fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar

Inscrições devem ser feitas exclusivamente por e-mail, conforme edital

 

SOROCABA/SP - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP-So) do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) prorrogou até o dia 12 de junho as inscrições na seleção de estudantes para dedicação exclusiva ao curso de mestrado acadêmico, com início no segundo semestre de 2020.

O PPGEP-So, com área de concentração em Gestão de Operações, tem por objetivo formar pesquisadores que possam atuar em subáreas de pesquisas associadas ao planejamento, implementação, controle e aperfeiçoamento de sistemas produtivos em sentido amplo.

Podem participar do processo seletivo candidatos portadores de diplomas de graduação de instituições de Ensino Superior reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC) ou, provisoriamente, de certificado ou documento equivalente. As inscrições devem ser realizadas exclusivamente por e-mail, conforme instruções do edital, acessível no site www.ppgeps.ufscar.br.

O processo seletivo terá duas etapas, ambas de caráter eliminatório e classificatório: análise de currículo acadêmico e arguição sobre texto científico original e individual, elaborado pelo candidato.

As informações devem ser conferidas no edital e demais documentos disponíveis no site www.ppgeps.ufscar.br, na opção "Estude no PPGEP-So". Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (15) 3229-5990.

Inscrições vão até 28 de junho e os projetos podem ser alinhados junto aos pesquisadores da Universidade

 

SÃO CARLOS/SP - Empresas podem desenvolver projetos de pesquisa e inovação junto à Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O edital do Mestrado e Doutorado para Inovação - MAI/ DAI, aberto pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), prevê a colaboração entre o setor empresarial e a Universidade. O objetivo é contribuir para o aumento da capacidade inovadora e para o desenvolvimento científico-tecnológico do País.

O programa conta com 10 bolsas de Mestrado, 10 de Doutorado e até 60 de Iniciação Tecnológica. As bolsas serão custeadas pelo CNPq, cabendo às empresas apoiarem o desenvolvimento das pesquisas por meio de contrapartida prevista no Edital do processo (acesse aqui: https://ain.ufscar.br/MAI_DAI/Edital_MAI_DAI_UFSCar_27_05_2020.pdf). A implementação de bolsas de pós-graduação será feita em Programas já existentes na UFSCar. 

Inscrições - O prazo para inscrição vai até 28 de junho. Todas as empresas interessadas podem participar. A indicação, feita pelo Edital, é para que as empresas busquem Professores da Universidade para alinhamento da proposta e submissão conjunta. Para tanto, é possível usar a ferramenta de busca SAGINWeb, disponível no Portal da Agência de Inovação da UFSCar (acesse aqui: http://ain.ufscar.br/search.php?pesquisa). Os programas de Pós-Graduação da UFSCar podem ser consultados por meio do Portal da Pró-Reitoria de Pós-Graduação (acesse aqui: http://www.propg.ufscar.br/pt-br/pos-na-ufscar/programas).

"A aprovação da UFSCar para participar do Mestrado e Doutorado para Inovação representa uma ótima oportunidade: viabiliza pesquisas, desenvolvimento de processos e produtos inovadores, parcerias e o fortalecimento da formação de nossos estudantes. Investir em pesquisa e inovação é investir em pessoas, e investir em pessoas é construir um País com visão de futuro e capaz de superar desafios cada vez mais complexos", ressalta a Reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann.

O Programa - Lançado pelo CNPq em 2019, a UFSCar participa desde sua criação. "No ano passado implementamos 9 bolsas de Doutorado. Em 2020 teremos bolsas de Mestrado, Doutorado e Iniciação Tecnológica, totalizando até 80 bolsas. Nesta primeira fase do processo, empresas e Professores podem se inscrever para participar", explica o Representante Institucional da UFSCar para proposição junto ao CNPq, Rafael Aroca.

