fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Ford e GM querem mais controle sobre fabricação e desenvolvimento de chips Pixabay

Ford e GM querem mais controle sobre fabricação e desenvolvimento de chips

Escrito por  Nov 20, 2021

EUA - Com os carros ficando cada vez mais sofisticados e exigindo mais e mais poder de computação, a escassez de chips para equipamentos eletrônicos (também chamados de semicondutores) incomodou as montadoras e interrompeu a produção de veículos no mundo todo.

A Ford agiu na quinta-feira, 18, para enfrentar esse desafio e anunciou uma colaboração que pode dar à empresa mais controle sobre o fornecimento e o desenvolvimento de seus processadores - os cérebros necessários para controlar motores, transmissões, freios, sistemas de infoentretenimento e muito mais.

A montadora afirmou que assinou um acordo com a fornecedora de semicondutores norte-americana GlobalFoundries para colaborar no desenvolvimento de chips para veículos da Ford, e que as empresas vão estudar como expandir a fabricação de chips nos Estados Unidos.

Chuck Gray, vice-presidente da Ford para a área de software e controles incorporados em veículos, disse que mesmo com a nova parceria, a montadora espera que o fornecimento de chips continue desigual por algum tempo. “Ainda achamos que haverá problemas no ano que vem”, disse ele.

Mas o executivo acrescentou que trabalhar com a GlobalFoundries deve permitir que a Ford comece a desenvolver alguns de seus próprios chips de computador.

 

Indústria em transformação

Até recentemente, muitos componentes automotivos podiam ser facilmente controlados por chips de computador genéricos. Mas isso não é mais o caso, pois os fabricantes adicionam recursos cada vez mais complexos, como o monitoramento de bateria, sistemas avançados de assistência ao motorista e serviços de rede.

“O poder da computação é a nova medida de potência (do carro)”, disse Gray. “A demanda por poder de computação agora é tão alta, e precisamos dos chips certos para fazer as coisas certas.”

Nos últimos anos, as montadoras americanas contrataram milhares de desenvolvedores e programadores de software. Gray disse que a Ford agora está procurando trazer também designers de chips. “Em um futuro próximo, estaremos construindo isso (a capacidade de desenvolver processadores)”, disse ele.

A concorrente General Motors (GM), dona da marca Chevrolet, também está tomando medidas para controlar melhor o desenvolvimento e a disponibilidade de chips. O presidente da GM, Mark Reuss, disse na quinta-feira que a empresa espera que o número de semicondutores usados em veículos dobre nos próximos anos. Como resultado, segundo ele, a GM está trabalhando com fabricantes de chips para desenvolver três tipos de microprocessadores para lidar com quase todas as suas necessidades de computação.

Os movimentos são parte de uma estratégia para reduzir o número de variedades de chips em 95 por cento e devem ajudar a aumentar o fornecimento de chips e ao mesmo tempo cortar custos significativamente, disse Reuss em uma conferência de tecnologia automotiva realizada pelo Barclays, o banco de investimento. “Vamos liderar a indústria com isso”, disse ele. “E isso vai gerar qualidade e previsibilidade.”

Para garantir o fornecimento de novos chips feitos com um material de eficiência superior chamado carboneto de silício, a GM chegou a um acordo no mês passado com a Wolfspeed, uma empresa anteriormente chamada Cree que está construindo uma fábrica no estado de Nova York.

Reuss afirmou que a GM conversa com muitos fornecedores importantes para garantir chips suficientes para manter suas fábricas funcionando. A escassez de processadores e as paralisações na produção de laminados nas fábricas de automóveis deixaram as concessionárias com estoques baixos de veículos novos.

A Ford e a GM relataram que as vendas de veículos novos caíram cerca de um terço nos Estados Unidos no período de três meses encerrado em setembro, afetando seus ganhos.

 

Futuro dos carros

Mike Hogan, vice-presidente sênior da GlobalFoundries encarregado de seus negócios automotivos, disse que as discussões com a Ford inicialmente se concentraram em garantir chips essenciais para a produção atual de automóveis. Mas as negociações se ampliaram para outras áreas, incluindo a permissão para a Ford obter informações antecipadas sobre os processos de produção de chips que poderiam moldar as características dos carros, como a distância que um veículo elétrico pode percorrer.

“Historicamente, sempre houve muitas empresas intermediárias entre nós e uma companhia como a Ford”, disse Hogan. O movimento da montadora para se envolver mais na modelagem da tecnologia de chips "é um ótimo exemplo dos tipos de mudanças que serão vistas", disse ele.

