fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

EUA - O jornal The New York Times atribui a Trump 61% dos votos contra 38% alcançados pela ex-embaixadora dos Estados Unidos junto da ONU, enquanto o canal Fox News dá 64% ao ex-governante e 35% a Nikki Haley.

Com esta vitória, Trump fica mais perto de ser declarado o candidato oficial do Partido Republicano para as eleições presidenciais de novembro.

A derrota será especialmente dura para Nikki Haley, que durante seis anos foi governadora na Carolina do Sul e tinha grandes expectativas nesta votação.

 

 

POR NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL

EUA - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu inesperadamente na semana passada, sugerindo que o crescimento do emprego provavelmente permaneceu sólido em fevereiro.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 12.000 na semana encerrada em 17 de fevereiro, para 201.000 em dado com ajuste sazonal, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam 218.000 pedidos para a última semana.

Os pedidos de auxílio estão oscilando em níveis historicamente baixos, apesar de demissões registradas no início do ano.

As dificuldades para encontrar mão de obra durante e após a pandemia de Covid-19 deixaram os empregadores relutantes em reduzir o número de funcionários. A produtividade dos trabalhadores também aumentou, enquanto a economia continua a se expandir apesar dos fortes aumentos da taxas de juros pelo Federal Reserve.

A ata da reunião de 30 e 31 de janeiro do banco central dos EUA, publicada na quarta-feira, mostrou que as autoridades continuaram a considerar o mercado de trabalho como "apertado", mas várias "observaram que os ganhos recentes de emprego estavam concentrados em alguns setores, o que, em sua opinião, apontava para riscos negativos nas perspectivas de emprego".

Desde março de 2022 o Fed aumentou sua taxa de juros em 525 pontos-base, para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

Os dados de pedidos de auxílio-desemprego cobriram o período durante o qual o governo pesquisou empresas para o relatório de emprego de fevereiro. A economia dos EUA criou 353.000 vagas de trabalho em janeiro.

 

 

Reportagem de Lucia Mutikani / REUTERS

EUA - O Kremlin disse na quinta-feira (22) que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, 81, "degradou" seu próprio país ao xingar seu homólogo da Rússia, Vladimir Putin, de "filho da puta maluco" em um evento de campanha. O governo russo definiu o comentário como um "ato fracassado de um caubói de Hollywood".

Em comício para arrecadar fundos ocorrido em San Francisco na noite desta quarta-feira (21), Biden usou a sigla "SOB" ao se referir a Putin. Em inglês, é a abreviatura de "son of a bitch" (filho da puta). Seria o equivalente a "fdp" em português.

"Temos um fdp maluco como este Putin, e outros, e sempre temos que nos preocupar com o conflito nuclear, mas a ameaça existencial para a humanidade é o clima", disse Biden em breve discurso.

Atrás do republicano Donald Trump em pesquisas de intenção de voto na disputa pela Casa Branca, em novembro, o democrata subiu o tom em relação a Putin. Em outras ocasiões, o presidente americano já havia dito que o líder russo é "assassino", "carniceiro" e "criminoso de guerra" -a invasão da Rússia à Ucrânia completará dois anos no sábado (24).

Biden disse ainda que os EUA anunciariam nesta sexta (23) um novo pacote de sanções contra Moscou pela morte em condições nebulosas de Alexei Navalni, o mais conhecido opositor de Putin -o ativista estava em uma prisão de segurança máxima e, seis dias após sua morte, a família ainda não pôde ver o corpo. Segundo o Serviço Federal Prisional russo, ele morreu após desmaiar durante uma caminhada.

Em comentário à TV pública russa, Putin disse que o xingamento de Biden exemplifica o motivo de ele preferir Biden a Trump para um segundo mandato à frente da Casa Branca, como havia dito na semana passada.

"Estamos prontos para trabalhar com qualquer presidente. Mas acredito que, para nós, para a Rússia, é preferível Biden como presidente, e julgando pelo que ele acabou de dizer, estou absolutamente certo", afirmou.

Não é a primeira vez que Biden xinga alguém em público. Em janeiro de 2022, o presidente disse que um repórter da Fox News, emissora de viés conservador, era um "filho da puta estúpido" após ser questionado sobre o índice de inflação. Aparentemente, o presidente não percebeu que o seu microfone estava aberto, e o momento foi captado pelas câmeras de televisão.

