fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
O impacto da pandemia para o turismo Divulgação

O impacto da pandemia para o turismo

Escrito por  Maio 18, 2020

Especialistas debatem estratégias para o setor durante e pós pandemia

 

SÃO PAULO/SP - O turismo, um dos maiores propulsores de desenvolvimento no Brasil, será um dos mais afetados pela pandemia provocada pelo novo coronavírus (COVID-19). O setor, que vinha crescendo exponencialmente, já sente os efeitos da pandemia e procura estratégias para passar pela crise.

Segundo relatório do WTTC (Conselho Mundial de Viagens e Turismo)* sobre o impacto econômico na cadeia turística, a queda drástica do setor de viagens e turismo, por conta da pandemia do coronavírus (Covid-19), pode custar até US$ 2,1 trilhões ao PIB global em 2020. O estudo, publicado no último dia 6 de abril, calcula que 75 milhões de postos de trabalho correm risco por conta da crise. “O impacto será em toda a cadeia, em todos os níveis de serviço, desde companhias aéreas – como a Avianca Holdings, que pediu recuperação judicial no começo de maio – e mega corporações do setor até pequenos hotéis. Para se ter uma ideia, o AirBnb, uma das empresas de vanguarda do turismo mundial, já anunciou corte de cerca de 25% de sua força de trabalho”, observa Leandro Begara, sócio e diretor de Inteligência de Mercado da Urban Systems.

O WTTC também incluiu o Brasil no grupo de países mais afetados pela pandemia. No País, nos primeiros meses deste ano, o setor do turismo já acumula perdas de R$62 bilhões, em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com estimativa divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)*. O estudo projeta ainda que os prejuízos já sofridos pelo setor têm potencial de reduzir até 300 mil empregos formais.

O estudo foi baseado em informações do Índice de Atividade do Turismo do IBGE com dados do fluxo de passageiros em voos domésticos e internacionais e levou em conta também a demanda por voos nos países mais infectados pela doença e o número de casos registrados de Covid-19. Segundo o documento, para cada aumento diário de 10% no número de novos casos, houve uma queda de 3,5% no fluxo de passageiros em relação ao dia anterior.

Continua depois da publicidade

Estratégias para a crise

Diante desse cenário, especialistas do setor tem debatido sobre as melhores estratégias para sobreviver durante a crise e como deverá ser a retomada pós pandemia. Segundo carta enviada ao Ministério do Turismo pelas principais entidades do setor no Brasil como a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV Nacional), Associação Brasileira de Indústria de Hotéis (ABIH), Associação Brasileira de Operadoras de Turismo (Braztoa) e Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas (Abracorp)*, “esta é a maior crise vivenciada pelo setor na era atual e prevemos um altíssimo índice de falências entre as empresas relacionadas ao turismo, resultando em milhares de pessoas desempregadas e impactos diretos e indiretos no PIB brasileiro”.

Para as entidades, medidas emergenciais são necessárias para garantir a sustentabilidade do setor. Dentre as demandas estão linhas de crédito com carência de pagamento, liberação de FGTS para funcionários do setor e padronização em relação às políticas de remarcações e cancelamentos de viagens.

No último dia 29 de abril o BTG Pactual promoveu uma live no Youtube* com a participação do ministro do turismo, Marcelo Álvaro Antônio, a fundadora da rede Blue Tree Hotels, Chieko Aoki, o chairman da JHSF, José Auriemo, e moderação de Mariana Oiticica, do BTG.

O Ministro do Turismo destacou que o ministério já está trabalhando em um plano que será puxado por uma grande divulgação dos destinos nacionais e a integração entre os modais de transporte, fazendo com que destinos próximos possam ser visitados em uma só viagem. “Vamos ter um amplo plano de promoção nacional do turismo brasileiro incentivando a nossa população a fazer o turismo doméstico e conhecer a nossa diversidade de destinos. Com isso, o objetivo é retomar o turismo do Brasil aos patamares já atingidos nos últimos tempos, transformando o potencial em realidade e em geração de emprego e renda para todos os brasileiros”, disse Marcelo Álvaro Antônio.

Ainda de acordo com o ministro, a retomada só será possível após a sobrevivência do setor. Para isso, Álvaro Antônio destacou a linha de crédito de até R$ 5 bilhões que deverá ser liberada pelo Ministério da Economia para ajudar os trabalhadores e empreendedores do turismo do País. “Essa medida provisória vai atender em 80% os micros e pequenos e 20% as empresas de médio e grande porte que prestam serviços turísticos no país. Vamos trabalhar para que este recurso possa ser ofertado de forma atrativa e com facilitações”, pontuou.

Os desafios do setor são múltiplos, desde a sobrevivência das empresas até a retomada econômica, que assim como diversos outros segmentos da economia também passará por uma nova leitura do comportamento dos clientes, conforme adianta Begara: “Infelizmente o quadro é bastante dramático, mas é fundamental que as empresas se preocupem com o futuro, com o que será o turismo na nova realidade pós pandemia. Os padrões de consumo se modificarão sensivelmente, e será preciso além do auxílio governamental, muita resiliência e criatividade para reestruturar este setor tão importante para nossa economia”.

Turismo compartilhado

O segmento de multipropriedades e timeshare também sofrerá as consequências da pandemia. Proprietários do mundo todo estão tentando descobrir a melhor maneira de alterar e cancelar as férias planejadas anteriormente.

A ADIT Brasil (Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil)* promoveu webinar com o objetivo de debater os desafios e melhores práticas para os projetos de turismo compartilhado no atual momento. O painel contou com a presença de Átila Gratão, diretor executivo da GAV Resorts; Édson Cândido, diretor de experiência vacation ownership da Aviva; Rafael Albuquerque, diretor de vacation ownership da GJP Hotels & Resorts; e João Paulo Mansano, sócio da New Time e UP!.

Além do movimento “não cancele, remarque”, os especialistas destacam que atualmente não estão focados em vendas, mas sim em manter os clientes. Para eles, a necessidade atual é entender o comportamento do consumidor diante do isolamento e trabalhar na regionalização de destinos. Átila Gratão destacou que o relacionamento com os clientes é peça chave para garantir a retomada futura. “Estamos focados em manter os clientes, valorizar os empreendimentos e pensar em soluções de longo prazo, para a retomada”.

O reforço das vendas e atendimentos por meio dos canais digitais também foi unanimidade durante o painel. Além disso, os lançamentos estão sendo revistos e investimentos adiados. Rafael Albuquerque, da GJP Hotels & Resorts, acredita que a retomada deva acontecer a partir de 2021. “Acredito que, em 2021, o turismo compartilhado deve atingir a expectativa de crescimento anterior à pandemia”.

Leandro Bergara destaca a característica inovadora do turismo compartilhado, o que pode ajudar na adaptação e recuperação após a crise. “A multipropriedade e o timeshare, praticamente recém nascidos no Brasil, trazem em seu DNA a inovação, e é este tipo de iniciativa que diferenciará quem irá prosperar no mercado futuro”, finaliza.

 

Conteúdo elaborado pela Redação Urban Systems.

*Fontes:

WTTC (Conselho Mundial de Viagens e Turismo

Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)

Diário do Turismo

Live – BTG Pactual

Adit – Associação para o Desenvolvimento Imobiliário e Turístico do Brasil

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Entre para postar comentários

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30