fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

CHILE - O presidente chileno, Sebastián Piñera, anunciou nesse domingo (28) o adiamento para maio das eleições previstas para 10 e 11 de abril, devido ao aumento de casos de covid-19, uma decisão que ainda tem de ser ratificada pelo Parlamento.

"Na segunda-feira vamos enviar ao Congresso um projeto de reforma constitucional para adiar, por cinco semanas, as eleições constituintes para designar os membros da Assembleia que deverão redigir a futura Constituição do país, presidentes de câmaras municipais, senadores e governadores. Se esse projeto for aprovado, as eleições previstas para os dias 10 e 11 de abril serão realizadas em 15 e 16 de maio", disse o presidente Sebastián Piñera no Palácio La Moneda, sede do governo chileno.

"O segundo turno da eleição de governadores, prevista para 9 de maio, será em 4 de julho", acrescentou.

O presidente chileno explicou que há duas razões para o adiamento: proteger a saúde dos chilenos, num período em que se registram recordes diários de contágios por covid-19, e "a saúde da democracia", para que o processo eleitoral tenha participação e segurança.

Segundo a consultora Cadem, 73% dos chilenos concordam em adiar as eleições. A intenção de votar em 10 e 11 de abril é de 52%, menos 17 pontos do que o registado na consulta popular de outubro passado, quando os chilenos deram luz verde à reforma da Constituição de 1980, herdada do antigo ditador Augusto Pinochet.

Aos 14,7 milhões de eleitores foi pedido que respondessem a duas perguntas: "Querem uma nova Constituição?" e "Que órgão deve redigir a nova Constituição?", tendo a esmagadora maioria (79%) optado por uma Assembleia Constituinte composta apenas por cidadãos, contra 21% para uma assembleia composta por cidadãos e parlamentares.

Sobre a "saúde da democracia", o presidente chileno considerou que "a situação atual da pandemia e o risco de contágio inibem muitos de votar, diminuindo a participação e a legitimidade do processo eleitoral".

No Chile, o voto não é obrigatório. Para aumentar a participação e evitar aglomerações, o país já tinha decidido ampliar para dois dias as eleições, originalmente previstas para 11 de abril (um domingo).

 

Pandemia

O Chile atravessa o pior momento da pandemia até aqui. Nas últimas 24 horas, foram diagnosticadas 7.326 novas infeções, elevando para 41.767 o total de casos ativos.

O sistema de saúde do país, com 19 milhões de habitantes, está à beira do colapso, com 95% dos leitos de unidades de terapia intensiva ocupados.

Desde o início da pandemia, o Chile acumulou 977.243 contágios e 22.754 mortes provocadas pela doença. Só nas últimas 24 horas, morreram 101 pessoas.

Apesar dos recordes diários de contágios, o Chile é atualmente um dos países com campanhas de vacinação mais bem sucedidas.

O país já vacinou 6,3 milhões de pessoas, equivalentes a 33,4% da sua população, sendo o terceiro país que mais vacinou no mundo, atrás apenas de Israel e dos Emirados Árabes Unidos.

 

 

*Por RTP 

ROMA / BERLIM - A França expressou esperança de que especialistas médicos europeus esclareçam as questões sobre a segurança do COVID-19 disparado pela AstraZeneca na quinta-feira, já que especialistas alertaram que a decisão dos principais estados europeus de interromper o uso representa um risco maior para a saúde pública.

Em uma etapa coordenada, os maiores membros da União Europeia - Alemanha, França e Itália - suspenderam o uso da vacina da AstraZeneca na segunda-feira enquanto se aguarda o resultado de uma investigação pelo regulador de medicamentos do bloco em casos isolados de sangramento, coágulos sanguíneos e baixa contagem de plaquetas.

A Suécia e a Letônia se juntaram a eles na terça-feira, elevando para mais de uma dúzia o número de países da UE que agiram desde que surgiram os primeiros relatos de tromboembolias que afetaram as pessoas depois que eles receberam a injeção de AstraZeneca.

A Organização Mundial da Saúde e a Agência Europeia de Medicamentos se uniram à AstraZeneca para afirmar que não há uma ligação comprovada.

“A escolha é política”, disse Nicola Magrini, diretor-geral da autoridade italiana de medicamentos AIFA, ao jornal La Repubblica em uma entrevista.

Magrini chamou a vacina AstraZeneca de segura e disse que sua relação benefício-risco era “amplamente positiva”. Houve oito mortes e quatro casos de efeitos colaterais graves após a vacinação na Itália, acrescentou.

O ministro da Saúde da França, Olivier Veran, também disse a repórteres que a relação risco-recompensa da vacina permanecia positiva.

