fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Admirador grava participação e passa a tarde com seu ídolo

 

SÃO CARLOS/SP - Imagine ser surpreendido por seu ídolo e ainda ter seu pedido atendido de bate e pronto, pois bem, isso aconteceu com o cantor goiano, Fábio Gomes. O jovem fez um post em uma rede social de Eduardo Costa com o pedido de participação em uma música e, para sua surpresa, teve a resposta positiva. Além de gravar, o fã passou a tarde inteira na casa de Eduardo.

"Quando o Peito Dói", foi a canção escolhida para o encontro do fã com seu ídolo. A música que faz menção a Eduardo Costa na letra, ganhou uma gravação em estúdio profissional, montado na casa do cantor. "Eu não tive muita ajuda na vida, e sei o quanto isso faz diferença", comenta Eduardo que pagou todas as despesas para que o fã fosse ao seu encontro.

Já Fábio, não conteve a emoção ao falar sobre seu ídolo: "Sempre tive a impressão de que o Eduardo é um cara muito simples e humano e, hoje, tive a comprovação de que estava certo".

Atualmente Eduardo trabalha em seu novo projeto #40tena, em que faz releituras de grandes clássicos com arranjos feitos por ele, que também é responsável por tocar a maioria dos instrumentos.

 

MUNDO - O Reino Unido retirou Portugal de sua lista de quarentena contra a covid-19 nessa quinta-feira (20), mas disse que as infecções em alta em outros locais obrigarão os viajantes procedentes da Áustria, Croácia e de Trinidade e Tobago a se isolarem durante duas semanas.

O ministro dos Transportes, Grant Shapps, anunciou no Twitter a mais recente de uma série de ajustes na política de quarentena, agora que o Reino Unido tenta evitar importar infecções novas de focos no exterior.

"Dados mostram que agora podemos acrescentar Portugal àqueles países incluídos nos corredores de viagem", disse. Shapps afirmou que toda a política britânica de viagens passa por revisões constantes e pode mudar rapidamente, alertando que as pessoas só devem viajar se estiverem dispostas a se submeter a uma quarentena caso as regras mudem durante suas férias.

Ele anunciou que a Áustria, Croácia e Trinidad e Tobago estão sendo adicionados à lista de quarentena, e que os passageiros procedentes desses países terão que se isolar durante 14 dias depois que chegarem a partir das 3h locais deste sábado (22).

Destino turístico popular entre os britânicos, Portugal havia expressado frustração pelo fato de o Reino Unido ter se recusado a descartar as restrições de quarentena – o que atingiu duramente sua economia dependente do turismo.

As indústrias turística e de aviação do próprio Reino Unido também foram gravemente afetadas pela pandemia do novo coronavírus. França e Espanha, outros destinos de viagem muito procurados, já foram sujeitas a restrições de quarentena no auge da temporada de verão.

 

 

*Por Reuters

RIO DE JANEIRO/RJ - O período de quarentena por conta da pandemia do novo coronavírus foi complicado para muita gente. Com os famosos, não foi diferente, já que eles viram a sua agenda profissional mudar completamente. Cauã Reymond foi um deles. Antes da Covid-19, o ator já estava gravando algumas cenas para “Um Lugar ao Sol”, novela das 21h que sucederá “Amor de Mãe”. Porém, com a quarentena, a produção foi paralisada.

Em uma entrevista ao “G1”, Cauã Reymond contou como foi encarar o período de isolamento social. O ator disse que precisou ouvir conselhos de muitas pessoas para conseguir se manter tranquilo nesta fase de quarentena. Segundo o artista, o esporte teve um papel importante para isso.

