fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

SÃO PAULO/SP - O governo de São Paulo vai endurecer as medidas restritivas de quarentena devido ao agravamento da pandemia de Covid-19 no estado. A partir desta sexta-feira (22), a fase vermelha do Plano São Paulo passa a valer para todas as cidades paulistas a partir das 20h, durante todos os dias da semana. Nos finais de semana e feriados, a medida valerá durante o dia e a noite. As informações são da Folha.

Com a medida, bares, restaurantes, comércios não essenciais como shopping centers e serviços como salões de beleza estarão proibidos de funcionar até a manhã do dia seguinte.

Segundo a Folha, nos primeiros 21 dias deste ano, o aumento de casos de Covid-19 foi de 42% comparado ao mesmo período de dezembro de 2020. O número de mortes aumentou 39%.

De acordo com a reportagem, a decisão de endurecer as medidas restritivas foi tomada na noite desta quinta-feira no Palácio dos Bandeirantes.

O anúncio oficial deve ser feito em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, na qual, ainda de acordo com a Folha, o governo estadual também deve divulgar um pacote de aumento de leitos hospitalares, tanto de UTI quanto de enfermarias. A previsão é de que sejam abertas mais de 700 novas vagas, provavelmente em esquema de hospital de campanha.

 

 

*Por: ISTOÉ

SÃO PAULO/SP - O São Paulo, enfim, foi desbancado da liderança do Campeonato Brasileiro. Com mais uma atuação apática, muito diferente do desempenho que o fez chegar à primeira colocação, o Tricolor viu o Internacional dar um show de eficiência e vontade ao longo dos 90 minutos nesta quarta-feira, no Morumbi, e saiu goleado por 5 a 1. Victor Cuesta, Caio Vidal e Yuri Alberto, três vezes, balançaram as redes para o Colorado. Luciano descontou para os donos da casa.

Esse foi o quinto jogo consecutivo sem vitória do São Paulo, e a maior derrota sofrida na “Era Diniz”. Mesmo contando com o retorno de Luciano, que até balançou as redes, o Tricolor exibiu os mesmos problemas dos últimos jogos, embora tenha tido uma semana cheia para trabalhar, e parece sem forças para brigar pelo tão sonhado heptacampeonato brasileiro.

O Internacional, por sua vez, assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro, abrindo dois pontos para o São Paulo, novo segundo colocado, e chegando à sétima vitória consecutiva na competição, com direito à goleada sobre o principal concorrente ao título.

Restando apenas sete jogos para o fim do Brasileirão, Fernando Diniz terá a difícil missão de juntar os cacos e recuperar o moral de uma equipe combalida e, aparentemente, desmotivada depois de chegar a abrir sete pontos na liderança e vender à torcida um sonho que parecia próximo de se tornar realidade. Abel Braga, por sua vez, pode adicionar mais um capítulo vitorioso na sua bonita história no Internacional.

O jogo – O Internacional começou a partida com uma postura ousada, marcando a saída de bola do São Paulo e dominando as ações ofensivas. Logo aos quatro minutos, os visitantes quase abrir o placar com Cuesta, que aproveitou o passe de Rodrigo Dourado de cabeça para chegar batendo de primeira, na entrada da pequena área, mas mandou por cima do gol. Três minutos depois, entretanto, o zagueiro teve um pouco mais de sorte. Moisés cruzou na cabeça do camisa 15, que desta vez não desperdiçou, abrindo o placar para o Colorado.

Bastante apático, como nos últimos jogos, o São Paulo não conseguia trocar passes e cometia muitos erros bobos. O máximo que o time fazia era arriscar de fora da área, mas faltava pontaria. Já o Internacional seguia perigoso quando se jogava no ataque. Aos 15 minutos, Yuri Alberto invadiu a área após ser acionado por Patrick e bateu no cantinho, rente à trave de Tiago Volpi.

