fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

São mais de 280 mil visitas no site e 100 mil impressões mensais nas redes sociais do projeto

 

SÃO CARLOS/SP - O InformaSUS, projeto de extensão da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), está completando um ano e colhendo resultados positivos da interação proposta entre universidade e sociedade por meio da comunicação social e científica de qualidade nas áreas da Saúde, Educação e Políticas Públicas. Atualmente, são mais de cem pessoas envolvidas voluntariamente nas atividades, dentre alunos, servidores docentes e técnico-administrativos, além de colaboradores externos da UFSCar.

O InformaSUS surgiu em março de 2020 a partir do esforço coletivo de docentes, técnicos e alunos da UFSCar, mobilizados após a criação do Comitê de Controle e Cuidados em relação ao Novo Coronavírus na Universidade. A partir de diagnóstico feito por esse grupo, houve o consenso de que havia em circulação muitas notícias falsas sobre a Covid-19 e uma dificuldade evidente de organização de informações oficiais e científicas, dificultando sua interpretação, análise crítica e acesso da população geral. A partir do desenvolvimento de um plano de comunicação, o InformaSUS propôs a articulação de equipes temáticas com áreas específicas para a pesquisa, organização, checagem e produção de conteúdos para imprensa, internet e mídias sociais, qualificando as informações disponibilizadas ao público e auxiliando no controle da pandemia e no combate de notícias falsas.

Todo o conteúdo produzido - matérias, entrevistas, artigos, dentre outros - ficam disponíveis no site www.informasus.ufscar.br e nas redes socais do projeto - Facebook, Instagram, TikTok, Youtube e Twitter. Gustavo Nunes de Oliveira, docente do Departamento de Medicina da UFSCar e coordenador do InformaSUS, afirma que a iniciativa é uma organização em rede que conecta coletivos através da web e redes sociais, tendo como eixo central de ativação a comunicação social e científica em saúde, educação e políticas públicas. "Essa rede se constituiu, a partir do contexto da pandemia, com o objetivo inicial de conectar grupos temáticos para facilitar a produção e a difusão de informações para diversos públicos, de forma multilateral, propiciando a articulação de um plano de comunicação social no contexto da Covid-19", considera o docente.

Os projetos articulados pelo InformaSUS envolvem universidades públicas em todas as regiões do Brasil, constituindo-se cada vez mais em uma comunidade ampliada de produção de conhecimento e qualificação do papel social e público das universidades envolvidas.

Números e produções

Neste primeiro ano de atuação, foram 769 publicações, sendo 697 destinadas ao público geral, em 46 categorias temáticas diferentes. O site recebeu 284.358 visitas; 129.878 leitores, sendo 21.307 recorrentes; e alcance em mais de cem países. Nas redes sociais, o InformaSUS chegou a cerca de 50 mil pessoas e 100 mil impressões por mês.

O InformaSUS também apoiou diversos projetos e iniciativas no âmbito da Saúde Mental; Atenção Primária em Saúde; Saúde da Pessoa Idosa; Pessoas com Deficiência; Saúde Indígena; Saúde da População Negra; População LGBTTQIA+; Pessoas em Situação de Rua; Saúde da Criança; Saúde das Mulheres; Saúde Bucal; População Privada de Liberdade; Pessoas com Doenças Neurológicas; Doenças Crônicas; Uso Racional de Medicamentos; Participação Social; e Políticas Públicas. Além disso, 57 iniciativas solidárias com diferentes públicos-alvo foram apoiadas pelo projeto. 

No que se refere a um processo de criação que surgiu em um contexto de crise sem precedentes, o professor Gustavo acredita que o InformaSUS conseguiu apresentar uma resposta sobre como articular um plano de comunicação diante da pandemia. Como desafios, o coordenador do projeto aponta a sustentabilidade da iniciativa e a manutenção do engajamento e voluntariado da equipe.

"Nunca sonhamos em chegar aonde chegamos, em alcançar tantas pessoas, em conectar tantos grupos. Os aprendizados alcançados e a produção de conhecimento científico gerada são um indicativo sobre novas formas de se fazer e valorizar a comunicação no campo da saúde, na cultura científica e no enfrentamento de crises", conclui Gustavo de Oliveira sobre o primeiro ano do projeto. 