“No começo, cada semana era uma semana. Busquei conversar com outras pessoas pela internet, como muita gente fez. Tentei falar com pessoas que me inspiravam naquele momento, pra lidar com a angústia, a ansiedade e o medo. Acabei sendo levado para o lado do esporte. Conversei muito com o com (o nadador) Daniel Dias, nosso maior paratleta. Mas também falei com o (filósofo Mario Sergio) Cortella, a Monja Coen, Fábio Assunção… são pessoas que me trazem algum tipo de luz. Estou muito inspirado pelo Fábio nessa busca que ele vive, para encontrar um lugar no esporte”, comentou o galã.

Cauã Reymond afirmou que sente muita falta de estar próximo das pessoas e, por causa disso, teve momentos muito complicados durante o isolamento social. Ele confidenciou que faz terapia para conseguir ressignificar tudo o que está acontecendo ultimamente.

“Também busquei alívio na meditação, em aplicativos… Já tenho uma rotina de ir de máscara a alguns lugares. Saio de casa, sempre com os cuidados necessários. Em alguns momentos, fui surfar. Já testei algumas vezes (para o coronavírus). Tenho todo o cuidado também por causa da minha filha, que está em guarda compartilhada (Sofia é fruto do relacionamento do ator com Grazi Massafera). Alguns momentos são muitos angustiantes. Eu sou um cara muito das pessoas, nem sabia que era tanto. Duas vezes por semana faço análise, por telefone. Tem sido um período muito rico pra falar sobre o que está acontecendo, como estou inserido nisso e quem eu quero me tornar”, contou.

 

 

*Por: Rodrgio Costábile / FAMOSIDADES

O confinamento social faz com que casais passem mais tempo juntos, o que amplia os conflitos familiares.

SÃO PAULO/SP - Dados da ONU demonstram que houve um aumento nas denúncias formais de abuso desde que a pandemia começou. A Famivita, em seu mais recente estudo constatou que 4% das brasileiras já sofreram violência doméstica nos últimos meses. Considerando 40 milhões de mulheres vivendo em união, são 1,6 milhões de casos só na pandemia. E o mais triste é que conforme o relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, da ONU, o lugar mais perigoso do mundo para uma mulher é a sua própria casa.

Além disso, o estudo também aponta que 3% dos filhos das entrevistadas já sofreram violência doméstica nos últimos meses. O fato de estarem sem sair de casa para ir a escola ou para atividades de recreação ajuda; tendo em vista que conforme dados do Ministério da Saúde, mais de 70% dos casos de abuso infantil acontecem dentro da própria residência da criança ou adolescente.

Percebe-se que um dos motivos é o aumento do tempo em que as famílias estão passando juntas durante o confinamento. Pelo menos 61% delas estão mais próximas desde que a pandemia começou. Com isso, as brigas e desentendimentos aumentaram para 27% das famílias.

Roraima é o estado campeão de brigas e desentendimentos entre casais, com 38% dos participantes. No Rio de Janeiro, 31% dos casais aumentaram o número de brigas, e um dos reflexos, é o percentual de violência doméstica no estado, que é de 4%. São Paulo também teve aumento de 27% nos desentendimentos, e registra 4% de mulheres que sofrem violência doméstica.

Número de divórcios no estado de São Paulo cresceu 15,35% em junho se comparado ao mesmo período do ano passado.

SÃO PAULO/SP - Desde a chegada da pandemia do novo coronavírus ao Brasil, muitos casais passaram a ficar mais tempo em casa e se reconectar com seus parceiros durante a quarentena. O que para alguns é motivo de prazer, para outros é um desafio.
De acordo com o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), o número de divórcios consensuais aumentou 15,35% em junho se comparado ao mesmo período de 2019. No último mês, 4.214 divórcios consensuais foram oficializados.
Para o médico e pesquisador especialista em mindfulness, Marcelo Demarzo, o aumento da procura pela separação legal tem ligação direta com o período de distanciamento social porque mudou a rotina dos casais, suas prioridades e a forma de resolver os problemas.
Isso se dá, principalmente, devido ao aumento do tempo juntos – já que muitas pessoas estão trabalhando em casa – e também à maior necessidade de diálogo.
“O que poderia ter sido uma pequena discussão, natural em qualquer relação, pode se tornar um grande conflito. Como ambos saem magoados e insatisfeitos, esses sentimentos podem gerar cada vez mais conflitos no futuro, criando um círculo vicioso que acaba colocando o relacionamento em risco”, explica o médico.

