fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

SÃO CARLOS/SP - Enquanto no Brasil, a Embrapa celebrava seus 48 anos, com lançamento de tecnologias, na Filadélfia (EUA), a nanoemulsão de cera de carnaúba era lançada em âmbito mundial pela AgroFresh Solutions, Inc. com o nome Life Ultra. A inserção da tecnologia no mercado global ocorre dentro da plataforma de expansão de produtos naturais VitaFresh™ Botanicals da multinacional norte-americana, líder global em soluções pós-colheita.

Desenvolvida pela Embrapa Instrumentação (São Carlos) em parceria com a QGP Tanquímica e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a tecnologia preserva a qualidade e prolonga o tempo de vida das frutas por mais tempo, em média, em até 15 dias. O impacto na forma sustentável de produzir e de consumir reflete na redução de perdas e desperdício de alimentos, um problema grave em âmbito mundial.

O pesquisador Marcos David Ferreira, um dos responsáveis pelo desenvolvimento da nanoemulsão de cera de carnaúba, explica que a triangulação entre as três instituições envolveu um modelo de negócio diferenciado. A QGP Tanquímica, licenciada para fabricar a solução, assinou um contrato de cooperação com a AgroFresh visando alavancar o produto no mercado nacional e internacional.

"A entrada da AgroFresh está impulsionando a adoção da tecnologia por setores produtivos de países da América Latina, Europa e Ásia, permitindo que um contingente maior seja beneficiado", diz o pesquisador sobre a primeira tecnologia da Embrapa Instrumentação lançada, distribuída e comercializada internacionalmente.

"O processo geral da tecnologia de nano emulsão usada para produção do VitaFresh™ Botanicals - Life Ultra produz uma solução excepcional para manutenção de frescor", acrescentou a gerente de pesquisa e desenvolvimento da QGP Tanquímica,  Marilene Ribeiro.

A AgroFresh é a maior distribuidora comercializadora, nacional e internacional, da nanoemulsão de carnaúba. O CEO da empresa, Clint Lewis, disse ser um prazer unir forças com a empresa brasileira para o lançamento global deste novo recobrimento.

"O Life Ultra é parte importante do portfólio VitaFresh™ Botanicals e continua o compromisso de décadas da AgroFresh com inovação e redução da perda e desperdício de alimentos. Estamos felizes pela forma como esta solução a base de plantas abre oportunidades de negócios ao consumidor da cadeia de alimentos, empacotadores e varejistas". Afirma o CEO.

Entre os fatores que contribuíram para a rápida inserção da tecnologia no mercado estão desenvolvimento sustentável, funcionalidade, facilidade de uso, flexibilidade, inovação, forte conexão com o setor produtivo e segurança. A nanoemulsão mantém as propriedades sensoriais do fruto, reduz a perda de massa e proporciona brilho.

"A internacionalização dessa tecnologia em vários continentes confirma a excelência da pesquisa nacional. Demonstra de forma inequívoca que o investimento em C&T alimenta um ciclo virtuoso de impactos econômicos, sociais e ambientais", lembra o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João de Mendonça Naime.

De acordo com o Balanço Social divulgado essa semana, a Empresa gerou um lucro social de R$ 61,85 bilhões no ano passado. Pode se dizer, assim, que o índice de retorno social é de R$ 17,77 para cada real aplicado na Embrapa.

Ganhos de caráter ambiental e socioeconômico foram decisivos para a alemã Lemon Fresh aplicar o produto em 15% das frutas beneficiadas diariamente. A empresa está revestindo o popular limão Tahiti e exportando para a Europa e Oriente Médio - região da Ásia formada por 15 países -, a partir da Alemanha.

De acordo com diretor comercial, Luís Carlos Rugeri, a expectativa da empresa é utilizar a tecnologia em 100% do fruto, ampliar a participação no mercado europeu e entrar em todo o continente asiático, o mais extenso e populoso do mundo, com quase cinco bilhões de pessoas.

"Observamos que a nanoemulsão reduz a perda de peso da fruta, aumentando em até três vezes a vida útil em armazenagem refrigerada, além de melhorar a qualidade do suco e a coloração", afirma o diretor.

A tecnologia foi desenvolvida em cerca de sete anos de pesquisa, com o suporte técnico e científico do Laboratório Nacional de Nanotecnologia para o Agronegócio (LNNA), sediado na Embrapa Instrumentação e com apoios de órgãos de fomentos. Entre eles, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

No Brasil, terceiro maior produtor mundial de frutas, com grande diversidade de espécies cultivadas, os produtores rurais de base empresarial e empresas de beneficiamento pós-colheita de frutos são os principais contemplados pela tecnologia.

 

 

 

*Por: Joana Silva

   SÃO CARLOS/SP - As adversidades causadas pela pandemia do novo Coronavírus em 2020 não impediram que a Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP) aumentasse as parcerias com o setor produtivo, focadas em demandas de mercado, viabilizadas com projetos da chamada inovação aberta, que permitem agilizar a obtenção de resultados e soluções tecnológicas.

     Se em 2019 o Centro de Pesquisa firmou três contratos de cooperação técnica-financeira, esse número triplicou em 2020, com nove acordos, cuja duração é de cinco anos. Esses contratos envolvem valores financeiros diretos de R$1,1 milhão captado junto às empresas e R$1,9 milhão aportado pela Embrapa.

     Além dos valores financeiros, existem os recursos indiretos (mão-de-obra, infraestrutura), que atingem R$ 4,6 milhões por parte da Embrapa e R$ 5 milhões pelas empresas parceiras. "É uma relação na qual ambos ganham, pois as empresas parceiras, em sua maioria, são startups, que muitas vezes não dispõem de equipamentos e pessoal. Por outro lado, esses valores vão contribuir para o financiamento de parte de nossa carteira de projetos", explica o chefe adjunto de Pesquisa & Desenvolvimento, José Manoel Marconcini.