O Tricolor fez Marcelo Lomba trabalhar realmente apenas aos 23 minutos, quando Gabriel Sara tabelou com Daniel Alves e bateu da entrada da área, vendo o goleiro adversário fazer a defesa em dois tempos. Mas, foi o Internacional quem acabou balançando as redes novamente. Logo na sequência, Juanfran cabeceou para trás, e Yuri Alberto aproveitou a direção da bola para servir Caio Vidal, que saiu cara a cara com Tiago Volpi, precisando apenas tirar do goleiro tricolor para fazer 2 a 0 no Morumbi.

Mas, quando todos imaginavam que o São Paulo não iria reagir, o time comandado por Fernando Diniz deu sua resposta. Victor Cuesta foi traído pelo quique da bola e chutou para a linha de fundo, dando o escanteio de presente para o Tricolor. Na cobrança, Bruno Alves desviou no primeiro pau, e Luciano apareceu livre para cabecear para o fundo das redes, diminuindo a vantagem colorada.

Antes do intervalo, as duas equipes ainda tiveram mais uma chance de gol. Aos 43 minutos, Yuri Alberto saiu em velocidade, invadiu a área, mas, na hora de finalizar, foi travado por Léo. Já o São Paulo por pouco não empatou com Luciano. Marcelo Lomba saiu do gol para tentar afastar o perigo, mas não achou a bola, que ficou viva dentro da área, mas em seguida Moisés conseguiu mandou para a linha de fundo.

Segundo tempo

Com Igor Gomes e Vitor Bueno nas vagas de Gabriel Sara e Léo, o São Paulo começou o segundo tempo buscando o empate. Aos quatro minutos, Reinaldo teve uma boa oportunidade, soltando a bomba de dentro da área, pela esquerda, mas a bola explodiu na marcação. Pouco depois, Vitor Bueno também carimbou a defesa colorada ao tentar arrematar para o gol.

Mas, foi o Internacional quem balançou as redes, jogando um verdadeiro balde de água fria nos donos da casa. Aos 14 minutos, Vitor Bueno foi desarmado na saída de bola, e Yuri Alberto ficou com a sobra, saindo cara a cara com Tiago Volpi e tocando para o fundo das redes.

Como se não bastasse, o atacante colorado ainda marcaria outros dois gols para garantir um hat-trick e a goleada acachapante do Internacional. Aos 20 minutos, Yuri Alberto recebeu ótimo passe de Peglow, driblou Tiago Volpi e, sem olhar, bateu de chapa, sem esforço, marcando o quarto gol do Colorado. Dois minutos depois, o camisa 11, após falha de Daniel Alves, tocou na saída do goleiro são-paulino e, com requintes de crueldade, fechou o placar para o Inter.

Daí em diante, o Internacional diminuiu o ritmo, concentrou seus esforços na defesa, mas sempre procurando explorar os contra-ataques. Desta forma, Tiago Volpi ainda teve de fazer uma boa defesa em chute de Peglow, mas foi só. Mais um vexame na atual temporada do São Paulo, que tem mais sete jogos para tentar terminá-la dignamente.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

SÃO PAULO/SP - Criado em 2013 com o intuito de combater e denunciar casos de agressão de gênero em São Paulo, o SOS – Violência Contra A Mulher se tornou um “serviço fantasma” na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp). Apesar de constar no organograma da Casa e ser citado em matérias institucionais, o serviço não funciona há quase sete anos e é desconhecido dos próprios parlamentares.

Sua ativação é simples, depende apenas da iniciativa do presidente da Comissão de Direitos Humanos. Isso porque, além de aprovada, a resolução de autoria do ex-deputado petista Adriano Diogo garantiu um orçamento próprio e até quatro servidores. Para tirar do papel, basta que o presidente da Comissão solicite à Mesa Diretora os valores necessários e indique os funcionários.

Além de receber e encaminhar denúncias de violência a órgãos competentes, o serviço tem entre suas atribuições a implementação de ações para o combate à violência contra mulher; a promoção de seminários, audiências e eventos; e a oferta de orientação psicológica e jurídica gratuita às vítimas.