Mindfulness para casais
Um estudo americano observou que casais que apresentavam maiores níveis de atenção plena durante um período de conflitos de relacionamento reduziam mais rapidamente seus níveis de cortisol, um hormônio associado ao estresse, sugerindo que eles estavam se acalmando de maneira mais eficaz, amenizando o impacto do conflito.
“A hipótese é que parceiros com níveis mais elevados de atenção plena (que podem ser desenvolvidos por meio de treinamentos) tendem a não levar as discussões para o nível pessoal, regulam mais rapidamente suas reações emocionais, e se empatizam mais profundamente com as questões do parceiro”, diz Demarzo.
Para desenvolverem ou aprimorarem seus níveis de atenção plena por meio de treinamentos, os casais podem se beneficiar dos programas clássicos de mindfulness, ou ainda participarem de cursos específicos para relacionamentos amorosos, como o Programa de Aprimoramento de Relacionamentos baseado em Mindfulness (Mindfulness-Based Relationship Enhancement – MBRE).
O MBRE usa um conjunto de técnicas de atenção plena e psicoeducativas voltadas especialmente a casais que queiram fortalecer suas habilidades de enfrentamento dos fatores de estresse comuns nos relacionamentos e mais expostos durante a pandemia. 
“Os estudos iniciais sobre o programa MBRE foram promissores e demonstraram que ele é eficaz para aumentar as habilidades de enfrentamento do estresse próprio dos relacionamentos, aumentando o bem-estar e melhorando a percepção de felicidade dos casais”, explica.
No Brasil, o Centro Mente Aberta – pioneiro em pesquisas e aplicações de mindfulness – oferece cursos baseados em diversos protocolos eficazes para o desenvolvimento da atenção plena. Para saber mais sobre a prática, acesse mindfulnessbrasil.com.


O que é Mindfulness? 
Mindfulness é um dos estados da mente, acessível a qualquer indivíduo, que consiste em um exercício de querer vivenciar o momento presente, intencionalmente, aceitando a experiência.
Em mindfulness, o sentido correto de aceitação é o de se olhar a realidade como ela realmente é, sem julga-la ou reagir a ela no "piloto automático".
Com a prática regular, o processo torna-se mais natural, sendo possível permanecer nesse estado em grande parte do tempo e aumentar a qualidade de vida do indivíduo.
Embora muitos dos termos e técnicas tenham origem nas tradições orientais, o mindfulness hoje em dia é considerado uma prática laica (secular, não-religiosa), com sólida base científica.

Quem é Marcelo Demarzo?
É médico especialista em Mindfulness para adultos e crianças, com treinamentos na Inglaterra (Mindfulness in Schools Project, em Londres; Oxford Mindfulness Centre, na Universidade de Oxford; e Instituto Breathworks, em Manchester), e nos EUA (Center for Mindfulness in Medicine, Health Care, and Society, na Universidade de Massachusetts).
Fez pós-doutorado em Mindfulness e Promoção da Saúde na Universidade de Zaragoza, na Espanha, e diversos cursos de aprofundamento nas tradições contemplativas e meditativas, incluindo a Psicologia Budista e Tibetana em Dharamsala, na Índia.
Junto com o professor Javier Garcia-Campayo, da Universidade de Zaragoza, desenvolveu a Terapia de Compaixão Baseada em Estilos de Apego (Attachment-Based Compassion Therapy).
É fundador e atual coordenador do Mente Aberta (www.mindfulnessbrasil.com), referência nacional e internacional nos programas e pesquisas sobre Mindfulness.

