fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

RIO DE JANEIRO/RJ - MC Kevinho ganhou uma festa de aniversário surpresa organizada pela sua namorada, Gabriela Versiani, na última segunda-feira (14). O funkeiro, que completa 22 anos nesta terça-feira (15), ficou bem emocionado com o presente da amada.

Nas postagens feitas no Instagram, deu para observar que a festa aconteceu em uma casa com piscina e teve uma decoração personalizada com o nome do cantor. Além disso, a modelo fez uma declaração para o artista em sua rede social, que rendeu mais de 100 mil curtidas e muitos comentários de fãs e amigos do casal.

Com uma foto dos dois juntos, Gabriela abriu o coração ao falar do amado. “Não tem como a gente fugir quando é pra acontecer né? E hoje eu tenho muita certeza de que a gente tinha que ter acontecido um pro outro. Você despertou a minha melhor versão, o melhor que poderia ser, sem todos os sentidos. E como é bom dividir a vida com você, conhecer o mundo, pessoas, aproveitar tudo de melhor que a gente pode, e ainda encontrar um no outro a melhor companhia. Em pouco tempo (também por causa da quarentena) a gente estreitou muito a nossa relação, amadurecemos e nos fortalecemos, com toda proximidade, nos conhecemos intensamente em todas as qualidades e defeitos, e cada dia eu me apaixono e tenho mais orgulho do ser humano que você é!”, começou Gabriela Versiani.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Você foi uma surpresa pra mim, em todos os sentidos, uma surpresa linda, que me deu frio na barriga e brilho nos olhos! Não tem como a gente fugir quando é pra acontecer né? E hoje eu tenho muita certeza de que a gente tinha que ter acontecido um pro outro. Você despertou a minha melhor versão, o melhor que poderia ser, em todos os sentidos. E como é bom dividir a vida com você, conhecer o mundo, pessoas, aproveitar tudo de melhor que a gente pode, e ainda encontrar um no outro a melhor companhia. Em pouco tempo (também por causa da quarentena) a gente estreitou muito a nossa relação, amadurecemos e nos fortalecemos, com toda a proximidade, nos conhecemos intensamente em todas as qualidades e defeitos, e cada dia eu me apaixono e tenho mais orgulho do ser humano que você é! Além de todos os clichês, eu queria te dizer que eu amo cada um dos nossos dias, cada lembrança que eu tenho da gente, e cada sonho de momentos e conquistas que eu ainda quero ter com você. Espero ser pra você, todo o amor, segurança, cuidado e apoio que você é pra mim. Espero que a gente comemore não só hoje, mas a vida toda juntos, do jeito que a gente gosta! Obrigada por ser tanto e por me deixar fazer parte. Feliz aniversário, meu amor! Te amo (todo dia um pouco/muito mais). ♥️

Uma publicação compartilhada por Gabriela Versiani (@gabrielaversiani) em

 

“Além de todos os clichês, eu queria te dizer que eu amo cada um dos nossos dias, cada lembrança que eu tenho da gente, e cada sonho de momentos e conquistas que eu ainda quero ter com você. Espero ser pra você, todo o amor, segurança, cuidado e apoio que você é pra mim. Espero que a gente comemore não só hoje, mas a vida toda juntos, do jeito que a gente gosta! Obrigada por ser tanto e por me deixar fazer parte. Feliz aniversário, meu amor! Te amo (todo dia um pouco/muito mais)”, completou a modelo.

“Ah meu amor! Que Deus nos abençoe sempre! Te amo muito, não tenho nem palavras para descrever o quanto você é especial para mim! LOVE YOU MINHA GATAA”, respondeu o artista no post.

 

 

*Por: Anna Karolina / METROPOLITANA

O aniversário foi no último dia 9 de setembro. Curiosamente, Dia do Médico Veterinário!

 

SÃO CARLOS/SP - Se existe um espaço público municipal em São Carlos que resiste a crises econômicas e políticas, principalmente com as trocas de prefeitos, com certeza é o Parque. Ao longo dessas mais de quatro décadas, o ambiente se consolida como um dos mais prestigiados pela população quando o assunto é proteção e cuidado com a fauna. Por causa da pandemia, este ano não haverá programação especial para comemorar a data e, sobretudo, o retrospecto de reconhecimento e sucesso.

Um pouco da história - O Parque Ecológico nasceu em 1976 através de uma fundação criada entre a UFSCar e a Prefeitura Municipal. Surgiu com um conceito inovador para a época: trabalhar com a fauna brasileira, o que não era comum para zoológicos naquele período. Dra. Nícia Magalhães, criadora do Parque, idealizou recintos com apresentação natural e temática, propostas que seriam implantadas muitos anos depois nos zoológicos brasileiros.

