fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

BRASÍLIA/DF - Por 11 a 0, o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou, na quinta-feira (10), a realização da Copa América no país. O evento esportivo está marcado para começar no domingo (13), às 18h, com a partida entre Brasil e Venezuela.

A votação sobre o tema ocorreu de maneira virtual. O pedido da sessão foi feito pela ministra Cármen Lúcia, relatora de dois processos, movidos pelo PSB e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, contrários à realização do evento em meio à pandemia de covid-19. A magistrada rejeitou os pedidos por questões processuais e foi acompanhada pelos demais ministros.

Plano anticovid

A realização da Copa América no Brasil é alvo de uma terceira ação, feita pelo PT. Relator da petição, o ministro Ricardo Lewandowski se mostrou favorável à competição, mas cobrou um plano, antes do início do torneio, para a realização do evento em território nacional.

Em seu parecer, Lewandowski requer que o governo federal divulgue e apresente um "plano compreensivo e circunstanciado" sobre estratégias e ações que está colocando em prática para a realização segura da Copa América e requer atenção especial às medidas para impedir o avanço da covid-19. O ministro Edson Fachin acompanhou o magistrado sobre o plano anticovid.

Nessa ação, o placar ficou em 5 a 6, portanto, a ação foi invalidada, e o torneio permanece, sem o plano anticovid.

O evento esportivo está marcado para começar no próximo domingo (13), às 18h, com a partida entre Brasil e Venezuela. A final do torneio está marcada para o dia 10 de julho.

 

 

*Por: Clébio Cavagnolle, da Record TV, e Plínio Aguiar, do R7

PARAGUAI - A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) divulgou na quarta-feira (2) à noite os horários e locais onde serão disputados os jogos da Copa América de 2021, transferida para o Brasil. A estreia da seleção comandada pelo técnico Tite será no próximo dia 13 de junho, um domingo, às 18h (horário de Brasília), contra a Venezuela, no Mané Garrincha, em Brasília.

O formato da competição não foi alterado. As dez seleções do continente estão divididas em dois grupos com cinco times em cada. Os quatro primeiros se classificam às quartas de final. O Brasil está no Grupo B. Além da Venezuela, a equipe canarinho terá pela frente Peru (dia 17, às 21h, no Nilton Santos, no Rio de Janeiro), Colômbia (dia 23, também às 21h e no Nilton Santos) e Equador (dia 27, às 18h, no estádio Olímpico de Goiânia). Os brasileiros só não atuarão na Arena Pantanal, em Cuiabá.

Nas quartas de final, caso avance em primeiro lugar, o Brasil encara o quarto colocado do Grupo B (Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai) às 22h do dia 3 de julho, em Goiânia. Se passar em segundo, atua no mesmo dia, no Mané Garrincha, mas às 19h, contra o terceiro da outra chave.

Classificando-se em terceiro no Grupo A, os brasileiros terão pela frente o segundo melhor time do Grupo B no dia 2 de julho, às 18h, no Olímpico de Goiânia. Caso só consiga a quarta vaga da chave, a seleção de Tite joga no Nilton Santos, às 21h, contra o líder do outro grupo, também no dia 2.

As semifinais estão previstas para os dias 5 (20h, no Nilton Santos) e 6 (22h, no Mané Garrincha) de julho. A disputa do terceiro lugar está marcada para 9 de julho, às 21h, em Brasília. A final da Copa América será em 10 de julho, às 21h, no Maracanã, no Rio de Janeiro.

 

 

 

*Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

*AGÊNCIA BRASIL

PARAGUAI - A Conmebol anunciou nesta segunda-feira que a próxima edição da Copa América será disputada no Brasil. As datas permanecem as mesmas - 11 de junho a 10 de julho -, mas as sedes ainda serão divulgadas. Manaus, Brasília, Natal e Recife são as cidades que deverão receber a competição continental de seleções. A CBF deu aval para a realização dos jogos no País, em conivência com os governos Estaduais e Federal.

O Brasil se torna sede da Copa América 2021 depois de a Conmebol tirar de cena os países que receberiam a competição, como Colômbia e Argentina. O Brasil foi escolhido com o argumento de possuir estádios em boas condições de uso, apesar de estarem alguns ociosos após a Copa do Mundo de 2014. Uma reunião foi realizada virtualmente nesta segunda-feira com a participação dos dez representantes das confederações sul-americanas.

