fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

SÃO PAULO/SP - O governador de São Paulo, João Doria, afirmou, nesta segunda-feira (29), que a partir do dia 1º de julho, com apoio das prefeituras, serão aplicadas multas para pessoas físicas que circularem em áreas públicas sem a máscara de proteção. A multa sobre pessoas físicas será de R$ 500. "O objetivo é orientar as pessoas sobre proteção."

Segundo o governo de São Paulo, os estabelecimentos comerciais que forem flagrados pela Vigilância Sanitária com pessoas sem máscaras de proteção contra o coronavírus serão multados em R$ 5 mil.

Continua depois da publicidade

As multas serão aplicadas de forma sucessiva, de acordo com o número de pessoas que estiverem sem o equipamento de proteção. "Se tiverem 10 pessoas sem máscaras, serão aplicadas 10 multas sucessivas", explicou Doria. A resolução será publicada no Diário Oficial.

"A máscara reduz enormemente a transmissibilidade. Esta medida deve ser entendida não como uma obrigação, mas como um fator de proteção. O indivíduo estará evitando a transmissão da doença", afirmou João Gabardo, secretário executivo do Comitê de Contingência do Coronavírus, em São Paulo.

O valor arrecadado com a aplicação das multas será destinado, segundo o governo, ao programa Alimento Solidário.

Segundo a administração estadual, a fiscalização ficará sob responsabilidade dos órgãos de saúde e, se houve algum problema, segundo Doria, poderão ser acionados agentes da segurança pública, como a polícia militar.

Campanhas para incentivo do uso das máscaras serão retomadas em julho. Haverá ainda um aumento da fiscalização no transporte público. "No transporte já é obrigatório. Vamos aumentar a vigilância no transporte de ônibus de São Paulo", disse Doria.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou que também irá participar da fiscalização com a Vigilância Sanitária municipal.

 

 

*Por: R7

SÃO CARLOS/SP - Uma ação solidária idealizada entre dois amigos de São Carlos será realizada na próxima sexta-feira (05), para ajudar as pessoas que mais precisam.

José Claudio Salvador e Clayton Renato Rangel dos Santos (Makale), querem juntar o útil ao agradável, onde tiveram a ideia de arrecadar alimentos e doar máscaras devido esta pandemia que estamos vivendo.

“Ivan Lucas, quem for dia 05 de maio, até o Pão de Queijo da Rua 9 de Julho, no numeral 1101, no Centro de São Carlos, e doar 1 kg de alimento não perecível vai ganhar uma máscara para se proteger contra o Covid-19” afirmou Makalé.

Já José Claudio, disse que a ação é realmente ajudar neste momento de crise. “Tem tanta gente passando fome e isso nos incomodou, onde conversei com Makalé e a ideia se torna ação nesta 6ª feira (05). Vamos arrecadar os alimentos e vamos proteger quem ainda não tem uma máscara” disse José Claudio.

Quem não puder doar Alimentos também ganhará uma máscara para se proteger.

Lembrando que a ação ocorrerá nesta sexta-feira (05), das 07 às 12h, no Pão de Queijo, localizado na Rua 9 de Julho, no Centro de São Carlos.

Participe.

SÃO CARLOS/SP - A Fundação Educacional São Carlos (FESC) publica no Diário Oficial do Município desta terça-feira (12/05), o Chamamento Público Nº 01/2020 para abertura de inscrições visando a contratação de prestadores de serviço de confecção de máscaras, cuja finalidade é emergencial para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus, com objetivo de proteger a população, através da destinação desse equipamento. As máscaras produzidas serão encaminhadas à Prefeitura Municipal de São Carlos que se encarregará de fazer a distribuição.

Inicialmente serão contratados 40 prestadores de serviço de costura industrial para a confecção de máscaras protetoras de tecido duplo. A jornada será de 4 horas diária, totalizando 20 horas semanais, com remuneração de R$ R$ 522,50 (quinhentos e vinte e dois reais e cinquenta centavos).