Confira:

Edital do processo UFSCar:
https://ain.ufscar.br/MAI_DAI/Edital_MAI_DAI_UFSCar_27_05_2020.pdf 

Plataforma para busca de projetos e pesquisas da UFSCar:
http://ain.ufscar.br/search.php?pesquisa

Dúvidas podem ser endereçadas ao e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Atividades são gratuitas e abertas a profissionais da Saúde e ao público em geral

 

SÃO CARLOS/SP - Ajudar a enfrentar os efeitos da ansiedade e do estresse causados pela pandemia da Covid-19 e a manter o equilíbrio emocional neste momento desafiador. Com esses objetivos, a Unidade Saúde Escola (USE) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está promovendo atividades de meditação a distância abertas ao público em geral. Supervisionadas pela psicóloga Daniela Xavier, da USE, as aulas podem ser acompanhadas pelo Youtube. Um outro grupo de prática online, voltado para profissionais da Saúde, terá início neste mês de junho, e as inscrições estão disponíveis.

No escopo do projeto, semanalmente, às sextas-feiras, são disponibilizados novos vídeos no Youtube (https://bit.ly/3dgzGvR). São reflexões e práticas de mindfulness (atenção plena), conceitos de Terapia Cognitiva e conteúdo interdisciplinar de educação em saúde. 

mindfulness consiste na atenção plena no momento presente, evitando julgamento dos desdobramentos das experiências. Com origem nas tradições religiosas orientais, tornou-se uma estratégia terapêutica secular, com sólida base científica. Seu emprego tem se mostrado benéfico em diversas condições de promoção de saúde, para redução do estresse, ansiedade, depressão, e amenizando sintomas de doenças crônicas. Já a Terapia Cognitiva, ou Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), visa desenvolver estratégias para modificar o pensamento e o sistema de crenças do indivíduo e produzir mudanças emocionais e comportamentais duradouras.

"Estamos sendo bombardeados por notícias assustadoras, temos incertezas e visualizamos a necessidade de mudanças. Neste momento tão desafiador para toda a humanidade a prática de diferentes formas de meditação pode nos auxiliar na redução dos níveis de estresse e ansiedade, tirando nossa mente do piloto automático, ampliando nossa capacidade de atenção e concentração e trazendo uma perspectiva de mudança na forma com que reagimos aos eventos internos - nossas sensações, pensamentos e sentimentos - e externos", afirma Xavier.

O projeto teve início no dia 23 de março. Os vídeos disponibilizados somam cerca de 400 visualizações e o canal possui 110 inscritos até o momento.

Profissionais da Saúde
Uma outra ação terá início ainda neste mês de junho, voltada exclusivamente para profissionais da Saúde como estratégia de autocuidado. "A meditação pode ser uma forma de cultivar a saúde mental desses profissionais e protegê-los do desgaste e da sobrecarga emocional", defende Xavier. 
A proposta, que prevê práticas de meditação ao vivo e gravadas, além da troca de experiências, tem parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de São Carlos e oferta 20 vagas. As lives serão realizadas pela plataforma Google Meet, em link a ser enviado aos inscritos. Os interessados devem se inscrever pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. As inscrições ficam abertas até o preenchimento das vagas. Outras informações podem ser solicitadas pelo mesmo e-mail.

Foram elaborados kits adultos e infantis distribuídos entre pacientes e acompanhantes

 

SÃO CARLOS/SP - A equipe de Terapia Ocupacional do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (HU-UFSCar/Ebserh) elaborou atividades específicas de lazer para pacientes internados e seus acompanhantes. A proposta está sendo implementada tanto na área reservada para casos de Covid-19 como da internação por outras doenças. 

Para o terapeuta ocupacional e idealizador do projeto, Daniel Ferreira Dahdah, as atividades de distração, diversão e lazer são comumente utilizadas no dia a dia, mas durante a internação, acabam ficando em segundo plano. "Isso pode gerar uma sobrecarga emocional no paciente porque todos os seus pensamentos estão concentrados no processo de adoecimento e imersos na rotina hospitalar, que é mais rígida e cheia de procedimentos muitas vezes desconhecidos e dolorosos. É necessário, então, estabelecer um equilíbrio a fim de evitar que o paciente sofra mais na vivência da hospitalização. Ainda mais neste contexto atual de pandemia, que se faz necessário o distanciamento das pessoas queridas", afirma Dahdah.