     "Vale ressaltar também que esse tipo de projeto começa e termina no setor produtivo (cliente/cidadão/usuário externo) e que, nas parcerias formalizadas, existe o compromisso da empresa com a adoção das soluções tecnológicas a serem geradas, ou seja, a sociedade será impactada pelas inovações que surgirem", argumenta o chefe-geral da Embrapa Instrumentação, João Naime.

Na terra e no ar

     Os contratos de inovação aberta realizados pela Embrapa Instrumentação em 2020 impactam diferentes áreas do agronegócio, desde commodities como algodão e soja, passando pela produção de uvas e vinho, fruticultura, química e fertilidade do solo, automação e inteligência artificial na agricultura, nanotecnologia, entre outros.

     Os temas dos projetos envolvem o desenvolvimento de métodos para análises quantitativas de macro e micronutrientes em tecidos vegetais para serem usados em sistema de laser; sonda multiparâmetros para análise das propriedades físico-químicas do solo; equipamento fotônico portátil para classificação de defeitos em grãos de soja; vitivinicultura de precisão na região Sudeste.

     As parcerias também incluem pesquisas com nanoemulsão de cera de carnaúba com óleo essencial; sensor colorimétrico para rastreamento da qualidade de frutos climatéricos; novas formulações de inoculantes microbianos para tratamento de sementes; diagnósticos precoces de doenças com técnicas fotônicas em sistemas produtivos de algodão e soja em Mato Grosso; além do desenvolvimento de veículos aéreos autônomos ou remotamente controlados para liberação de agentes de controle biológico em campo.

     "É importante observar que o VII Plano Diretor da Embrapa, lançado em novembro de 2020, prevê que até 2023 ocorra um aumento para 40% em relação à participação de projetos de inovação aberta com o setor produtivo na programação de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da Empresa", explica Débora Milori, chefe adjunta de Transferência de Tecnologia.

     "Mas a Embrapa Instrumentação, atenta à essa sinalização e aos anseios do setor produtivo e da sociedade, já atingiu a expressiva marca de 63,1% em inovação aberta ao final de 2020, dos 38 projetos que o Centro de Pesquisa lidera atualmente. Mais do que uma tendência, é uma realidade a conexão com as empresas de diferentes segmentos, com o objetivo de alavancar, a partir de tecnologias em alto nível, os resultados do agronegócio brasileiro", finaliza Débora Milori.

 

 

*Por: Edilson Fragalle 

Os mais significativos resultados de projetos tecnológicos desenvolvidos no Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP)

 

SÃO CARLOS/SP - A Unidade EMBRAPii do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) - primeira unidade Embrapii credenciada na região - irá realizar a partir do dia 27 de novembro, o lançamento dos mais significativos resultados dos projetos tecnológicos mais relevantes desenvolvidos no Instituto, em parceria com cerca de duas dezenas de empresas, cujo foco se centraliza na área da saúde humana, saúde ambiental ou melhoria na produção de alimentos, com grandes benefícios para a sociedade.

Assim, no dia 27 de novembro, às 17h00, será lançado o projeto intitulado “Desenvolvimento de Instrumentação para monitoramento da fermentação do mosto de bebidas por espectroscopia infra-vermelho e da bebida final”, realizado em parceria com a empresa BR Tecnologia em Bebidas Lda.. Nesta apresentação, serão divulgados os resultados do citado projeto e a apresentação de um novo produto que auxiliará as cervejarias de todos os tipos a avaliar a cor e o amargor da cerveja.

O segundo projeto a ser apresentado será lançado no dia 04 de dezembro, às 17h00, subordinado ao tema Desenvolvimento de Processo e Planta para a Síntese Química de Curcumina e Aplicações do Ativo como Fotossensibilizador em Estudos que envolvam Terapia Fotodinâmica”, pela empresa PDT Pharma Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Lda..

Todos os eventos serão online e abertos à participação de todos os interessados, com explicações e demonstrações sobre os temas.

A Unidade EMBRAPPii do IFSC/USP tem plena certeza de que as parcerias estabelecidas com os setores empresarial e industrial são as formas mais eficazes de transferir o conhecimento inovador gerado na Universidade diretamente para a sociedade, consolidando, assim, a contribuição da cidade de São Carlos para o desenvolvimento do País.

Para participar nos eventos acima citados, acesse o link.

https://www.youtube.com/sitecepof

Para obter informações adicionais, utilize o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

(Rui Sintra - IFSC/USP)

SÃO CARLOS/SP - Se um drone sozinho já foi associado a um filme de ficção científica, imagine um esquadrão desses aparelhos em diferentes formas e tamanhos povoando o espaço aéreo, executando tarefas como pulverização da lavoura, numa velocidade muito maior do que seria feito apenas por um.

O uso desse novo formato ainda está em fase inicial, mas vários experimentos já estão sendo conduzidos pelo mundo afora e com aplicações diversificadas. No Brasil, a Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP) iniciou os estudos numa área com grande potencial de uso – a agricultura de precisão.

O pesquisador Lúcio André de Castro Jorge conta que a robótica de enxame ou inteligência de enxame já é alvo de pesquisa no País, envolvendo grupo de produtores de café e área florestal. "Em ambos os casos, a Embrapa foi demandada por produtores para realizar um estudo visando a escolha da melhor plataforma de drones para trabalho em comboio", afirma o pesquisador, à frente da iniciativa.