O local escolhido também não poderia ser mais simbólico, a antiga piscina do Espraiado que na época estava desativada, mas guardava o carinho de muitos frequentadores do local. Aliás, esta piscina de água natural (atual lago de entrada do Parque) era abastecida pelo córrego do Espraiado, manancial de água da cidade preservado dentro do PESC que fornece água de qualidade há mais de 100 anos (captação Espraidado/Monjolinho, inaugurada em 1918). O local também serviu de estande de tiro para treinamento do Tiro de Guerra. Até hoje, marcas dos antigos atiradores estão gravadas nas madeiras que circundam o atual escritório do Parque.

Hoje o Parque é, certamente, o ponto turístico mais visitado e procurado na região. Com seus mais de 60 hectares, boa parte para passeio, é uma área verde importante para a cidade e que atrai cada vez mais pessoas de São Carlos, de cidades vizinhas e até de outros estados e países.

No Parque são abrigados cerca de 400 animais da fauna sul-americana, em especial a brasileira, como micos leões, dourado, preto e de cara dourada, jaguatiricas, emas (os animais símbolos do Parque), tamanduás bandeira e mirim, iguanas, serpentes de várias espécies, dentre muitos outros animais.

Um ponto muito forte do local é a educação ambiental para aumentar a consciência ecológica e de proteção dos recursos naturais. Para isso, são promovidas diversas atividades lúdicas como ações de contato com os animais e brincadeiras com crianças e adultos com a temática sobre a proteção da fauna. Também são realizadas campanhas de conscientização, como forma de sensibilizar contra o atropelamento de animais, e em especial a de recolhimento de esponjas dupla face usadas, que ensina a importância da reciclagem e recolhe um volume enorme de resíduos que iram para o aterro sanitário.

O Parque se diferencia no sucesso com a reprodução de várias espécies de animais, como os micos leões dourados, tamanduás e os ursos de óculos. Estes últimos são uma espécie ameaçada na América do Sul, e o Parque deu uma importante contribuição reproduzindo estes animais durante anos e enviando exemplares nascidos aqui para formar novos casais reprodutivos em outros zoológicos e parques, uma ação para conservação reconhecida nacionalmente. Os cervos do pantanal também se reproduzem com frequência no Parque, que além de contribuir para o Programa Nacional de Conservação dos Cervídeos Brasileiros, sob coordenação da UNESP de Jaboticabal, também recebeu da Associação de Zoológicos e Aquários do Brasil a responsabilidade de ser padrinho desta ameaçada espécie, mantendo e divulgando a necessidade de proteger este animal para as futuras gerações.

Para o diretor do Parque Ecológico de São Carlos, o biólogo Fernando Magnani (que, aliás, há mais de 30 anos está nessa função), a história de sucesso do espaço se deve a um conjunto de fatores, internos e externos, todos muito importantes, mas o comprometimento, dedicação, carinho e atenção de uma equipe multidisciplinar de funcionários é o grande destaque. “Todas as pessoas envolvidas nesse processo têm uma parcela significativa de contribuição para o êxito de todas as atividades desenvolvidas no Parque, sobretudo aquelas que dizem respeito especificamente ao zelo com os animais. Cuidados que vão desde a higiene diária dos recintos, alimentação balanceada e criteriosa, atenção com a saúde e bem estar, respeito ao comportamento individual das espécies e todos os demais manejos que compõem as estratégias de ação para garantir a quantidade e a qualidade de vida dos bichos que estão sob nossa responsabilidade. Afinal, como bem definiu Charles Darwin, a compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana”.

Para Mariel Olmo, secretário de Serviços Públicos, pasta da qual o Parque faz parte, apesar da falta de recursos para investimentos em diversas áreas da administração pública, as melhorias no local continuaram. “O Parque Ecológico é um patrimônio da cidade e mesmo com a escassez de recursos, porém com apoio da iniciativa privada e de destinação de emendas parlamentares, conseguimos adquirir um novo veículo, construir um novo recinto para os bugios, inclusive com conceito moderno e com o túnel, reformamos o recinto para aves na entrada do Parque e estamos finalizando as obras dos recintos para macacos amazônicos, a reforma do Centro de Educação Ambiental, uma reivindicação antiga dos servidores, além disso, aproveitamos esse período sem visitação pública em virtude da pandemia para construir novos sanitários e o fraldário”, ressalta o secretário. 

O Parque Ecológico “Dr. Antônio Teixeira Vianna” está fechado para visitação pública desde o dia 17 de março em cumprimento ao decreto nº 115, que dispõe sobre medidas não-farmacológicas e sim de distanciamento social para evitar a transmissão do novo coronavírus no município.

No momento o Departamento de Proteção e Defesa Animal da Secretaria de Serviços Públicos finaliza um protocolo específico de segurança sanitária para o retorno das visitações e atividades no local. O protocolo ainda será analisado pelo Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus.

SÃO PAULO/SP - Reconhecido mundialmente por suas obras fotográficas, Araquém Alcântara, um dos precursores da fotografia de natureza no Brasil, comemora 50 anos de uma carreira brilhante e consolidada.