Referências:
- Mindfulness during romantic conflict moderates the impact of negative partner behaviors on cortisol responses (Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0018506X16300289)

Recorte exclusivo da FecomercioSP aponta alta nos produtos mais utilizados neste período de pandemia

 

SÃO PAULO/SP - Embora os números do IPCA 15, do IBGE, para a região metropolitana de São Paulo tenham apresentado deflação no mês de junho, com base nesses dados, a FecomercioSP destaca alta média de 6,45% nos itens mais consumidos na quarentena, instaurada em decorrência da proliferação do coronavírus. Houve uma alteração no padrão de consumo das famílias, com uma variedade muito menor de produtos.
 
A Federação, ao levar em consideração itens essenciais, montou a “cesta pandemia” com as cinco categorias mais vendidas, das quais todas registraram alta na inflação, na comparação com o mesmo período do ano passado: Alimentação no Domicílio (8,57%); Alimentação e Bebidas (7,1%); Habitação – Produtos de Limpeza (2,78%); Saúde (5,82%) e Cuidados Pessoais (1,86%).
 

 
Em Alimentação e Bebidas, os itens que obtiveram índices mais elevados foram os mais procurados para as refeições diárias, como cebola (40,72%), açúcar refinado (25,04%), feijão-carioca (22,98%), maçã (20,25%), batata-inglesa (18,35%), arroz (16,82%), músculo (16,58%), contrafilé (15,18%), leite longa vida (13,79%) e alcatra (11,01%).
 
Por outro lado, na mesma categoria, sete dos 29 itens analisados registraram queda nos preços: massa semipreparada (-4,87%), palmito em conserva (-2,39%), repolho (-2,06%), refrigerante e água mineral (-2,09%), cerveja (-1,68%), cenoura (-1,33) e café moído (-1,03%).
 
O grupo de Habitação abrange produtos de limpeza, bastante utilizados para conter a proliferação de covid-19. Por consequência, detergente e sabão em pó ficaram, respectivamente, 10,37% e 4,77% mais caros em relação a junho de 2019.
 
Já em Saúde, houve alta nos custos dos planos de saúde (6,89%) e das internações e cirurgias (3,43%).
 
O objetivo do levantamento é mostrar que, para os domicílios que estão focando suas aquisições em itens básicos (alimentos, produtos de higiene, produtos de limpeza e dispêndios com saúde), seja por cautela, seja por restrição orçamentária, o cenário inflacionário é diferente do apresentado pelos órgãos oficiais. Mesmo com o IPCA em níveis baixos, as alterações no ímpeto de consumir por parte das famílias alteram as estruturas de ponderação da inflação e os impactos que possíveis altas podem ocasionar na renda das famílias.
 
Dessa forma, a variação dos preços refletiu os sinais de uma oferta elevada, em razão das restrições de atendimento presencial impostas aos estabelecimentos, aliada ao declínio no Índice de Confiança das Famílias (-18,8%) em junho. Em contrapartida, as mercadorias essenciais se valorizaram com a alta procura.
 
Além disso, a aquisição de bens duráveis, por exemplo, exige certo planejamento e, muitas vezes, ofertas de crédito. Contudo, esses quesitos estão escassos no momento, em razão da alta do desemprego e do encolhimento das rendas das famílias.
 
Sobre a FecomercioSP
Reúne líderes empresariais, especialistas e consultores para fomentar o desenvolvimento do empreendedorismo. Em conjunto com o governo, mobiliza-se pela desburocratização e pela modernização, desenvolve soluções, elabora pesquisas e disponibiliza conteúdo prático sobre as questões que impactam a vida do empreendedor. Representa 1,8 milhão de empresários, que respondem por quase 10% do PIB brasileiro e geram em torno de 10 milhões de empregos.

