fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

SÃO CARLOS/SP - O prefeito Airton Garcia, acompanhado de secretários municipais e do chefe de gabinete da Prefeitura, José Pires (Carneirinho), percorreu na manhã desta sexta-feira (14/07) alguns pontos da cidade para verificar obras e observar alguns projetos em andamento. A primeira parada foi no viaduto da Estação Ferroviária - Viaduto 4 de Novembro “Antônio Massei” - local onde a concessionária RUMO fará uma grande obra de duplicação, exigência do contrato de concessão da malha paulista, sendo que essa obra também faz parte da outorga onerosa. 

A Comissão de Análise Multidisciplinar de Projetos composta pelos secretários de Obras Públicas, João Muller, de Serviços Públicos, Mariel Olmo, de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Wilson Jorge Marques, de Transporte e Trânsito, Paulo Luciano, de Segurança Pública, Samir Gardini e pelo presidente do SAAE, Benedito Marchezin, se reuniu e após análise dos  estudos apresentados pela RUMO para a realização da obra no Viaduto 4 de Novembro “Antônio Massei”, optou pela indicação do projeto nº 1, porém com algumas indicações.

“Vim até o local para que os membros da Comissão pudessem me explicar porque o projeto 1 é a melhor opção e quais alterações serão necessárias e, após analisar as observações feitas pela equipe e engenheiros da Prefeitura, concordei, porém, solicitei a empresa RUMO o reforço estrutural do atual viaduto”, explicou o prefeito Airton Garcia.

De acordo com o secretário de Obras Públicas, João Muller, o projeto respeita a questão ambiental e também evita grandes intervenções na rua Visconde de Inhaúma e o possível deslocamento da torre de telefonia ali existente. “Foram preservados acesso ao Poupa Tempo, aos Correios e ao comércio no entorno. Vamos ter uma alça com acesso à avenida José Pereira Lopes e o prefeito condicionou o reforço estrutural do atual viaduto, tendo em vista que com o fechamento da passagem em nível pela linha do trem na rua General Osório, deverá aumentar o fluxo de veículos entre 20% a 25%. Se aceita a condição imposta, a RUMO fará de imediato o projeto executivo e deverá iniciar as obras assim que terminar a duplicação da Praça Itália”, explica Muller.

PISCINÃO – O prefeito Airton Garcia também visitou as obras do reservatório de amortecimento de cheias, também conhecido como piscinão, e do sistema de microdrenagem de águas pluviais na rua Itália, na Vila Prado. A obra foi licitada e o investimento é de R$ 2.593.807,19 com recursos do próprio município. O piscinão da Travessa 8 vai ter 222 metros de comprimento, 45 metros de largura e 4,2 metros de profundidade. A capacidade de retenção vai chegar a 45.000 m3 de águas pluviais. “O piscinão vai reter o excesso de água evitando que forme uma cachoeira no paredão da rua Joaquim de Evangelista de Toledo e no pontilhão da Travessa 8.

A nossa intenção é diminuir os impactos das enchentes e para isso estamos trabalhando”, garantiu o prefeito de São Carlos.

SÃO CARLOS/SP - No dia 04 de janeiro de 2020, ou seja, há exatos 2 anos e 8 dias, ocorreu uma grande enchente em São Carlos, aliás achávamos que era a maior enchente, mas no dia 12 de janeiro de 2020, há 2 anos, veio um temporal que devastou a região central de São Carlos.  Acompanhe o vídeo abaixo do dia 12/01/2020.

São Carlos conhecida como cidade "SORRISO" foi castigada por inúmeras chuvas durante sua história, mas no dia 12/01/20, uma chuva fortíssima foi alagando e invadindo muitos pontos, e nossa reportagem acompanhou de perto o que a água fez com as lojas da região da baixada do mercado municipal. Aliás, fomos o primeiro veículo de imprensa a chegar e informar nossos internautas. Na época a altura da água chegou a mais de 1,5 metros de altura e deve ultrapassou os 100 milímetros de chuva intensa em curta duração.