Um dos mais importantes fotógrafos em atuação da atualidade, Araquém começou a fotografar ainda menino, reproduziu sua primeira foto em janeiro de 1970, e não parou mais.

Em meio século de andança, já conquistou 6 prêmios internacionais e mais de 70 prêmios nacionais. Os 55 livros lançados têm como base criativa o Brasil, sobretudo a Amazônia e o sertão brasileiro.

“Minhas fotos são um canto de amor à natureza e ao povo brasileiro. De um lado a fertilização imensa que é este país amazônico, verdadeira sinfonia de belezas. De outro, a violentação assassina dos santuários ecológicos, a degradação impune da natureza, o povo espoliado, faminto, sem futuro. ”

         

                              

Com fotos famosas que rodam o mundo, Araquém luta pela sustentabilidade, regularização fundiária da Amazônia e proteção dos povos indígenas, e acredita que esse é o momento para vetorizar todos os esforços para que o Brasil se torne uma grande potência verde.

“O momento para mudar o Brasil é agora, precisamos parar o desmatamento! O homem se afastou da natureza e na sua extrema ignorância pensa dominar e domesticar à sua maneira o vasto complexo biológico a que está submetido por leis maiores. Sou um artista de combate, indomado, viajante, colecionador de mundos. Minhas fotos convidam à reflexão, ativam a imaginação e o sonho. Não tenho compromissos com escolas, partidos e ideologias.”

No próximo dia 15 de agosto, Araquém retorna à Amazônia, num momento difícil e delicado em que vive a região e o povo indígena, por onde ficará um mês para registrar novos momentos que completarão sua obra sobre a floresta tropical. As imagens registradas serão expostas em uma feira de Frankfurt, na Alemanha, em outubro de 2021. Esse trabalho também contempla a série de lançamentos comemorativos.

“Eu cheguei a morar 5 meses na Amazônia, foi minha odisseia durante 15 anos, onde pude ver e conhecer as joias raras do país. Minhas fotos não são andaime de nada, elas são como música, celebram a vida.” 

Ainda em projetos comemorativos futuros, uma linha de produtos como camisetas, bonés e mochilas com suas obras estampadas estão em negociação.

BRASÍLIA/DF - O programa de rádio A Voz do Brasil completa 85 anos nesta quarta-feira (22). Idade avançada para pessoas e para instituições no Brasil. Uma frase atribuída a Leonardo da Vinci, que morreu idoso para o seu tempo (aos 67 anos), sentencia que “a vida bem preenchida torna-se longa”.

Em oito décadas e meia, A Voz do Brasil preencheu a vida dos ouvintes com notícias sobre 23 presidentes, em mandatos longínquos ou breves. Cobriu 12 eleições presidenciais, e manteve-se no ar durante a vigência de cinco constituições (1934, 1937, 1946, 1967 e 1988).

O programa cobriu a deposição dos presidentes Getúlio Vargas (1945) e João Goulart (1964), o suicídio de Vargas (1954), a redemocratização do país em dois momentos (1946 e 1985), o impeachment e renúncia de Fernando Collor (1992) e o impeachment de Dilma Rousseff (2016).

Além de notícias dos palácios do governo federal, A Voz do Brasil levou aos ouvintes informações sobre a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). O programa narrou as conquistas do país em cinco Copas do Mundo e a derrota em duas – a mais traumática em 1950. A Voz registrou a inauguração de Brasília (1960) e cobriu a morte de ídolos como Carmen Miranda (1955) e Ayrton Senna (1994).

Pelo rádio, e pela A Voz do Brasil, muitos brasileiros souberam da invenção da pílula anticoncepcional (1960), da descida do homem na Lua (1969), dos primeiros passos da telefonia móvel (1973), da queda do Muro de Berlim (1989) e da clonagem da ovelha Dolly (1998).

VIDA LONGA

A longevidade do programa A Voz do Brasil é assunto de interesse de historiadores e pesquisadores da mídia de massa no país. “É curioso como um programa de rádio se torna uma constância em um país de inconstância institucional, jurídica e legislativa”, observa Luiz Artur Ferrareto, autor de dois dos principais livros de radiojornalismo editados no Brasil.

Para Sonia Virginia Moreira, professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a longa duração do programa “tem muito a ver com a própria longevidade do rádio como meio de comunicação. A morte do rádio foi anunciada várias vezes e ele segue como um veículo muito importante no Brasil.”

“Nenhum governo abriu mão dessa ferramenta fantástica. A longevidade vem da percepção que os diferentes governos tiveram que manter essa ferramenta era algo que trazia uma vantagem enorme para o governo do ponto de vista das suas estratégias e para seus objetivos”, acrescenta Henrique Moreira, professor de jornalismo e especialista em história da mídia no Brasil.