Canal para a família no YouTube atinge 12 milhões de inscritos e projeta novas frentes para os próximos meses, como shows e filmes

SÃO PAULO/SP - Quando criança, Ronaldo de Azevedo era considerado sonhador. Entretanto, ele próprio mostrou que sonhar faz bem e é saudável a todas as pessoas. O garoto avoado cresceu e se tornou um dos principais nomes do entretenimento na web com o canal Gato Galáctico no YouTube, contando histórias e trazendo atividades para crianças e adultos.

Em 2020, focado na produção de conteúdo para todas as idades, o canal ‘Gato Galáctico’ conta com mais de 3,5 bilhões de visualizações e mais de 12 milhões de inscritos na plataforma de vídeos, o que o torna um dos produtores de conteúdo mais populares do país. A meta é alcançar o número de 15 milhões de inscritos e ser reconhecido como o principal youtuber brasileiro para se assistir em família.

Ele se destaca também em outras mídias. Tem 1,5 milhão no Instagram e atingiu a marca de 1 milhão no TikTok, aplicativo especializado em vídeos mais curtos, e, durante a pandemia, está fazendo três lives semanais, ultrapassando mais de 20 mil visualizações simultâneas.

“Quero mostrar a todos que criar é bastante saudável. Minha missão é valorizar a arte como ferramenta de aprendizado e crescimento pessoal por meio de conteúdos atrativos e inspiradores”, afirma o youtuber.

Seus conteúdos buscam incentivar a arte e a criatividade. Dessa forma, mais do que os jovens, o público-alvo é a própria família. As crianças assistem aos vídeos, mas os pais também são estimulados a acompanharem ao lado dos filhos por conta dos valores e exemplos positivos que são compartilhados em cada episódio.

Por conta disso, a proposta é expandir a atuação do Gato Galáctico em outras frentes, inclusive off-line. Em julho, ele vai lançar um boneco oficial com seu nome e imagem, desenvolvido pela Ziggle, a agência de licenciamento responsável pela marca Gato Galáctico, em parceria com a Rosita Brinquedos. Os objetivos para 2021 também contemplam shows e streaming de filmes, além de aumentar o casting de colaboradores.

Empresário de entretenimento

Com Maurício de Sousa como inspiração, Ronaldo Azevedo sempre gostou de criar histórias. Quando era mais novo, seu sonho era trabalhar na Disney ou na Pixar. Ele estudou Animação 3D e até chegou a receber proposta de uma grande empresa da Califórnia para atuar como desenvolvedor de games.

Contudo, decidiu não ir. A experiência em estúdios de animação o fez perceber que ele contava as histórias dos outros em vez de criar as suas. Em 2013, resolveu não depender mais das empresas: criou o canal Gato Galáctico no YouTube e produziu a “Turma do Cueio”, atingindo, finalmente, o grande objetivo de desenvolver histórias novas e diferentes.

Por mais de três anos, fazia tudo sozinho: roteiro, gravação e finalização, inclusive de séries animadas. Hoje, Ronaldo é um empresário do entretenimento e conta com sua própria empresa para auxiliar na produção de conteúdo do Gato Galáctico. Possui um estúdio de animação, equipe de edição, ilustração, produção, entre outras áreas.

“Me sentia capaz de criar minhas próprias histórias, de fazer algo novo e diferente. Comecei fazendo animações para meu grupo de amigos, mas com o sucesso foi ficando cada vez maior, até se tornar em um público gigantesco. Busquei ouvir essas pessoas e adaptar com base em suas demandas, impulsionando todo o crescimento desde então”, conclui.

Sobre o Gato Galáctico

Criado por Ronaldo de Azevedo em 2013, o Gato Galáctico é um canal brasileiro no YouTube com mais de 12 milhões de seguidores. Especialista em animação, o youtuber apresenta histórias, brincadeiras e atividades para crianças e adultos, estimulando o aprendizado e incentivando a arte e a criatividade entre as pessoas. Atualmente, o canal produz conteúdo para diversas mídias sociais, como Facebook e YouTube, e possui a Mansão Miau, uma casa em Florianópolis que abriga um estúdio de filmagem para a produção de novos conteúdos.