Continua depois da publicidade

Em um primeiro momento, o Brasil não era uma opção real, por causa da disputa simultânea do Campeonato Brasileiro. Chile, Estados Unidos e até Israel surgiam como alternativas para 'salvar' a competição. Mas a proximidade das sedes iniciais fez com que a Confederação Sul-Americana optasse pelo país vizinho. A Colômbia foi retirada da competição por causa das manifestações populares de rua contra o governo que já dura mais de um mês. Foi a primeira a cair fora. A Argentina foi preterida porcausa do aumento de casos de contágio do novo coronavírus no país. A AFA (Federação de Futebol da Argentina) parou o futebol no país.

Ocorre que o Brasil também não controlou sua onda de contaminação da covid-19. O País continua enfrentando altos e baixos e novas ondas de mortes e contágios, além de novamente ter suas UTIs em alguns Estados em utilização alta, acima dos 80%. Em março, portanto, há dois meses havia muita preocupação por parte do especialistas em saúde sobre a continuidade do futebol no Brasil. Marcelo Otsuka, especialista da Sociedade Brasileira de Infectologia, via com receio a continuidade do futebol não apenas por causa da bola rolando. Fatores externos, relação entre jogador e a família, e até o comportamento dos torcedores o deixavamm preocupado.

"A grande questão em relação à continuidade dos campeonatos, dos torneios de futebol, ou mesmo de outros torneios, é a questão do controle da doença. A gente observa que, no caso do futebol, os profissionais são realmente testados com uma frequência até acima da média, mas qual é o problema? Eles também têm familiares e pessoas de risco. Se eventualmente desenvolvem a doença e levam para casa, isso representa a chance de complicação para algum familiar. Eventualmente, eles também podem ser infectados em casa ou em algum outro ambiente que não no trabalho."

A Conmebol vai oficializar os Estados brasileiros que receberão as partidas, Por enquanto, as grandes praças, como São Paulo, Rio e Belo Horizonte, por exemplo, não estão no caminho da Copa América. Ao menos não nessa primeira fase da disputa. O Brasil registra mais de 462 mil mortos por covid-19. Toda uma movimentação e estrutura para atender as seleções, são dez ao todo, e suas delegações devem ser montadas nas cidades-sede do Brasil. Torcedores não serão permitidos nos jogos. Mas o Brasil não controla a entrada de sul-americanos em suas fronteiras.

A seleção brasileira está no Grupo B, ao lado de Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. Como o Brasil virou país-sede, pode mudar seu grupo para A. A estreia da equipe de Tite estava marcada para o dia 14 (segunda-feira), contra a Venezuela. "O torneio de seleções mais antigo do mundo fará vibrar todo o continente", escreveu a Conmebol no anúncio. Existe o interesse por parte da Conmebol que a final seja no Maracanã, com a presença de público. Isso ainda não foi aprovado. No Brasil, as partidas de futebol estão sendo jogadas com portões fechados.

 

 

*Por: ESTADÃO

PARAGUAI - A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou neste domingo (30) que suspendeu a realização da Copa América de 2021 na Argentina. Em publicação no Twitter, o perfil oficial da entidade disse que "analisa a oferta de ouros países que mostraram interesse em abrigar o torneio continental" e que a decisão foi tomada "em atenção às circunstâncias presentes".

Por "circunstâncias presentes", leia-se agravamento da pandemia do novo coronavírus (covid-19). Na última quinta-feira (27), segundo o governo da Argentina, foi registrado um recorde de 41.080 novos casos diários no país. Ainda no domingo (30), horas antes do anúncio da Conmebol, o ministro do Interior, Wado de Pedro disse no Twitter, que considerando "a situação sanitária de todas as jurisdições, em particular as de Buenos Aires, Tucumán, Mendoza, Córdoba e Santa Fe", seria "muito difícil" ter a Copa América em território argentino.

Continua depois da publicidade

Segundo o Ministério da Saúde da Argentina, o país está com 76,5% dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) ocupados. Desde o início da pandemia, em março do ano passado, são 3.753.609 casos e 77.456 mortes pelo novo coronavírus.