“Um dos problemas dos serviços de proteção e acolhimento de mulheres vítimas de violência é justamente o fato de serem descentralizados e, muitas vezes, descontinuados, a depender da troca de poderes e gestores. Isso ameaça a possibilidade de criação de mecanismos eficazes e perenes”, afirmou a advogada Tainã Góis, conselheira de Política para Mulheres do Município de São Paulo.

O único período em que há registro de funcionamento do SOS é entre 2013 e 2015, durante o mandato de Diogo. “Eram três servidoras em período integral. Com a orientação de funcionários da delegacia que tinha na Alesp, a gente colhia depoimentos das vítimas de violência e encaminhava aos órgãos responsáveis. Também fizemos audiências com especialistas para falar sobre o tema”, disse o ex-deputado.

Com o fim do mandato de Diogo, o serviço foi esvaziado. Nenhum dos três presidentes da comissão deu prosseguimento ao SOS. A Alesp e o colegiado não informaram se alguma verba foi movimentada nesse período.

O sucessor do petista, o ex-deputado Carlos Bezerra Jr. (PSDB), vinculou a inoperância em sua gestão à ausência de um relatório de atividades apresentado por Diogo e à existência da Procuradoria Especial da Mulher. Segundo ele, há uma “sobreposição” de atribuições e o serviço gerava “custos extras aos cofres públicos, sem qualquer demonstração de resultado efetivo”. O petista, no entanto, disse ter procurado Bezerra para realizar um “rito de passagem” e explicar sobre o funcionamento do órgão.

Argumento parecido ao de Bezerra foi usado pela deputada Adriana Borgo (PROS), que assumiu interinamente a presidência da comissão. Para ela, o SOS é “plenamente suprido” por uma Comissão Permanente de Defesa e dos Direitos das Mulheres e pela Frente Parlamentar em Defesa da Vida das Mulheres. Apesar disso, ela não pretende propor a extinção do órgão. Beth Sahão (PT), que estava na presidência até perder o mandato, afirmou que não se lembra do serviço.

 

Diferença

As justificativas de Bezerra e Adriana são contestadas por especialistas ouvidas pelo Estadão, que veem as atribuições do SOS como distintas das ações já existentes na Assembleia. A secretária-geral da Comissão de Direito Eleitoral e coordenadora-geral do Observatório de Candidaturas Femininas da OAB-SP, Maíra Calidone Recchia Bayod, observou que a Frente, por exemplo, é composta por deputadas que promovem a discussão e o aprimoramento da legislação e de políticas públicas para o Estado. “Já a Procuradoria visa a participação mais efetiva das parlamentares nos órgãos e atividades da Alesp, além de ajudar a fiscalizar programas e promover debates sobre a matéria.”

Para Maíra, os trabalhos da Frente e da comissão são “ótimos” e “necessários”. “Mas em um país onde os índices de violência contra a mulher alcançam níveis assustadores, sofrem todo tipo de abuso, onde elas não estão seguras nem dentro de suas próprias casas, e principalmente quando as instituições não dão conta de suprir a demanda neste combate à violência, é mais do que necessário um órgão da envergadura deste dentro da maior assembleia do Brasil”, afirmou.

Tainã Góis concordou que não há sobreposição de serviços. “A missão de um programa como o SOS é pragmática e concreta: atuar em casos de violência contra a mulher, realizando acolhimento e encaminhamento de mulheres vítimas de violência via parceria com outros poderes, realização de atividades e palestras para educação popular sobre o tema”, disse. “Já a missão da comissão parece ser outra: ouvir a sociedade civil e demais poderes sobre casos de ameaça a direitos contra a mulher – algo que engloba outros elementos que não só a violência contra a mulher – e planejar projetos em âmbito estadual.”

Deputada estadual pelo PSOL, Monica da Bancada Ativista só soube do serviço por meio da reportagem. “O órgão estava escondido na Assembleia e a gente não sabia que ele existia. (A informação) acendeu um sinal de alerta de que existe, formalizado, um órgão importante de participação popular, de formação de políticas públicas que está parado por falta de vontade política”, declarou a deputada, que se propôs a trabalhar pela reativação do órgão na Casa, em março.