“Esperamos algum tipo de veredicto da comunidade científica europeia até quinta-feira à tarde, permitindo-nos retomar a campanha”, disse Veran. O chefe de vacinação da França, Alain Fischer, disse esperar que a suspensão seja temporária.

Os governos dizem que agiram por excesso de cautela, com o ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, afirmando na segunda-feira que a decisão de suspender a AstraZeneca não era política, mas baseada em conselhos de especialistas.

Ele agiu depois que o cão de guarda de vacinas da Alemanha identificou um número incomum de casos de uma rara trombose venosa cerebral. De 1,6 milhão de pessoas na Alemanha que pegaram o AstraZeneca, sete adoeceram e três morreram.

O risco de morrer de COVID ainda é ordens de magnitude maior, especialmente entre os mais vulneráveis, como os idosos, disse Dirk Brockmann, epidemiologista do Instituto Robert Koch de Doenças Infecciosas.

“Nos grupos de risco, o risco de morrer de COVID é muito, muito maior. Isso significa que é provavelmente 100.000 vezes mais provável morrer de COVID do que por causa de uma vacina AstraZeneca”, disse Brockmann à televisão pública ARD.

 

 

*Por Giulia Segreti , Caroline Copley / REUTERS

BRUXELAS - O sentimento econômico na zona do euro subiu mais do que o esperado em fevereiro, impulsionado por mais otimismo na indústria, nos serviços e entre consumidores, aumentando as expectativas de inflação, mostraram dados nesta quinta-feira.

A pesquisa mensal de sentimento da Comissão Europeia mostrou que o otimismo econômico nos 19 países que usam o euro subiu a 93,4 pontos este mês de 91,5 em janeiro, superando as expectativas em pesquisa da Reuters de alta a 92,0.

O sentimento industrial melhorou a -3,3 em fevereiro de -6,1 pontos e contra expectativas de -5,0. No setor de serviços, o maior da zona do euro, o sentimento foi a -17,1 de -17,7 e expectativa de queda para -18,1.

Entre os consumidores, o otimismo subiu a -14,8 pontos de -15,5.

O cenário mais otimista se traduziu também em expectativas de preços de venda mais fortes entre os produtos -- 9,7 pontos de 4,8--, e entre consumidores -- a 15,7 de 15,4.

 

 

 

*Reportagem de Jan Strupczewski / REUTERS

EUA - Nesta quarta-feira, 24, o Google abre inscrições para o seu programa de treinamento e capacitação para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras ou negócios no meio digital. O Cresça com o Google para Mulheres (“Women Will”) acontece em sua primeira edição on-line no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, com a presença de convidadas como as executivas Rachel Maia e Sofia Esteves. As inscrições são gratuitas.

Serão lançadas duas trilhas de conhecimento: uma voltada às mulheres que querem empreender e evoluir seus próprios negócios e outra para mulheres que buscam desenvolver suas carreiras. Nesta primeira trilha serão compartilhadas técnicas de gestão, liderança feminina, técnicas de vendas, finanças e, ainda, formas de construir sua marca pessoal. Já a segunda vai abordar temas como autoconhecimento, técnicas de entrevistas, apresentação pessoal e dicas para acelerar seu crescimento e alcançar objetivos profissionais.

Continua depois da publicidade

A programação inclui a participação de Susana Ayarza (Diretora de Marketing do Google Brasil), Rachel Maia (CEO e Fundadora da RM Consulting), Paula Bellizia (VP de Marketing do Google Brasil), Sofia Esteves (fundadora  do Grupo Cia de Talentos), além de palestrantes especialistas da Rede Mulher Empreendedora.

Para saber mais, confira a agenda completa abaixo:

Cresça com o Google para Mulheres que querem Empreender

 

  • Liderança para empreendedoras
  • Networking: Construindo redes de relacionamento
  • Desenvolva uma marca forte para o seu negócio
  • Aprenda a vender o seu peixe
  • Organização financeira como um hábito de vida
  • Trajetória empreendedora de Rachel Maia

Cresça com o Google para Mulheres que querem desenvolver suas carreiras

 

  • Autoconhecimento para escolhas profissionais
  • Comunicação eficaz para conversas profissionais
  • Melhorando a sua apresentação pessoal
  • Usando a sua experiência como diferencial no mercado de trabalho
  • Como se preparar  para entrevistas de emprego
  • Mudança de Carreira e a história Inspiracional de Sofia Esteves

“A pandemia afetou negativamente a todos, mas especialmente as mulheres. São muitas as que têm que fazer dupla jornada em casa, trabalhando e cuidando da família”, diz Susana Ayarza, diretora de Marketing do Google Brasil. “Com o Cresça, queremos mostrar histórias inspiradoras e garantir que todas as mulheres terão acesso ao conhecimento e às ferramentas necessárias para inovar em seus negócios e desenvolver suas carreiras por meio do digital”.

As inscrições podem ser feitas a partir desta quarta-feira, 24, na nova plataforma de treinamentos on-line do Cresça com o Google em g.co/TreinamentosCresca.

O conteúdo do treinamento estará disponível a partir do dia 8, às 9h.

 

 

*Por: ISTOÉ DINHEIRO

ÍNDIA - Um grande incêndio atingiu na quinta-feira (21) o complexo do Instituto Serum, na Índia (SII), o maior fabricante mundial de vacinas. O chefe do instituto, Adar Poonawalla, disse que a produção de imunizantes contra a covid-19 não foi atingida e que não haverá perda de doses da vacina da AstraZeneca por causa do incidente.

Vídeos e fotos da ANI, uma parceira da Reuters, mostraram fumaça negra saindo de um edifício cinza, do complexo gigantesco que sedia o SII em dezenas de hectares na cidade de Pune, no oeste indiano.

"Obrigado a todos por sua preocupação e suas orações", disse Poonawalla, no Twitter.

"Até agora, o mais importante é que não houve perda de vidas ou grandes ferimentos devido ao incêndio, apesar de alguns andares terem sido destruídos".

Ele também afirmou que o instituto tem vários prédios que abrigam a produção de vacinas para lidar com contingências.

O SII está produzindo, por mês, cerca de 50 milhões de doses de uma vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a AstraZeneca, em outras instalações do complexo.

O Corpo de Bombeiros informou que ao menos cinco caminhões foram enviados para combater as chamas no edifício, que uma fonte descreveu como uma "planta de vacina em construção".

Ainda não foi divulgado comunicado sobre a causa do incêndio.

Muitos países de renda baixa e média dependem da entrega das vacinas do SII para enfrentar a epidemia.

A vacina da AstraZeneca já está sendo usada na Índia, e também foi enviada a países como Bangladesh, Nepal, Maldivas e Butão.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) busca importar 2 milhões de doses da vacina de Oxford para a imunização no Brasil, mas a carga ainda não foi liberada pelo governo indiano e é alvo de conversas entre os dois países.

 

 

*Por Krishna N. Das, Rajendra Jadhav e Euan Rocha - Repórteres da Reuters

MUNDO - Consumo debilitado, fábricas trabalhando abaixo da capacidade estabelecida: o último balanço de saúde da economia dos Estados Unidos mostra que a reativação é fraca, em um país que aguarda o plano bilionário do presidente eleito Joe Biden para superar a dupla crise sanitária e econômica.

Os presentes de Natal e compras para as festas de fim de ano não conseguiram aliviar a maior economia mundial. As vendas de varejo caíram em dezembro, pelo terceiro mês consecutivo, embora estejam 2,9% acima do mesmo mês em 2019.

A produção industrial, no entanto, registrou em dezembro sua maior alta em cinco meses, segundo dados da Reserva Federal. Mas este aumento deve-se em grande parte à chegada do inverno boreal, que faz subir a demanda por aquecedores.

 

- "Mini boom" -

Os casos de covid-19, em níveis muito altos nos Estados Unidos, paralisam boa parte da atividade econômica.

"As restrições (...) são muito menos severas que na Europa, mas associadas à escolha individual de reduzir as interações sociais para evitar infecções, conseguiram destruir os setores de hotelaria e lazer", resumiram os analistas da Pantheon Macroeconomics em uma nota.

"A queda das vendas varejistas mostra novamente que a flexibilidade (de gasto) do governo era e deve continuar sendo o principal sustento da economia", disse o economista Joel Naroff.

As ajudas do governo federal demoraram para ser renovadas, até o final de dezembro quando foi aprovado no Congresso um novo pacote de ajuda econômica por 900 bilhões de dólares, que se junta aos 2,7 trilhões entregues durante o ano.

O auxílio finalmente aprovado é apenas uma "antecipação" para Biden, que apresentou na quinta-feira uma iniciativa por 1,9 bilhão de dólares, que enviará ao Congresso após assumir o cargo em 20 de janeiro.

Se o plano receber a autorização do Congresso, onde os democratas de Biden terão a maioria, as famílias receberão um novo cheque de até 1.400 dólares por pessoa. Os desempregados terão os benefícios que recebem prolongados, as escolas poderão reabrir e muitas pessoas com filhos poderão voltar a buscar emprego.

Este projeto "poderia aumentar as possibilidades de ver um 'mini boom' (econômico) neste verão" boreal, estima Oren Klachkin, da Oxford Economics.