No caso do café, o estudo conta com o apoio de uma rede de pesquisa em robótica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade de São Paulo (USP), campus de São Carlos, e institutos de pesquisa da Itália. O projeto é focado em pulverização de áreas adensadas.

Segundo Lúcio Jorge, no caso da área florestal, a demanda está pautada na realização de inventários qualitativos em áreas plantadas. "Uma tendência muito forte está indicando que o crescimento no tamanho das aeronaves não deverá ser alterado, mas a operação de aeronaves menores dera ser realizada por apenas um controlador ao mesmo tempo", avalia.

Exemplo vem da natureza

Itália e Holanda são exemplos de países que estão apostando nessa tendência, eles se uniram para produzir e testar o primeiro protótipo no controle de ervas daninhas usando a robótica de enxame ou inteligência de enxame, segundo informações da Universidade e Pesquisa de Wageningen.

Especialistas acreditam que a aplicabilidade da robótica de enxame na agricultura de precisão vai trazer mudança de paradigma e impacto considerável, pelas vantagens que o conjunto de drones vai oferecer, entre elas, a redução de tempo para executar as tarefas e a geração de dados para tomada de decisões. Eles estimam que operações usando a inteligência de enxames vão aumentar drasticamente na próxima década.

Lúcio Jorge, que estuda o uso de drones na agricultura, processamento de imagens captadas pelas câmeras embarcadas nos aparelhos, há mais de 20 anos, diz que o "bando" de drones será capaz futuramente de avaliar alvos para aplicação de insumos agrícolas, distribuir tarefas e executá-las praticamente sem intervenção humana.

O exemplo vem da natureza, de enxames de abelhas, bando de pássaros ou cardumes de peixes, que usam a inteligência coletiva para se comunicar e resolver tarefas. "Vamos precisar dar apenas um comando para que o esquadrão se organize, assim como fazem os pássaros e de forma descentralizada", explica.

Uso de drones se expande no País

Assim como está ocorrendo em outros países, entre eles, os Estados Unidos, onde a Federal Aviation Administration (FAA) projeta um número de unidades de drones em quase quatro milhões para 2021, no Brasil o crescimento também vem se expandindo e deve chegar a 400 mil aparelhos no próximo ano.

Na era das fazendas conectadas, o pesquisador afirma que os drones estão gerando milhares de informações, de forma muito rápida, assim como outros dispositivos, como satélites que contam com sensores inteligentes para cumprir tarefas."O drone é uma ferramenta auxiliar, um complemento para tomada de decisão", constata.

De acordo com um levantamento do começo deste ano realizado pela consultoria McKinsey&Company, a aplicação de insumos em taxa variável (VRA) e drones são as tecnologias mais adotadas pelos produtores atualmente. A empresa ouviu cerca de 750 produtores de 11 estados, sendo 53% deles afirmaram que já utilizam pelo menos uma tecnologia ou estão dispostos a adotar pelo menos uma nas próximas duas safras.

"Ainda há muito espaço para crescer, tem demanda, são esperados ganhos de produtividade, redução de custos, mudança no próprio gerenciamento da fazenda com o uso de drones. A tecnologia está em todas as áreas", avalia Lúcio Jorge.

Mas o pesquisador chama atenção para a necessidade de convergência de várias áreas do conhecimento, como computação, engenharia,agronomia, biologia, entre outras, para analisar as camadas de informação geradas pelos aparelhos para tomada de decisão posterior. "Não é um único fator que é utilizado e analisado para fornecer um mapeamento ao produtor, por isso, é preciso vários saberes juntos", diz.

A operação dos chamados drones cooperativos foi abordada por Lúcio Jorge durante apresentação virtual no DroneShow, encerrado na quarta-feira (30/09).

 

 

*Por: Joana Silva

RIBEIRÃO BONITO/SP - Os produtores rurais de Ribeirão Bonito, município com cerca de 13 mil habitantes na região de São Carlos (SP), poderão ganhar tecnologias sociais desenvolvidas pela Embrapa Instrumentação. O projeto "Tratô na Roça" vai sortear duas Fossas Sépticas Biodigestoras (para tratamento do esgoto do vaso sanitário) e dois Cloradores Embrapa (para tratamento de água).

     Realizado pela ONG Veracidade, criada em 2012, o projeto de educação ambiental tem o objetivo de capacitar agricultores de municípios de pequeno porte em saneamento básico rural e, para isso, propõe a instalação de unidades demonstrativas com oficinas participativas, de forma a difundir os sistemas de tecnologias sociais para o maior número de pessoas.

     O "Tratô na Roça", desenvolvido com recursos do Fehidro (Fundo Estadual de Recursos Hídricos), já passou pelos municípios de Itirapina (com cerca de 18 mil habitantes) e Boa Esperança do Sul (cuja população é estimada em 15 mil moradores), onde também foram sorteadas duas unidades da Fossa e do Clorador.

 

Capacitação virtual

     "Devido à pandemia, tivemos que adaptar as atividades no segundo município, onde não pudemos realizar as oficinas com público. Como adaptação, contratamos uma empresa que gravou as oficinas e esses vídeos instrutivos serão divulgados tanto nas cidades onde atuamos quanto para outros locais, permitindo a divulgação do projeto e das tecnologias para mais pessoas", explica a bióloga Aline Zaffani.

     "Como previa o contrato de cooperação técnica que temos com a ONG Veracidade, fizemos uma capacitação presencial em São Carlos e a oficina de instalação, em 2019. Agora, por causa do novo Coronavírus, essa estratégia de utilização de vídeos vai contribuir para que o projeto continue e tenhamos novos multiplicadores das tecnologias", diz o pesquisador da Embrapa Instrumentação Wilson Tadeu Lopes da Silva, que coordena as ações em saneamento rural.