Mariana Ortelani de Toledo Martins, também terapeuta ocupacional do HU, destaca que "essas atividades são importantes para auxiliar os pacientes no enfrentamento dos desafios impostos pelo isolamento durante a sua estadia no Hospital".

Os kits são compostos por materiais de escritório e propostas de passatempos. A foto da equipe de Terapia Ocupacional foi impressa na capa na tentativa de aproximar os profissionais dos pacientes. "Essa tentativa é importante, uma vez que o uso dos vários equipamentos de proteção individual acaba prejudicando o contato face a face, tão necessário para criar uma relação de confiança e de segurança com os pacientes", explica Dahdah.

Além disso, para as crianças, foram confeccionados brinquedos com material reciclado que são descartados após a internação, para evitar a contaminação e transmissão de vírus. Os brinquedos são distribuídos de acordo com a idade do paciente. Para as mães de bebês de 0 a 1 ano também são oferecidas orientações sobre o desenvolvimento psicomotor e formas de estimular a criança durante a internação.

Metodologia utiliza sentidos humanos e materiais simples para auxiliar construções civis de maneira sustentável

 

SÃO CARLOS/SP - Um conjunto de procedimentos que facilita o diagnóstico ambiental de determinada área utilizada por agroecossistemas, para manutenção e recuperação de ambientes degradados, além da preservação e fortalecimento dos serviços de ecossistemas naturais compatibilizando com as engenharias, arquitetura e urbanismo está sendo proposto por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) como metodologia que utiliza quatro sentidos humanos - visão, tato, audição e olfato - na avaliação de atributos organizados em climas e zonas bioclimáticas, biota, relevo e solo. Ao final do processo, uma tabela numérico-semafórica com pontuações e cores indicativas mostra os potenciais e as restrições da área.

Intitulada "Processo para avaliação sensorial de atributos climáticos e da paisagem", a tecnologia de autoria dos pesquisadores Evandro de Castro Sanguinetto e Luiz Eduardo Moschini, do Departamento de Ciências Ambientais (DCam) da UFSCar, objetiva avaliar atributos climáticos e da paisagem através dos sentidos humanos e de um conjunto de procedimentos sobre o clima, a biota, o solo e o relevo (de uma área, terreno, microbacia etc.), com baixíssimo custo, alta eficiência, agilidade e facilidade de operação. Ou seja, a metodologia permite que qualquer pessoa realize o levantamento dos dados com embasamento cientifico.

Fruto da pesquisa de doutorado de Evandro Sanguinetto, que denominou a tecnologia com o nome comercial Sensia, a ideia surgiu a partir da percepção das limitações nas construções residenciais civis que não consideram as questões ambientais. De acordo com o pesquisador, principalmente em pequenos municípios, o poder público não dispõe de pessoal técnico que possa orientar empreendedores locais no planejamento e implantação de empreendimentos imobiliários mais sustentáveis e biofílicos.

Pensando na implicação de novos loteamentos executados sem cuidados ambientais, os pesquisadores resolveram utilizar os próprios sentidos humanos, além de materiais de fácil acesso, tais como cavadeira, garrafa de água, haste de arame, peneira e aplicativos de celular gratuitos. E, a partir disso, provaram que o responsável pela obra pode acompanhar o passo a passo dos atributos descritivos do levantamento com a pontuação associada. Para realizar a análise estatística, as informações são lançadas em uma planilha, resultando no quadro numérico - desde os mais restritivos aos menos restritivos - nas cores vermelho, laranja, amarelo, verde claro ou verde escuro. "Só de bater os olhos no quadro final já será possível verificar onde está o problema, por exemplo, uma declividade grande não permite uma construção ou exige que se gaste muito mais material para isso", explica Sanguinetto.