Em relação ao comentário desta quinta, o porta-voz do Kremlin disse que o comentário foi vergonhoso.

"É improvável que o uso desse tipo de linguagem contra o chefe de outro Estado atinja o presidente Putin. Mas isso rebaixa aqueles que usam esse vocabulário ", disse Dmitri Peskov à agência de notícias Reuters. Segundo ele, o comentário foi provavelmente uma tentativa do democrata de parecer um caubói de Hollywood. "Mas, sinceramente, não acho que isso seja possível."

"Putin já usou alguma palavra grosseira para se dirigir a você? Isso nunca aconteceu. Portanto, acho que esse vocabulário rebaixa a própria América", acrescentou.

O ex-presidente russo Dmitri Medvedev, que ocupou o Kremlin de 2008 a 2012, também rebateu o americano e afirmou que a ameaça existencial ao mundo vinha de "velhos inúteis, como o próprio Biden". Medvedev disse que Biden está senil e "pronto para iniciar uma guerra com a Rússia".

A Guerra da Ucrânia, a morte de Navalni e as declarações dos EUA de que a Rússia planeja colocar uma arma no espaço têm mantido um alto nível de tensão nas relações entre Moscou e o Ocidente.

 

 

POR FOLHAPRESS

SÃO PAULO/SP - Três dias após anunciar a sua saída de SBT, Matheus Ceará já está de casa nova. O humorista assinou um contrato de dois anos para integrar a grade de programação da TV Connect USA a partir de abril. Ele fechou a parceria em Orlando, nos Estados Unidos, enquanto aproveitava as férias ao lado da família.

A TV Connect USA, mais conhecida como TVC, é a primeira emissora americana de língua portuguesa afiliada da CNN Estados Unidos. Recentemente, Zilu Godoi assinou contrata com a emissora para apresentar o programa Coisas de Zilu.

Ceará afirmou que tomou a decisão de deixar o SBT depois de 12 anos de casa visando mais segurança para a família fora do Brasil. "Ando de carro blindado pra cima e pra baixo. Aqui, minha filha pode, pela primeira vez, baixar o vidro traseiro do carro e ainda me questionou se não tinha problema", explicou.

Desde 2012, o humorista integrava o elenco fixo do programa "A Praça É Nossa", fazendo piadas sobre diferentes temas ao lado de Carlos Alberto de Nóbrega, no famoso banco de praça. Sobre o conteúdo do seu programa na nova emissora, Matheus Ceará contou que o projeto ainda não foi totalmente definido, mas já sabe que a atração contará com plateia, convidados, prêmios e surpresas: "Quem sabe agora eu não me torno o Matheus Flórida?", brincou o ator.

 

 

POR FOLHAPRESS

EUA - O principal diplomata dos EUA, Antony Blinken, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tiveram uma "troca franca" nesta quarta-feira, na qual o secretário de Estado deixou claro para o líder brasileiro que os EUA não concordam com seus comentários recentes sobre a guerra de Israel em Gaza.

Lula está no meio de uma disputa diplomática com Israel por causa de comentários nos quais ele comparou a guerra em Gaza ao genocídio nazista durante a Segunda Guerra Mundial, levando Israel a dizer que ele se tornou persona non grata no país até que retirasse os comentários.

"Eu diria que foi uma troca franca, com o secretário deixando claro que não concordamos com esses comentários", disse uma autoridade sênior do Departamento de Estado, que informou os repórteres após a reunião em Brasília.

Autoridades norte-americanas já haviam dito anteriormente que esperavam que Lula e Blinken tivessem uma conversa robusta sobre questões de segurança global, incluindo o conflito em Gaza, que foi desencadeado por ataques em Israel por militantes do Hamas em 7 de outubro.

Blinken, cujo padrasto foi um sobrevivente do Holocausto, destacou os esforços dos EUA para libertar os reféns que ainda estão sendo mantidos pelo Hamas e conseguir uma pausa temporária no conflito, bem como para aumentar a ajuda humanitária, de acordo com autoridades norte-americanas.

Em um comunicado separado sobre o encontro, o Palácio do Planalto disse que a reunião, que durou quase duas horas, envolveu discussões sobre tópicos que vão desde a cúpula do G20 até os esforços de paz em Gaza e na Ucrânia.