     Para a atividade de Ribeirão Bonito, cujo prazo de inscrição vai até 27 de setembro, também haverá o sorteio de cisterna (para armazenamento da água da chuva), e composteiras (para tratamento dos resíduos orgânicos), e o participante pode escolher se quer concorrer a todas as tecnologias ou escolher apenas as que sejam do seu interesse – o contato deve ser feito pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

     "Os sorteados irão receber o material para a instalação e participarão da montagem, com a equipe do projeto. Em contrapartida, os proprietários são responsáveis pela mão de obra e por se disponibilizarem a receber visitantes para saber do funcionamento, após a pandemia", detalha a coordenadora de projetos da Veracidade, acrescentando que a expectativa é realizar todas as instalações em Ribeirão Bonito ainda em 2020, seguindo os protocolos de saúde.

 

 

*Por: Edilson Fragalle 

SÃO CARLOS/SP - A Embrapa e a Bayer estão estabelecendo uma cooperação técnica buscando apoiar a consolidação de um mercado de carbono específico para a agricultura brasileira. O objetivo da parceria público-privada é investir em ações de pesquisa científica para reduzir as incertezas e o custo na quantificação do balanço de carbono pelos produtores de soja e de milho, viabilizando assim a remuneração desses agricultores pelos benefícios ambientais produzidos com a diminuição das emissões de gases de efeito estufa (GEE).

Essa iniciativa denominada “Avaliação piloto do balanço de carbono na produção de milho e soja no Centro-Sul do Brasil: cooperação Bayer e Embrapa para o desenvolvimento sustentável” será conduzida com a participação de três centros de pesquisa da Embrapa no estado de São Paulo: Embrapa Informática Agropecuária (Campinas, SP), Embrapa Instrumentação (São Carlos, SP) e Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP). O projeto de pesquisa piloto abrange o ano agrícola 2020/2021, com duração de 12 meses.

“O propósito é contribuir para a valorização, e consequente benefício econômico para o agricultor, da adoção de práticas agrícolas mais sustentáveis, com balanços de carbono mais favoráveis, por meio da definição e avaliação de protocolos para estimar, projetar e monitorar a dinâmica e o balanço do carbono em sistemas de produção dessas culturas”, informa o pesquisador da Embrapa Luís Gustavo Barioni.

A agricultura brasileira já emprega diversas boas práticas que são adaptadoras da agricultura, podendo trazer ganhos de eficiência técnica e produtiva e também maior renda para o agricultor. “Essas práticas poderiam ter maior adoção com o pagamento pelos cobenefícios ambientais associados a elas, em particular a redução das emissões e  o aumento da captura de carbono nos solos agrícolas”, explica Giampaolo Pellegrino, pesquisador da Embrapa e presidente do Portfólio de Mudanças Climáticas da Empresa.

“A proposta está alinhada com os desafios para inovação priorizados pelo comitê gestor do Portfólio, sobretudo quanto aos desafios vinculados à quantificação de carbono e à redução das emissões de GEE, que se configuram como as mais sustentáveis e as melhores práticas na agricultura. Uma questão importante e que temos trabalhado sempre é a adaptação da agricultura vinculada a essas ações, focadas no tripé da sustentabilidade, ou seja, em benefícios ambientais, sociais e econômicos, que representam os objetivos de inovação definidos no Portfólio”, conta Pellegrino.

Existe um enfoque na divulgação de práticas sustentáveis, para que elas sejam cada vez mais adotadas pelos agricultores, trazendo mais eficiência para o sistema agrícola e promovendo a melhoria da renda no campo. Os benefícios vão além da redução das emissões, incluindo a adaptação da agricultura, tornando-a mais resiliente e promovendo equilíbrio dos sistemas produtivos, com menos impactos em razão das mudanças climáticas. Busca-se ainda gerar uma produtividade maior em razão do manejo mais adequado, revertendo em maior rentabilidade da produção e também melhorando a qualidade de vida do agricultor.

“Os produtores podem realmente contribuir muito para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, otimizando a captura e armazenamento de carbono no solo e sendo recompensados pela ação. É por isso que a Bayer está atuando em parceria com eles para trabalhar em prol de um futuro de baixo carbono na agricultura a partir da Iniciativa Carbono Bayer”, afirma o presidente da divisão agrícola da Bayer para a América Latina, Rodrigo Santos.

Por meio da adoção de práticas de baixo carbono, como o uso eficaz da terra e melhor manejo de áreas produtivas e agricultáveis, as emissões relacionadas à agricultura podem ser significativamente reduzidas e mais carbono pode ser capturado no solo – beneficiando o planeta e a rentabilidade dos produtores, pois assim eles podem produzir mais alimentos na mesma terra, além de comercializar o carbono capturado, destaca o presidente.

Fundos verdes internacionais

A expectativa é que, com a incorporação dessas características, as boas práticas agrícolas brasileiras possam ter acesso mais facilmente aos fundos internacionais focados em financiar ações sustentáveis e mitigadoras do aquecimento global, provocado pelas emissões de GEE na agricultura. Os pesquisadores alertam que esses fundos são extremamente rigorosos com relação às garantias de que a atividade financiada de fato oferece o benefício do estoque de carbono no ambiente agrícola.

Por meio da parceria, a Embrapa e a Bayer pretendem mudar esse contexto, contribuindo para a quebra dessas barreiras e oferecendo, a médio e a longo prazo, protocolos que permitam estimar e monitorar as emissões de forma ágil e com baixo custo, mas mantendo a acurácia e a credibilidade necessárias para aceitação internacional. Isso vai permitir ao Brasil avançar na direção do desenvolvimento de um mercado de carbono nacional que faça a intermediação entre os agricultores brasileiros e os fundos verdes internacionais.