Procurada, a Alesp informou apenas que “reconhece” e “apoia” todas as iniciativas que visam a proteção e os direitos das mulheres.

 

 

 

 *Por: Bianca Gomes / ESTADÃO

SÃO PAULO/SP - O atual formato do Campeonato Paulista tem sido alvo de críticas nos últimos anos. O cenário faz com que as principais autoridades do futebol em São Paulo comecem a discutir a possibilidade da implementação de mudanças no futuro.

Em entrevista à BandSports na quinta-feira, Duílio Monteiro, Julio Casares e Andrés Rueda, presidentes de Corinthians, São Paulo e Santos, respectivamente, se manifestaram à favor da realização de alterações no formato do Estadual. O mandatário Tricolor declarou que uma estrutura benéfica a todos deve ser discutida e ressaltou que a principal modificação deve acontecer na primeira fase da competição.

"Neste momento, temos que discutir um formato que seja bom para todos. Que agrade o patrocinador, a televisão e o torcedor e traga uma competitividade interessante, principalmente na primeira fase, porque hoje é uma fase em que todos dizem saber quem vai chegar no final, e não é bem assim. Precisamos trabalhar bem exatamente nessa primeira fase, mas isso vai ser objeto de uma conversa que o presidente Reinaldo (da Federação Paulista de Futebol) estará estabelecendo", disse.

"Claro que neste ano o campeonato está praticamente formatado, mas no futuro podemos discutir o que é melhor para o produto futebol. Porque se ele estiver bem, todos os demais clubes estarão bem. Mas fora dele, precisamos estabelecer uma regra para ganhar competitividade, importância, audiência e, principalmente, receita", completou Casares.

Duílio afirmou que os clubes do interior não podem ser deixados de lado no estabelecimento do novo modelo.

"Esse é o momento de pensar em um novo formato. Lógico, não podemos esquecer jamais dos clubes do interior, que dependem muito do Estadual. Então existem sim muitos formatos para pensarmos e sugestões que foram dadas nos anos anteriores. Agora, temos que juntar tudo isso e achar o melhor formato para que os clubes grandes e, principalmente, os do interior não sejam prejudicados".

Já Rueda deu ênfase na questão das cotas televisivas, colocando-a como um dos fatores que devem ser discutidos para que todos encontrem um formato vantajoso a todos.

"Temos três presidentes novos com ideias novas e, com a ideia de cada um, podemos discutir sobre o que a gente espera do Campeonato Paulista. Essa preocupação com os times do interior é fundamental. Estamos passando por um tempo diferente, então precisamos ver o comportamento das televisões. A gente estava acostumado com o modelo de uma emissora adquirindo e pagando. Isso tem que ser colocado em uma balança para chegarmos a um ponto comum que seja bom para os clubes", declarou.

 

 

*Por; GAZETA ESPORTIVA 

SÃO PAULO/SP - O São Paulo tem como principal missão blindar o elenco em meio às fortes críticas de parte da torcida e imprensa após mais um tropeço no Campeonato Brasileiro. Iniciando uma semana decisiva na competição, o time comandado por Fernando Diniz precisa reagir domingo, contra o Athletico-PR, em Curitiba, para não deixar o heptacampeonato escapar.

Com a vitória do Internacional, neste domingo, a distância do São Paulo na liderança do Brasileirão, que já foi de sete pontos, caiu para três. Vencendo os dois jogos que tem a menos, o Atlético-MG reduz a vantagem tricolor para um mísero tento, o que acirraria a briga pelo título nacional, outrora bastante monótona, com Daniel Alves e companhia disparados na frente.

“Temos que trabalhar voltados para dentro, fazer o que a gente faz. Sempre tentamos blindar, porque quando vieram os elogios, estávamos em um momento de alta, também tivemos que saber blindar, e talvez não soubemos blindar tão bem assim. Temos que trabalhar internamente, porque é com trabalho, dedicação e empenho que vamos conseguir voltar a vencer e ir atrás da conquista que o torcedor tanto merece, tanto deseja”, disse o técnico Fernando Diniz.