Inicialmente, a Copa América seria realizada, de forma conjunta, por Argentina e Colômbia. Este último foi retirado da organização por conta da onda de protestos sociais no país. Caso a Conmebol encontre uma nova sede e mantenha o calendário inicial, a competição deverá começar em 13 de junho. Vale lembrar que, por consequência da covid-19, Austrália e Catar, que disputariam o torneio como convidados, declinaram da participação.

 

 

Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional

*Agêcnia Brasil

PARAGUAI - A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) anunciou na noite desta quinta-feira (20) que a Colômbia não sediará mais a próxima edição da Copa América em conjunto com a Argentina. A competição está programada para começar no dia 13 de junho.

Continua depois da publicidade

“Tendo em vista a solicitação formal do governo colombiano de reprogramar a Conmebol Copa América para o mês de novembro, a Conmebol informa o seguinte: Por razões relacionadas ao calendário internacional de competições e à logística do torneio, fica impossível transferir a Copa América 2021 para o mês de novembro; A Conmebol agradece o entusiasmo e o compromisso do Presidente da República da Colômbia, Iván Duque, e seus colaboradores, assim como do Presidente da Federação Colombiana de Futebol, Ramón Jesurún, e de sua equipe”, diz a nota da entidade máxima do futebol sul-americano.

A Conmebol também informou que a realização da competição está garantida, e que “informará nos próximos dias a realocação dos jogos que deveriam ser disputados na Colômbia”.

A decisão foi tomada horas após o ministro do Esporte da Colômbia afirmar que pediria o adiamento da competição até que o público pudesse entrar nos estádios.

A Colômbia atravessa uma crise política, econômica e social, além de enfrentar a pandemia do novo coronavírus (covid-19).

 

* Com informações da agência de notícias Reuters.

*Por Agência Brasil

Principal competição de seleções do continente começa no dia 13 de junho, com sedes na Argentina e Colômbia

 

SÃO PAULO/SP - Tem mais futebol chegando no SBT. Além de ser a casa da Copa Libertadores e da Liga dos Campeões da Europa, a emissora transmite a Copa América 2021 para todo o Brasil a partir do dia 13 de junho.

O anúncio foi feito pelo narrador Téo José, durante o SBT Brasil desta segunda-feira (18). "Agora é oficial. A competição de seleções mais importante do continente e organizada pela Conmebol, é exclusiva no SBT", afirmou ele.

Continua depois da publicidade

O Brasil estreia no dia 14 de junho, contra a Venezuela, às 20h, no estádio Atanasio Girardot, em Medelín. Seleção canarinha está no grupo B, que ainda tem Colômbia, Equador e Peru. Pela primeira vez, a competição será disputada em duas sedes: Argentina e Colômbia.

A Copa América é o torneio de seleções mais antigo do mundo. Na última edição, em 2019, a equipe de Tite conquistou o troféu ao bater o Peru por 3 a 1 na final.

 

 

*Por: SBT

 

 

 

ARGENTINA - O presidente argentino, Alberto Fernández, afirmou no domingo que o país está preparado para receber a Copa América, apesar da pandemia de covid-19 que provocou mais de 70.000 mortes no país.

"Fomos consultados e afirmamos que sim. Com todos os cuidados. Esta seria uma Copa América para a televisão, isto deve ser falado. Em tais termos, estaríamos dispostos a cumprir o compromisso assumido", declarou Fernández ao canal C5N.

Continua depois da publicidade

A menos de um mês do início do torneio, previsto para 13 de junho, a Copa América enfrenta a segunda onda da pandemia na América do Sul e a delicada situação política e social na Colômbia, a outra sede ao lado da Argentina, abalada por protestos contra o governo do presidente Iván Duque.

"O resto depende de como tudo evolui e do que a Colômbia vai fazer", disse Fernández.

A Argentina enfrenta o pior momento desde o início da pandemia em março de 2020. O país tem um balanço de 3,3 milhões de contágios e 70.552 vítimas fatais.

"Estabelecemos com a Conmebol fazer a Copa América e vamos fazer com as restrições do caso", ratificou Fernández.

No fim de semana, 15 jogadores do River Plate foram afastados do clássico disputado contra o Boca Juniors pela Copa da Liga argentina depois que testaram positivo para covid-19.