Todos os conteúdos e materiais produzidos estão disponíveis no site e nas redes sociais do InformaSUS. O contato com a equipe do projeto pode ser feito pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Participam dos debates a professora e coordenadora do Grupo de Economia Política do Desenvolvimento da UFRN, Esther Majerowicz, o integrante da Associação de Barqueiros e Pescadores Tradicionais de Trindade, Robson Possidônio, e a primeira mulher trans na ativa das forças armadas brasileiras, a sargenta da Marinha do Brasil, Bruna Benevides, entre outros convidados

Transmitida ao vivo sempre às 16h pelo YouTube da instituição, a série Ideias convida pensadores e articuladores sociais de diversas áreas para a troca de experiências e reflexões sobre assuntos da atualidade

youtube.com/sescsp

 

São Paulo/SP – Com o objetivo de incentivar a reflexão no contexto desafiador em que nos encontramos, a série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), traz a transmissão ao vivo de debates sobre as principais questões que tensionam a agenda sociocultural e educativa atual. Sempre às 16h, as conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Entre os dias 26 e 30 de janeiro, a série Ideias traz debates sobre assuntos diversos, como O 5G e a Guerra Fria Digital, na terça-feira (26/01), Turismo, Territórios e Áreas Naturais, na quinta-feira (28/01) e Visibilidade Trans: Cidadania, Saúde, Sexualidade e Inserção Social, no sábado (30/01), fechando a semana. Para mais informações sobre as mesas e seus participantes, consulte a programação abaixo.

 

PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

26 de janeiro, terça-feira

O 5G e a Guerra Fria Digital

A mesa vai debater a importância da tecnologia 5G. Entre os assuntos, as disputas comerciais, geopolíticas e de narrativa entre Estados Unidos e China – e como o Brasil se insere nesse novo cenário –, as acusações de espionagem digital, os riscos do compartilhamento de dados de cidadãos e as questões de privacidade e segurança.

 

Participantes:

Esther Majerowicz - professora do Departamento de Economia e do Programa de Pós-graduação em Economia da UFRN, integrante do LabChina e do Grupo de Economia Política da UFRJ. Coordenadora do Grupo de Economia Política do Desenvolvimento da UFRN.

Diego R. Canabarro - doutor em Ciência Política pela UFRGS. É pesquisador associado ao INCT-DD e ao CEGOV/UFRGS. Atualmente, é gerente sênior de Políticas Públicas da Internet Society para a América Latina e o Caribe.

Oliver Stuenkel - professor de Relações Internacionais da FGV-SP. É membro não residente no Instituto de Política Pública Global (GPPi) em Berlim e colunista do EL PAÍS e Americas Quarterly.

 

Mediação e apresentação:

Danilo Cymrot - doutor pela Faculdade de Direito da USP. Pesquisador do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo.

 

28 de janeiro, quinta-feira

Turismo, Territórios e Áreas Naturais

No Brasil, nas últimas décadas, houve um crescimento das práticas de lazer em áreas naturais que, com a pandemia, têm sido cada vez mais abordadas como atividades turísticas possíveis. A preservação da biodiversidade está conectada à preservação e valorização da diversidade cultural e aos saberes das populações locais. A mesa propõe um debate acerca das potências e tensões desses encontros entre turistas, comunidades visitadas e a natureza nas perspectivas das populações.

 

Participantes:

Robson Possidônio - pescador tradicional caiçara e agricultor de Vila de Trindade, sul do estado do Rio de Janeiro. Guia de turismo de base comunitária. Militante do Fórum de Comunidades Tradicionais de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba e da Coordenação Nacional de Comunidades Tradicionais Caiçaras. Integrante da Associação de Barqueiros e Pescadores Tradicionais de Trindade.

Alemberg Quindins - pesquisador, músico, escritor e artista plástico autodidata. Criador da Fundação Casa Grande (CE). Dr. Honoris Causa em Ciências Sociais pela Universidade Regional do Cariri e Notório Saber em Cultura Popular pela Universidade Federal do Ceará. Professor do Curso de Especialização em Arqueologia Social Inclusiva pela Universidade Regional do Cariri e investigador do Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Patrimônio, Universidade de Coimbra.