Coincidência ou não, a derrocada do São Paulo iniciou justamente neste período de transição política no clube, com a entrada de Julio Casares na presidência e, consequentemente, a vinda de novos profissionais tanto para o Morumbi quanto para o CT da Barra Funda. Mas, apesar das mudanças recentes, o técnico tricolor enxerga com bons olhos a chegada do novo pessoal.

“A transição está sendo bem feita, de maneira amistosa do Leco para o Julio [Casares], isso não tem nenhum problema, todos estão integrados, ajudando, fazendo o que podem, conhecendo o ambiente, sendo positivos no ambiente”, comentou Diniz.

Se serve de consolo para a torcida, nas outras vezes em que esteve pressionado por causa de eliminações ou por sequência de atuações ruins, o São Paulo reagiu, se mostrando competitivo e voltando a desempenhar um futebol convincente. Nunca foi tão importante para o Tricolor repetir essa escrita.

 

 

*Por: GAZETA ESPORTIVA

A Santa Casa de São Carlos vai deixar de receber mais de R$ 1,5 milhões de reais. Os recursos serão retirados de dois programas de auxílio: Pró-Santa Casa e Programa Sustentável.

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos vai deixar de receber do Governo de São Paulo R$ 128.388,48 por mês. No ano, são R$ 1.540.661,76 a menos para o hospital. Os recursos serão retirados de dois programas de auxílio: Pró-Santa Casa e Programa Sustentável. A decisão foi publicada no Diário Oficial nesta última quarta-feira (6).

“Os dois programas são destinados para o custeio da operação do hospital, ou seja, pagamento de materiais, medicamentos, produtos de limpeza, gases medicinais, tudo aquilo que a gente usa para manter o hospital em funcionamento”, explica o Diretor de Operações da Santa Casa, Everton Beggiato.

O corte de 12% das verbas vai atingir 180 unidades hospitalares de todo o Estado de São Paulo, que deixarão de receber, ao todo, R$ 80 milhões de reais. A resolução publicada no Diário Oficial na quarta-feira (6) torna a situação dos hospitais filantrópicos ainda mais delicada em meio ao enfrentamento da pandemia.

“O momento de tomar essa decisão é lamentável, porque a nossa perda financeira é dobrada. Isso porque, em função da pandemia, os preços dos medicamentos, materiais e equipamentos de proteção individual aumentaram em torno de 11% em 2020. Os preços de alguns produtos, como máscaras, luvas, aventais e anestésicos, subiram 300%”, afirma o Diretor de Operações da Santa Casa, Everton Beggiato.

A preocupação da Santa Casa é com a manutenção dos serviços oferecidos pelo hospital.  Segundo o Provedor Antonio Valério Morillas Júnior, “com certeza, essa redução de verbas pode trazer consequências para os atendimentos pelo SUS. Nós, da Provedoria e da diretoria da Santa Casa, não estamos medindo esforços para minimizar os prejuízos aos nossos pacientes.  Nesse sentido, esperamos que a população e as autoridades se unam e nos ajudem a defender o nosso hospital, porque é aqui que resolvemos a grande maioria dos problemas de saúde da nossa comunidade”

SÃO PAULO/SP - O governador de São Paulo, João Doria, determinou nesta quarta-feira, 6, a suspensão das mudanças no ICMS para alimentos e de medicamentos genéricos. Em nota, o Executivo afirma que o aumento das alíquotas foi proposto quando a pandemia dava sinais de melhora. Agora, com a alta dos casos, a situação mudou.

“Sempre afirmamos que nosso governo está comprometido em atender aos interesses da população de menor renda e, agora, mais vulnerável aos efeitos da pandemia, do desemprego e, a partir de janeiro, sem a renda emergencial que vigorou até dezembro último. A redução de benefícios do ICMS poderia causar aumento no preço de diversos alimentos e medicamentos genéricos, principalmente para a população de baixa renda. Decidimos, assim, suspender a vigência dos decretos estaduais que autorizam redução de benefícios fiscais do ICMS para insumos agropecuários para a produção de alimentos e medicamentos genéricos”, diz Doria.