"O presidente Lula reafirmou seu desejo pela paz e fim dos conflitos na Ucrânia e na Faixa de Gaza", disse o Planalto. "Ambos concordaram com a necessidade de criação de um Estado Palestino."

O Brasil está realizando esta semana uma reunião de ministros das Relações Exteriores no Rio de Janeiro como parte de sua presidência do G20.

O governo norte-americano, que fornece a Israel apoio militar e diplomático, pediu a Israel que proteja os civis, mas defende o direito de Israel de atacar os militantes do Hamas em Gaza.

Antes da viagem de Blinken à América do Sul, o secretário de Estado adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental, Brian Nichols, disse aos repórteres que compartilhar ideias sobre o conflito em Gaza seria "crucial para a conversa" entre Lula e Blinken.

 

ELEIÇÕES NOS EUA, VENEZUELA

Em breves comentários diante dos repórteres durante o encontro no Palácio do Planalto, Lula observou que as eleições presidenciais dos EUA estão chegando em novembro.

Blinken respondeu que a política em seu país está "muito polarizada" e que a eleição se resumirá a seis ou sete Estados, incluindo Pensilvânia, Michigan, Wisconsin e Nevada.

"Há cada vez menos eleitores indecisos", disse Blinken. "Há uma batalha por um segmento muito pequeno do eleitorado."

O presidente democrata Joe Biden, de 81 anos, está concorrendo à reeleição e provavelmente enfrentará o ex-presidente republicano Donald Trump.

Lula, de 78 anos, que durante sua campanha de 2022 prometeu não buscar outro mandato em 2026, disse no ano passado que ver Biden concorrer à reeleição foi um estímulo para ele mudar de ideia.

O líder brasileiro e o diplomata norte-americano também conversaram sobre a Venezuela, com Blinken agradecendo ao Brasil por seus esforços para intermediar o diálogo entre a Venezuela e a Guiana sobre uma disputa de fronteira.

Blinken disse a Lula que os EUA desejam ver um caminho democrático na Venezuela indo em frente.

 

 

Por Simon Lewis / REUTERS

(Reportagem adicional de Gabriel Araujo)

EUA - Elon Musk anunciou que o implante cerebral recentemente instalado por sua empresa, a Neuralink, permitiu que um paciente movimentasse o cursor na tela de um computador apenas com o poder da mente.

"Os avanços têm sido significativos, e o paciente parece ter se recuperado completamente, sem efeitos neurológicos adversos de que tenhamos conhecimento", compartilhou em um grupo na rede social X [antigo Twitter], conforme citado pelo Metro UK. Ele então fez uma revelação que pode transformar a maneira como interagimos usando nossa mente.

"O paciente foi capaz de controlar um cursor na tela apenas com a mente", revelou.

Em janeiro, o empresário já havia anunciado que a Neuralink, da qual é cofundador, havia realizado com sucesso o primeiro implante cerebral em um paciente, uma operação que também foi conduzida por outras empresas e pesquisadores.

O implante, do tamanho de uma moeda, foi previamente testado no cérebro de um macaco, que conseguiu jogar o videogame "Pong" sem a necessidade de controle ou teclado.

 

 

POR NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL

EUA - Uma tragédia familiar abalou a cidade de Tooele, no estado de Utah, nos Estados Unidos. Uma criança de 9 anos foi detida após um familiar ser morto com um tiro na cabeça, na noite do dia 16 de fevereiro, de acordo a ABC News.

O sexo da criança não foi divulgado, assim como o grau de parentesco com a vítima, um homem de 32 anos. Segundo as autoridades, os serviços de emergência foram acionados para socorrer o homem, que foi encontrado com um ferimento fatal na cabeça. Apesar dos esforços médicos, ele não resistiu e faleceu no hospital.

Após investigação, a polícia deteve a criança na noite de sexta-feira. As autoridades ainda não divulgaram detalhes sobre as circunstâncias do disparo, mas confirmaram que estão estudando uma possível acusação de homicídio.

Nos Estados Unidos, as leis sobre a maioridade penal variam de estado para estado. Em Utah, onde o caso aconteceu, a idade mínima de responsabilidade criminal é de 14 anos. No entanto, menores de 18 anos podem ser detidos e processados por crimes graves.

 

 

POR NOTÍCIAS AO MINUTO BRASIL

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta segunda-feira que está disposto a se reunir com o presidente da Câmara, Mike Johnson, para discutir um projeto de lei de financiamento à guerra da Ucrânia contra a Rússia, e disse que os republicanos estão cometendo um erro ao se oporem a ele.