“O Brasil já promove ações ousadas no estabelecimento de sistemas conservacionistas de produção, como plantio direto e sistemas integrados de produção, entre outros, que têm demonstrado aumento da matéria orgânica no solo em relação aos manejos convencionais de cultivo ou mesmo de áreas nativas, particularmente nos Cerrados, demonstrando assim capacidade de sequestrar carbono no solo”, lembra o pesquisador da Embrapa Ladislau Martin Neto. “É uma grande vitória para a pesquisa agropecuária e para os produtores rurais brasileiros, apoiados por uma indústria de insumos reconhecida globalmente”, complementa.

Conforme o chefe-geral da Embrapa Meio Ambiente, Marcelo Morandi, sustentabilidade é algo concreto, mensurável, que pode ser construído e precificado e que entrou definitivamente na agenda da agricultura. “É inevitável esse caminho. Estamos inseridos em mercados globais que exigem isso, e já temos consciência que não há outra forma de seguirmos adiante,” diz.

Morandi ressalta que, se no passado o aumento da produção era baseado na ampliação de área sem maiores preocupações com as consequências, hoje o crescimento da agricultura e da pecuária está pautado pelo ganho de produtividade e com preocupação ambiental. Para ele, os avanços em produtividade garantem efeitos poupa-recursos, além de aprofundar a consciência ambiental dos produtores.

“Com isso, essa parceria será um grande marco, porque permitirá a construção de uma métrica adequada para a estimação do sequestro de carbono no solo em condições tropicais de cultivo, em função das boas práticas agrícolas. Isso permitirá não só a mitigação dos efeitos das mudanças do clima, assim como a precificação deste serviço ambiental prestado pelo sistema produtivo, em adição ao que já é feito nas áreas de preservação. Portanto, abre um novo campo para investimentos verdes na agricultura”, avalia.

Nessa iniciativa, a Bayer contribuirá com a cessão de acesso aos dados de quantificação de carbono no solo e às informações referentes aos sistemas produtivos de clientes cujos contratos concedam tal autorização, além do financiamento das atividades a serem realizadas. A Embrapa, por sua vez, oferecerá em contrapartida uma estrutura computacional e laboratorial especializada e a competência técnica da equipe de profissionais multidisciplinares, para a geração de soluções técnico-científicas que tragam as melhorias previstas e fortaleçam o uso de tecnologias digitais, de acordo com a chefe-geral da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá.

Metodologias inovadoras

O projeto-piloto vai aplicar metodologias inovadoras e técnicas em modelagem agroambiental desenvolvidas pelos centros de pesquisa da Embrapa, de modo que a Bayer possa remunerar os agricultores que, ao adotarem boas práticas estimuladas pela empresa, foram capazes de melhorar a capacidade adaptativa e o balanço de carbono em seus sistemas de produção.

Porém, os pesquisadores da Embrapa ressaltam que os aprimoramentos técnico-científicos, necessários para vencer as barreiras apontadas e evolutivamente oferecer a credibilidade necessária para o reconhecimento internacional, e até possível registro em certificadora com abrangência global, permitindo o acesso a fundos verdes, serão obtidos com o desenvolvimento da etapa de médio e longo prazo, ou seja, aproximadamente quatro anos, em nova proposta da Embrapa com a Bayer, como sequência do piloto.

A pesquisadora Marília Folegatti, da Embrapa Meio Ambiente, enfatiza que para que os produtores de grãos acessem futuramente um mercado de carbono, que é a intenção da Bayer, será necessário quantificar o balanço de carbono dos sistemas de produção de grãos, mas também a pegada de carbono dos produtos. “Esta pegada de carbono é calculada pela Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), uma técnica desenvolvida para verificar o impacto de produtos no meio ambiente”, explica.

Na ACV são analisados os efeitos ambientais associados às atividades produtivas ao longo de todo o ciclo de vida do produto. Essa informação já é exigida em algumas relações comerciais internacionais. Ainda conforme a pesquisadora, essa métrica também serve como ferramenta para a gestão ambiental em nível de fazenda. “Conhecendo os aspectos que contribuem para as emissões de gases de efeito estufa dos grãos, será possível ao produtor fazer intervenções necessárias no seu processo produtivo, e com isso contribuir efetivamente para sua mitigação”, ressalta.

“As medidas de estoque de carbono no solo variam no espaço e no tempo, e levantar essas informações em larga escala e periodicamente é um grande desafio para o estabelecimento de um mercado mundial de carbono”, avalia a chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Instrumentação, Débora Milori.

Em 2018, a Unidade licenciou para a iniciativa privada tecnologias utilizando laser para quantificar o carbono no solo (método utilizando a espectroscopia LIBS – Laser-Induced Breakdown Spectroscopy) e avaliar sua estabilidade (método utilizando a espectroscopia LIFS – Laser-Induced Fluorescence Spectroscopy).

“Esses novos métodos, sem preparo químico da amostra, têm custo reduzido e são muito rápidos. Essas características técnicas viabilizam a avaliação rápida dos estoques de carbono no solo nas propriedades rurais e permitem um acompanhamento da evolução dos processos de acúmulo e perdas como função do tempo. Dessa forma, o produtor que trabalhar com manejos de solo conservacionistas e acumular carbono no solo poderá receber por esse serviço ambiental”, observa Milori.