De acordo com a publicação do governo de São Paulo, nada será feito em prejuízo das classes menos favorecidas. “A eles devemos servir e atender suas necessidades, com serenidade e humildade”, completa Doria.

O governador também usou o Twitter para comunicar a decisão. Porém, nem a nota do governo, nem a publicação de Doria falam sobre o aumento das alíquotas sobre o diesel e a energia elétrica. A agropecuária paulista tem alertado que tributar esses itens também afeta o setor, porque eles são usados em toda a cadeia produtiva.

“O governo do estado atendeu parte das propostas do agronegócio, mas outros pleitos importantes ficaram de fora: energia elétrica, leite pasteurizado e hortifrutigranjeiros, esses dois últimos fundamentais nas cestas básicas. Esses aumentos no ICMS ainda causam grandes impactos no agronegócio paulista, principalmente para os pequenos produtores rurais, que representam 78% do estado, e para a sociedade como um todo”, diz.

O tratoraço foi realizado em mais de 300 cidades paulistas, e reuniu mais de 100 sindicatos rurais, associações e cooperativas, segundo a entidade.

Discussão com diversos setores sobre ICMS

Segundo o governo, Doria teria determinado a criação de uma força-tarefa de secretários nesta terça-feira, 5, para intensificar a análise dos pedidos de setores econômicos para revisão da redução de benefícios fiscais, assim como o diálogo com todos os envolvidos.

A força-tarefa é formada pelo vice-governador e secretário de Governo, Rodrigo Garcia, e os secretários da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles; de Projetos, Orçamento e Gestão, Mauro Ricardo; de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen; e de Agricultura e Abastecimento, Gustavo Junqueira.

“Por decisão do Governador João Doria, os produtos que compõem a cesta básica, além do arroz e do feijão, já iriam manter o benefício. O mesmo já estava estabelecido para as transações de medicamentos, equipamentos e insumos para a rede pública de saúde e Santas Casas”, frisa.

O governo diz que o aumento de ICMS foi pensado para garantir recursos para investimento em áreas sensíveis de atendimento à população carente, como saúde, educação e segurança pública, e manutenção do pagamento de fornecedores, de 650 mil funcionários públicos e das aposentadorias e pensões de 550 mil inativos.

 

 

*Por Canal Rural

SÃO CARLOS/SP - O ICMS é o principal imposto estadual no Brasil, e a revisão das alíquotas em São Paulo faz parte do ajuste fiscal do governo João Doria (PSDB). No último dia 1º de janeiro, deste ano, o Projeto de Lei nº 529/20, de autoria do governador João Doria (PSDB), que foi aprovado na Assembleia Legislativa (Alesp), começou a valer.

O Imposto em questão (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) deve provocar uma alta no preço final para consumidores que pode chegar a 13,6%. A Fiesp disse que a “medida causará desemprego em São Paulo, uma vez que as empresas terão incentivo para se mudarem para outros Estados, onde a carga tributária não subiu, ou mesmo para o exterior, comprometendo a recuperação da economia paulista e brasileira”.

O aumento de preços finais ao consumidor para vários produtos, como carne (alta de até 8,9%), leite longa vida (8,4%) e medicamentos para tratar Aids na rede privada (14%).

Agora perguntar não ofende: Você que lê está matéria, o seu salário aumentou? Claro que não! Muitas pessoas ficaram sem emprego devido ao momento critico em que vivemos tanto pela pandemia do novo coronavírus, quanto pela economia, devido as restrições impostas pelo Comitê ao Combate ao Coronavírus do Estado de São Paulo. Muitas empresas compravam no Estado de SP, por ter menor tributação, ou até não existir em determinadas categorias, porém agora ou aumento o ICMS, ou foi criado em alguns produtos, ou foram aumentados.

Na foto abaixo veja os deputados que aprovaram o Projeto de Lei Nº529/20 e você faça uma avaliação do deputado que lhe representa.

Vale ressaltar que esses mesmos deputados estaduais vão tentar a reeleição em 2022, assim como especulações dizem que Doria será candidato a presidente pelo PSDB.