Em uma votação mais cedo neste mês, o Senado aprovou um pacote de assistência de 95 bilhões de dólares que inclui financiamento para a Ucrânia, mas Johnson até agora se recusou a colocá-lo em votação na Câmara, que os republicanos controlam por uma margem pequena de 219 a 212. Ele exige uma reunião com Biden.

"Claro, ficaria feliz de me reunir com ele, se ele tiver alguma coisa a dizer", afirmou Biden a jornalistas ao retornar à Casa Branca após um fim de semana em Delaware.

Biden afirmou que os republicanos estão cometendo um grande erro ao se oporem ao auxílio para a Ucrânia usar em sua guerra contra a invasão da Rússia.

O Congresso deve voltar apenas em 28 de fevereiro, quando terá um prazo urgente para evitar a paralisação parcial do governo que começará em 1º de março caso não haja ação dos parlamentares. Alguns deles discutem projetos de lei alternativos ou caminhos para contornar as objeções de Johnson, mas todas essas opções têm suas próprias incertezas.

Biden, um forte crítico do seu provável adversário eleitoral Donald Trump e de outros republicanos por ameaçarem não defender aliados da Otan se eles não pagarem o suficiente para a defesa comum, disse que republicanos estão cometendo um grande erro ao "se afastarem da ameaça da Rússia" e "se afastarem da Otan".

 

Reportagem de Steve Holland e Jasper Ward / REUTERS

WASHINGTON - Os Estados Unidos não seguirão o caminho do Reino Unido e do Japão, que entraram em recessão, por ter uma recuperação fundamentalmente mais forte que tem permitido gastos saudáveis dos consumidores norte-americanos, com os gastos do governo Biden em infraestrutura e energia limpa fomentando o investimento empresarial, disse a assessora econômica da Casa Branca, Lael Brainard, neste final de semana.

Brainard disse a repórteres em uma conferência de economia que o crescimento contínuo dos EUA ajudaria a apoiar a economia global, inclusive para os países em desenvolvimento.

"Como a inflação caiu tão rapidamente, prevemos que o ambiente será bastante benigno" para os EUA, disse Brainard, diretora do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca.

Novos dados na terça-feira mostraram que tanto o Reino Unido quanto o Japão entraram inesperadamente em recessão, com o Produto Interno Bruto em queda no quarto trimestre após baixas no terceiro trimestre. Os gastos dos consumidores em ambos os países continuaram fracos.

Brainard atribuiu a posição mais forte dos EUA à aprovação do pacote inicial de resgate da Covid-19 do governo Biden, que permitiu que os norte-americanos voltassem a trabalhar mais cedo e ajudou as pequenas empresas.

A criação recorde de empresas, com 16 milhões de solicitações nos últimos três anos, e os investimentos do governo Biden em infraestrutura, fabricação de semicondutores e energia limpa "continuarão a proporcionar um ambiente de investimento forte e positivo para o investimento empresarial", disse ela.

Juntamente com um engajamento da força de trabalho e melhorias na produtividade, esses fatores podem ajudar a preparar o caminho para um crescimento duradouro de longo prazo, disse Brainard.

Brainard, ex-vice-chair do Federal Reserve, deu seguimento a esforços do governo Biden para promover suas políticas de investimento, argumentando que elas permitiram que a economia dos EUA desafiasse as previsões de recessão do ano passado.

No entanto, os repetidos esforços do governo para mostrar seus sucessos econômicos até agora não conseguiram persuadir um público norte-americano ainda abalado pela alta inflação pós-pandemia, levantando preocupações para os democratas, conforme o presidente dos EUA, Joe Biden, busca um segundo mandato na Casa Branca na eleição de 5 de novembro.

 

PREÇOS AINDA MUITO ALTOS

Brainard reconheceu que os norte-americanos estão "fartos" dos preços altos de produtos cotidianos, como alimentícios e moradias, e disse que o governo Biden tentaria reduzi-los, reprimindo práticas enganosas de preços, como a redução do tamanho das embalagens e as "taxas de lixo" cobradas por alguns prestadores de serviços.

Brainard se recusou a comentar diretamente dados de vendas no varejo dos EUA divulgados nesta quinta-feira que mostraram uma queda maior do que a esperada em janeiro. No entanto, ela disse que os consumidores estão se tornando mais criteriosos em relação às suas compras, o que pode levar alguns varejistas a reduzir os preços.