A outra questão é onde as peças futuras serão feitas. A maioria dos chips com tecnologia de ponta é produzida pela Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC), que é de longe o maior fabricante de chips por encomenda. Mas as interrupções na logística de fornecimento da Ásia por causa da pandemia fizeram os políticos se preocuparem com a dependência de fábricas em Taiwan, especialmente em vista das reivindicações territoriais da China sobre a ilha.

Portanto, o Senado americano aprovou com maioria esmagadora um pacote de subsídios de US$ 52 bilhões com o objetivo de incentivar a construção de mais fábricas de chips nos Estados Unidos, embora esse financiamento tenha sido objeto de disputas partidárias na Câmara.

A GlobalFoundries foi formada em parte por meio de aquisições de fábricas que antes pertenciam à fabricante de chips Advanced Micro Devices (AMD) e à IBM, ambas dos EUA. Ela fez uma oferta pública inicial de ações em outubro e está investindo pesado para expandir sua produção.

Embora 89% da propriedade da empresa seja do governo de Abu Dhabi, a GlobalFoundries fabrica chips confidenciais para o Pentágono em fábricas em Vermont e no interior do estado de Nova York. Ela tem uma fábrica de alto volume perto de Albany, também no estado de Nova York, e espera dobrar a capacidade de produção com a ajuda do pacote de financiamento do Congresso, se ele for aprovado, disse Hogan, o vice-presidente da empresa. Produzir chips nos Estados Unidos, disse ele, definitivamente faz parte do acordo com a Ford.

Continua depois da publicidade

Cadeia de alta complexidade

A indústria de semicondutores movimenta US$ 500 bilhões por ano e sua cadeia de fornecimento é extremamente complexa, especialmente para chips usados ??em carros. Os principais fornecedores incluem empresas como NXP Semiconductors e STMicroelectronics na Europa, Renesas Electronics, no Japão, e Onsemi e Microchip Technology, nos EUA. Essas empresas têm fábricas para fazer alguns chips que projetam, mas também terceirizam parte da fabricação.

As montadoras sempre contaram com um grupo intermediário de fornecedores - as chamadas empresas de Nível 1 (Tier 1), que compram os chips para produzir módulos eletrônicos que lidam com funções específicas em carros, como controlar motores e transmissões.

Handel Jones, que dirige a consultoria International Business Strategies especializada no mercado de chips, diz que tem aconselhado as montadoras a seguir o exemplo de empresas do Vale do Silício, como a Apple, que projeta alguns de seus principais chips e orienta outras empresas tanto sobre como fazer o design quanto como fabricar os processadores.

“Eles vão buscar os fornecedores para garantir que a capacidade de produção seja protegida”, disse Jones em uma entrevista recente.

A Infineon Technologies, fabricante de chips com sede em Munique, na Alemanha, e fornecedora líder para a indústria automobilística, tem parcerias com a Volkswagen e a Hyundai para desenvolver semicondutores que aumentam o alcance e reduzem o tempo de carga dos veículos elétricos. Ela também está entre os fabricantes de chips que trabalham diretamente com a General Motors.

A Ford e a GlobalFoundries disseram que planejam continuar as discussões sobre como aumentar a produção de chips nos Estados Unidos. Eles se recusaram a entrar em detalhes ou dizer se a Ford poderia investir em uma nova fábrica de semicondutores com a GlobalFoundries.

Thomas Caulfield, presidente-executivo da GlobalFoundries, disse que o acordo incentivará a inovação e "garantirá o equilíbrio entre oferta e demanda a longo prazo".

A escassez de chips da indústria automobilística teve origem no início da pandemia, quando as fábricas de automóveis fecharam por cerca de dois meses para evitar a disseminação do coronavírus entre os trabalhadores. Ao mesmo tempo, as vendas de computadores e videogames dispararam, e as empresas de tecnologia aumentaram os pedidos de semicondutores. Quando os fabricantes de automóveis retomaram a produção, os fornecedores de chips tinham pouca capacidade disponível para atendê-los.

A Ford foi particularmente atingida no início deste ano porque uma fábrica de chips de um de seus principais fornecedores teve de fechar após um incêndio. No segundo trimestre, a montadora americana foi capaz de fabricar apenas cerca de metade dos veículos que esperava inicialmente, embora seu suprimento de chips tenha melhorado desde então.

 

 

Neal E. Boudette e Don Clark / ESTADÃO

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Dezembro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31