Mesmo sem informações de laboratório, o processo facilita o levantamento rápido de 27 atributos relativos ao ambiente, possibilitando um diagnóstico preciso de área para executar plantações, construções, previsões de riscos de erosões e outras instalações. "Em cerca de uma hora é possível levantar esses atributos, ganhando tempo e obtendo uma visão geral do local. Se a área for mais ampla, podemos realizar várias medições. Mas é importante ressaltar que este levantamento rápido oferece um diagnóstico ambiental básico ao planejamento, o que não significa que se deixe de consultar os profissionais necessários ao empreendimento", destaca o pesquisador.

Dada a efetividade da tecnologia sobre as pontuações para os agroecossistemas, produção florestal, ecossistemas naturais, recuperação de áreas degradadas, além das engenharias e urbanismo, com parâmetros que indicam restrições e benefícios para diferentes fins, os pesquisadores têm recebido propostas para a realização de cursos e venda de dados ambientais de modo a disponibilizar a tecnologia para uso e benefício da sociedade. Além disso, atualmente, eles buscam o desenvolvimento de um aplicativo de celular para facilitar a utilização do procedimento e auxiliar o trabalho dos engenheiros civis e dos profissionais que atuam na produção madeireira, agropecuária ou agricultura.

Todas as informações sobre a tecnologia estão disponíveis na Vitrine da Agência de Inovação (AIn) da UFSCar em www.inovacao.ufscar.br/vitrine-de-tecnologia.

88 projetos de extensão foram formalizados em dois meses

 

SÃO CARLOS/SP - Devido à pandemia do novo Coronavírus, a UFSCar suspendeu as atividades acadêmicas presenciais no dia 14 de março, mas continuou a atuar de forma predominantemente remota. As atividades presenciais continuaram apenas nos serviços essenciais, seguindo as orientações do Comitê de Controle e Cuidados em Relação à Covid-19 da UFSCar. 

O evento virtual denominado "Marcha pela Ciência e pela Vida: UFSCar em Ação no Combate à COVID-19" foi realizado no mês de maio para reportar as ações da Universidade em resposta à COVID-19. Foram cerca de 60 mini palestras mostrando ações da UFSCar nas áreas de saúde, educação e inclusão. Também foram apresentadas ações da UFSCar para adaptação de suas rotinas de trabalho e a trajetória de sua atuação na linha de frente contra a COVID-19. "Nesse momento da pandemia, a comunidade UFSCar decidiu apoiar a sociedade. Buscamos caminhos e soluções para o enfrentamento da COVID-19. Este evento trouxe uma amostra do que é a UFSCar", afirmou a Reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann. 

A UFSCar respondeu de forma espontânea às necessidades da sociedade. "A sociedade gritou por socorro e a UFSCar respondeu prontamente. Em 2 meses, foram formalizados 88 projetos de extensão voltados ao enfretamento da COVID-19, com participação de todos os Centros Acadêmicos da Universidade", explicou o Pró-Reitor de Extensão, Roberto Ferrari Júnior. Os temas das iniciativas? Produção de protetores faciais; álcool 70%; testes para diagnóstico da COVID-19; projeto de respiradores e outros equipamentos hospitalares; cartilhas de orientação e apoio aos mais diversos grupos em isolamento social; aplicativos; apoio a empresas em dificuldades, dentre outros.

Como foi possível, para a UFSCar, passar a atuar de forma predominantemente remota? "Nos últimos 3 anos a UFSCar investiu em infraestrutura de hardware, software e melhoria da sua rede. A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informação), o treinamento para uso do SEI a mais de 1.200 servidores docentes e técnico-administrativos e a digitalização de processos também foram fundamentais para a continuidade do trabalho durante a quarentena", afirmou Márcio Merino Fernandes, Pró-Reitor de Administração.  

Algumas ferramentas e serviços foram disponibilizados ou reforçados no início da quarentena, e a demanda aumentou fortemente. "Até o dia 26 de maio aconteceram quase 13 mil reuniões por meio do Google Meet, com cerca de 24 mil horas de encontros nesta plataforma. O Google Classroom, disponibilizado recentemente, já tem em torno de 300 salas criadas", contou o Secretário-Geral de Informática, Erick Lázaro Melo.

