fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

No dia 28, é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais. Segundo a gastroenterologista Dra. Amanda Morêto Longo, doença ataca diretamente o fígado e se não tratada, pode evoluir para cirrose.

 

ARARAQUARA/SP - As hepatites virais B e C afetam 325 milhões de pessoas no mundo, causando 1,4 milhão de mortes por ano, de acordo com os dados do Ministério da Saúde. Para promover a conscientização do diagnóstico e tratamento precoce da doença, no dia 28 de julho é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais.

Segundo a gastroenterologista Dra. Amanda Morêto Longo, as hepatites virais formam um grupo de doenças contagiosas, infecciosas, que atacam diretamente o fígado, podendo causar graves lesões.

“Elas são divididas entre os tipos A, B, C, D e E, sendo que apenas a primeira não causa a hepatite crônica, ou seja, a maioria delas pode se tornar uma doença persistente e duradoura. No nosso meio, as mais comuns, capazes de ter um quadro mais crônico, são a B e C”, diz.

De acordo com a Dra. Amanda, a principal preocupação com o quadro de hepatite é que, algumas delas, podem ser silenciosas, resultando em um diagnóstico tardio, já com quadro de cirrose, que nada mais é que o estágio final de fibrose hepática.

“A cirrose é uma doença irreversível que leva à falência do fígado. O único tratamento curativo é o transplante do órgão e, se não houver o transplante, o paciente tem um risco alto de falecer por conta das complicações da doença, que normalmente são muito graves”, explica.

Contudo, a evolução da hepatite pode ser evitada com diagnóstico e tratamento precoces, acompanhados por um médico especialista.

Exames e diagnóstico

O diagnóstico das hepatites, tanto para o quadro agudo quanto para o crônico, é feito através da sorologia (amostra sanguínea).

A falta do conhecimento sobre os meios de transmissão bem como as possíveis complicações da doença representam um grande desafio no combate às hepatites virais. Por isso, a recomendação é que todas as pessoas com mais de 45 anos de idade  ou aquelas expostas às situações de risco (relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de seringas, pessoas que convivem com portadores de hepatites, entre outros) façam o teste, de forma gratuita, em qualquer posto de saúde.

Mês de conscientização

O Dia Mundial das Hepatites Virais foi criado em 2010 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, a Lei nº 13.802/2019, instituiu o Julho Amarelo, a ser realizado a cada ano em todo o território nacional, no mês de julho, quando são efetivadas ações relacionadas à luta contra as hepatites virais.

Para a gastroenterologista, a importância de instituir um mês para conscientização da doença se dá, principalmente, por ela trazer grandes consequências à saúde do paciente que podem ser evitadas, se for instituído tratamento precoce.

“As hepatites são doenças tratáveis, então, esse mês representa um marco para tentarmos mostrar ao paciente que é possível ser portador de hepatite viral sem que desenvolvam a cirrose, que é uma lesão irreversível. Além disso, elas podem ter cura”, explicou.

Quem é Dra. Amanda Morêto Longo?

Formada em 2012 pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (EMESCAM), Amanda Morêto Longo fez residência de clínica médica pelo Hospital da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e, na sequência, de Gastroenterologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Possui fellowship na Unidade de Gastroenterologia do Hospital Clinic de Barcelona, na Espanha. É especialista titulada pela Federação Brasileira de Gastroenterologia e também é doutoranda em Hepatologia pela Faculdade de Medicina da USP.

Atualmente, faz parte do corpo clínico da GastroVita Araraquara, é médica assistente do Hospital Estadual de Américo Brasiliense e professora da disciplina e do internato de Gastroenterologia, do curso de medicina, da Universidade de Araraquara (Uniara).

Especialistas em Hepatites Virais falam sobre a importância do tratamento e do controle da doença no Brasil

 

São Paulo/SP – Diante da pandemia do novo coronavírus, a recomendação dos profissionais de saúde é de evitar aglomerações e manter práticas de higiene como forma de proteger a população de contrair a Covid-191 . No entanto, é fundamental manter-se protegido contra outras doenças, como é o caso das hepatites B e C, que ganham ainda mais visibilidade no mês de julho, em referência ao Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais, comemorada no dia 28 deste mês, também conhecido como #JulhoAmarelo.

A Hepatite B é causada pela infecção do HBV, que pode causar grave dano hepático, cirrose e câncer no fígado e ainda levar à morte quando não controlada adequadamente. Existe uma vacina indicada para adultos ou crianças, em 3 doses, e está disponível no Sistema Único de Saúde. Embora ainda não exista cura para a hepatite B crônica, há tratamento que interrompe a progressão da doença e reduz o risco de complicações, além de diminuir a possibilidade de transmissão2.

