fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Entenda por que investidores norte-americanos estão comprando times italianos de futebol © Reprodução/Forbes

Entenda por que investidores norte-americanos estão comprando times italianos de futebol

Escrito por  Out 10, 2021

EUA - A Série A do futebol italiano, reconhecida quase universalmente como a melhor liga do mundo na década de 1990, atualmente está bem atrás da inglesa Premier League e da espanhola La Liga na hierarquia europeia. Um número crescente de investidores norte-americanos, no entanto, acredita que uma gestão melhor e finanças estabilizadas podem levar o futebol italiano de volta à glória – e aumentar o valor de mercado dos times.

O mais recente é a 777 Partners, uma empresa de investimentos privados com sede em Miami que anunciou na semana passada a compra da Gênova C.F.C. em um negócio que, de acordo com uma pessoa com conhecimento da transação, envolve a aquisição de 99,9% do clube a uma avaliação de € 150 milhões (US$ 175 milhões), incluindo dívidas. Seis das 20 equipes da Série A, mais dois outros clubes da Série B, agora serão controlados por investidores ou grupos de investimentos norte-americanos que assumirão o comando dos times nos próximos três anos e meio.

Três desses investidores vêm do mundo dos fundos de private equity e hedge, parte de uma tendência mais ampla que tem visto gestores muito familiarizados com ativos problemáticos e nada familiarizados com times esportivos apostando no futebol europeu.

Os investidores acreditam que as equipes italianas estão subvalorizadas em comparação às outras ligas, principalmente com a queda nos preços durante a pandemia. “Vemos uma oportunidade maior de crescimento aqui por causa do estágio de desenvolvimento”, disse Juan Arciniegas, diretor-gerente da 777 Partners, à Forbes. Mas também existem riscos reais no futebol europeu em geral, e na Itália em particular.

As vantagens são óbvias. O futebol é um esporte global e está ficando cada vez maior. Novas empresas estão entrando na batalha pelos direitos de transmissão dos jogos, o que pode aumentar as taxas, e novas oportunidades de negócios – como NFTs (tokens não fungíveis, na sigla em inglês) – estão criando novos fluxos de receita.

A cada temporada, os times italianos têm direito a quatro vagas, bastante rentáveis, na Champions League (Liga dos Campeões, o campeonato europeu), o mesmo número da Premier League e da La Liga, e uma a mais do que a francesa Ligue 1. Além disso, o campeonato italiano da primeira divisão tem pouca competição por atenção, uma vez que o futebol está firmemente entrincheirado como o principal esporte do país. Não é o caso da Inglaterra, por exemplo, onde críquete, tênis e rúgbi também disputam os holofotes.

Há ainda a história. A Gênova, por exemplo, foi fundada em 1893 a.C.; a Milan, de propriedade do fundo Elliott Management, da Flórida, ganhou a Liga dos Campeões (ou o campeonato antecessor) sete vezes, perdendo apenas para o Real Madrid da La Liga espanhola.

 

Ainda assim, a demanda atual por clubes italianos se reduz a dois fatores principais, segundo os investidores. O primeiro é a escassez: simplesmente não há tantos clubes de primeira linha na Europa, e a legislação da Alemanha limita ainda mais os potenciais alvos de investimento ao exigir que os clubes da Bundesliga (campeonato alemão) sejam controlados por torcedores. Somado a isso, os recentes problemas financeiros do futebol italiano, que foram agravados pela pandemia, colocaram muitos times à venda.

O segundo fator importante é o preço. De acordo com o Financial Times, a Elliott adquiriu a Milan em 2018 por cerca de € 400 milhões (US$ 470 milhões no câmbio de hoje) e a pandemia está reduzindo ainda mais os preços de alguns clubes. Em comparação, a Premier League, mais madura financeiramente, tem oito equipes avaliadas em mais de US$ 500 milhões, e seis que valem mais de US$ 2 bilhões, de acordo com a lista da Forbes dos times de futebol mais valiosos de 2021.

Mas, mesmo com preços mais baixos, fazer as equipes italianas crescer não será fácil. Mesmo os clubes bem-sucedidos da Série A têm lutado para atrair grandes marcas globais como patrocinadores. Além disso, a grande maioria joga em estádios antigos que pareceriam decrépitos para os padrões norte-americanos, o que diminui as receitas de bilheteria, alimentação e merchandise dos jogos. O estado das arenas também desestimula os clubes de aumentar os preços dos ingressos, o que os deixaria acima dos baixos níveis comuns em toda a Europa.

