fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Ser Mãe Maravilha Reprodução

Ser Mãe Maravilha

Escrito por  Maio 09, 2021

SÃO CARLOS/SP - Ao descobrir a maternidade a mulher recebe, ao mesmo tempo, uma adversidade de emoções, para muitas, a alegria é imensa, mas, junto com a alegria de saber que se carrega no ventre uma nova vida, há também muitas dúvidas, anseios, medos e insegurança.

 Muitas vezes, após o nascimento da criança, esses sentimentos são intensificados; a mãe agora se encontra fusionada ao bebê, tendo, assim, um novo papel social. O bebê, por sua vez, além de dependente da mãe, é totalmente sensível aos sentimentos vividos por ela. Com o tempo, mãe e bebê se adaptam, mas esse novo papel continua cheio de desafios e, além desses desafios reais, a mulher se depara ao momento de confrontar a mãe maravilha com a mãe que ela tem condições de ser.

Erroneamente, é vendida para a mulher a idealização da mãe enquanto ser sobrenatural, que não sente dores, medos, angústias, que nunca erra e deve estar sempre pronta a suprir todas as necessidades do filho. Com a chegada do filho, essas falsas expectativas e idealizações trazem, por vezes, muitos sofrimentos, que merecem uma atenção especial. 

Não é à toa que frequentemente nos deparamos, nos consultórios psicológicos, com mães perguntando: “onde eu errei?”. Quase sempre existe a dúvida sobre qual foi a falha dela, enquanto mãe, por algo que o filho apresenta, mas que não estava no controle dela, e, ainda, mesmo quando respondido que não há erro, encontramos dificuldades para desconstruir nessas mães a culpa criada.

É preciso desconstruir essa imagem de mãe maravilha e respeitar a mãe real. Aquela que não tem superpoderes e que, para dar conta de todos os papéis sociais, se esforça muito, aquela que, sem manual algum de maternidade, busca fazer sempre o melhor para os filhos, mesmo muitas vezes errando e encontrando dificuldades.  Aquela que não é a única responsável pelo cuidado e educação do filho, precisando, assim, que o pai também exerça o seu papel. Aquela que, em meio à pandemia, precisou aprender e, muitas vezes, sofreu para dar conta do trabalho remoto e cuidados e ensino formal dos filhos.

Enfim, para reconhecer realmente o papel social importante da maternidade é preciso olhar para ele de forma real, é preciso cuidar dessa mãe e não estigmatizá-la, é preciso refletir mais sobre a construção social da maternidade e maternagem, ampliando o entendimento sobre os sentimentos que inundam a mulher.

 

*Por: Thaise Fernanda Mendes Soares CRP: 06/128703

Programa Confortável Mente

Instagram@confortavelmente_psi

FacebookConfortável Mente

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Propagandas gratuitas right 2