fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar

MUNDO - Em uma ação inédita contra o Brasil, que barra qualquer pretensão de se ampliar acordos comerciais com os EUA, 24 deputados democratas da Comissão de Orçamento e Tributos (Ways and Means) da Câmara dos Deputados dos EUA informaram na quarta-feira ao escritório comercial da Casa Branca que “têm fortes objeções à busca de qualquer acordo comercial ou à expansão de parcerias comerciais com o Brasil do presidente Jair Bolsonaro”.

Ex-embaixador em Washington, Rubens Ricupero afirma que a carta dos democratas da Ways and Means “enterra” qualquer possibilidade de acordo enquanto a Câmara tiver maioria da oposição ao republicano Donald Trump. “Nunca vi um documento assim. Ela é a mais importante comissão do Congresso americano. Essa carta significa que nenhum acordo com o Brasil será feito enquanto a Câmara tiver maioria democrata.”

Para ele, a situação deve se agravar ainda mais se o democrata Joe Biden for eleito presidente. “Ele é muito mais comprometido com a pauta ambiental do que Barack Obama.” Biden, com 53%, lidera as pesquisas de intenção de voto para a eleição deste ano com dez pontos à frente de Trump (43%). A votação americana, entretanto, é definida por meio de um colégio eleitoral, o que torna mais decisivo o triunfo em Estados em que a preferência por democratas ou republicanos se alterna. Trump se elegeu graças a vitórias no Meio-Oeste, mesmo tendo menos votos do que Hillary Clinton no geral.

A carta foi endereçada ao representante comercial da Casa Branca, o embaixador Robert Lighthizer. Nela, o presidente da comissão, o deputado Richard Neal, e seus colegas de partido contam que decidiram escrever o documento depois de Lighthizer afirmar, em maio, após conversa com o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, que desejava intensificar a parceria econômica com o Brasil, incluindo uma simplificação do comércio e “boas práticas regulatórias”. Para tanto, consultaria o Congresso. “Em resposta, nós julgamos importante enumerar a litania de razões pelas quais consideramos inapropriado que a administração abra discussões sobre parcerias econômicas de qualquer tipo com o líder brasileiro que desrespeita o estado de direito e ativamente desmantela árduas conquistas de direitos civis, humanos, ambientais e trabalhistas.”

A carta segue afirmando que, por meio de retórica e de ações, o governo demonstra “completo desrespeito por direitos humanos básicos, pela necessidade de se proteger a Floresta Amazônica, os direitos e a dignidade dos trabalhadores e mantém práticas econômicas anticompetitivas”. Essas condições demonstrariam que o Brasil sob Bolsonaro “não pode ser considerado preparado para assumir novos padrões de direitos trabalhistas e de proteção ambiental previstos no acordo EUA-México-Canadá”.

Peso nas decisões

Os democratas têm larga maioria na comissão. Sua importância pode ser medida pelo fato de o presidente americano precisar de autorização dela para negociar acordos comerciais que não sejam emendados pelo Congresso – fast tracks. Também por ela passam não só cada tostão gasto em políticas públicas bem como decisões sobre impostos e taxas e acordos comerciais internacionais. Para o embaixador Roberto Abdenur, “manifestações como essa de agora terão desde logo impacto, pois inibirão o governo americano de levar adiante novos entendimentos com o Brasil”. Ele concorda com Ricupero e diz que as relações com os EUA “vão se complicar muito se Biden for eleito”. “A excessiva ligação de Bolsonaro com Trump só fará exacerbar os ânimos contra o Brasil.”

Ricupero, que foi embaixador nos EUA no governo de George Bush (1989-1993) e conselheiro político em Washington nos governos dos ex-presidentes Gerald Ford (1974-1977) e Jimmy Carter (1977-1981), aponta ainda na carta democrata a união de dois tipos de argumentos, o ambiental e o protecionista, cada vez mais comum nos EUA e na Europa. “A chance de o Brasil obter alguma coisa na área agrícola em um acordo comercial com os EUA é próximo de zero. Só para citar um exemplo, não há lobby mais forte no Congresso do que o do algodão, que tem apoio em peso dos congressistas do Texas.”