TRATORAÇO

Produtores rurais e entidades paulistas do setor marcaram um "tratoraço" na próxima quinta-feira (07),  para protestar contra elevações do ICMS sobre diversos itens e insumos, que devem onerar os custos de produção e potencialmente elevar os preços dos alimentos, combustíveis e até da energia elétrica.

Carreatas de tratores devem sair simultâneamente de várias cidades do Estado, às 7h, com o objetivo de conseguir o apoio da sociedade civil contra a alta do imposto.

Em São Carlos, O Presidente do Sindicato Rural de São Carlos, Olinto F. Petrilli, falou sobre o manifesto:

Atendendo a vossa solicitação sobre o posicionamento do Sindicato Rural Patronal de São Carlos quanto ao aumento sobre diversos itens e insumos o presidente deste sindicato e sua diretoria executiva, jamais se omitiria de tomar as providências cabíveis perante aos órgãos superiores por se tratar de onerar os custos de produção e elevar os preços dos alimentos.

Quanto alguns produtores rurais em participarem de algum tipo de manifestação " tratoraço" o Sindicato Rural Patronal de São Carlos cumpri estritamente as determinações do Comite de Contingência da COVID-19 e bem como determinação judicial, motivo pelo qual nos impede tais eventos.

SÃO PAULO/SP - Após três dias na Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo, onde somente podiam ser abertos os serviços considerados essenciais, a maior parte do estado de São Paulo volta, a partir de hoje (4), para a Fase 3-Amarela. A exceção é para a região de Presidente Prudente, que vai permanecer na Fase 1-Vermelha.

A medida vale, pelo menos, até o dia 7 de janeiro, quando o governo estadual deve anunciar uma nova classificação do Plano São Paulo. O governo já anunciou que nenhuma região do estado vai evoluir para a Fase 4-Verde em janeiro.

 

Restrições

Por causa do grande aumento no número de casos, internações e mortes provocadas pelo novo coronavírus no mês de dezembro, o governo de São Paulo determinou que todos os 645 municípios do estado voltassem para a Fase Vermelha, a mais restritiva, entre os dias 25 e 27 de dezembro e entre os dias 1º e 3 de janeiro. Mas nem todos os municípios do estado respeitaram a determinação, permitindo a abertura do comércio e de serviços considerados não essenciais. Além disso, parte da população do estado também não respeitou a regra e promoveu ou participou de aglomerações em praias e até festas clandestinas no período.

Na Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo só podem funcionar os serviços considerados essenciais nas áreas de abastecimento, segurança, transporte e saúde, como mercados, farmácias, postos de combustível, padarias e lavanderias. Já a Fase Amarela permite a reabertura de shoppings, bares, comércio de rua, academias, restaurantes, concessionárias, escritórios, eventos culturais e salões de beleza, mas com limite de 40% de sua capacidade e com horário de funcionamento restrito.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases, que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (Vermelho) a etapas identificadas como controle (Laranja), flexibilização (Amarelo), abertura parcial (Verde) e normal controlado (Azul). O plano divide o estado em regiões e cada uma delas é classificada em uma fase, dependendo de fatores como a capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

 

 

*Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil

SÃO PAULO/SP - Os moradores do Estado de São Paulo deverão enfrentar uma surpresa no bolso nas primeiras semanas de 2021. O governo paulista está autorizado a revisar os atuais incentivos fiscais e o repasse das empresas para os seus produtos será quase que inevitável.

Segundo matéria da Folha de São Paulo, os principais setores que seriam atingidos são o de remédios, alimentos e combustíveis.

E como consequência, os empresários deverão aplicar o aumento do custo de carga tributária nos preços dos seus produtos. Desta maneira, os preços aos consumidores devem subir.

A reforma administrativa aprovada em outubro em São Paulo autoriza o governo estadual a rever os benefícios fiscais.

Um dos principais incentivos que as empresas recebem atualmente é a isenção do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). E o ajuste fiscal paulista prevê o corte de 20% nos incentivos atuais.

 

 

*Por: ISTOÉ DINHEIRO

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral