fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Americanas pode fechar mais 80 lojas em 2024 e vender fintech Ame © Shutterstock

Americanas pode fechar mais 80 lojas em 2024 e vender fintech Ame

Escrito por  Fev 27, 2024

SÃO PAULO/SP - A Americanas deve continuar o enxugamento da sua estrutura física e fechar cerca de 80 pontos de venda neste ano. A varejista, que está em recuperação judicial desde janeiro de 2023, depois de assumir uma fraude contábil de R$ 25 bilhões, tem hoje cerca de 1.680 lojas e pode chegar a 1.600 até o fim do ano, afirmou à reportagem o presidente da companhia, Leonardo Coelho.

"Mas também acreditamos no crescimento da empresa, estamos estudando abrir dez novos pontos de venda até o fim do ano", disse.

Entre os desinvestimentos para levantar capital e focar no novo público -homens e mulheres das classes B e C-, estão a venda da rede de hortifrútis Natural da Terral, Único (franquias de Puket e Imaginarium) e até da fintech Ame Digital.

Neste último caso, segundo Coelho, a empresa também avalia um sócio "se houver uma parceria interessante".

Nesta segunda-feira (26), a Americanas divulgou os resultados trimestrais de janeiro a setembro de 2023, cuja divulgação já havia sido adiada por três vezes. O balanço do quarto trimestre de 2023 está previsto para o próximo dia 26 de março.

Também nesta segunda, a 4ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro homologou o plano de recuperação judicial da companhia, que havia sido aprovado pela maioria dos credores no fim de 2023.

Em número de lojas, o grupo tinha 1.880 pontos de venda em janeiro do ano passado e hoje são 1.748, uma queda de 7% que envolveu não só a bandeira Americanas, mas também a Local (de lojas de conveniência) e o hortifrúti Natural da Terra.

O fechamento de 132 pontos de venda em um ano representa cerca de uma loja encerrada a cada três dias.

"As lojas que devem ser fechadas neste ano não apresentam uma contribuição positiva para a companhia, especialmente as de menor tamanho", afirmou Coelho, que diz estar trabalhando para encontrar "novas avenidas de crescimento" para a varejista.

 

MAIS LÂMPADAS E PROMOÇÕES NA FRENTE DA LOJA

"A Americanas que teremos pelos próximos dois anos será bem menor do que aquela que existia antes", disse. O foco da "nova Americanas" está no público das classes B e C, acima de 18 anos.

Neste sentido, saem de cena das lojas os eletroeletrônicos e os eletrodomésticos, e passam a ter mais peso as guloseimas, os itens de higiene e beleza de marcas populares e tudo o que for considerado "conveniência".

"Começamos a venda de lâmpadas, por exemplo, e nossa participação de mercado foi de 0% a 12%", disse Coelho. A varejista também está trabalhando em marcas próprias, que apresentem um equilíbrio entre qualidade e preço competitivo.

As marcas premium, por sua vez, estarão no marketplace, oferecidas pelos lojistas parceiros ("sellers"). "Nas lojas físicas, não teremos iPhone ou o Galaxy da Samsung. Mas esses modelos estarão no site, enquanto nas lojas serão oferecidos celulares de preços mais competitivos", disse.

Na "nova Americanas", a ideia é trabalhar cada vez mais promoções no ponto de venda, trazendo para a frente da loja, todos os dias, os itens que estiverem com maior desconto em relação à concorrência.

Apesar da crise de reputação que fez com que as vendas online desabassem 77% nos nove primeiros meses de 2023 frente ao mesmo período do ano anterior, as vendas nas lojas físicas recuaram apenas 4%.

"Isso mostra o quanto a Americanas é uma marca forte e tem um público fiel", afirmou Coelho. "Nós perdemos sellers no marketplace, mas quem ficou está vendendo cada vez mais."

Entre as tarefas difíceis da recuperação judicial está a unificação da cultura da Americanas. "Eram diferentes silos dentro da empresa, que não conversavam entre si: físico, digital, advertising e Ame", disse Coelho.

A empresa passou a adotar reuniões semanais entre as diferentes áreas. Quem não se adaptou acabou saindo da empresa, segundo o executivo.

Na opinião de André Pimentel, sócio da consultoria Performa Partners, ainda é preciso aguardar os resultados do último trimestre de 2023.

"Foi um período extremamente desafiador para o varejo como um todo, com baixo desempenho nas duas datas principais, Black Friday e Natal", afirmou. Segundo ele, além disso, o cacau está em alta, o que deve afetar a produção para a Páscoa -período que é um dos carros-chefe da Americanas.

Segundo Pimentel, a evolução das despesas mostra que a Americanas ainda não cortou o bastante: foram R$ 4,1 bilhões em custos de vendas gerais e administrativos (SG&A, na sigla em inglês) nos nove primeiros meses de 2023, recuo de 7,5% sobre o mesmo período do ano anterior. "Está muito aquém do que deveria", afirmou.

De acordo com a Americanas, a linha SG&A do balanço foi impactada por despesas não recorrentes relacionadas à reestruturação, como fechamento de lojas e centros de distribuição e demissões.

"Mas considerando apenas as despesas com vendas, a queda foi de 8,6%, enquanto a receita líquida despencou 45%", disse Pimentel. O prejuízo operacional dos nove primeiros meses de 2023, por sua vez, foi de R$ 2,4 bilhões, praticamente estável frente ao prejuízo operacional de R$ 2,5 bilhões do intervalo do ano anterior. "Isso só mostra que essa operação na para em pé", diz Pimentel.

 

 

POR FOLHAPRESS

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Abril 2024 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30          
Aviso de Privacidade

Este site utiliza cookies para proporcionar aos usuários uma melhor experiência de navegação.
Ao aceitar e continuar com a navegação, consideraremos que você concorda com esta utilização nos termos de nossa Política de Privacidade.