De fato, em um dos últimos parágrafos do documento dos democratas, os deputados dizem considerar existir pouca perspectiva de oportunidades de acordo para o agronegócio, pois muitos dos “produtos exportados pelo Brasil já são muito competitivos no mercado americano, mesmo sem as vantagens da eliminação de tarifas de um acordo comercial”. E conclui: “Além disso, produtores brasileiros têm um histórico de usar práticas desleais de comércio”.

A carta conclui afirmando que buscar um acordo com o Brasil pode prejudicar a luta de defensores dos direitos humanos, trabalhistas e ambientais brasileiros para promover o Estado de Direito e comunidades marginalizadas.

Trump busca aumentar os laços com o governo Bolsonaro, não só os comerciais como os militares e sanitários. Na semana passada, o americano afirmou que a Casa Branca fornecera 2 milhões de doses de hidroxicloroquina para combater o Sars-Cov-2 no Brasil. O Estadão procurou o Itamaraty e o Ministério da Economia, mas nenhum deles se manifestou. A ação ocorre concomitantemente à aprovação de moção no Parlamento da Holanda, rejeitando o acordo entre a União Europeia e o Mercosul por razões semelhantes às americanas. “Nosso isolamento está cada vez maior”, afirmou Ricupero.

 

 

*Por: Marcelo Godoy / ESTADÃO

MUNDO - Diego Costa foi sentenciado a seis meses de prisão e a pagar uma multa de 543,2 mil euros por ter fraudado mais de 1 milhão de euros (R$ 56 milhões) à Fazenda espanhola em sua declaração de imposto de renda em 2014.

O atacante brasileiro, naturalizado espanhol, se declarou culpado nesta quinta-feira, em audiência em Madri, e fez acordo para substituir a pena de seis meses de prisão por uma multa de 36 mil euros (100 euros diários durante 12 meses, R$ 204 mil no total).

As acusações são de 2014, quando o brasileiro deixou o Atlético de Madrid, seu atual clube, rumo ao Chelsea. Naquele ano, segundo as autoridades, o jogador cometeu fraude através de empresas internacionais e na gestão de seus direitos de imagem.

Em 2019, o jogador do Atlético já pagou 1,14 milhão de euros (R$ 6,4 milhões) para quitar a dívida tributária e reconheceu os fatos que caracterizam crime para a Agência Tributária da Espanha.

O caso de Diego Costa é o mais recente envolvendo jogadores e fraude fiscal. Em 2019, Cristiano Ronaldo acordou um pagamento de 18,8 milhões de euros. Lionel Messi, por sua vez, foi multado em 2 milhões de euros e 21 meses de prisão que foram substituídos por multa de 500 mil euros em 2017. Modric, Marcelo, Falcao, Di Maria e Mascherano são outros exemplos.

A exceção entre eles, um atleta que ganhou a disputa fiscal com a Fazenda, foi Xabi Alonso, ex-Real Madrid e Liverpool, que foi acusado de fraude, mas conseguiu provar a inocência.

 

 

*Por: ESPN.com

MUNDO - A Bélgica reabrirá bares, restaurantes e outras áreas da vida social e cultural a partir de 8 de junho, mas não as boates, disse um ministro do governo nesta quarta-feira.

Os comentários do ministro do Orçamento, David Clarinval, ocorreram antes de uma reunião do governo no final do dia para anunciar um novo alívio no isolamento imposto para conter o coronavírus.

"Todos os setores reabrirão, mas não as boates infelizmente", disse Clarinval à televisão La Premiere. As atrações turísticas, parques de camping e cinemas serão retomados, juntamente com treinamento esportivo e partidas com portões fechados.

Clarinval afirmou que os belgas poderão reunir mais pessoas, abolindo uma regra que dizia que no máximo quatro pessoas tinham permissão para visitar uma mesma casa.

"Todos os números são sustentáveis", disse Clarinval, após a Bélgica registrar apenas 70 novos casos de Covid-19 na quarta-feira.

Com uma população de 11,5 milhões, a Bélgica é um dos países mais atingidos pelo coronavírus, mas começou a eliminar gradualmente as medidas de isolamento no início de maio.