 

Mediação:

Andrea Rabinovici - bacharel em Ciências Sociais pela Unicamp, especialista em Turismo Ambiental, mestre em Ciência Ambiental pela USP e doutora em Ambiente e Sociedade pela Unicamp. Atual vice-reitora da Unifesp. Professora Associada da Unifesp, campus Diadema, no Departamento de Ciências Ambientais, na Área de Ética, Ambiente e Sociedade.

 

Apresentação:

Mayra Vergotti - cientista social e mestre em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Assistente técnica do Núcleo de Turismo Social do Sesc São Paulo.

 

30 de janeiro, sábado

Visibilidade Trans: Cidadania, Saúde, Sexualidade e Inserção Social

Em 29 de janeiro comemora-se o Dia Nacional da Visibilidade Trans no Brasil. No ano de 2004, exatamente nessa data, pela primeira vez na história do Brasil travestis e transexuais estiveram no Congresso Nacional para falar aos parlamentares brasileiros sobre a sua realidade. A pessoa transexual, transgênero ou travesti é aquela que tem uma identidade de gênero diferente do sexo biológico designado no nascimento. Segundo dados divulgados pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA), com a entrada da pandemia do coronavírus, o desrespeito à população Trans não só persistiu, como aumentou. Os dados relativos a 2020, comparados a 2019, demonstram que houve um aumento de 47% no número de assassinatos de pessoas trans no período entre 1 de janeiro e 31 de outubro de 2020, quando comparados com o mesmo período de 2019. A proposta do encontro é discutir e refletir sobre o lugar ocupado na sociedade pelas pessoas transexuais e travestis e revelar os avanços e os desafios que ainda precisam ser enfrentados para a integral participação e representatividade social.

 

Participantes:

Alexandre Peixe dos Santos - ativista, se divide entre a paternidade e a luta pela garantia dos direitos de homens trans no Brasil. É um homem trans e engravidou aos 19 anos, depois de sofrer um estupro ‘coletivo’ e ‘corretivo’, no interior de São Paulo. Na época, se identificava como “lésbica masculinizada” e nunca pensou em engravidar. Membro do IBRAT (Instituto Brasileiro de Transmasculinidade). É o primeiro homem transexual brasileiro a realizar procedimentos cirúrgicos financiados exclusivamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

Bruna Benevides - primeira mulher trans na ativa das forças armadas brasileiras, sargenta da Marinha do Brasil. TransAtivista, educadora social, secretária de articulação política da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA). Vencedora do Prêmio Faz Diferença do Jornal O GLOBO. Autora do dossiê da violência e do assassinato contra pessoas trans brasileiras.

Duda Salibert - mãe, professora de Literatura, ambientalista, vegana e idealizadora da Transvest, ONG que oferece suporte social às travestis e transexuais de Belo Horizonte. Em 2018 tornou-se a primeira mulher trans a concorrer ao cargo de Senadora da República, terminando a disputa como a quarta mulher mais votada da história das eleições de Minas Gerais. Em 2020 tornou-se a primeira Transexual eleita em Belo Horizonte e a pessoa mais votada da história das eleições municipais da capital mineira.

Mediação e apresentação:

Bárbara Iara Hugo Cabral Carneiro - travesti preta, coleciona arquiteturas de corpos desobedecidos e visualidades em metamorfose. Mestranda em Educação. É graduada em Educação Artística pela UnB e atualmente integra o Núcleo de Artes Visuais do Sesc Pompeia.

 

+ SESC NA QUARENTENA

Desde o final de agosto de 2020, cinco meses após a suspensão majoritária do atendimento presencial nas unidades, o Sesc São Paulo anunciou uma parcial e gradativa retomada, com um número restrito de atividades, dirigidas aos alunos que já eram inscritos nos cursos de Ginástica Multifuncional, Práticas Corporais e Corrida, além de pacientes das Clínicas Odontológicas cujos tratamentos foram interrompidos pela pandemia. Todas essas atividades estão sendo previamente agendadas, visando restringir a circulação de público no interior das unidades. Em outubro de 2020, a instituição anunciou nova etapa da retomada gradual dos serviços, desta vez de Exposições – inicialmente nas unidades da capital, Grande São Paulo, Santos e Taubaté –, das Bibliotecas alocadas nas unidades e a exibição de filmes no CineSesc, tudo mediante agendamento prévio pelo sistema de bilheteria online em sescsp.org.br. Todas as 40 unidades do estado deram início a essa retomada gradual, à medida que os municípios em que estão instaladas atinjam a classificação necessária para reabertura, estabelecida pelo Plano São Paulo do Governo do Estado, e em conformidade com as regulações municipais.