Livro é gratuito e foi elaborado por pesquisadores da UFSCar, USP e UFMT

 

SÃO CARLOS/SP - O distanciamento social imposto pela pandemia de Covid-19 fez com que vários idosos deixassem de participar de atividades que estimulam a cognição, como oficinas de memória. Com o objetivo de propor ações que agucem a cognição durante a quarentena e fornecer informações sobre o novo Coronavírus para esse público, foi elaborado o e-book "Covid-19 e os idosos: atividades cognitivas para a quarentena". A obra é fruto de parceria entre a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP-USP) e a Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT).
De acordo com Lucas Pelegrini de Carvalho, docente do Departamento de Gerontologia (DGero) da UFSCar e um dos organizadores do livro, o processo de envelhecimento traz algumas alterações cognitivas, como por exemplo na atenção, nas funções executivas e na memória. "Associado a isso, o período de isolamento é limitante para que os idosos exercitem suas habilidades cognitivas. Assim, a prática de atividades que estimulem a cognição se torna imprescindível para que haja a prevenção de possíveis declínios e a promoção da saúde cognitiva", completa o professor.
Nesse contexto, o e-book propõe exercícios que estimulam a cognição dos idosos, seus domínios (atenção, funções executivas, memória e aprendizado, linguagem, perceptomotor e cognição social) e as habilidades que se desdobram a partir desses domínios, como raciocínio e tomada de decisão. São apresentadas práticas de leitura, jogos com palavras, números e desenhos. Além disso, a obra traz informações sobre a Covid-19, como sintomas, formas de contágio e medidas protetivas importantes para que os idosos passem por esse momento de forma segura. "A Covid-19 é uma doença recente e as informações a seu respeito ainda estão em processo de disseminação. Optamos por abordar temas relacionados a ela pois o público idoso precisa ter acesso ao conhecimento disponível, contudo de maneira acessível e coerente com a sua realidade", acrescenta Carvalho.
O livro integra o projeto de extensão intitulado "Covid-19 e envelhecimento: Confecção de material informativo sobre saúde e envelhecimento com a proposta de estimulação cognitiva", coordenado pelo professor da UFSCar. A equipe da Universidade ficou responsável pela criação, redação dos capítulos e edição gráfica. Os grupos da EERP-USP e UFMT auxiliaram na correção e adequação do conteúdo para viabilizar a publicação. O e-book está disponível para download gratuito neste link (https://bit.ly/3i6yxdp) e é voltado aos idosos, mas indicado também para cuidadores e familiares que poderão ajudá-los na execução das práticas propostas.

SÃO PAULO/SP - A pandemia do novo coronavírus (covid-19) interrompeu treinos e competições pelo mundo. Estar longe dessa rotina, ainda mais em um ano que seria olímpico e que começou com medalhas internacionais, não é fácil para quem vive do esporte. Mas, para Lauro Chaman, a saudade de encarar as pistas e estradas só não é maior que a das visitas frequentes a dona Elvira, de 89 anos, avó do medalhista paralímpico do ciclismo.

"Ela é minha vida, é a minha inspiração. Além de ser minha madrinha, cuidou de mim quando minha mãe tinha que trabalhar. Morávamos em uma casa simples. Ela e meu avô sempre fizeram o máximo por mim. Tudo que faço hoje, com certeza, é por toda minha família, mas, em especial, pela minha avó e meu filho, que se chama Antônio, mesmo nome do meu avô, que faleceu quando eu tinha 16 anos”, conta Lauro à Agência Brasil. "No começo [da pandemia], era muita incerteza, então, a gente meio que se isolou. Dias atrás, pude ver minha avó com todos os cuidados, mas fiquei um bom tempo sem conseguir. Antes, as visitas eram diárias. Foi complicado. A gente pensa mais na família. O esporte ficava um pouco em segundo plano", admite.