A Conmebol dispõe para a Copa América de parte das 50.000 vacinas doadas pelo laboratório chinês Sinovac.

Até o momento, as cidades escolhidas para o torneio na Argentina são Córdoba, Santiago del Estero, Mendoza e Buenos Aires. Na Colômbia são Barranquilla, Medellín, Cali e Bogotá.

A Copa América começa em 13 de junho com Argentina-Chile no estádio Monumental de Buenos Aires e a final está prevista para 10 de julho em Barranquilla.

 

 

*Por: AFP

PARAGUAI - A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) informou na sexta-feira (16) que a seleção que for campeã da Copa América receberá um prêmio de US$ 10 milhões (o equivalente a quase R$ 56 milhões), um novo incentivo da organização do torneio previsto para junho na Argentina e na Colômbia.

O conselho da entidade aprovou um aumento de US$ 2,5 milhões para o vencedor do troféu na tentativa de tornar a competição mais atraente, segundo um comunicado oficial. O prêmio se soma aos US$ 4 milhões que cada seleção receberá para despesas de preparação e logística, acrescentou.

A Copa América está programada para começar em 13 de junho em Buenos Aires, e a final está prevista para o dia 10 de julho em Barranquilla. O torneio será disputado em duas sedes pela primeira vez, com a Argentina liderando a zona sul e a Colômbia, a zona norte.

Austrália e Catar iam participar como convidados, mas se retiraram do campeonato em fevereiro.

A Conmebol anunciou que receberá 50 mil doses de vacinas contra covid-19 doadas pela fabricante chinesa Sinovac, que utilizará para imunizar os jogadores e garantir a realização do evento.

O presidente argentino, Alberto Fernández, foi cauteloso, quando pediu às autoridades esportivas para "atuarem com muita atenção" e "verem como as coisas evoluem" ao falar sobre a organização da Copa em meio a uma disparada de casos de coronavírus nos países da região.

 

 

*Por Daniela Desantis / REUTERS

PARAGUAI - A Conmebol anunciou na terça-feira (23) que trabalha com os governos da Argentina e da Colômbia para obter vacinas contra o novo coronavírus (covid-19) que permitiriam o acesso do público aos estádios durante a Copa América.

Os países sul-americanos estão em uma corrida para adquirir o maior número possível de doses para imunizar suas populações, à medida que o coronavírus continua avançando na região.

O presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, disse, durante seu discurso no 74º Congresso da Conmebol, que o avanço da vacinação nos países sede do torneio, que terá início no dia 11 de junho, poderá ajudar os estádios a terem torcedores nas arquibancadas.

“Estamos a dias de começar nossa próxima edição da Copa América em um novo formato e com dois países que são tremendamente fanáticos por futebol e que estão ansiosos para nos receber”, disse o dirigente.

“Estamos trabalhando em conjunto com os dois Governos para conseguir o máximo de vacinas possível para que nossos estádios também tenham a oportunidade de receber o público que torce por suas estrelas”, acrescentou.

A Copa América estava programada para ocorrer em 2020, mas foi adiada por um ano por causa da pandemia.

 

 

*Por Daniela Desantis /REUTERS

BUENOS AIRES - A Copa América 2021, que será disputada pela primeira vez em dois países, tem "alta probabilidade" de ser realizada com torcedores nos estádios da Argentina e da Colômbia, afirmou o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, na quinta-feira (04).

"Estou muito animado depois de falar com os ministros do Esporte dos dois países, há alta probabilidade de haver público", disse o paraguaio Domínguez à televisão local.

“Os dois países têm políticas de vacinação muito ambiciosas e esperam chegar a quase 50% até junho”, acrescentou o presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol.

A Copa América, que foi adiada por um ano devido à pandemia de Covid-19, começará no dia 11 de junho na Argentina e terminará no dia 10 de julho na Colômbia, segundo a Conmebol.

Domínguez indicou ainda que, no que se refere à organização da competição, estão "dentro do prazo e em forma, tudo pronto".

Nas Copas Libertadores e Sul-Americana, as duas competições de clubes organizadas pela Conmebol, as partidas foram disputadas sem público, a não ser a final, que teve capacidade reduzida.

 

 

*Reportagem de Ramiro Scandolo / REUTERS

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Propagandas gratuitas right 2