Paralelo à retomada gradual de alguns serviços presenciais, a instituição segue oferecendo um conjunto de iniciativas on-line, que garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

 

+ SESC DIGITAL

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

SÃO CARLOS/SP - As notícias falsas já viraram um problema mundial capaz de afetar os rumos de grandes assuntos, como as eleições. A advogada Marielle Brito mostra a importância de saber diferenciar quais são as verdadeiras para combater a desinformação 

Mesmo com a lei das fake news, a Lei Federal n°13.834/19, que prevê pena de dois a oito anos de prisão, além de multa, para quem fizer denúncia falsa com finalidade eleitoral, as notícias falsas estão longe de acabar. Vídeos, fotos, áudios, postagens e falsos sites de notícias com supostas reportagens, muitas são as maneiras de difundir informações de má fé, principalmente em épocas de campanha eleitoral, como no Brasil e nos Estados Unidos. A advogada Marielle Britto ressalta que elas deixaram de ser apenas uma brincadeira ou ferramenta restrita ao mundo virtual e hoje são uma grande preocupação nos âmbitos social e político. “As fake news podem mudar os rumos das eleições, principalmente após a utilização das redes sociais. A sofisticação das campanhas e o avanço da tecnologia permitiram que fatos distorcidos e sem fonte confiável cheguem, em questão de segundos, a milhares de pessoas. As notícias falsas disparadas em massa alimentam a desinformação e atentam contra o Estado Democrático de Direito”, afirma.

Para ela, uma sociedade exposta constantemente a fatos tendenciosos, mesmo em redes sociais, está condicionada a expressar essa exposição nas eleições e tomar decisões precipitadas e mal embasadas. Dessa forma, Marielle considera que a lei que combate esta prática é um avanço. “É Importante destacar também que a única modalidade de fake news criminalizada até o momento é a eleitoral”, alerta. 

A advogada explica como identificá-las: há diversos formatos, algumas até contém informações verdadeiras, mas vêm acompanhadas de imagens falsas ou fora de contexto. “Pode ter um título falso e algumas informações do texto serem verdadeiras, às vezes é apenas uma foto falsa que induz a uma ideia errônea, ou ainda tudo é falso”, destaca. “Para evitar consumir tais informações, é importante tomar alguns cuidados como conferir se o texto possui fonte, qual é o site e o autor”, explica. Uma forma de verificar é não ler apenas o título do que foi compartilhado. Se houver dúvidas quanto à segurança do link, o ideal é não clicar, mas se não houver este problema, é fundamental verificar o site para saber se é ou não um meio confiável de informações. “Tem que analisar as outras publicações do portal, evitar ler apenas o título do que foi compartilhado, verificar se há erros na escrita e sempre é importante pesquisar o assunto para verificar se o tema foi publicado em sites conhecidos e respeitados”, destaca. Outra dica é desconfiar sempre de notícias alarmistas, além de analisar a data e questionar se quem está enviando checou a veracidade. 

Na dúvida, ignore o conteúdo. “A melhor solução é a conscientização da população. Se as informações não são repassadas, essa prática vai perdendo força e sentido. Essa mudança só será atingida com um trabalho de educação, explicando desde cedo as consequências dos nossos atos, tanto na internet, quanto fora dela”. Ainda é possível denunciar: o registro pode ser feito no Pardal, aplicativo do Tribunal Superior Eleitoral,  bem como podem ser encaminhadas denúncias ao Ministério Público Eleitoral (MPE) e às ouvidorias da Justiça Eleitoral.

 

 

Créditos de: Divulgação / MF Press Global 

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Abril 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Comércio e Serviços em Geral