Continua depois da publicidade


 

Uma das estratégias para dar dinamismo às atividades de ensino de graduação ao longo da pandemia foi a criação de um Período Letivo Suplementar com o oferecimento de disciplinas de modo remoto. O foco destas disciplinas ofertadas foram atividades de monografia, trabalhos de conclusão de curso (TCC) e seus respectivos projetos, além de ACIEPES - Atividades Curriculares de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão, que por sua característica extensionista viabilizam uma ação direta na sociedade. Foram oferecidas 75 disciplinas e 69 ACIEPES. Estas contam com o envolvimento de mais de 212 docentes e 7.941 estudantes de graduação da UFSCar, além de membros da comunidade externa. "O período letivo suplementar viabilizou as ofertas das ACIEPES e a formalização das atividades que já vinham ocorrendo. Inicialmente ofertamos cerca de 4 mil vagas, mas ao final nós tivemos quase 8 mil inscrições e aceitamos praticamente todos os inscritos", afirmou Cláudia Gentile, Pró-Reitora Adjunta de Graduação.

Para auxiliar professores e alunos no desafio de estudar em ambientes virtuais, a Secretaria Geral de Educação a Distância (SEaD) criou o INOVAEH (Espaço de Apoio ao Ensino Híbrido), que reúne materiais destinados aos docentes, estudantes e demais interessados. O objetivo é a capacitação de professores nas novas tecnologias para que possam utilizá-las em suas atividades. Para os estudantes, o apoio é quanto à organização dos estudos.

O Hospital Universitário (HU-UFSCar) destinou 44 leitos para pacientes suspeitos ou confirmados e abriu sua Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com 10 leitos destinado à COVID-19. Na Unidade Saúde-Escola - USE estão sendo realizados 8 projetos de extensão e 3 projetos de pesquisa relacionados à COVID-19. Tanto o HU quanto a USE passaram a utilizar o teleatendimento, o telemonitoramento e a teleorientação como formas de interação remota.

Os Restaurantes Universitários continuam a funcionar de modo adaptado, com foco no apoio aos estudantes que permanecem na Universidade. As bolsas de permanência estão sendo mantidas ao longo da quarentena. Além disso, a Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (ProACE) reportou ações de acolhimento e orientação, mapeamento dos estudantes em vulnerabilidade, diagnóstico de necessidades, distribuição de máscaras e kits de limpeza para os apartamentos das moradias estudantis, suporte social, dentre outros serviços. 

Toda a movimentação da Comunidade UFSCar para enfrentar a COVID-19, ao longo dos primeiros 54 dias da quarentena, deu origem a 414 produtos de informação nos veículos de divulgação institucionais (Portal da UFSCar, InfoRede, Redes Sociais, dentre outros). O impacto das ações da UFSCar na imprensa foi marcante: 442 reportagens em 210 veículos de divulgação de todo o Brasil. O novo Coronavírus trouxe inúmeros desafios e a UFSCar, Universidade ativa, dinâmica e diversa, está se reinventando com o compromisso de melhorar a vida da comunidade, seja ela interna ou externa. "Mais do que nunca, a UFSCar está trabalhando e mostrando que é uma Universidade imprescindível para a sociedade", concluiu a Reitora Wanda Hoffmann. 

Para saber mais sobre as ações da UFSCar no combate e enfrentamento à COVID-19 acesse o Portal COVID-19 UFSCar.

Resultados sobre condições de acesso a computadores e à internet irão subsidiar medidas de apoio aos estudantes

 

SÃO CARLOS/SP - No momento em que o ensino a distância é discutido e adotado em diversos países, conhecer a realidade dos estudantes da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) é imprescindível. A UFSCar, por meio de sua Pró-Reitoria de Graduação (ProGrad), consultou os estudantes quanto às condições de acesso à internet e a equipamentos, durante a pandemia, para realizar atividades de seus cursos. A consulta também abordou condições de isolamento e de saúde mental. 