Os laboratórios de costura e maquinários da Universidade Aberta do Trabalhador, programa coordenado pela FESC, serão utilizados como oficina de costura, sendo de total responsabilidade da Fundação o fornecimento de materiais, suprimentos e condições de trabalho.

De acordo com Fernando Carvalho, diretor presidente da FESC, a oficina de costura e o local para montagem e higienização das mascarás serão montados no Campus 1, na rua São Sebastião, 2828, na Vila Nery, conhecido como Campo do Rui. “A nossa intenção é produzir mil máscaras por dia. Como oferecemos todos os anos cursos de Costura Industrial espero que muitos ex-alunos se inscrevam e nos ajudem nessa missão de confeccionar esses equipamentos de proteção para a população. Foi uma necessidade constatada pelo Comitê Emergencial de Combate ao Coronavírus, estudada juridicamente e que agora vamos concretizar”, disse Carvalho.

INSCRIÇÕES – As inscrições, gratuitas, deverão ser efetuadas no site da FESC (www.fesc.com.br) de 13 a 17 de maio, em formulário de inscrição próprio, a ser preenchido eletronicamente. É de única e exclusiva responsabilidade do candidato o preenchimento do formulário de inscrição e o envio dos documentos solicitados.

Para se inscrever é necessário comprovar experiência em costura industrial, renda familiar de até 2 salários mínimos ou estar desempregado, ser pessoa física, morar em São Carlos, não fazer parte de grupos de risco da COVID-19. O candidato deverá anexar, obrigatoriamente, ao formulário de inscrição, os seguintes documentos: RG, CPF, comprovante de endereço, comprovação de experiência (declaração, comprovantes e/ou cópia da carteira profissional). O comprovante de inscrição será encaminhado ao candidato ao final do preenchimento do formulário.

O contrato de prestação de serviços terá vigência de até 90 dias, podendo ser prorrogado a critério da Fundação Educacional São Carlos e de acordo com as necessidades da Administração Pública Municipal.

O chamamento público completo está disponível no link http://www.saocarlos.sp.gov.br/images/stories/diario_oficial_2020/DO_12052020_1562.pdf#page=2

MUNDO - A pandemia da covid-19 evidencia a forte dependência dos países ocidentais em relação aos equipamentos e insumos médicos produzidos na China, afirma Antoine Bondaz, pesquisador da Fundação francesa para a Pesquisa Estratégica e professor do Instituto de Estudos Políticos de Paris.

Segundo ele, a crise sanitária levará a reflexões sobre o aspecto estratégico da saúde e a necessidade de produzir localmente para reduzir o risco de falta de produtos, como ocorre atualmente no mundo todo.

A China concentra mais da metade da produção mundial de máscaras e cerca de um quinto no caso dos respiradores. Apesar de ter aumentado significativamente sua capacidade produtiva desde o início da pandemia, o país não é capaz de suprir a explosão da demanda internacional, ressalta o especialista em Ásia e geoestratégia.

Por isso, as tensões internacionais provocadas pela falta de máscaras e outros equipamentos essenciais para lutar contra a doença irão continuar, diz Bondaz. A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou recentemente que a pandemia de cCovid-19 está longe de ter terminado.

Alguns países, como a França ou a República Tcheca, confiscaram máscaras destinadas a Itália e outros mercados. Os Estados Unidos, atual epicentro do novo coronavírus, sofreram várias acusações de desviar equipamentos no enfrentamento da pandemia - uma delas feita pelo governo da Bahia, que havia comprado centenas de respiradores chineses. O governo americano negou ter adquirido ou bloqueado o material médico brasileiro.

Antes do surgimento da covid-19, a China produzia 20 milhões de máscaras cirúrgicas por dia. Esse número diário passou para mais de 120 milhões em março. Apenas a França comprou dois bilhões de máscaras da China, que vêm sendo entregues progressivamente.

A produção chinesa do disputado modelo de máscaras com filtro, as FFP-2 (ou N95 nos Estados Unidos), utilizadas em hospitais, é mais escassa ainda, de apenas cerca de 1,6 milhão por dia atualmente.

"A forte dependência do Ocidente em relação à China nos setores ligados à saúde deve levar governos a redefinirem o que é estratégico", afirma Bondaz.