Curiosidades sobre A Voz do Brasil

 A Voz Brasil nem sempre teve como trilha sonora de abertura trecho da ópera O Guarani (1870), de Carlos Gomes. O Hino da Independência (1822), composto por Dom Pedro I, e Aquarela do Brasil (1939), de Ary Barroso, também serviram para marcar o início do programa.

Além de trilhas diferentes, o programa teve nomes diferentes. Entre julho de 1935 e dezembro de 1937, se chamou Programa Nacional. Em janeiro de 1938, é rebatizado como A Hora do Brasil. Em setembro de 1946, ganha finalmente o nome A Voz do Brasil, como registra o livro Hora do clique: análise do programa de rádio Voz do Brasil da Velha à Nova República, de Lilian Perosa.

“Receando desagradar os opositores da Hora do Brasil, [o presidente Eurico Gaspar] Dutra admitiu fazer mudanças no programa que refletissem a fase democrática experimentada naquele momento. Em 6 de setembro de 1946, através do decreto nº 9.788, o programa passou a se chamar A Voz do Brasil.”

Além de nomes diferentes, o programa teve horário, formato e conteúdo distintos do atual: um rádio jornal, a partir das 19h, dividido entre os Três Poderes da República, narrando fatos e decisões ligadas à Presidência da República, ao Congresso Nacional, à Justiça e ao Tribunal de Contas da União.

No início, “trazia além de notícias, áudios e músicas - que exaltavam muito a cultura brasileira. Tudo isso integrando o projeto de consolidação do poder de Getúlio Vargas”, lembra a jornalista Isabela Azevedo, apresentadora do programa Na Trilha da História, veiculado pelas emissoras de rádio da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Ela explica as motivações das pautas nos primórdios do programa. “O período que o Getúlio Vargas ficou no poder foi caracterizado pela valorização dos símbolos da cultura nacional, como uma forma talvez de firmar uma identidade brasileira – uma identidade que se confundisse com o governo dele.”

O jornalista e escritor Lira Neto, autor de três volumes sobre a biografia de Getúlio Vargas, também assinala o uso do programa em benefício próprio. “Em 30 de setembro [de 1937] trechos selecionados do Plano Cohen foram divulgados pelo programa de rádio Hora do Brasil. O país quedou escandalizado ante a estrepitosa revelação. Perante o estado de comoção pública, o Congresso aprovou a volta do estado de guerra por larga margem de votos”, escreve Neto.

Como a história provou, o Plano Cohen era uma farsa sobre uma suposta conspiração judaico-comunista no Brasil e a mobilização que provocou, a partir de notícias inverídicas em diversos veículos, deu margem a Getúlio Vargas instituir o Estado Novo em 10 de novembro de 1937.

A história passa pelo A Voz do Brasil

“A história do Brasil passa, todos os dias, pelo programa. Da mesma forma, a história do programa também é parte e se confunde com a própria história do Brasil”, assinala a jornalista Alessandra Bastos que trabalha na equipe do programa A Voz do Brasil na EBC há 20 anos e hoje divide a apresentação com o jornalista Nasi Brum.

Alessandra Bastos é co-autora de um artigo acadêmico recentemente publicado na Revista Latino-Americana de Jornalismo, onde mostra a estreita relação da política com a história do rádio no país. Entre as informações curiosas, traz recortes da Revista do Rádio com reportagens da década de 1950 sobre A Voz do Brasil e a equipe a frente do radiojornal.

“Os apresentadores de rádio eram como os protagonistas da novela das oito. Eram estrelas, famosos. Cada notícia, cada erro ou acerto, cada novidade do programa era comentada nas revistas e jornais. Da mesma forma, a vida pessoal das estrelas causava curiosidade e atração. Ser apresentador da A Voz do Brasil era ser uma grande estrela e as revistas mostravam seus rostos que deixavam de ser anônimos.”

Cultura oral

Na opinião de Alessandra Bastos, A Voz do Brasil é extremamente importante para uma boa fatia da população. “Para muitos, é a única forma de saber o que pensa e o que faz o governo federal. É a única ponte entre o cidadão eleitor e seus representantes eleitos. É preceito constitucional a transparência e publicidade dos atos públicos, de todos e qualquer. Publicidade aqui no sentido de tornar público. E A Voz do Brasil coloca em ação esse direito, que é dado a todos e cada brasileiro.”

“A Voz do Brasil é um excelente momento para ter informações, para receber material, e para que seu ouvinte tenha algum contato com o país que ele vive”, complementa Luiz Artur Ferraretto. Para ele, a veiculação do programa “ainda se justifica em função das pequenas e médias emissoras, que não são totalmente jornalísticas.”

Ferrareto não desconsidera as mudanças que estão ocorrendo no rádio no século 21, por causa da internet, digitalização e do suporte do celular para ouvir notícias. Ele, no entanto, ressalta que o meio de comunicação continua sendo importante. “É sempre bom lembrar que em momentos de crise extrema, quando a gente está vivendo uma enchente ou um ciclone bomba, falta energia elétrica. O único meio que as pessoas têm vai ser o radinho de pilha.”