Já o vírus da Hepatite C (HCV) é o mais perigoso e continua registrando o maior número de casos no Brasil: 11,9 para cada 100 mil habitantes, de acordo com o Ministério da Saúde, podendo evoluir para cirrose, câncer de fígado e até mesmo levando à necessidade de um transplante. A estimativa é de que, no país, mais de 700 mil pessoas tenham a doença3, sendo que a maioria não sabe que convive com ela.

O médico hepatologista, Dr. Paulo Bittencourt, presidente do Instituto Brasileiro do Fígado da Sociedade Brasileira de Hepatologia, explica algumas formas de avaliar a necessidade de fazer um teste: “De um modo geral, é importante ao menos uma vez na vida fazer o teste para hepatite C, principalmente para aquelas pessoas com mais de 40 anos, para indivíduos que convivem com diabetes, pessoas que receberam transfusão de sangue ou transplante de órgãos até 1993, ou que já compartilharam objetos perfurocortantes: por exemplo, laminas de barbear, tesourinhas de unha, seringas e agulhas”.

O médico ainda destaca que o vírus da hepatite B pode ser adquirido por sexo desprotegido ou por transmissão vertical (da mãe para o filho). Como a infecção pelos vírus B e C geralmente é silenciosa e se desenvolve de forma bem lenta ao longo dos anos, o diagnóstico tardio pode trazer graves consequências. A Organização Mundial da Saúde visa a eliminação das hepatites virais até 2030, por isso é tão importante a conscientização para travar o avanço da doença.

Dr. Eric Bassetti, gastroenterologista e diretor médico associado da Gilead Sciences, empresa que tem as hepatites como uma de suas principais áreas terapêuticas de pesquisa e desenvolvimento, explica que para a detecção, basta fazer um exame de sangue, que é rápido, gratuito e está em disponível em qualquer unidade do Sistema Único de Saúde (SUS) ou em redes privadas. Segundo Dr. Bassetti, mesmo com essa facilidade, o grande desafio atualmente é encontrar os pacientes, já que os índices de procura pelos testes ainda são muito baixos. Ele também ressalta que até mesmo a biópsia hepática, muito utilizada no passado, é raramente solicitada hoje em dia.

Se o resultado do exame de hepatite C for positivo, o paciente deve ser encaminhado para um médico especialista, que solicitará os exames complementares para confirmação do diagnóstico e início do tratamento. “Apesar de ser uma infecção grave, até 98% dos pacientes se curam em doze semanas por um tratamento feito com um único comprimido ao dia e que apresenta poucos efeitos adversos. Os tratamentos atuais são de última geração e estão disponíveis na rede pública”, esclarece Dr. Bassetti.  

 

Perigos do diagnóstico tardio

A Hepatite C é a maior causa de cirrose, câncer e transplante de fígado no mundo. Além das complicações, ela pode desencadear doenças sistêmicas ‐ disfunções que afetam uma série de outros órgãos ou tecidos. Exemplo disso é o desenvolvimento de Diabetes e do Linfoma. O fato de 80% dos casos de a doença serem assintomáticos faz dela um sério problema de saúde pública, já que pode levar décadas para dar sinais e, normalmente, quando se manifesta, apresenta um estágio avançado de comprometimento do fígado.

 

Referências

1https://www.saude.ms.gov.br/wp-content/uploads/2020/03/Manual-de-Condutas-vers%C3%A3o-2_-25.03.2020.pdf

2 https://saude.gov.br/saude-de-a-z/hepatite-b

3http://www.aids.gov.br/pt-br/pub/2019/boletim-epidemiologico-de-hepatites-virais-2019

 

Sobre a Gilead Sciences

A Gilead Sciences é uma biofarmacêutica dedicada à pesquisa, desenvolvimento e comercialização de terapias inovadoras para prevenção, tratamento e cura de doenças potencialmente fatais, como HIV/Aids, hepatites virais, entre outras. A Gilead foi responsável por grandes conquistas para a saúde e a qualidade de vida ao oferecer o primeiro regime antirretroviral em comprimido único para o tratamento do HIV/AIDS, além de ter revolucionado o tratamento da hepatite C com o primeiro medicamento que apresentou a possibilidade de cura da doença. Presente no Brasil desde 2013 com sede em São Paulo, a Gilead possui operações em mais de 35 países, com matriz em Foster City, Califórnia, nos Estados Unidos.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31