Enquanto tenta retomar a rotina familiar, Lauro também volta gradualmente a treinar em Araraquara, cidade do interior paulista em que vive. As atividades externas reiniciaram há cerca de duas semanas, após a flexibilização da quarentena decretada pelo governo estadual, que é revista a cada 14 dias. Ele é acompanhado remotamente pelo técnico Cláudio Diegues, que fica em Santos, no litoral de São Paulo, onde fica a base da equipe de Chaman, a Memorial.

"[Antes da pandemia] Ele tinha algumas lesãozinhas de tanto tempo em treinamento, em esforço, sem muito tempo [para cuidar delas] devido ao calendário. Então, a primeira coisa [após a paralisação] foi destreiná-lo e cuidar dessas lesões. Agora, ele alterna dia sim, dia não, saindo sozinho, com máscara. O trabalho de base é interno, ele tem rolo de treinamento e faz a parte de reforço muscular de casa", conta o técnico à Agência Brasil. "Ele tem um personal da parte física [em Araraquara] e a gente faz contatos quinzenais [reuniões virtuais] entre a equipe. À medida que as provas são confirmadas, vamos estruturando o calendário de treinamento", completa.

Segundo o calendário da Confederação Brasileira de Ciclismo (CBC), há dois torneios de paraciclismo previstos no segundo semestre: o campeonato nacional de estrada, entre 27 e 30 de agosto, em Leme (SP), e o Circuito Pan-Americano de pista e estrada, de 23 a 27 de setembro, em Maringá (PR). A realização, conforme a CBC, depende de "orientações das autoridades de saúde".

Além de torneios no ciclismo adaptado, Lauro pretende competir no Brasileiro convencional da modalidade, por enquanto, agendado para outubro. "Espero estar em uma boa forma, competitiva. Acredito que não estarei no auge em agosto, mas, espero que, ao longo dos eventos, fique mais próximo do 100% e comece 2021 com o pé direito e força máxima", projeta o atleta da classe C5 (ciclistas de menor comprometimento físico-motor). Chaman nasceu com a perna esquerda mais fina que a direita, e virada para fora. No decorrer dos anos,  desenvolveu uma atrofia na panturrilha.

O atleta vinha de bons resultados em 2020, antes da paralisação em decorrência da pandemia. Conquistou três medalhas no Mundial de Paraciclismo, em Milton (Canadá), em fevereiro: duas pratas e um bronze. A briga por pódios na retomada das competições, porém, não é a prioridade do planejamento. "A gente está voltando com as atividades dele, com um início com carga baixa, volume de treino baixo, para ele recuperar o domínio de todas as áreas físicas e fisiológicas, aumentando um pouquinho o trabalho de força. O Lauro pode disputar qualquer evento porque, no ciclismo, o processo de treino envolve competição, mas, não vamos nos atentar ao resultado. A gente só terá a competição como parâmetro da evolução do treino", explica Diegues.

O foco da preparação gradualmente retomada por Lauro mira a Paralimpíada de Tóquio, em 2021. Na Rio 2016, dois meses após o nascimento do filho, ele foi medalhista de prata na disputa de estrada e de bronze na prova de contrarrelógio [cada atleta pedala sozinho e ganha o que concluir o percurso em menos tempo]. Os feitos foram inéditos para o ciclismo brasileiro, adaptado ou convencional, em Jogos. De lá para cá, o paulista foi campeão mundial de estrada em 2017, na África do Sul, e de scratch [todos largam em grupo, e quem conclui a disputa primeiro é o vencedor] em 2018, no Rio de Janeiro (RJ). E no ano passado ainda  faturou dois ouros nos Jogos Parapan-Americanos de Lima (Peru).