Diante da disputa internacional por equipamentos de proteção, aparelhos, agentes reativos para testes e remédios (nesse caso também produzidos em larga na Índia), países veem a necessidade de reduzir sua exposição ao risco da falta de produtos, se tornando menos dependentes da Ásia.

É a linha adotada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que vem reiterando a importância de produzir máscaras e outros equipamentos internamente.

Em vários países, a escassez de equipamentos de proteção e outros insumos levou muitas empresas de setores variados a se voltarem para a produção desses itens. O grupo automotivo francês PSA, por exemplo, está fabricando respiradores em parceria com a Air Liquide, de gases industriais.

"Um consenso está surgindo com essa crise: o reforço da autonomia estratégica da Europa, a nossa capacidade de reduzir nossa dependência do resto do mundo e reforçar nossa capacidade de produzir, no plano sanitário, materiais de proteção e o que precisamos", afirmou Macron, sem mencionar especificamente a China.

A declaração foi feita logo após uma reunião recente do Conselho Europeu, o encontro de chefes de Estado e de governo do continente. Para Macron, a Europa precisa ir além das iniciativas atuais de produção no setor da saúde. A reorganização das cadeias produtivas do continente "para reduzir a dependência do resto do mundo" vai ser analisada pela Comissão Europeia, segundo o líder francês.

‘Países Ricos Falharam’

Segundo Bondaz, os países ricos "falharam, e feio", em não antecipar corretamente as consequências de uma eventual pandemia com propagação extremamente rápida, como a do novo coronavírus, e não se se prepararam para isso.

Por questões financeiras, diz ele, os países ricos consideraram que a produção chinesa de equipamentos médico-hospitalares, mais barata, seria suficiente para atender a demanda em caso de crise.

O pesquisador afirma que os países desenvolvidos subestimaram os riscos.

"Uma pandemia mundial respiratória necessita de equipamentos de proteção em quantidades consideráveis. Eles não souberam prever esse cenário e agora pagam as consequências", afirma.

Para Bondaz, os países ricos "não têm desculpas" para não ter estoques, já que dispõem mais recursos para se preparar a eventuais crises sanitárias. Na França, como faltavam máscaras para os profissionais de saúde, o governo até recentemente recomendava que a população não as utilizasse, apenas as pessoas infectadas. Agora, passou a incentivar o uso geral. A mudança de discurso causou polêmica no país.

Em 2009, o Estado francês dispunha, para enfrentar uma eventual pandemia, de uma "reserva estratégica" de um bilhão de máscaras cirúrgicas e mais de 700 milhões da FFP-2. Para cortar gastos, essa reserva foi amplamente reduzida. Em março deste ano, quando a situação começou a se agravar, o estoque francês era, respectivamente, de 150 milhões de máscaras cirúrgicas e zero de FFP-2, segundo o Ministério da Saúde.

"O maior problema é que as economias ricas, que enfrentam uma grave crise sanitária, dispõem de meios limitados e não têm capacidade para ajudar os demais países", diz Bondaz. O governo norte-americano, por exemplo, afirmou que só ajudará o Brasil com insumos médicos quando a situação melhorar nos Estados Unidos.

"Em vez de ajudar, os países ricos estão acirrando a competição pelos equipamentos, tornando a situação mais difícil para os demais", afirma o pesquisador. Além disso, a forte demanda provocou a explosão dos preços.

Países da América Latina e África, diz ele, onde a pandemia chegou posteriormente, têm de concorrer com economias ricas que podem pagar mais pelos produtos, rapidamente e fazem encomendas gigantes - como os dois bilhões de máscaras comprados pela França.

Isolamento do Brasil

Uma saída apontada pelo pesquisador seria que o Brasil fizesse compras de máscaras e outros equipamentos em conjunto com países da América Latina para ter mais peso na disputa com economias ricas pelos produtos.

Quando a situação sanitária melhorar nas economias ricas, elas devem começar a ajudar os países em desenvolvimento. A União Europeia tende a se voltar para a África, como já faz tradicionalmente, diz Bondaz.