Na mesma linha, Sonia Virginia Moreira adiciona que o “rádio chega em qualquer lugar. Ainda hoje em ambiente de internet, que muitas pessoas têm pouco acesso ou, quando têm, a velocidade é muito baixa. [Elas] não conseguem ter um acesso de qualidade.”

Em sua opinião, A Voz do Brasil “tem um caráter informativo porque fala o que está acontecendo na capital do país. Fala dos Três Poderes. Muitas vezes as informações veiculadas em A Voz do Brasil, não têm em outros meios de comunicação.”

Além dessa razão, ela descreve que no Brasil “a cultura oral ainda é importante”, haja visto o número expressivo de pessoas que não sabem ler por analfabetismo absoluto ou têm dificuldades de compreensão por causa do analfabetismo funcional.

Como já reportado pela Agência Brasil, em 2018, havia 11,3 milhões de pessoas analfabetas com 15 anos ou mais de idade (dados do IBGE). Se todos residissem na mesma cidade, este lugar só seria menos populoso que São Paulo – a capital paulista tem população estimada de 12,2 milhões.

 

 

*Por Gilberto Costa – Repórter da Agência Brasil

RIO DE JANEIRO/RJ - Diferentemente do que acontece em todos os anos, o dia 21 de julho será de um novo tipo de comemoração para o Fluminense. Há 118 anos, o clube era fundado e, se no ano passado a celebração veio com uma programação especial junto aos torcedores com a tradicional "Flu Fest" nas Laranjeiras, desta vez o procedimento precisará ser diferente. Em meio à pandemia da COVID-19, o Tricolor segue com as atividades da sede social até o dia 31 de julho.

Orgulhoso por ser um dos protagonistas na luta pela cautela com relação ao retorno do futebol e das atividades no meio da pandemia, o Fluminense ainda não anunciou ações para o aniversário. O clube lançará o livro "Time De Guerreiros - A Epopeia do Tri", que já está em pré-venda na loja oficial. Através das redes sociais, o Flu afirmou que fará uma "Flu Fest" especial, mas ainda não divulgou maiores detalhes.

Além disso, o Fluminense está promovendo uma promoção durante o mês de aniversário em que não há cobrança da taxa de adesão de R$30 nos planos de Sócio Futebol. Já os novos associados do clube na categoria Contribuinte ficam isentos do pagamento da joia, nos valor de R$ 256,37 para sócios acima de 18 anos, R$ 127,49 para contribuintes entre 15 e 17 anos e R$ 127,49 para crianças entre 7 e 14 anos.

Essa ação tem a intenção de, junto a uma campanha voluntária da torcida, aumentar o quadro de sócios adimplentes do clube. Atualmente, esse número é de pouco mais de 33.300 pessoas. A meta da ação #ÉPeloFlu era alcançar os 36 mil sócios-torcedores até esta terça-feira.

Sede por títulos e crise financeira

O último título de expressão conquistado pelo Fluminense foi o Campeonato Brasileiro de 2012, quando o clube sagrou-se tetracampeão. Desde então, o Flu entrou em anos cada vez mais complicados financeiramente. O clube até acrescentou a Primeira Liga em 2016, a Taça Guanabara em 2017 e duas conquistas da Taça Rio, em 2018 e neste ano de 2020, à lista. No entanto, ainda não reencontrou o protagonismo no cenário nacional.

Uma das grandes justificativas para esse cenário está nos cofres. Em 2019, o clube fechou a temporada no vermelho pelo quarto ano seguido e apresentou déficit de R$ 9,3 milhões. Ao longo do ano passado, inclusive, o Flu viveu bastidores agitados politicamente, quando o então presidente Pedro Abad pediu a antecipação das eleições. Em junho, Mário Bittencourt acabou eleito.

Quando a atual diretoria assumiu, o clube tinha quatro meses de salários atrasados e cinco de imagem com os jogadores. Atualmente, os meses de maio e junho estão em aberto. Na imagem, o Fluminense deve janeiro, 50% de fevereiro, maio e junho. Portanto, a direção já pagou mais meses do que teve enquanto gestora.

#NósSomosAHistória

Fundado por Oscar Cox em 1902, o Fluminense surgiu do desejo de em disseminar a paixão pelo futebol no Rio de Janeiro. As cores, que inicialmente eram cinza e branco, foram substituídas dois anos depois pelo tradicional verde, branco e grená. O clube tricolor foi responsável por construir o primeiro estádio de cimento da América Latina, o Estádio de Laranjeiras, sede do Campeonato Sul-Americano de Seleções (atual Copa América) e dos Jogos Olímpicos Latino-Americanos (atualmente Jogos Pan-Americanos). Além disso, foi palco do primeiro título relevante da Seleção Brasileira.