"Penso que tenho que voltar a treinar, voltar ao melhor. Vou me cobrar para ser melhor do que antes, ser mais regrado. Acredito que meus adversários também. É complicado falar sobre [expectativa de] pódio, medalha... Vou procurar fazer bem meu trabalho com a Seleção e a minha equipe para alcançar o melhor possível", conclui Chaman.

 

 

*Por Lincoln Chaves - Repórter da TV Brasil e Rádio Nacional - São Paulo

*AGÊNCIA BRASIL

Alexandre Slivnik ressalta que o distanciamento tem um prazo, e em breve, os profissionais mais habilidosos estarão de volta ao mercado de trabalho

SÃO PAULO/SP - É muito difícil prever os próximos meses com toda situação que o todo o mundo está vivendo. Com isso, muitas empresas e colaboradores ficam inseguros com o futuro e as possibilidades. Negócios fecham e pessoas acabam perdendo seus empregos devido a quarentena. Além disso, a saúde mental pode ser afetada por tudo isso.

Alexandre Slivnik, especialista em gestão de pessoas e vice-presidente da Associação Brasileira de Treinamento e desenvolvimento (ABTD), ressalta sobre a importância de se manter firme e com confiança para os próximos meses. “É essencial que o medo seja um agente que impulsione as atitudes nesse período, mas que não seja algo paralisante. Quem optar por utilizar essas inseguranças para criar oportunidades e desenvolver as habilidades, será ainda mais valorizado quando tudo isso acabar”, relata.

Com o distanciamento social e um bom tempo em casa, é possível utilizar esse tempo para aprimorar e desenvolver competências que vão fazer toda a diferença quando a situação estiver normalizada. Slivnik recomenda inserir pelo menos uma hora na rotina para dedicar a isso, com cursos profissionalizantes, leituras, palestras ou qualquer coisa que possa ajudar no processo. Nas últimas semanas muitos conteúdos foram disponibilizados gratuitamente na internet, o que facilitou o acesso a esses materiais.

Ainda assim, não é difícil ver que muitos profissionais ainda serão desligados ou terão suas jornadas de trabalho reduzidas por conta de um cenário que algumas empresas realmente não conseguem suportar. Um estudo recente do SEBRAE resultou no cálculo de que pelo menos 600 mil pequenas empresas vão fechar devido a COVID-19 e, por consequência, terão que demitir funcionários até mesmo a distância.

Por esse motivo, Alexandre destaca a importância de se manter atualizado e com boas conexões. “O perfil do profissional que consegue se recolocar no mercado de trabalho mais facilmente é aquele que tem uma boa rede de relacionamento e que não fica na zona de conforto, mas se esforça para inovar. Pessoas com habilidades são valorizadas por qualquer companhia”, revela o especialista.

O período requer paciência e cautela, além de toda a criatividade para sair dele com maior experiência e mais capacidades de crescimento. “Não será algo definitivo e trará aprendizados. Daqui em diante, as pessoas vão entender que é preciso guardar mais dinheiro, investir em educação e se conectar de forma mais intensa. De certo, as coisas irão mudar.”, finaliza.

Alexandre Slivnik é reconhecido oficialmente pelo governo norte americano como um profissional com habilidades extraordinárias (EB1). É autor de diversos livros, entre eles do best-seller O Poder da Atitude. É diretor executivo do IBEX – Institute for Business Excellence, sediado em Orlando / FL (EUA). É Vice-Presidente da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) e diretor geral do Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento (CBTD). É membro da Society for Human Resource Management (SHRM) e da Association for Talent Development (ATD). Palestrante e profissional com 19 anos de experiência na área de RH e Treinamento. É atualmente um dos maiores especialistas em excelência em serviços no Brasil. Palestrante Internacional com experiência nos EUA, ÁFRICA e JAPÃO, tendo feito especialização na Universidade de HARVARD (Graduate School of Education - Boston/ EUA). www.slivnik.com.br

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31