Além de ajudar nas estimativas dos estoques de carbono no solo, a modelagem biogeoquímica e o uso de simuladores da produtividade de culturas e da dinâmica de carbono no solo permitirão prever a quantidade esperada de variação nos estoques de carbono. As avaliações serão auxiliadas por análises de agrupamento, tipologia e caracterização dos sistemas de produção abrangidos pelo projeto, considerando os dados e parâmetros demandados pelos modelos biogeoquímicos e de ACV. Também será possível gerar inventários de processos e Inventários de Ciclo de Vida (ICV) para estimar a pegada de carbono, por meio da ACV, para os sistemas de produção típicos.

Entre as metodologias adotadas no projeto-piloto, estão protocolos para quantificação de estoques de carbono no solo, com a análise de métodos nacionais e internacionais, no intuito de gerar um protocolo nacional de referência, além da aplicação de técnicas inovadoras e de baixo custo para monitoramento e verificação desses estoques. Serão gerados relatórios técnicos sobre a tipificação dos sistemas produtivos, avaliação de modelos biogeoquímicos e estimativa da variação dos estoques de carbono e incertezas, que permitirão testar e atestar o uso de soluções computacionais e simulação matemática como solução para a estimação da dinâmica do carbono de forma objetiva, acurada e de baixo custo.

“A Bayer está intensificando uma abordagem transparente, colaborativa e baseada em ciência, para ajudar os produtores na adoção de práticas agrícolas sustentáveis, por meio do estabelecimento de iniciativas de carbono. O objetivo da empresa é liberar fluxos de receita adicionais para os produtores, dando ao mesmo tempo sua contribuição para a mitigação das mudanças climáticas”, afirma Santos. “A Bayer continuará trabalhando com vários elos da cadeia de valor e especialistas em clima, visando criar condições para projetos de carbono, que tenham a ciência como base, favorecendo os produtores técnica e economicamente, bem como parceiros dispostos a participar do mercado de carbono”, enfatiza.

 

 

*Por: Nadir Rodrigues 
Embrapa Informática Agropecuária
 

*Por: Joana Silva 
Embrapa Instrumentação

SÃO CARLOS/SP - Um encontro na terça-feira (21) vai reunir diversos especialistas de instituições públicas e privadas para discutir o panorama atual, avanços e perspectivas do uso de drones na pulverização e no controle biológico das lavouras. Esses veículos, já largamente empregados na agricultura para detectar pragas e doenças, entre outras, vem ganhando cada vez mais espaço na aplicação de defensivos pelas vantagens que oferecem. Uma delas é a facilidade de sobrevoar áreas de difícil acesso.

O debate, a partir das 14 horas, é uma iniciativa que envolve o MundoGeo, a Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), ALSV Agro Drone Pulverização, SarDrones e SkyWorks. A moderação será realizada pelo fundador e CEO do MundoGeo, Emerson Granemann.

Para o pesquisador da Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP), Lúcio André de Castro Jorge, o uso de drones, para a pulverização de defensivos agrícolas em lavouras é uma nova opção que começa a ter seu uso intensificado na agricultura. Geralmente o trabalho é realizado com pulverizador de arrasto ou autopropelido, com avião agrícola ou ainda com pulverizador costal, em casos de pequenas propriedades ou áreas experimentais.

Mas os veículos aéreos não tripulados apresentam algumas vantagens em relação às ferramentas tradicionais. "Com esses veículos de pequeno porte é possível sobrevoar áreas de difícil acesso, realizar pulverização localizada em locais com falha de controle, não causar o amassamento da cultura, o tempo de exposição do aplicador é menor", esclarece o pesquisador.

No entanto, o especialista em processamento de imagens aéreas captadas por drones, lembra que essa tecnologia ainda carece de resultados de pesquisa sobre as metodologias adequadas de avaliação, a qualidade técnica das pulverizações, as diferentes aplicabilidades, assim como as vantagens e desvantagens em relação às tecnologias já utilizadas.

"Na Embrapa tem sido feito um esforço para testar o uso de drone na pulverização de produtos fitossanitários em sistema com delineamento de pesquisa e sistema semelhante a áreas de produção comercial. A proposta é apresentar a viabilidade prática e os parâmetros técnicos para o controle eficiente de plantas daninhas, insetos e doenças nas culturas avaliando também o custo operacional quando comparado com a pulverização com outras tecnologias", afirma Castro Jorge.

Mapa regulamenta uso de drones

O uso de drones para pulverização já é bastante comum em alguns países da Ásia, pioneira na prestação desse serviço. A China contabiliza 30 mil aparelhos na pulverização de lavouras. No Brasil, o uso de drone para pulverização ainda é recente, mas vem crescendo em algumas culturas, como as de eucalipto, cana-de-açúcar, arroz, café e laranja, nas regiões Sul e Sudeste do país.

"No entanto, são poucos os países do mundo que possuem normativos específicos para pulverização com drones. Nesse sentido, o Mapa está regulamentando seu uso, visando o aperfeiçoamento e utilização da tecnologia, buscando sempre a segurança do operador, das pessoas próximas e do meio ambiente", diz o agrônomo do órgão, Lucas de Souza. No encontro, ele vai apresentar alguns pontos importantes do regramento que está sendo construindo.

O diretor-fundador da ALSV Agro Drone Pulverização, André Veiga, aponta diversas vantagens no uso de drones, entre elas, a eliminação do amassamento e aumento da produtividade, a precisão da aplicação com melhoria da qualidade e aplicação localizada.

Veiga vai abordar pontos da legislação para os quais acredita haver a necessidade de flexibilização, bem como a agilidade na liberação de documentos, além de lembrar que o trabalho com drones exige atenção e profissionalismo.