No caso do Brasil, o isolamento diplomático do país na atual gestão deve complicar a possibilidade de ajuda internacional (exceto, possivelmente, a americana) para combater a pandemia, afirma o pesquisador.

Na semana passada, a OMS apresentou uma aliança global de colaboração científica para acelerar a pesquisa de tratamentos, testes e vacinas para a covid-19. A iniciativa foi impulsionada por Macron e conta com a adesão de líderes de vários países.

O Brasil, apesar de ter tido papel de destaque em ações para facilitar o acesso global a medicamentos, não foi convidado para o evento que lançou a aliança. Foi o caso também dos Estados Unidos.

 

 

*Por: BBCNEWS

As entregas foram para Angatuba, Campina do Monte Alegre, Buri e para o ambulatório do próprio campus

 

LAGOA DO SINO/SP - As máscaras de proteção tipo face shield foram produzidas na UFSCar, no Campus São Carlos, pelo projeto intitulado "Produção de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) no combate à Pandemia de Covid-19", coordenado pelo Professor Rafael Vidal Aroca. O projeto vem produzindo e distribuindo máscaras desde o mês de março.  

As face shields foram doadas aos municípios de Buri (60 unidades); Angatuba (60 unidades) e Campina do Monte Alegre (30 unidades), todos na região do Campus Lagoa do Sino da UFSCar. Além disso, 20 máscaras foram entregues para o ambulatório do próprio campus. A entrega das face shields foi realizada pelo Diretor do Campus Lagoa do Sino, Edenis César de Oliveira.  

As máscaras serão utilizadas por profissionais da saúde. "Em todas as entregas, os profissionais agradeceram à UFSCar pela doação. Eles nos contaram da dificuldade que vem sendo adquirir estes equipamentos de proteção devido aos altos preços, bem como pouca disponibilidade para compra. Nossos técnicos, professores e estudantes residem nestas cidades, então apoiamos diretamente tanto a comunidade UFSCar como a sociedade em geral", destaca o Professor Edenis.  

Conheça e apoie projetos da UFSCar (Campus São Carlos) que vêm produzindo protetores faciais acessando o Portal da UFSCar.

ITIRAPINA/SP - O Fundo Social/Secretaria da Assistência e Desenvolvimento Social distribuiu máscaras de proteção, em razão da pandemia do Coronavírus, para os integrantes do Programa Viva Leite, o qual distribui litros de leite enriquecidos com ferro e vitaminas A e D para famílias em estado de vulnerabilidade, priorizando renda familiar de até um quarto de salário mínimo per capita, atendendo crianças de 6 meses a 5 anos e 11 meses. Em Itirapina, 62 famílias são contempladas pelo Programa.

As pessoas de alto grau de vulnerabilidade que permanecem em áreas públicas como praças e jardins, além de outros cuidados como kits de higiene e alimentação, também estão recebendo máscaras de proteção.

“O material foi confeccionado por voluntárias da cidade, as quais já registro aqui a minha gratidão, em nome das pessoas beneficiadas. Estamos viabilizando a aquisição de mais máscara para serem distribuídas e atingir o maior número de pessoas possíveis”, comentou a Secretária Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Mari Leila Bacciotti.

 

 

*Por: PMI

SÃO PAULO/SP - O governador de São Paulo João Doria anunciou nesta segunda-feira (4), em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, que o Estado publicará na terça-feira (5) um decreto que torna obrigatório o uso de máscaras para todos os cidadãos que circularem pelas ruas das cidades.

A medida, segundo o governo, passa a valer a partir da quinta-feira (7) de maio. A regulamentação sobre punições será de responsabilidade das prefeituras. "A exemplo da cidade de São Paulo, adotamos a obrigatoriedade em todos os meios de transporte público e privado."

O prefeito Bruno Covas disse que ainda não está definido se a fiscalização será feita pela Guarda Civil Municipal ou por fiscais das subprefeituras, nem se a multa será aplicada a pessoas ou a estabelecimentos que permitirem o acesso. A previsão é que até o dia 7 de maio as regras estejam definidas.