Na última quinta-feira (06/01/22), das 16h30 às 21h, uma chuva de alta intensidade com 56.6 mm fez estragos no Aracê de Santo Antonio em São Carlos, ou seja, é cair uma chuva e a algum ponto da cidade tem alagamentos e destruição de casas, sonhos e projetos de São-carlenses.

Sobre as chuvas no Aracê, se a mesma chuva tivesse caído na região central teria alagado tudo e os comerciantes reviveriam os momentos de 2 anos atrás. Vale ressaltar que outras enchentes, ou poderíamos dizer, transbordamentos dos córregos aconteceram nesses dois anos, mas nada que afetasse casas ou comércios, porém nossa reportagem sempre esteve lá para registrar (entre na página do facebook da Rádio Sanca e clique em vídeos).

No dia 27 de abril de 2021, São Carlos assinou convênio no valor de R$ 10,5 milhões com Governo Do Estado para obras de combate às enchentes, mas até agora... (Leia a matéria na íntegra)

Algumas perguntas surgem e você internauta pode nos ajudar a responder:

1º Décadas se passaram e ninguém fez nada para solucionar os problemas de enchentes em São Carlos. O que esta gestão fez ou está fazendo para evitar os alagamentos?

2º São Pedro tem culpa em abrir a torneira de uma vez só lá no céu?

3º Foi assinado o convênio com o Governo do Estado e a licitação das obras já foram realizadas? Se foram realizadas, por que as obras não começam? (Obs: Obras do Piscinão do CDHU e da Travessa 8 já começaram, mas os R$ 10 milhóes contemplam mais obras)

4º Os comerciantes e moradores que foram atingidos pelos alagamentos receberam algum benefício na época?

5º Hoje quais são os passos que a prefeitura está tomando para evitar essas tragédias naturais?

6º Teremos investimentos na permeabilização de solos?

7º As galerias e os bueiros estão sendo limpos com frequencia?

8º Trabalhos educativos para que a população não jogue lixo nas ruas e não impermeabilize os terrenos e permita a drenagem natural da água da chuva

9º Temos algo para comemorar em relação ao combate às enchentes?

Vídeo de 12 de janeiro de 2020

SALVADOR/BA - A Defesa Civil da Bahia atualizou na noite de ontem (29) os números sobre o impacto das fortes chuvas nos municípios do estado. Até o momento, 37,3 mil pessoas estão desabrigadas (não possuem moradia) e 53,9 mil estão desalojadas (não conseguem acessar suas casas). Foram registradas 24 mortes e 434 feridos. 

Segundo o governo estadual, 141 municípios foram afetados pelas chuvas. Do total, 132 estão em situação de emergência. 629 mil pessoas foram afetadas de alguma forma pelas inundações. 

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o mês de dezembro de 2021 é considerado o mais chuvoso em 15 anos. Na Bahia, as fortes chuvas foram provocadas pelo fenômeno da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que provoca a permanência de nuvens sobre uma determinada área por até quatro dias consecutivos.

 

 

AGÊNCIA BRASIL

SALVADOR/BA - A Defesa Civil da Bahia informou na noite de ontem (27) que foram registradas 20 mortes de pessoas após as fortes chuvas que atingiram a região sul do estado nas últimas semanas. De acordo com o órgão, 31,4 mil pessoas estão desabrigadas (pessoas que não possuem mais moradia) e desalojadas (pessoas que não conseguem acessar suas casas). As chuvas afetaram 116 municípios no estado.

Os dois óbitos mais recentes foram registrados pelas autoridades em Itabuna, onde uma mulher de 33 anos foi vítima de desabamento e um jovem de 21 anos foi levado pela correnteza.

Do total de 116 municípios afetados, cerca de 100 declararam situação de emergência.

