, disse ele aos funcionários, eram "muito fáceis de desmascarar".

Os comentários do Zuckerberg fazem parte de um esforço interno do Facebook para lidar com as consequências das revelações de Frances. Mesmo que os executivos do Facebook tenham questionado publicamente a credibilidade da delatora e dito que as acusações dela eram infundadas, eles têm sido igualmente atuantes com posicionamentos dentro da empresa, enquanto tentam manter a boa vontade de mais de 63 mil trabalhadores e dissipar suas preocupações.

Para contra-atacar as alegações de Frances – que foram respaldadas por pesquisas internas mostrando que os serviços do Facebook prejudicam a autoestima de crianças e impulsionam conteúdos tóxicos –, os executivos organizaram eventos internos ao vivo com funcionários, realizaram sessões de briefing de emergência e enviaram vários memorandos, de acordo com documentos obtidos pela reportagem e entrevistas com cerca de dez atuais e ex-funcionários. Aqueles que continuam na empresa também forneceram informações a respeito de como os trabalhadores devem responder quando “forem questionados em relação aos recentes acontecimentos por amigos e familiares”, de acordo com um memorando.

 

Conflito

O Facebook agiu rapidamente, já que os funcionários ficaram divididos em relação a Frances, segundo os trabalhadores. Em mensagens internas da semana passada compartilhadas com a reportagem, um trabalhador disse que Frances estava “dizendo coisas que muitas pessoas aqui vêm falando há anos” e que a empresa deveria ouvi-la. Outro chamou o depoimento dela de “incrível” e disse que ela era uma “heroína”.

No entanto, outros disseram que Frances deveria receber uma “ordem de não fazer” ou ser processada por quebrar seu acordo de sigilo com o Facebook. Vários a criticaram dizendo que ela não tinha conhecimento suficiente sobre os temas que mencionou em seu depoimento no Congresso, de acordo com as mensagens vistas pelo The New York Times.

O debate entre os funcionários é a dor de cabeça mais recente do Facebook provocada por Frances, 37 anos, que trabalhou na equipe de desinformação cívica por aproximadamente dois anos antes de deixar o emprego em maio. Durante seu tempo na empresa, Frances reuniu uma coleção de pesquisas internas do Facebook, as quais ela já distribuiu para imprensa, legisladores e reguladores para provar que a rede social sabia dos vários efeitos nocivos que estava causando.

Suas revelações geraram uma tempestade de críticas, levando o Facebook a pausar o desenvolvimento do Instagram Kids, versão do app para crianças. Além disso, a diretora global de segurança da empresa, Antigone Davis, foi duramente questionada durante uma audiência no Congresso sobre o assunto.

Depois que Frances revelou sua identidade, ela disse ao Congresso que o Facebook estava deliberadamente mantendo as pessoas – inclusive as crianças – presas a seus serviços. Muitos legisladores agradeceram por ela ter disponibilizado as provas.

Em uma declaração no domingo, Andy Stone, porta-voz do Facebook, disse: “Tendo em vista que muito do que foi relatado sobre o Facebook está errado, achamos que é importante fornecer os fatos aos nossos funcionários”.

Frances não quis se pronunciar a respeito dos comentários de Zuckerberg ou das discussões internas, mas disse em um comunicado que fez a denúncia em parte por causa do que chamou de "falta de funcionários" nas equipes que trabalharam no setor de desinformação e proteção durante o período das eleições americanas. Ela disse que seus ex-colegas no Facebook “merecem uma equipe que corresponda à enorme magnitude do trabalho que estão desenvolvendo”.

No decorrer dos anos, os funcionários do Facebook têm se tornado cada vez mais francos. Em junho de 2020, por exemplo, centenas de trabalhadores organizaram uma greve para protestar contra a falta de ação de seus patrões em relação às polêmicas postagens do ex-presidente Donald Trump publicadas na plataforma.

Essas divergências, junto com as questões que o Facebook tem enfrentado ao espalhar informações equivocadas e discurso de ódio, desgastaram a imagem da empresa, o que pode dificultar o recrutamento de novos funcionários.

Então, quando Frances revelou sua identidade e disse que o Facebook colocava “os lucros acima da segurança”, os executivos entraram em ação. Na semana passada, vários vice-presidentes da empresa realizaram eventos internos ao vivo para dar aos funcionários mais informações sobre como as diferentes partes da empresa operam, de acordo com um memorando obtido pela reportagem.

As sessões contaram com a participação de executivos como Guy Rosen, vice-presidente de integridade; Ronan Bradley, vice-presidente de análise e pesquisa; Monika Bickert, vice-presidente de política de conteúdo; e Pratiti Raychoudhury, vice-presidente e chefe de pesquisa, disse o memorando. Cada um falou sobre temas como: o que a empresa entende por polarização, mudanças no algoritmo do feed de notícias e como os executivos estavam mantendo a plataforma segura.

Os executivos também distribuíram uma lista com pontos de discussão para que os trabalhadores soubessem o que dizer se amigos e familiares lhes perguntassem sobre os “eventos recentes”. O The New York Times teve acesso a uma cópia da lista que incluía uma negação de que o Facebook colocasse o lucro e o crescimento acima da segurança das pessoas e como a empresa tem solicitado regulamentações do governo.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31