Adoção total depende de ajustes

Para o engenheiro aeroespacial Wender Santos, diretor-técnico da SkyWorks Agro, ainda é preciso realizar alguns ajustes no uso de drones para pulverização, como a deriva, para que a tecnologia seja adotada plenamente pelo mercado e também para garantir a permanência dos prestadores de serviço.

Assim como Veiga, ele também defende melhorias em alguns pontos da legislação para que o país possa aumentar a produtividade, manter-se na vanguarda e atrair mais investimentos externos para o setor de tecnologia.

"Os ganhos de produtividade com o uso de drones em enxame para algumas aplicações, por exemplo, é consideravelmente maior do que os métodos tradicionais de execução destas atividades. No entanto, a operação ainda não encontra aplicação real por falta de regulamentação, mesmo com o avanço da tecnologia", comenta. Ele ainda vai abordar o conceito de Drones-as-a-Service (DaaS) como forma de democratizar o acesso a tecnologias inovadoras já integradas em drones e operadas por especialistas.

 "No uso para pulverização isto garante a entrega de resultados de alta qualidade para os produtores, permite que prestadores de serviço consigam reduzir seus custos, e também riscos são menores para ambos", completa.

Gustavo Scarpari, fundador da SarDrones, acredita que o advento dos drones vai contribuir muito para o uso de agentes biológicos, uma vez que viabiliza tecnicamente sua liberação e traz maior qualidade.

"No caso do Trichogramma, por exemplo, que é aplicado no estádio de ovo e na modalidade a granel, o drone se tornou a ferramenta perfeita para a liberação. Acredito que hoje mais de 90% do Trichogramma já é liberado via drones", calcula.

Segundo Scarpari, no caso da Cotesia, que é o controle biológico mais antigo do mundo, com mais de 40 anos de uso, o drone é ainda mais impactante porque, além de toda vantagem técnica, ele ainda permite a retirada de pessoas do campo, de trabalhos exaustivos e perigosos para assumirem outros tipos de tarefas. Entre as diversas vantagens que também vai apresentar no webinar está a possibilidade de usar o drone para fazer a aplicação de controle biológico em horários compatíveis com a biologia do agente, ou seja, a operação pode ter início no final da madrugada, quando o clima é mais fresco.

O webinar "Pulverização e controle biológico com drones" poderá ser acompanhado pela plataforma Webinarjam e pelo YouTube. As inscrições podem ser realizadas pelo endereço https://mundogeo.com/2020/07/14/webinar-com-inscricao-aberta-pulverizacao-e-controle-biologico-com-drones/

 

 

*Por: Joana Silva

SÃO CARLOS/SP - Pesquisadores da Embrapa e da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP) vão esclarecer nesta quarta-feira (8), às 15h30, as recomendações para compras, armazenamento e consumo de frutas e hortaliças, apontadas na cartilha desenvolvida especialmente para o enfrentamento durante a pandemia do novo coronavírus.

São lembretes para o consumidor adotar, mesmo em períodos de normalidade, considerando que frutas e hortaliças são itens importantes da alimentação, de boa nutrição e fortalecem o sistema imunológico. No entanto, para evitar perdas, é preciso planejar a compra e saber como guardá-la em casa.

Os editores técnicos da cartilha, Marcos David Ferreira e Maria Fernanda Berlingieri Durigan, pesquisadores da Embrapa Instrumentação, e Fabiane Mendes da Camara, da Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira (SECQH) da CEAGESP, estarão ao vivo no canal youtube.com/embrapa para esclarecer dúvidas e responder perguntas sobre o assunto.

A moderação do webinar será do analista da Embrapa Alimentos e Territórios, Gustavo Porpino, Ph.D em marketing e responsável por uma pesquisa com o apoio da Fundação Getúlio Vargas (FGV) sobre o desperdício de alimentos.

De acordo com essa pesquisa, a família brasileira desperdiça 128,8 kg diariamente com alimentos. Há vários fatores que levam a essa estatística, mas hábitos de consumo em diferentes elos da cadeia produtiva respondem por boa parte das perdas. Dados da Organização das Nações Unidades para a Alimentação e a Agricultura (FAO) apontam que, mundialmente cerca de um terço dos alimentos produzidos para consumo se perde ou é desperdiçado.

"O bate-papo ao vivo é uma oportunidade que os consumidores terão de tirar suas dúvidas com especialistas no tema. As frutas e hortaliças são produtos perecíveis e sazonais, assim é importante que os consumidores recebam estas informações para auxiliá-los no consumo e conservação, em especial neste momento de dificuldade de acesso ao alimento para muitos", afirma o pesquisador Marcos David Ferreira.

Para Fabiane Mendes, as dicas têm como objetivo auxiliar o consumidor, mas paralelamente fomentar todo o setor, da produção ao consumo. "Certamente é um diferencial e um grande ganho para o setor de alimentos esta parceria devido a capacidade e qualidade técnica que conseguimos obter unindo esforços e pesquisas", diz.

A engenheira de alimentos vai abordar questões de sazonalidade,  diferenças de preços relacionados a variedade, classificação (tamanho) do produto, dicas de como comprar, exemplos de produtos da época, dicas de aproveitamento, congelamento, preparo de caldo de legumes e posterior congelamento, utilização das cascas, entre outros.