Até o momento, o governo federal disse ter aplicado cerca de R$ 20 milhões da Defesa Civil Nacional nos esforços para atender a população atingida. Nesta segunda, o governo da Bahia divulgou também a abertura de uma linha de crédito especial, de até R$ 150 mil e com juro zero, para recuperar estabelecimentos comerciais prejudicados.

 

 

Por Agência Brasil

SÃO CARLOS/SP - A Câmara Municipal de São Carlos agendou para esta quarta-feira (24) às 18h30 uma audiência pública sobre medidas de prevenção às enchentes no município. O evento atende uma solicitação do vereador Azuaite Martins de França (foto) e será realizado na Sala das Sessões do Edifício Euclides da Cunha, sede do Legislativo.

 Como destacou Azuaite, nos últimos anos determinadas áreas da cidade têm sido duramente atingidas pelas enchentes decorrentes das chuvas do período de verão. “As consequências materiais são calamitosas para centenas de comerciantes e moradores destas regiões, bem como para o Poder Público municipal que se vê obrigado a reparar e a reconstruir o pavimento asfáltico, guias, sarjetas, praças, muros de contenção de encostas e córregos e mesmo parte de equipamentos públicos duramente destruídos pela força das águas”, afirmou.

O vereador ainda argumentou que é função do Poder Legislativo colaborar com o Poder Executivo na discussão, construção e apresentação de propostas para a diminuição ou solução definitiva destes problemas e cobrar a execução de ações concretas por parte da Administração Municipal.

 A audiência será aberta à população, mas devido à pandemia de Covid-19 a lotação do local será reduzida. Também é possível acompanhar o evento ao vivo pelo Canal 8 da NET, pela rádio São Carlos (AM 1450), e pelo site (camarasaocarlos.sp.gov.br), Youtube (youtube.com/user/camarasaocarlos) e Facebook (facebook.com/camaramunicipaldesaocarlos/) oficiais da Câmara Municipal.

SÃO CARLOS/SP - Uma chuva forte caiu na tarde desta 4ª feira (10), e o que aconteceu? Adivinhem? O córrego transbordou e a rotatória do Cristo ficou intransitável.

Agentes de trânsito fizeram um excelente trabalho, mesmo em baixo de muita chuva estavam orientando os motoristas. Nossa câmera flagrou um motociclista tentando passar e quase caiu com a moto. Já um ciclista teimoso também tentou e mesmo com a Defesa Civil e os Amarelinhos pedindo para ele voltar, o mesmo foi indo até ele ver que não dava, pois, a correnteza era forte, ai o cidadão deu meia volta.

Segundo Pedro Caballero, não houve outros pontos de alagamento na cidade. A chuva começou às 15h20, com total precipitado até 17h45 de 48,8mm. 

Assista o vídeo exclusivo.

 

ALEMANHA - Cientistas concluem que aumento das temperaturas resultam em chuvas extremas, mais frequentes e mais intensas. Pesquisa ressalta necessidade de ações urgentes para frear emissões, assim como para lidar com catástrofes.

Enchentes como as que devastaram regiões da Alemanha e da Bélgica no mês passado podem ocorrer com frequência até nove vezes maior em razão do aquecimento global, afirma um estudo publicado nesta segunda-feira (23/08).

Ao menos 190 pessoas morreram na Alemanha e outras 38 na Bélgica entre os dias 14 e 15 de julho, quando chuvas extremas transformaram riachos em rios caudalosos que destruíram casas, rodovias e pontes, além de gerar prejuízos de bilhões de euros.

O estudo do grupo World Weather Attribution utilizou registros históricos e simulações computadorizadas para avaliar de que forma as temperaturas afetaram a incidência de chuvas, do século 19 até os dias atuais.

Apesar de o estudo ainda não ter sido avaliado por outras instituições científicas, os autores utilizaram métodos amplamente aceitos para conduzir análises rápidas de eventos climáticos específicos como secas, ondas de calor e enchentes.