O governador não descartou a possibilidade de decretar lockdown no estado, mas afirmou que "neste momento, não está sendo analisado".

As cidades que registraram menores índices de adesão ao isolamento social foram Sorocaba, Jundiaí e Americana (50%), Assis, Itapeva, Sumaré, Itatiba, Piracicaba, Santa Bárbara do Oeste e Barueri (49%), Marilia (48%), Matão (47%), Ribeirão Preto (47%), São José do Rio Preto (46%), Bauru, Araraquara e Limeira (45%), Araçatuba, Presidente Prudente e Catanduva (44%).

Fundo Municipal de Saneamento

Doria anunciou que o estado vai destinar R$ 300 milhões do Fundo Municipal de Saneamento ao combate contra o coronavírus. O valor é referente aos rendimentos da Sabesp que, normalmente seriam aplicados em saneamento e infraestrutura.

O governador afirmou ainda que ocorreu nesta segunda-feira (4) a sétima reunião do Comitê Empresarial Solidário, que conta com a participação de 362 empresas.

Na reunião foram arecadados R$ 77,7 milhões em doações de dinheiro, produtos e serviços. Ao todo, o comitê arrecadou R$ 577,7 milhões desde o início da pandemia, em recursos para o atendimento à saúde, proteção social, educação e segurança pública, com doações integralmente feitas pelo setor privado.

Isolamento social

Segundo o Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI-SP) do governo de São Paulo, o percentual de isolamento social no Estado foi de 59% no domingo (3).

A central de inteligência analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficácia das medidas de isolamento social. Com isso, é possível apontar em quais regiões a adesão à quarentena é maior e em quais as campanhas de conscientização precisam ser intensificadas, inclusive com apoio das prefeituras.

Socorro a estados e municípios

O governador Doria se pronunciou favoravelmente ao projeto de lei aprovado no Senado Federal que prevê um socorro de R$ 125 bilhões aos estados e municípios. O valor, previsto pelo Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/2020), inclui repasses diretos e suspensão de dívidas.

"Ainda que não tenha sido o ideal, foi o possível, e nós reconhecemos isso", avaliou o governador. A matéria seguirá para votação na Câmara. Segundo o governador o valor será destinado à proteção da saúde e à proteção social.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, afirma que o recurso vem suprir um "grande rombo" gerado pela perda de arrecadação de ISS e ICMS durante a pandemia. O plano de alocação desses recursos ainda será realizado pelas equipes do Desenvolvimento Econômico, da Fazenda e Planejamento, da Saúde e da Secretaria de Governo.

 

 

*Por: Fabíola Perez, do R7

MUNDO - Milhões de máscaras estão sendo distribuídas na Espanha, onde seu uso no transporte público é obrigatório a partir desta segunda-feira (4), enquanto algumas pequenas empresas começaram a retomar suas atividades em um relaxamento gradual do rigoroso confinamento do país.

A Espanha, um dos países mais atingidos pela pandemia de coronavírus, registrou 164 novas mortes em 24 horas nesta segunda-feira, o mesmo número registrado no dia anterior, elevando o total de vítimas fatais para 25.428, de acordo com o balanço do ministério da Saúde.

O país registrou 545 novos casos do vírus, o número mais baixo desde o início do confinamento dos 47 milhões de espanhóis, em 14 de março.

São dados "muito bons", comemorou Fernando Simón, do centro de emergências de saúde do ministério da Saúde.

Ele alertou, porém, que poderia haver atrasos na notificação de casos do fim de semana.

Milhões de máscaras começaram a ser distribuídas nas estações de metrô, uma vez que  seu uso obrigatório no transporte público entrou em vigor hoje.

Na estação Puerta del Sol, no coração de Madri, uma mensagem ecoava: "O uso de máscara é obrigatório para todos os usuários, tanto dentro dos trens quanto nas instalações".

A polícia municipal e agentes da proteção civil entregavam as máscaras, embora muitos usuários já portassem próprias.