Participaram da consulta 7.483 estudantes, o que corresponde a 54,1% da graduação na UFSCar, em seus 4 campi. Com relação a condições de acesso a recursos tecnológicos em uma eventual oferta de disciplinas por meios virtuais, 93,9% dos estudantes declararam ter amplo acesso à internet, sem restrição no volume de dados. Quanto ao acesso a dispositivos para realização das atividades dos cursos, 78,8% afirmou ter um computador próprio, adequado ao estudo e aulas.

Com relação às condições de isolamento, 55,6% dos estudantes declarou estar em isolamento parcial (com saídas eventuais para compras essenciais); 41,8% declarou estar em isolamento total; e somente 1,7% afirmaram não estar em isolamento. Os estudantes relataram, ainda, sofrerem impactos financeiros e emocionais durante a pandemia da COVID-19. Dentre as preocupações, atraso para conclusão do curso e inseguranças em virtude da presente crise.

As respostas detalhadas podem ser consultadas, por campus e curso, no relatório da Consulta aos discentes acerca de suas condições de acesso ao ensino por meios virtuais. "Para nós foi de extrema importância a participação dos estudantes de maneira tão significativa e rica. Precisamos pensar, em conjunto, os próximos passos do ensino na Universidade. Para isso, a inclusão é fundamental", relata Cláudia Gentile, Pró-Reitora Adjunta de Graduação da UFSCar.

Trabalhando pela inclusão - A Secretaria de Informática (SIn) junto à Pró-Reitoria de Administração (ProAd) vêm trabalhando alternativas para a disponibilização de equipamentos e serviços que permitam acesso a aulas em ambientes de aprendizado remoto a todos os estudantes da UFSCar que não possuem plenas condições de acesso.

"Realizamos cotações e estamos em contato com as outras Universidade em busca de soluções técnicas que sejam viáveis para as necessidades de nossos alunos. A missão da Universidade é educar e seguimos trabalhando para vencer os desafios exigidos pelo contexto atual", finaliza Márcio Merino Fernandes, Pró-Reitor de Administração.

Além das ações locais, a Reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann, tem atuado junto ao Ministério da Educação (MEC) e à Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) em busca de soluções conjuntas para garantir acessibilidade e inclusão. "Precisamos apoiar estudantes em situação de vulnerabilidade para que tenham plenas condições de estudo, em todos os momentos - em períodos de quarentena ou não", defendeu a Reitora.

Inscrições podem ser realizadas até o dia 28 de junho

 

SÃO CARLOS/SP - A Agência de Inovação da UFSCar (AIn), a Pró-Reitoria de Pesquisa (ProPq), a Pró-Reitoria de Pós-Graduação (ProPG) e a Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tornam público o edital (https://bit.ly/3gBB6TJ) de seleção de orientadores e empresas parceiras no âmbito da Chamada CNPq Nº 12/2020 - Programa de Mestrado e Doutorado Acadêmico para Inovação (MAI/DAI).

O Programa busca fortalecer a pesquisa, o empreendedorismo e a inovação nas Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) do Brasil, por meio do envolvimento de pesquisadores em projetos de interesse do setor empresarial, mediante parceria com empresas. Na UFSCar, o edital prevê a implementação de bolsas em programas de pós-graduação para até 10 alunos de mestrado e 10 alunos de doutorado, além de até 60 bolsas de Iniciação Tecnológica e Industrial (ITI).

Os projetos devem ser aderentes às áreas prioritárias do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em setores das Tecnologias Estratégicas; Tecnologias Habilitadoras; Tecnologias de Produção; Tecnologias para o Desenvolvimento Sustentável; e Tecnologias para Qualidade de Vida. São também considerados prioritários os projetos de pesquisa Básica, Humanidades e Ciências Sociais que contribuam para o desenvolvimento das Tecnologias Prioritárias. 

As inscrições podem ser realizadas até o dia 28 de junho por qualquer empresa interessada ou por qualquer orientador credenciado em programa de pós-graduação da Universidade que tenha possibilidade de desenvolver projetos nessas áreas e em parceria com empresas. A inscrição não é garantia de aprovação ou disponibilização das bolsas pelo CNPq. Os interessados podem conferir todas as informações sobre o edital neste link (http://ain.ufscar.br/MAI_DAI/) e tirar dúvidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O edital do CNPq está disponível em https://bit.ly/3gBB6TJ.