Depois de reabrir lojas de produtos não alimentícios no mês passado, o país permitiu que escolas, mercados, museus e zoológicos voltassem a operar parcialmente.

A Bélgica registra um total de 58.685 casos de Covid-19 e 9.522 mortes.

 

 

*Por: Marine Strauss / REUTERS

MUNDO - O famoso ator de Hollywood, Sylvester Stallone, acaba de colocar a sua mansão luxuosa na zona de La Quinta (Califórnia) à venda por 3,3 milhões de dólares, cerca de 18 milhões de reais.

Construído em 2008, o imóvel tem quase 500 m2, seis quartos e cinco banheiros. Uma sala de estar com lareira dá as boas-vindas a quem chega, e a cozinha tem vista para um terraço encantador. No espaço existe uma grande ilha feita de madeira e pedra.

A área externa da casa conta com uma enorme piscina, uma cozinha ao ar livre e um espaço para refeições. A mansão fica dentro do exclusivo Madison Club, onde vivem outras celebridades como Cindy Crawford.

 

 

*Por: JETSS

MUNDO - A Série A anunciou nesta segunda-feira o calendário completo para a volta do Campeonato Italiano. A competição, interrompida em 9 de março por conta da pandemia do novo coronavírus, será retomada em 20 de junho e terminará em 2 de agosto. Serão, portanto, 124 jogos em 44 dias.

Para cumprir toda a reta final da competição em um calendário bastante reduzido, a liga montou um cronograma que permite jogos na maioria dos dias da semana, incluindo segundas e sextas-feiras. Pelo planejamento, não haverá dois dias seguidos sem futebol no país.

O primeiro jogo do recomeço será Torino x Parma, às 14h30 (horário de Brasília), seguido de Verona x Cagliari, às 16h45. No domingo, jogam Atalanta x Sassuolo e Inter de Milão x Sampdoria. Essas partidas são pendentes da 25ª rodada.

Após isso, o campeonato pula a 26ª rodada, já realizada antes da paralisação, e continua até a reta final. Apenas a antepenúltima e a penúltima rodadas não tiveram datas e horários divulgados. A última jornada, marcada para um domingo, 2 de agosto, terá dez jogos simultâneos às 16h45 (horário de Brasília).

A Juventus é a líder do campeonato, com 63 pontos, seguida de perto pela Lazio, com 6. O confronto dos dois postulantes ao título será em 20 de julho, às 16h45 (horário de Brasília), em Turim.

Vale lembrar que, antes do campeonato voltar, haverá a reta final da Copa da Itália. Segundo o jornal Gazzetta dello Sport, as semifinais entre Juventus x Milan e Inter x Napoli acontecerão em 14 de junho, enquanto a decisão do título, no Estádio Olímpico, em Roma, está marcada para três dias depois.

Com o retorno programado, a liga italiana segue os passos de Bundesliga, Premier League e LaLiga. Dos chamados principais campeonatos da Europa, o único que foi encerrado durante a pandemia foi o Francês, cujo governo só autoriza o retorno de atividades esportivas em setembro.

 

 

*Por: ESPN.com

MUNDO - A Hyundai Motor disse nesta segunda-feira que suas vendas preliminares de maio caíram 39% na comparação anual, para 217.510 veículos em todo o mundo, enquanto a pandemia de coronavírus continuava atingindo a demanda nos principais mercados.

No entanto, as vendas aumentaram cerca de 30% em relação aos 167.693 veículos de abril.

Suas vendas domésticas aumentaram 5% em relação ao ano anterior, lideradas por modelos populares como o Grandeur e novos modelos como o novo Elantra e o G80 da marca premium Genesis.

No entanto, as vendas no exterior caíram 50% no ano devido à fraca demanda por automóveis devido à desaceleração das atividades econômicas decorrentes do Covid-19, informou a montadora em comunicado.

As exportações de automóveis da Coreia do Sul em maio caíram 54%, apesar de uma retomada das vendas nas concessionárias dos principais países, devido ao aumento do estoque devido às baixas vendas no mês anterior e à queda da demanda em grandes mercados como EUA e Europa, informou o Ministério do Comércio do país em uma declaração separada nesta segunda-feira.