"Começa a ter mais pessoas. Até hoje não tinha visto tantas pessoas usando máscaras e hoje sim", comentou ao sair do metrô Cristina Jiménez, de 31 anos, funcionária de uma casa de câmbio que continuou trabalhando nas últimas sem

"Com essa situação, todos deveríamos ter medo. Quem não perdeu o emprego, com a crise que vai acontecer, pode perdê-lo", diz. Mas "o importante é estarmos bem, e o trabalho no final, se não é um, é outro", conclui.

Dentro do plano do governo de flexibilizar gradualmente o confinamento, empresas com menos de 400 m2 podem reabrir para prestar serviços através de um sistema de agendamento e sob rigorosas medidas de higiene.

Os salões de beleza, por exemplo, notaram alta demanda.

"Hoje há um pouco de caos. Muitos clientes estão ligando para marcar um horário", disse Conchi Navarro, cabeleireira de 56 anos. Ela abriu seu salão em Barcelona esta manhã apenas para clientes mediante agendamento.

De acordo com o plano do governo, a Espanha entrará na fase 1 da desescalada em 11 de maio - exceto algumas ilhas nas Canárias e Baleares que o fizeram nesta segunda-feira -, quando serão permitidas reuniões de até dez pessoas mantendo a distância social ou a abertura de lojas com capacidade limitada.

 

 

*Por: AFP

Produto resulta de parceria com fabricante de brinquedos

 

SÃO CARLOS/SP - A Nanox Tecnologia (www.nanox.com.br), empresa-filha da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), acaba de lançar máscara respiratória equivalente àquelas conhecidas como N95, mas com duas vantagens importantes: é reutilizável e o material do qual é feita tem propriedades bactericidas, antifúngicas e antivirais.
O produto é resultado de parceria com a fabricante de brinquedos Elka, que buscava destinação para seu parque industrial ocioso devido à pandemia de Covid-19. O contato foi estabelecido via IEC Partners, organização dos Estados Unidos que já interagia com ambas as empresas.
As propriedades antimicrobianas da máscara são resultantes da adição de micropartículas de prata aos polímeros dos quais é constituída a sua estrutura. Embora ainda não tenha sido possível comprovar sua ação contra o SARS-CoV-2, causador da Covid-19, o material já tem ação comprovada contra outros vírus. Além disso, a ação bactericida e antifúngica ajuda a evitar outras contaminações comuns em ambientes hospitalares, como, por exemplo, a pneumonia bacteriana.
O equipamento, batizado de Oto, é uma alternativa para profissionais de Saúde e outros usuários, especialmente diante da escassez de equipamentos de proteção individual (EPIs). A higienização demanda apenas água e sabão, além da troca do elemento filtrante (do tipo PFF2, descartável, fornecido no kit junto com as máscaras). 
A empresa está recebendo pré-reservas, e as entregas devem começar no final da primeira quinzena de maio. A capacidade instalada de produção já é de 200 mil unidades por mês, mas há possibilidade de ampliação para um milhão de máscaras, de acordo com a demanda.
Mais informações em www.otomask.com.br.

Nanox
A Nanox foi criada em 2004, por estudantes de iniciação científica e mestrado da UFSCar. Ela é uma spin-off do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que tem sede na UFSCar. Na ocasião, a partir de demanda apresentada por uma fabricante de eletrodomésticos, os então estudantes vislumbraram a oportunidade de empreender na área de materiais baseados em nanotecnologia, à época quase inexistente no Brasil. Além da própria Fapesp, por meio do Programa de Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), a Nanox também recebeu apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

SANTA RITA DO PASSA QUATRO/SP - A Polícia Militar, através do Convênio da Atividade Delegada, nas cidades de Descalvado e Santa Rita do Passa Quatro, reforçou a segurança dos cidadãos nas proximidades das agências bancárias e lotéricas.

Preocupados também com a saúde da população, os Policiais Militares distribuíram máscaras caseiras para idosos e pessoas do grupo de risco.

Respeitem as recomendações do Ministério da Saúde, principalmente nas filas dos bancos e lotéricas.

Orientem seus familiares, especialmente os idosos. Em caso de emergência, ligue 190.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30