Desde Cox, o Flu coleciona uma lista extensa de ídolos na história. Preguinho, autor do primeiro gol da Seleção Brasileira em Copas do Mundo, Castilho, Fred, Assis, Rivellino, Telê Santana, Romerito, Waldo, Darío Conca, Washington, Didi, Carlos Alberto Torres, Gerson, Pinheiro, Gum, Branco, Ézio, Renato Gaúcho, Deco entre outros, já fizeram a alegria da torcida nesses 118 anos.

Nas redes sociais, o clube utiliza a hashtag #NósSomosAHistória exatamente para exaltar os feitos ao longo dos anos.

 

 

*Por: Luiza Sá / LANCE!

IBATÉ/SP - Nesta última quarta-feira, 24 de junho, Ibaté completou 127 anos e, diferentemente da sua tradição, não haverá comemorações por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Para quem não lembra, no ano passado, o calendário dos 126 anos contou com a apresentação da Esquadrilha da Fumaça, Festival de Balonismo, Paramotores, Moto Festival, inaugurações e diversos shows, em especial, da Banda IRA e da dupla sertaneja Guilherme & Santiago.

O Rodeio de Ibaté, um dos maiores e melhores eventos do país no segmento, que seria realizado nesse ano, também teve de ser adiado para o próximo ano. “A gente fica muito triste de não poder comemorar o aniversário da nossa cidade, da forma que ela merece, mas temos que continuar vigilantes e entender que esse momento enfrentado pelo mundo, impede qualquer tipo de aglomerações de pessoas”, comentou o prefeito José Luiz Parella.

Nem mesmo o tradicional desfile cívico vai encantar as ruas e avenidas centrais da cidade. Nesta quarta-feira, o colorido das crianças será substituído pelo vazio que a pandemia exige e o encanto do ato cívico ficará para o ano que vem.

Aliás, não foram apenas as comemorações do aniversário da cidade que não puderam ser realizadas. A tradicional Festa do Trabalhador, no dia 1º de maio, que proporcionava alegria, lazer e entretenimento aos ibateenses, com diversos shows e sorteio de prêmios, também ficou para o próximo ano.

“Esperamos que tudo isso acabe logo e que o mundo volte a sua normalidade. Ibaté é uma cidade que cresce e mantém viva sua história e suas conquistas. Aproveito para parabenizar cada cidadão ibateense que, mesmo com tudo o que está acontecendo, não perde a sua fé e continua lutando pelo progresso e crescimento da nossa cidade. Parabéns, Ibaté”, finaliza Zé Parrella.

SÃO PAULO/SP - Thaeme Mariôto realizou um ensaio com a filha, Liz, e o marido, Fábio Dalua, neste final de semana. A cantora apostou em um cenário minimalista montado em um jardim, com direito a cabana branca, detalhes com flores e bolo rosa. As imagens foram registradas para marcar o 1 ano do nascimento da menina, que veio ao mundo no dia 20 de abril de 2019. "Sessão de fotos em comemoração ao 1º aniversário da pequena... Demorou, mas saiu! Com todos os cuidados necessários, é claro", avisou a dupla de Thiago em publicação no Instagram.

Filha de Thaeme Mariôto encanta a sertaneja por detalhe: 'Sorriso'

Apesar de ter feito o ensaio em família, quem roubou a cena na sessão de fotos foi a pequena Liz. A menina esbanjou fofura ao sorrir para a lente das câmeras e se divertir no ensaio. A filha de Thaeme Mariôto apostou em um lookinho com saia de babados, laços e faixa de flores na cabeça. Para a ocasião, a herdeira esbanjou fofura em visual com tons de rosa, branco e azul bebê. Um detalhe, no entanto, chamou atenção e encantou a cantora. "Quem aguenta esse sorriso de quase 4 dentes? Apaixonada por todas as fotos!", pontuou.

 

Thaeme Mariôto mostra filha comendo bolo: 'Smash the cake'

Thaeme Mariôto apostou em um ensaio descontraído com a filha, Liz. A sertaneja comprou um bolo com a confeiteira Thais Ayala e permitiu que a menina comesse com as mãos, trazendo uma vibe mais intimista e divertida para as fotos. "Fizemos o famoso Smash The Cake para comemorar seu primeiro aninho e será que a Liz gostou? Sim ou óbvio?", brincou a artista. O nome do ensaio Smash The Cake, que, em português, significa esmagar o bolo, é popular entre fotografias de bebês e crianças por mostrar essa relação entre o bebê e o doce.

Thaeme Mariôto detalha ensaio na quarentena: 'Todo o cuidado'

Thaeme Mariôto garantiu ter tomado todas as precauções dos órgãos de saúde ao realizar o ensaio com a filha, Liz. "Fiz uma sessão de fotos com a Liz para comemorar o primeiro aninho dela. Claro que fizemos com todo o cuidado do mundo. Até escolhi ao ar-livre por isso", explicou. A cantora está seguindo as normas do isolamento social devido a pandemia do coronavírus.