Estudo investigou rotina de 1.476 crianças e jovens durante pandemia do novo Coronavírus

 

SOROCABA/SP - Uma pesquisa desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEd-So) do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) investigou as condições cotidianas que os alunos e alunas das escolas de Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio), das redes pública e privada da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS) têm enfrentado no contexto da pandemia do novo Coronavírus. O estudo, realizado nos meses de abril e maio deste ano, também enfocou o desenvolvimento de atividades escolares em casa, seus limites e possibilidades.

O levantamento contou com a aplicação de um questionário com 43 questões. Para os resultados, foram consideradas 1.476 respostas de estudantes de 6 a 18 anos do Ensino Fundamental I (1º ao 5º ano), Ensino Fundamental II (6º ao 9º ano) e Médio (1º ao 3º ano) de 18 municípios, entre eles Sorocaba, Itapetininga, Porto Feliz, Votorantim e Tatuí. A coordenação da equipe responsável pelo estudo foi dos professores Marcos Francisco Martins, Luciana C. S. Coutinho e Maria Carla Corrochano, do Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE-So) do Campus Sorocaba da UFSCar. 

Entre os resultados que mais chamam atenção dos pesquisadores, está o dado de que 41,68% dos estudantes investigados não estão aptos ao ensino remoto. Essa inaptidão pode ser de ordem estrutural (acesso à Internet, disponibilidade de computadores e celulares etc.) e também psicopedagógica (condições de acompanhamento das atividades por parte de pessoas que residem na mesma casa). Segundo o relatório da pesquisa, no Ensino Fundamental I e II os aspectos estruturais são mais presentes; já no Ensino Médio ocorre o contrário: os aspectos estruturais são menos relevantes que os psicopedagógicos.

A crise provocada pela Covid-19 é mais sentida conforme a classe, raça e gênero dos estudantes e seus familiares, apontam os pesquisadores. Nesse contexto, a figura da mãe aparece como sendo a principal mediadora das atividades escolares - 72,54% delas desempenham esse papel. Além disso, 4,26% dos alunos respondentes da rede particular conhecem alguém que não tem acesso à Internet em domicílio; na rede pública, esse número cresce para 19,13%. 

Além do acesso à Internet, outra defasagem é em relação ao número de horas diárias dedicadas ao estudo. Dos 173 alunos do Ensino Fundamental I, a maioria (124) dedica, no máximo, duas horas por dia - uma carga horária bem abaixo da regular na modalidade presencial (4 horas, sem contar as tarefas de casa). No Ensino Fundamental II, 56,5% dos respondentes das escolas privadas dedicam de três a quatro horas; já 60,2% dos respondentes das escolas públicas dedicam somente de uma a duas horas.

O levantamento constatou que os meios digitais foram majoritariamente empregados no contato das escolas com os estudantes e familiares, sendo o WhatsApp a plataforma predominante (50,81%). Também de acordo com as respostas, a maioria das crianças e jovens está em isolamento social. No Ensino Médio, por exemplo, 600 estudantes (96%) investigados têm respeitado o isolamento social provocado pela pandemia.

Continua depois da publicidade


Encaminhamentos
Para os pesquisadores da UFSCar, "o enfrentamento da pandemia exige a intersetorialidade na elaboração e na implantação de políticas públicas, articulando a área da Educação com as de Infraestrutura, Saúde, Assistência Social, Cultura, Esporte e Lazer, embora a máquina pública, historicamente, se caracterize por ser fragmentada".

A fim de que os resultados da pesquisa sirvam de subsídios para agentes públicos e privados traçarem políticas para dirimir os efeitos da pandemia no processo de ensino-aprendizagem, o relatório apresenta 25 diretrizes, divididas em duas categorias: 1. indicações de imediata implementação e 2. indicações para o retorno dos estudantes à escola. Essas diretrizes são direcionadas às secretarias municipais e estaduais de Educação, ao Ministério da Educação, a conselhos e comissões de Educação, e ao Ministério Público.