A conclusão é que em uma grande faixa da Europa Ocidental – que vai da Holanda à Suíça – a quantidade de precipitação em um único dia aumentou de 3% para 19%, ao mesmo tempo em que a temperatura subiu 1,2º C, em razão da interferência humana no clima.

Segundo o estudo, as regiões dos vales dos rios Ahr e Erft, na Alemanha, tiveram 93 milímetros de chuva em um único dia. Na Bélgica, a região do rio Mosa recebeu uma quantidade recorde de 106 milímetros em um período de dois dias.

Os pesquisadores calculam que enchentes são entre 1,2 e nove vezes mais prováveis de ocorrerem do que na era pré-industrial, proporção que deve aumentar conforme a alta das temperaturas. As chuvas ocorridas na Alemanha e na região do Benelux são atualmente entre 3% e 19% mais fortes.

 

Urgência por ações mais decisivas

Especialistas acreditam que, para cada grau centígrado de aquecimento do planeta, o ar consegue absorver 7% mais água. Quando essa água é liberada, as chuvas se precipitam de forma mais intensa.

"As mudanças climáticas aumentam a probabilidade [da ocorrência de enchentes], mas também, a intensidade”, observou o coautor do estudo Frank Kreienkamp, do Serviço Meteorológico Alemão (DWD).

"Essas enchentes nos mostram que mesmo os países mais desenvolvidos não estão a salvo dos impactos graves de climas extremos”, disse Friederike Otto, diretor do Instituto de Mudanças Ambientais da Universidade de Oxford.

Os autores afirmam que os danos e as perdas de vida ressaltam a necessidade de ações mais decisivas para a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa, assim como maior preparação para lidar com as catástrofes. O estudo foi realizado por quase 40 pesquisadores de seis países europeus e dos Estados Unidos.

 

rc (AFP, AP)

dw.com

Associação vem trabalhando junto com a Prefeitura para solucionar os problemas das enchentes

 

SÃO CARLOS/SP - O presidente da ACISC (Associação Comercial e Industrial de São Carlos) José Fernando Domingues, o Zelão, juntamente com membros da diretoria da associação, do vice-prefeito Edson Ferraz e do secretário de Obras João Muller, acompanhou na última semana as obras de combate às enchentes em alguns pontos da cidade.

Uma das obras acontecem na Travessa 8, na Vila Prado, uma área que segundo Zelão, deve conseguir suportar uma grande capacidade de água que vem no entorno do bairro. “Fomos visitar alguns pontos que a gente vêm trabalhando junto com a Prefeitura, no combate às enchentes e esperamos que em breve essas ações nas proximidades da Vila Prado, nos auxilie na diminuição do volume de água que desce pra o centro da cidade, e estamos sim, muito esperançosos que essas ações sejam eficazes”, avaliou Zelão. 

Outra obra visitada foi na região da CDHU, mais conhecido como piscinão que vai receber a captação de água pluviais do Parque São José. A interligação para captação de água da chuva, compreende a avenida Coronel José Augusto de Oliveira Salles. “Nesse local já existia a bacia de contenção que está pronta, temos dois dutos ligados e mais quatro que estão em fase conclusiva. Saímos de lá satisfeitos e entendemos que as obras vão ajudar muito a suprir a necessidade, tornando a nossa baixada mais segura e trazendo mais oportunidades. A ACISC está aqui, sempre buscando alternativas para fortalecer o nosso comércio”, acrescentou.

Continua depois da publicidade

Presente nas visitas, o diretor da associação Danilo Lorreto, falou sobre outras ações importantes que devem ser tomadas em relação às enchentes. “Agradeço ao Zelão pela oportunidade e os diretores envolvidos para a melhoria do nosso comércio. Aproveitamos para cobrar a limpeza nas galerias da região central que foi uma situação identificada na última enchente, e foi nos dada a informação de que será feita uma nova revisão para estarmos prontos para a próxima temporada de chuva, para não sermos pegos de surpresa”, disse Loretto.