Famosos tietam filha de Thaeme Mariôto: 'Linda'

A sessão de fotos encantou muitos seguidores e famosos nas redes sociais. Nos comentários da publicação, alguns sertanejos celebraram a fofura da filha de Thaeme Mariôto. "Linda", avisou Karina Bacch i e, na sequência, Liah Soares continuou: "Família linda! Que Deus abençoe infinitamente". Os artistas como Naiara Azevedo e Pri Ferrari Dovan também elogiaram a imagem.

 

*Por Ana Clara Xavier / PUREPEOPLE

SÃO PAULO/SP - Gretchen completou 61 anos nesta última sexta-feira (29) e ganhou uma linda declaração do filho Thammy Miranda nas redes sociais.

Thammy usou seu Instagram para parabenizar a mãe e ainda fez uma emocionante declaração para a artista: “Assim que é sempre e pra sempre será. Você nos ensinou a te tratar como uma rainha e todas as mulheres. Que orgulho ser seu filho e ter você como referência!”, disse.

“Palavras aqui são só palavras, porque o sentimento que eu e meus irmãos temos por você não tem como escrever, é sentido… Te amo infinitamente, que Deus te dê cada dia mais saúde e que você seja a mulher mais feliz desse mundo! FELIZ ANIVERSÁRIO AMOR DA MINHA VIDA!!!”, encerrou.

Além de Thammy, Gretchen é mãe de 5 filhos, Giullia Vitória Cezimbra, Valentina Miranda, Décio Nascimento Jr., Gabriel Miranda e Sérgio Aversani.

Gretchen também usou seu Instagram para celebrar o aniversário. Ela postou uma foto celebrando o dia em que faz mais um ano de vida e falou sobre a idade: “Ser o que você quiser. Estar plena. Segura e confiante. Totalmente equilibrada. Ahhh… Que fase! Que venham os 61, 62, 63….. E sempre será assim. Cada vez melhor.”

*Por: JETSS.com

SÃO PAULO/SP - A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) completa 47 anos neste domingo, 26 de abril e amplia seu foco em projetos de pesquisa que buscam a parceria com o setor produtivo. O processo de reestruturação da Empresa, aliado a nova organização dos seus temas de pesquisa em 34 portfólios de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D), vem permitindo o alcance mais rápido de resultados, com contribuições efetivas para o agronegócio brasileiro.

Como desdobramento dessa maior proximidade com a iniciativa privada, a equipe de inovação e negócios da Empresa contabilizou, no ano passado, mais de 157 novas parcerias, que vem se somar às 118 já existentes. No total, foram celebrados 888 instrumentos de contratos e convênios, sendo 858 nacionais e 30 internacionais.

São 850 projetos de pesquisa em andamento em 43 Unidades. Em 2019, o número de projetos com a participação direta da iniciativa privada saltou do patamar de 5,9% para 12,1% e a projeção é chegar aos 40% até 2022. “Estamos movendo nossa programação de pesquisa para que em torno de 40% dos projetos atendam à solução de problemas imediatos do agro brasileiro. De maneira complementar, queremos ter ao redor de 60% dos projetos de pesquisa na linha indução tecnológica, ou seja, projetos que têm como base ou demandas presentes difusas ou demandas para a solução de problemas futuros, que ainda não afligem o produtor brasileiro”, destaca o presidente da Embrapa, Celso Moretti.

“As parcerias ajudam o Brasil a avançar no protagonismo da produção de alimentos, de fibras e de fontes de energia. A ampliação de projetos em parceria com o setor produtivo, sem dúvida, representa uma das prioridades, principalmente em função do impacto e dos benefícios não só para a pesquisa agropecuária, como para os diversos segmentos do agro no âmbito do mercado nacional de tecnologia e inovação”, complementa o presidente.

Por atuar em diversas frentes, atualmente a Embrapa conta com um conjunto de parceiros de perfis diferenciados como empresas públicas e privadas, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), universidades, associações, cooperativas, organizações estaduais de pesquisa e de assistência técnica e extensão rural, bancos, além de organismos internacionais.

Também encontra-se em fase de consolidação o sistema integrado de gestão ERP (Enterprise Resource Planning),que irá promover a integração de 170 processos internos da Empresa, dando mais agilidade, eficiência e segurança nas informações administrativas das Unidades.

Resultados recentes da pesquisa

Moretti chama a atenção para o fato de que, mesmo diante de desafios como o atual contexto de restrições orçamentárias e a necessidade constante de revisão e atualização das estruturas da Empresa, a estatal continua fazendo entregas relevantes para a sociedade.

Entre os destaques recentes está o BiomaPhos, um inoculante que aumenta a quantidade disponível de fósforo nos solos para absorção pelas plantas. Estima-se que haja cerca de US$ 40 bilhões em fósforo acumulados ao longo de décadas e que, com a tecnologia da Embrapa, possam ser apropriados pelas plantas, gerando economia e incremento da produtividade.