Entre as diretrizes para indicação imediata, estão: levantar o número de alunos que não possuem meios para o ensino remoto e fornecer esses equipamentos; ampliar o acesso aberto à Internet em territórios vulneráveis das 27 cidades da RMS; identificar alunos deficientes e analfabetos e produzir um plano de ação com vistas ao reforço no atendimento didático-pedagógico e psicológico; suspender as avaliações da aprendizagem com atribuição de notas e as de larga escala; unificar os calendários 2020 e 2021 em um único ciclo e sem reprovação.

Para o período pós-isolamento, o estudo sugere que seja feito um escalonamento do retorno às aulas e dos horários em um mesmo turno de aula. Também é recomendado demarcar locais com distância segura em espaços de refeição; implantar rodízio de dias para a ocupação das salas de aula e, se necessário, ampliar o horário de funcionamento das escolas; disponibilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) a toda a equipe da comunidade escolar; entre outras ações. 

O relatório integral da pesquisa intitulada "Condições e dinâmica cotidiana e educativa na RMS (Região Metropolitana de Sorocaba/SP) durante o afastamento social provocado pelo Coronavírus" pode ser acessado no site do PPGEd-So, no link https://bit.ly/36EkS7Y. Mais informações sobre o estudo podem ser obtidas com o professor Marcos Martins pelo e-mail marcosfranciscomartins@gmail.com.

Evento será realizado a distância entre os dias 24 e 27 de junho

 

SÃO CARLOS/SP - Está aberto até 8 de junho o prazo de submissão de resumos expandidos para o 1º CBDGeoMA - Congresso Brasileiro Digital de Geotecnia e Meio Ambiente, promovido pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP), e que será realizado online entre os dias 24 e 27 de junho. 

O CBDGeoMA é o primeiro congresso digital de Geotecnia e Meio Ambiente do Brasil, cujo objetivo é a aprendizagem e reciclagem de profissionais e estudantes da área, durante o isolamento social provocado pela pandemia da Covid-19. 

A iniciativa tem origem nas Jornadas de Geotecnia da UFSCar realizadas em 2012, 2013 e 2015 que evoluíram para Congresso, nesta edição totalmente a distância, extrapolando fronteiras, não só estaduais como nacional. O evento é organizado pelas professoras da UFSCar Marcilene Dantas Ferreira, do Departamento de Engenharia Civil (DECiv), e Cláudia Marisse dos Santos Rotta, do Centro de Ciências da Natureza (CCN), e pelo professor Jefferson Lins da Silva, da EESC-USP. 

A programação terá palestras, debates e interações entre profissionais e acadêmicos de renome nacional e internacional da USP, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), das universidades federais do Rio de Janeiro (UFRJ), de Brasília (UnB), de Minas Gerais (UFMG), do ABC (UFABC), de Alagoas (Ufal), do Paraná (UFPR), do Pará (UFPA), do Amazonas (Ufam) e de Pelotas (UFPel), das universidades estaduais de Campinas (Unicamp), Paulista (Unesp) e de Maringá (UEM), da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Goiás), da Uniararas, do Instituto Mauá de Tecnologia, da Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas (UPC) e da Universidad de la República (UdelaR) do Uruguai. 

Para apresentação durante o evento, são aceitos trabalhos nas sessões temáticas de Geotecnia e Meio Ambiente. Os interessados devem acessar o formulário e baixar o template do resumo, por meio deste link (https://linktr.ee/cbdgeoma), que também dá acesso às inscrições para as palestras. Todos os participantes receberão certificado.

O Congresso recebe apoio institucional da UFSCar, via Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), DECiv, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana (PPGEU) e Laboratório de Geociências; e da USP, pela EESC, Departamento de Geotecnia (SGS) e Laboratório de Geossintéticos. A iniciativa também conta com o apoio de empresas como EG Barreto e do canal Geotecnia Brasil.
Mais informações podem ser obtidas no site do evento (https://bit.ly/3erxTUV) ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O cronograma completo pode ser acessado aqui (https://bit.ly/3dbY4yT).

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30