fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

Ex-prefeito Altomani é condenado na justiça por improbidade administrativa

Escrito por  Abr 29, 2021

SÃO CARLOS/SP - O ex-prefeito Paulo Roberto Altomani, o ex-Procurador-Geral do Município Waldomiro Bueno, e o advogado José Fernandes Mariz, foram condenados por impromidade administrativa, pela 10º Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo.

De acordo com o Ministério Público, o então prefeito, Paulo Altomani, após pedido do então procurador geral do Município, Waldomiro Antônio Bueno de Oliveira, contratou fora das hipóteses permitidas e com inobservância das formalidades legais, por processo de inexigibilidade de licitação pública, ao advogado José Fernandes Mariz, para a prestação de serviços de consultoria técnica especializada ao Município.

Segundo o relator, a licitação é inexigível quando houver “inviabilidade de competição”, uma vez que os serviços contratados seriam de “natureza singular” e desempenhados por “profissionais ou empresas de notória especialização.

O relator, no entanto, salienta que não há nos autos, contudo, qualquer evidência concreta de que, no momento da contratação, houvesse efetiva inviabilidade de competição com outros potenciais advogados aptos à atuação nas matérias pretendidas, ou mesmo que o Município, antes ou no curso do processo administrativo nº 16.601/2015, de inexigibilidade de licitação pública, tenha buscado averiguá-la.

Procurados pela reportagem, os réus afirmaram que o Município havia celebrado contrato de confissão, consolidação e refinanciamento de dívidas com a União/STN e o Banco do Brasil nos termos tutelados pela MP 1969-12/99, Resolução nº 37/99, do Senado Federal, Decreto nº 3.099/99 e pelas Lei Municipais nºs 12054/99 e 12.354/00, sofria, à época dos fatos, descontos milionários, de cerca de R$ 5.600.000,00 mensais, por meio do Fundo de Participação dos Municípios.

De acordo com eles, havia uma desestruturação orçamentária municipal, que poderia prejudicar o adimplemento das obrigações municipais com a Santa Casa, o lixo, o INSS e os seus fornecedores. Sustentou-se necessidade de que se buscasse fossem revistas e reduzidas as parcelas decorrentes do referido contrato, tendo a própria procuradoria municipal buscado interpor, na Justiça Federal, ao menos dois mandados de segurança com esse fim, os quais não lograram sucesso.

Diante desse cenário, entenderam pela necessidade de se contratar advogado privado especializado, servindo-se para tanto, de busca pelo Google, que lhes levou ao advogado réu José Fernandes Mariz, o qual, naquele momento, contava com duas liminares bem-sucedidas em casos semelhantes no Estado da Paraíba e de Pernambuco.

A pena imposta a eles é: ressarcimento do dano ao erário (corrigido desde a data desse acórdão, pelo IPCA-E e incidindo juros de mora desde a citação, com base na Lei n.º 11.960/09), perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por cinco anos.

Além disso, também foi determinada a proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos (art. 12, da Lei n.º 8.429/92). O julgamento teve a participação dos Desembargadores Antonio Carlos Villen (Presidente) e Teresa Ramos Marques, além de Marcelo Semer, que foi o relator.

Informações: Jornal Primeira Página

Última modificação em Quinta, 29 Abril 2021 14:08
Rodrigo Stein

Vendedor e Jornalista.
Ajudo a compor as materias e deixar a rádio sanca mais conhecida positivamente na cidade

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/rodrigo-stein
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Maio 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31