Outra entrega de impacto foi o aplicativo Zarc Plantio Certo, que permite ao produtor tomar decisões de forma ágil e prática, baseado em informações oficiais de zoneamento de risco climático. O presidente também destaca a participação da Empresa no consórcio internacional que sequenciou o genoma do fungo causador da ferrugem asiática (Phakopsorapachyrhizi), principal doença das lavouras brasileiras de soja e que causa US$ 2,8 bilhões de prejuízos para o país.

Entre as novidades previstas para 2020 está o início do processo de certificação e comercialização de produtos com a marca conceito Carne Carbono Neutro (CCN). A marca garante que os animais que deram origem ao produto tiveram as emissões de metano entérico compensadas durante o processo de produção pelo crescimento de árvores no sistema.

Outro produto aguardado é o sistema de inteligência territorial estratégica para impulsionar a produção aquícola. A Embrapa está mapeando, por imagens de satélite, os viveiros de criação de peixes e outros animais aquáticos em todo o Brasil. As informações ficarão disponíveis em uma plataforma online, que abrigará vasta quantidade de dados georreferenciados sobre a atividade.

O papel da pesquisa agropecuária no Brasil

Com o apoio da pesquisa agropecuária o país saiu da posição de importador de alimentos para grande player no mercado de commodities, o que vem assegurando, atualmente, o resultado de 22% do PIB brasileiro. O país é protagonista na produção e exportação de soja, café, carne bovina, carne de frango, suco de laranja e milho.

“Saímos de importador para exportador de alimentos e a Embrapa contribuiu fortemente ao longo de seus 47 anos para esse salto de produtividade do agro brasileiro” afirma Moretti, lembrando que outra importante frente da estatal é a contribuição para a formulação de políticas públicas, por meio da participação de seus cientistas no fornecimento de dados e informações técnicas.

Pronalos, Renovabio, ILPF, Zoneamento Agrícola de Risco Climático, Código Florestal, entre outros, são exemplos de políticas públicas que contaram com a participação da Embrapa nas últimas décadas e, neste momento que o país enfrenta a pandemia da Covid-19,a Empresa também têm dado rápidas respostas para a sociedade.

“Não tenho dúvida de que ao final de 2020 teremos uma Embrapa melhor, mais enxuta, mais responsiva e capaz de atender aos anseios e às demandas do agro brasileiro”, finaliza Moretti.

A Embrapa no enfrentamento à Covid-19

Para apoiar o Governo Federal no planejamento de estratégias territoriais de combate à Covid-19, a Embrapa sistematizou painéis gráficos que mostram o avanço dos casos da doença no território nacional.

Os painéis mostram a evolução temporal diária, além da espacialização estadual dos casos da doença. Os gráficos são estruturados mediante o uso do ArcGIS – software de geoprocessamento – sobre o banco de dados abertos disponibilizado pelo Ministério da Saúde. As informações por estado podem ser detalhadas a partir do acesso ao nome da unidade federativa. Essa iniciativa-piloto pode ser aprimorada de acordo com demandas específicas do Ministério da Saúde.

A Embrapa reuniu na página especial sobre a Covid-19, em seu Portal, cinco publicações para orientar produtores nas áreas de avicultura, suinocultura, bovinos de corte, ovinocultura e caprinocultura e aquicultura. Também foram disponibilizados boletins semanais sobre o impacto da Covid-19 para o setor leiteiro – Indicadores do Mercado de leite; informações sobre boas práticas de sanitização de hortaliças para consumo seguro, higiene e sanitização no processamento de alimentos e um guia prático de limpeza de alimentos visando a Covid-19, entre outros.

Também produziu um programa de rádio especial sobre o tema – Orientações para o agricultor se proteger do Coronavírus disponível na programação do Prosa Rural. A Empresa está se dedicando ainda a estudos de cenários e de Inteligência Estratégica sobre o agronegócio face à pandemia. Para conhecer a publicação “O Agronegócio em Tempo de Covid” acesse o Sistema de Inteligência Agropensa.

e-Campo, vitrine de capacitações online da Embrapa, ofertou diversos novos cursos nas duas últimas semanas, alguns gratuitos. Como resultado, as vagas esgotaram-se em poucos dias. Foram 30 mil inscritos apenas nas quatro capacitações de maior procura e um total de aproximadamente 45 mil novas inscrições.

Diante da demanda elevada, novas turmas online serão formadas, a partir de 11 de maio, para os cursos Recuperação de pastagens degradadas, Irrigaweb, Sistemas agroflorestais e Hortas em pequenos espaços. Além disso, novas capacitações serão lançadas. O curso sobre como fazer compostagem, tema de crescente interesse para o público urbano, abre inscrições na primeira quinzena de maio.

Saiba mais sobre as capacitações online acessando aqui

Todas as informações sobre as ações da Embrapa em tempos de Covid-19 estão reunidas na página Especial Covid-19 disponível no Portal – www.embrapa.br

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30