A economia dos EUA está mais saudável do que o previsto há um ano, mais forte do que no mesmo estágio de recuperações anteriores e melhor em termos de crescimento e inflação do que em outras economias avançadas, com a inflação cheia e seu núcleo perto de 2% nos últimos seis meses, disse Brainard.

As pressões de preços diminuíram mesmo com o crescimento em torno de 3% em 2023 e o desemprego permaneceu abaixo de 4% por dois anos, o período mais longo desde a década de 1960.

"Olhando para a história, nunca tivemos um ano em que a inflação tenha diminuído tão rapidamente, ao lado de um crescimento robusto e uma taxa de desemprego baixa e estável", disse Brainard.

 

 

Reportagem de Andrea Shalal / REUTERS

EUA - As vendas no varejo dos Estados Unidos caíram mais do que o esperado em janeiro, pressionadas por concessionárias de automóveis e postos de gasolina.

As vendas no varejo caíram 0,8% no mês passado, informou o Departamento de Comércio dos EUA na quinta-feira (15), provavelmente também prejudicadas pelas tempestades de inverno. Os dados de dezembro foram revisados para baixo, mostrando que as vendas aumentaram 0,4%, em vez de 0,6%, conforme informado anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters previam que as vendas no varejo cairiam 0,1%.

As vendas no varejo são principalmente de mercadorias e não são ajustadas pela inflação. A queda ocorreu após um desempenho bastante forte durante a temporada de festas. As vendas de dezembro também costumam ser parcialmente exageradas por fatores sazonais, o modelo que o governo usa para eliminar as flutuações sazonais dos dados.

As vendas no varejo não ajustadas normalmente caem em janeiro. Os fatores sazonais foram menos favoráveis em janeiro deste ano em comparação com anos anteriores, resultando na grande queda nas vendas ajustadas no mês passado. Os economistas haviam advertido, antes da divulgação dos dados, que não se deveria dar muita importância a essa queda acentuada.

“É difícil saber exatamente qual é o fator sazonal ‘certo’ para um determinado mês, mas os fatores sazonais associados a dezembro de 2023 e janeiro de 2024 parecem incomuns em relação aos associados a esses meses em anos anteriores”, disse Daniel Silver, economista do JP Morgan em Nova York.

“As mudanças individuais ajustadas sazonalmente para esses meses provavelmente devem ser desconsideradas ao tentar determinar a tendência dos dados.”

Embora seja provável que o ímpeto desacelere este ano, os gastos do consumidor continuam saudáveis, graças a um mercado de trabalho resiliente e ao aumento do poder de compra das famílias à medida que a inflação diminui.

Um relatório separado do Departamento do Trabalho dos EUA desta quinta-feira mostrou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 8 mil, para 212 mil, com ajuste sazonal, na semana encerrada em 10 de fevereiro.

Os pedidos estão oscilando em torno de níveis baixos, apesar de uma recente onda de demissões em massa de alto nível, principalmente nos setores de tecnologia e mídia. Os economistas haviam previsto 220 mil pedidos de auxílio para a última semana. Com o mercado de trabalho ainda apertado, alguns dos trabalhadores demitidos poderiam estar conseguindo novos empregos facilmente.

As vendas no varejo excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação diminuíram 0,4% em janeiro. O chamado núcleo das vendas no varejo corresponde mais estreitamente ao componente de gastos do consumidor do PIB.

O núcleo das vendas de dezembro foi revisado para baixo, mostrando um aumento de 0,6% em vez dos 0,8% informados anteriormente. Os economistas estão prevendo um forte crescimento nos gastos com serviços em janeiro, o que deve manter os gastos gerais do consumidor em alta.

Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aumentaram rapidamente no quarto trimestre, contribuindo para o ritmo de crescimento anualizado de 3,3% da economia. A economia se expandiu a uma taxa de 4,9% no trimestre de julho a setembro.

 

 

REUTERS

FORBES BRASIL

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Fevereiro 2024 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29      
Aviso de Privacidade

Este site utiliza cookies para proporcionar aos usuários uma melhor experiência de navegação.
Ao aceitar e continuar com a navegação, consideraremos que você concorda com esta utilização nos termos de nossa Política de Privacidade.