Reformas de estádios que são comuns nos EUA são mais difíceis de executar na Itália, onde a maioria das equipes arrenda as instalações das prefeituras, fazendo com que as propostas para novos estádios se tornem pesadelos burocráticos. Nos últimos dez anos, apenas três novos estádios foram construídos no país, em comparação com 153 na Europa como um todo, de acordo com um relatório recente da Federazione Italiana Giuoco Calcio, órgão regulador do futebol italiano. O bilionário americano Rocco Commisso conta que iniciou imediatamente um esforço para substituir o Stadio Artemio Franchi, de 90 anos, em Florença, após comprar a A.C.F. Fiorentina em junho de 2019. No entanto, por causa do longo processo de aprovação das autoridades municipais, a construção só deve ser iniciada em pelo menos cinco anos, diz ele.

“É o momento perfeito, com sorte, para o sistema político italiano entender que as coisas precisam mudar se eles querem ter uma Série A competitiva contra o futebol inglês, espanhol e alemão”, afirmou Commisso à Forbes.

Essas desvantagens forçam os times italianos a depender mais das receitas de mídia em comparação com os clubes de ligas rivais e, ainda assim, a Itália está atrasada em seus esforços de monetização. A Serie A tinha como meta aumentar 20% seus direitos transmissão pelos canais italianos neste ano, mas acabou fechando um acordo de três anos com a DAZN por US$ 995 milhões anuais, uma queda de 13% em relação aos US$ 1,14 bilhão de seu acordo anterior com a Sky. O valor também foi substancialmente menor do que os US$ 1,29 bilhão que a Bundesliga recebeu da DAZN e da Sky no ano passado, e do que os US$ 2,3 bilhões da Premier League. (A liga italiana suavizou as perdas ao conseguir US$ 75 milhões anuais em um recente acordo de três anos com a ViacomCBS por seus direitos de transmissão nos Estados Unidos.)

Os problemas de receita são agravados pelos Regulamentos de Fair Play Financeiro do futebol europeu, que visam manter os clubes longe de problemas de caixa e, basicamente, exigem que eles não gastem mais do que ganham. Na prática, no entanto, as regras obrigam as equipes com baixa receita a manter suas folhas de pagamento pequenas, prejudicando seu desempenho em campo – o que, por sua vez, garante que as receitas permanecerão baixas e que o ciclo se reiniciará.

“No final das contas, não podemos competir sem receitas”, diz Commisso, fundador da provedora de TV a cabo americana Mediacom, cujo logotipo adorna as camisetas da Fiorentina. “Em nossa situação, sem a receita de patrocínio da Mediacom e com a Covid-19, geramos no ano passado € 72 milhões, menos do que há dez anos. E estamos competindo na Europa com clubes que geram de € 300 milhões a € 700 milhões.”

Isso não significa que Commisso esteja desistindo. Ele reconhece que o sucesso exige tempo e dinheiro. Mas afirma que sua história pessoal de ter nascido na Itália e jogado futebol na Universidade de Columbia, nos EUA, o diferencia dos outros proprietários americanos, já que ele não está investindo no esporte para ganhar retorno financeiro. Comisso está construindo um centro de treinamento de € 70 milhões chamado Viola Park.

As firmas de private equity e os fundos de hedge que entraram na liga ao lado dele terão o mesmo tipo de paciência? Arciniegas, pelo menos, diz que o 777 está pronto para o desafio em Gênova. “Vamos fazer o que precisa ser feito. Acho que as oportunidades estão aí para quem estiver disposto a aproveitá-las. O fato de o clube ter tido um desempenho inferior nos últimos anos apenas nos tornou mais capazes de fazer a diferença. ”

Outro caso do tipo pode surgir em breve Sob pressão financeira, o grupo dono da Inter de Milão, o chinês Suning Holdings, fechou um empréstimo de US$ 336 milhões em maio. Quem assumirá o controle do clube se Suning entrar em default? A Oaktree Capital, com sede em Los Angeles.

 

 

FORBES Brasil

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Top News

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31