A Kia Motors, montadora irmã da Hyundai, divulgou vendas provisórias de 160.913 veículos em maio, uma queda de 33% em relação ao ano anterior, enquanto as vendas domésticas aumentaram 19% e no exterior caíram 44%.

Juntas, elas são a quinta maior montadora do mundo.

 

 

*Por Joyce Lee / REUTERS

MUNDO - A rainha Elizabeth II apareceu pela primeira vez desde o início do isolamento social por causa do combate ao novo coronavírus no Reino Unido. No último domingo, dia 31, a monarca apareceu enquanto cavalgava no pônei Balmoral Fern, de 14 anos de idade.

Essa é a primeira vez que a Rainha é flagrada a cavalo desde o início da flexibilização das medidas do isolamento social.   Ela está morando no Castelo de Windsor, em Londres, com o marido, o príncipe Philip, de 98 anos de idade.

Apesar de divulgar mensagens de incentivo aos britânicos diante da pandemia, essa é a primeira vez que ela aparece ao ar livre.

Na foto, a Rainha está montada em Fern — uma pônei Fell de 14 anos de idade — no Windsor Home Park neste fim de semana. Sua Majestade gosta de equitação desde a infância, e está intimamente envolvida com o bem-estar dos cavalos que possui para criação, equitação e hipismo, escreveu a conta oficial da família real britânica no Instagram.

*Por: ESTRELANDO

MUNDO - A Casa Branca informou neste último domingo, 31, que o governo americano enviou dois milhões de doses de hidroxicloroquina para o Brasil. O remédio tem sido defendido pelo presidente americano, Donald Trump, e pelo presidente Jair Bolsonaro como um tratamento para covid-19, apesar de estudos científicos não indicarem a eficácia da droga.

Bolsonaro já havia afirmado, na quarta-feira, que Trump enviaria os comprimidos do medicamento para o Brasil, em conversa com apoiadores na portaria do Alvorada.

Hospitais americanos têm reportado redução no uso do medicamento no tratamento da covid-19 depois que vários estudos sugeriram que o medicamento não é eficaz e representa um risco para os pacientes com a doença. A Vizient Inc, compradora de medicamentos para cerca de metade dos hospitais dos EUA, informou à agência Reuters que os pedidos de cloroquina caíram para um décimo do pico, registrado no final de março.

A droga, usada para tratamento da malária, foi inicialmente vista como esperança para a covid-19 e avidamente defendida por Trump e Bolsonaro. Os testes científicos feitos em humanos até o momento não comprovaram os benefícios e ao menos dois estudos sugerem que há aumento no risco de vida.

Em comunicado, a Casa Branca informou que a droga será usada para profilaxia para ajudar a proteger enfermeiros, médicos e profissionais de saúde brasileiros, e que também terá usado para terapia dos infectados.

A Casa Branca também confirmou que enviará "em breve" mil respiradores para o Brasil. A doação dos respiradores foi anunciada pelo chanceler Ernesto Araújo no mesmo dia que os Estados Unidos confirmaram que iriam restringir a entrada de pessoas que estivessem no Brasil, em razão do avanço da pandemia no País.

 

 

*Por: Beatriz Bulla / ESTADÃO

MUNDO - Os Estados Unidos entraram neste último domingo, 31, no sexto dia de protestos contra o racismo e a brutalidade policial, motivados pela morte de George Floyd, um homem negro de 46 anos que foi sufocado por um policial branco no último dia 25, em Minneapolis. Ele estava desarmado e gritou diversas vezes “eu não consigo respirar”, enquanto o policial Derek Chauvin apoiava o joelho contra seu pescoço. Nos últimos dias, diversas cidades do país registraram casos de violência, saques, incêndios e confronto entre manifestantes e autoridades de segurança. Uma cena de solidariedade e união, no entanto, chamou a atenção em Miami.