A cartilha "Recomendações para compras, armazenamento e consumo de frutas e hortaliças" é gratuita e está disponível apenas em formato digital. Para acessar a publicação basta entrar no endereço https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/213469/1/P-Recomendacoes-para-compras-armazenamento-e-consumo-....pdf

 

 

*Por: Joana Silva

SÃO CARLOS/SP - A parceria de mais de 20 anos entre a Embrapa e a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP) tem resultado em contribuições de diversos formatos. A mais recente é uma cartilha desenvolvida em conjunto com a Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP) para ajudar o consumidor durante a pandemia do coronavírus. A cartilha traz dicas de compra, armazenamento e consumo de frutas e hortaliças, recomendações que evitam perdas e desperdícios de alimentos até em períodos de normalidade.

A cartilha é gratuita e está disponível apenas em formato digital, mas oferece recursos computacionais que facilitam a navegação. Além disso, apresenta um projeto gráfico que explora o padrão de cores dos hortifrútis e cria uma identidade visual com o leitor. Para acessar a publicação basta entrar no endereço https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/213469/1/P-Recomendacoes-para-compras-armazenamento-e-consumo-....pdf

Os editores técnicos Marcos David Ferreira e Maria Fernanda Berlingieri Durigan, pesquisadores da Embrapa Instrumentação, e Fabiane Mendes da Camara, da Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira (SECQH) da CEAGESP, elaboraram um conteúdo de fácil leitura, com dicas simples. Entre elas, a sugestão de se fazer uma lista de compras antes – o que, quando e como comprar, além de cuidados com a conservação e preparo, para aproveitar melhor os hortifrútis e economizar na hora da compra.

 São lembretes para o consumidor adotar, mesmo em períodos de normalidade, considerando que o consumo de frutas e hortaliças são itens importantes da alimentação, de uma boa nutrição e fortalecem o sistema imunológico. As orientações estão distribuídas em duas partes, cada uma com cinco dicas. Uma é voltada para compra e a outra para preservação.

O pesquisador Marcos David Ferreira, que se dedica ao estudo de perdas e desperdícios na fase de pós-colheita há mais de 25 anos, lembra que entre as opções de compras há uma grande diversidade de frutas e hortaliças, e cada uma delas possui características distintas de produção e conservação.

"As frutas e hortaliças são produtos perecíveis e sazonais, assim é importante que os consumidores recebam estas informações para auxiliá-los no consumo e conservação, em especial neste momento de dificuldade de acesso ao alimento para muitos", afirma Ferreira.

Cartilha fortalece parceria

Para a engenheira de alimentos da Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira (SECQH) da CEAGESP, Fabiane Mendes da Camara, editora técnica da cartilha, a parceria com a Embrapa Instrumentação, que já se consolidou por meio de muitos trabalhos, cursos e publicações, é de extrema importância para o setor.

"A cooperação viabiliza soluções de pesquisa e inovação nos processos de produção, armazenamento, comercialização e consumo de frutas e hortaliças in natura, ações que auxiliam também no combate ao desperdício de alimentos", afirma a doutora em Ciência, Tecnologia e Alimentos.

Segundo ela, a cartilha tem como objetivo auxiliar o consumidor, mas paralelamente fomenta todo o setor, da produção ao consumo. "Certamente é um diferencial e um grande ganho para o setor de alimentos esta parceria devido a capacidade e qualidade técnica que conseguimos obter unindo esforços e pesquisas", conclui.

A parceria com centros de pesquisa da Embrapa já ocorre desde 1997, quando teve início as atividades da SECQH. Entre as unidades estão a Embrapa Mandioca e Fruticultura (Cruz das Almas – BA), Embrapa Semiárido (Petrolina- PE), Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves – RS), Embrapa Clima Temperado (Pelotas – RS), Embrapa Hortaliças (Brasília – DF) e Embrapa Instrumentação.

 "A união do conhecimento científico dos pesquisadores da Embrapa com a equipe técnica da SECQH, localizada no maior e mais completo laboratório de pós-colheita e mercado de frutas, hortaliças e flores do Brasil, o entreposto de São Paulo da CEAGESP, sempre deu grandes resultados. Fomos e somos parceiros em eventos técnicos, na elaboração de norma de qualidade e codificação, testes de cultivares e inúmeras publicações", ressaltou Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida, coordenador da SECQH.

SÃO CARLOS/SP - Discutir iniciativas para reduzir a falta de esgoto e água de qualidade na zona rural no Brasil, com impacto nas cidades, é a proposta do webinar "Saneamento Rural e as Perspectivas para a Nova Década", que será realizado dia 27, às 15 horas. Promovido pela Embrapa Instrumentação (São Carlos – SP) com o apoio Instituto Trata Brasil, o encontro virtual vai trazer para a discussão agentes importantes na luta pela universalização do saneamento básico no País.

O webinar terá as participações do promotor de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) do Ministério Público de São Paulo, Rodrigo Sanches Garcia; da gerente do projeto Acesso + Água, Heloísa Binello; do pesquisador da Embrapa Instrumentação, Wilson Tadeu Lopes da Silva; e do presidente do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos, que atuará como moderador.

Dentre vários pontos, o webinar dará foco nos desdobramentos ocorridos das ações decorrentes do novo marco legal, que estão em tramitação no Senado Federal. Também serão tratados assuntos como as responsabilidades dos gestores para com o saneamento rural, o papel do terceiro setor no processo, os aspectos sociais de tecnologias individuais e coletivas para áreas isoladas, entre outros.

"Esperamos mostrar com este webinar a importância do tema, prover informações e caminhos para profissionais que atuam nos diversos setores - público, privado e terceiro setor -, visando propostas mais integradas e alinhadas às demandas da sociedade e à legislação", diz o pesquisador da Embrapa, Wilson Tadeu.

As inscrições gratuitas podem ser realizadas no endereço https://zoom.us/webinar/register/WN__GNTnW8ASMipVRPXGlRrrw

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Maio 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Propagandas gratuitas right 2