Secretário Municipal de Obras participa de reunião que definiu a atuação da entidade

 

SÃO CARLOS/SP - A AEASC - Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de São Carlos realizou esta semana, na sede da entidade, uma reunião com o secretário Municipal de Obras, Reginaldo Peronti, onde colocou à disposição do poder público o comitê da entidade que tem trabalhado em conselhos municipais e internamente nas discussões sobre as enchentes da cidade .

 “Nós montamos um comitê de profissionais habilitados e que conhecem a cidade e sua história para apoiar e dar subsídios técnicos para a Prefeitura, por isso convidamos o secretário Obras para essa reunião. Não adianta agora falar do passado, a enchente já ocorreu. Nós temos que minimizar as próximas”, afirmou Agnaldo Spaziani, presidente da AEASC. A Associação vai colaborar com os projetos já existentes e aprovados nas diversas instâncias, definindo tecnicamente as prioridades com informações respaldadas pelo conhecimento profissional de seus membros e apontando formas de viabilizar esses projetos.

“É muito boa essa iniciativa da AEASC em colaborar com essa situação da cidade de maneira mais técnica, mais funcional, madura. Ideias e projetos são vários, mas nessa reunião a AEASC se dispôs a perguntar qual a necessidade do poder público nesse momento e oferecer colaboração. E de forma contínua”, disse Reginaldo Peronti, secretário Municipal de Obras,

Ao longo das últimas décadas a associação realizou vários cursos, treinamentos e capacitações na área de saneamento e drenagem. Em 2019 um Ciclo de Palestras discutiu o “Gerenciamento de Áreas de Risco”, aberto a sociedade exatamente para continuar colaborando com informações técnicas sobre as inundações e enchentes no município e a necessidade de revisão dos estudos de microdrenagem e macrodrenagem e sua aplicação ativa na cidade.

“Nós somos profissionais da área. Somos profissionais de engenharia e temos obrigação de estar junto com a cidade nesse momento”, afirmou o presidente da AEASC.

 

 

 

Crédito – Atento Comunicação

SÃO CARLOS/SP - Foi aprovado por unanimidade na sessão da Câmara Municipal desta terça-feira (8) o projeto de lei do vereador Sérgio Rocha que autoriza o Poder Executivo a conceder isenção ou remissão do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) incidente sobre imóveis edificados atingidos por enchentes e alagamentos causados pelas chuvas.

De acordo com a norma, o benefício poderá ser concedido a imóveis que sofreram danos físicos ou nas instalações elétricas ou hidráulicas, decorrentes da invasão irresistível das águas, bem como àqueles que tiveram danos com a destruição de alimentos, móveis ou eletrodomésticos.

A isenção deverá ser concedida em relação ao crédito tributário relativo ao exercício seguinte ao da ocorrência da enchente ou alagamento e terá o limite de R$25 mil, relativo ao valor a recolher a título de IPTU, por exercício e por imóvel.

Sérgio Rocha apontou que as chuvas constantemente causam diversos pontos de alagamento em São Carlos, ocasionando perdas e prejuízos aos munícipes que possuem ou alugam imóveis nesses locais.

Ele argumentou que o problema poderia ser evitado ou amenizado com ações e obras do poder público, como a execução de um projeto de drenagem urbana, utilização da tecnologia de pavimentos e sarjetas porosos, criação de piscinões, bacias de retenção, entre outras medidas, o que torna razoável a isenção do imposto por parte do contribuinte.

 

AGRADECIMENTO – Sérgio Rocha agradeceu aos vereadores que aprovaram em unanimidade o projeto e afirmou que espera a sanção sem vetos pela Prefeitura, para que assim possa em breve beneficiar a população.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2022 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Aviso de Privacidade

Este site utiliza cookies para proporcionar aos usuários uma melhor experiência de navegação.
Ao aceitar e continuar com a navegação, consideraremos que você concorda com esta utilização nos termos de nossa Política de Privacidade.