No último sábado 30, manifestantes foram até a delegacia de Coral Gables, na cidade da Flórida, grande reduto de latinos. Em vez de agravar a situação, os policiais presentes se ajoelharam e rezaram por Floyd junto com os manifestantes, que chegaram a abraçá-los, emocionados. O porta-voz da polícia local, Juan Diasgranados, estava entre os participantes e disse que é preciso amenizar o clima de confronto.

“Como líderes dessa profissão, todos nós devemos melhorar o treinamento e os protocolos para que nossos esforços para construir e manter a confiança da comunidade não sejam perdidos ou ofuscados”, afirmou, à emissora americana Fox. Apesar disso, Miami foi uma das várias cidades do país que registraram episódios de violência nos últimos dias.

Continua depois da publicidade

Neste último domingo, cerca de 5.000 soldados da Guarda Nacional foram mobilizados em 15 estados e na capital, e outros 2.000 estavam prontos para intervir se necessário, anunciou neste domingo a corporação. “Não podemos e não devemos permitir que um pequeno grupo de criminosos e vândalos destrua nossas cidades e provoque devastação em nossas comunidades”, disse o presidente Donald Trump na véspera.

“Meu governo irá interromper a violência da multidão”, completou o presidente americano, que acusou o grupo Antifa (antifascista) de orquestrar a escalada. Neste domingo, o presidente disse que classificará a Antiga como uma organização terrorista – em postagem compartilhada pelo presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

No sábado, houve grandes protestos nas ruas de Nova York, Filadélfia, Dallas, Las Vegas, Seattle, Des Moines, Memphis, Los Angeles, Atlanta, Miami, Portland, Chicago e Washington D.C.. Os governadores dos estados envolvidos convocaram a Guarda Nacional e, em alguns, foi decretado toque de recolher.

Cerca de 5.000 soldados da Guarda Nacional foram mobilizados em 15 estados e na capital, e outros 2.000 estavam prontos para intervir se necessário, anunciou neste domingo a corporação. Segundo Tim Walz, governador de Minnesota, os responsáveis pelo caos podem ser anarquistas, supremacistas brancos ou narcotraficantes.

Críticas da oposição

Trump disse aos manifestantes que chegavam muito perto da Casa Branca que iria recebê-los com “os cães mais ferozes e as armas mais perigosas”, ameaça denunciada pela oposição democrata. “Ele deve unir o nosso país, não aumentar o fogo”, criticou a presidente democrata da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, em entrevista à rede de TV ABC.

O rival democrata de Trump na eleição presidencial de novembro, Joe Biden, condenou a violência, mas afirmou que os americanos têm o direito de se manifestar. “Protestar contra tal brutalidade é correto e necessário. É uma resposta totalmente americana”, afirmou. “Mas queimar comunidades e destruição desnecessária, não. Violência que coloca vidas em risco não é. Violência que destrói e fecha negócios que atendem à comunidade não é.”

Na última sexta-feira, Derek Chauvin, o policial que aparece nas filmagens sufocando George Floyd, foi acusado de assassinato em terceiro grau. Ele foi demitido, assim como os outros três policiais envolvidos na detenção, o que não foi suficiente para reduzir a indignação.

 

 

*Por: VEJA.com

MUNDO - O desemprego urbano na Colômbia subiu para 23,5% em abril, a taxa mais alta desde 2001, devido à paralisia causada pela pandemia, informou nesta sexta-feira o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (DANE) do governo.

O desemprego dobrou o índice no mesmo período de 2019 (11,1%) e superou o do mês passado (13,4%).

O desemprego nas treze grandes cidades e áreas metropolitanas, onde se concentra o maior número de empregos, serve de referência para o mercado.

É o pior resultado "desde janeiro de 2001", tanto em nível urbano quanto nacional (19,8%), informou o serviço de imprensa da agência à AFP.

Já no global, no mês passado, quase 5,4 milhões de empregos foram perdidos em relação a abril de 2019. A população economicamente ativa representava 43% dos 48 milhões de colombianos neste mês.

Para 2020, o governo prevê um dos "piores" desempenhos econômicos da história devido à queda nos preços do petróleo e à suspensão das atividades devido ao fechamento.

 

 

*Por: AFP

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30