 

- Made in America -

Na espera do auxílio, 2021 começa com a confiança dos consumidores baixa em janeiro, segundo a estimativa preliminar da pesquisa da Universidade de Michigan.

A atividade manufatureira da região de Nova York também começou com baixas rotações, segundo o indicador Empire State da Fed.

Mais de 10 milhões de americanos vacinados contra o coronavírus ainda não basta para que a economia se recupere.

O plano de Biden será seguido por um plano para criar empregos "bem pagos" na manufatura, conforme prometido durante sua campanha.

Para falar de seu projeto de reativação e economia verde, Biden adotou uma retórica semelhante à de Donald Trump: o "Made in America".

"Imaginem um futuro 'fabricado nos Estados Unidos', 'inteiramente fabricado nos Estados Unidos e dos americanos", disse o presidente eleito na quinta-feira.

 

 

*Por: AFP

MUNDO - A proposta do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, de despejar US $ 1,9 trilhão em uma economia conturbada pode lançar as bases para um aumento nos empregos e gastos que muitos economistas dizem ser necessários para evitar danos de longo prazo de uma recessão pandêmica recorde.

Os analistas já começaram a marcar suas previsões para o crescimento econômico este ano, depois que as eleições da semana passada na Geórgia entregaram o controle de ambas as casas do Congresso aos democratas.

Muitos, porém, haviam feito um lápis em pacotes menores, mais na linha do estímulo de US $ 892 bilhões aprovado em dezembro.

Gastar muito com a implantação de vacinas, testes e para fortalecer os governos estaduais e locais na linha de frente desses esforços poderia ajudar a acabar com a crise de saúde do país, que continua na raiz da crise econômica.

O pacote proposto pelo próximo governo democrata fornece ajuda direcionada que, segundo os economistas, proporciona o impulso econômico mais eficaz, incluindo um aumento do atual benefício semanal extra para os desempregados, de US $ 300 para US $ 400.

Também direcionaria US $ 170 bilhões para a reabertura de escolas, cujo fechamento em muitas partes do país obrigou milhões de trabalhadores, principalmente mulheres, a deixar seus empregos.

E colocaria US $ 1.400 extras nas mãos da maioria dos americanos - dinheiro que pode ser gasto com aluguel ou comida para quem precisa, ou economizado para gastar em viagens ou jantar fora no final do ano, quando a distribuição mais ampla da vacina permitir a vida cotidiana para voltar mais perto do normal.

Os novos gastos chegam em um momento crítico para a maior economia do mundo. O ressurgimento do COVID-19 no inverno reverteu um mercado de trabalho parcialmente recuperado no mês passado, com os empregadores eliminando 140.000 empregos, especialmente cargos de baixa renda em restaurantes, bares e outras indústrias de serviços de alto contato.

Ao todo, o novo pacote, que ainda deve ser votado pelo Congresso, elevaria para US $ 5,2 trilhões o estímulo fiscal total entregue à economia dos EUA desde o início da crise, equivalente a cerca de um quarto da produção econômica anual dos EUA.

Isso é um estímulo suficiente para a economia recuperar todo o declínio da recessão COVID-19 até o terceiro trimestre deste ano, estima o economista da Moody's Ryan Sweet. Mas, acrescenta, “a recuperação do mercado de trabalho vai demorar mais tempo”.

RESPOSTA ALIMENTADA?

O plano de Biden será bem-vindo no Federal Reserve, onde alguns funcionários estavam preocupados no final do ano passado com uma resposta fiscal cada vez menor à crise. Em seus últimos dias como presidente, o republicano Donald Trump dedicou a maior parte de sua energia a um esforço fracassado para contestar os resultados da eleição de novembro e não se engajou amplamente no pacote de ajuda menor que foi aprovado pouco antes do final do ano.

No início da quinta-feira, o presidente do Fed, Jerome Powell, observou que os gastos iniciais e vigorosos do governo ajudaram a salvar a economia de um destino muito mais terrível.

E estava claro que o Fed não responderia aos gastos adicionais do governo como fez aos cortes de impostos sob Trump, apertando lentamente a política monetária.

“Agora não é hora de falar sobre saída”, disse Powell, referindo-se à política monetária super fácil do Fed, que inclui um programa maciço de compra de títulos e taxas de juros que devem permanecer próximas de zero por anos.

Naquela época, a economia estava há anos no que se revelaria uma expansão recorde e, com o mercado de trabalho em alta, o estímulo extra foi visto como um superaquecimento potencial da economia.

Não agora, com 10,7 milhões e crescendo sem trabalho e uma taxa de desemprego de 6,7%, quase o dobro do nível pré-pandemia.

O Fed se comprometeu a manter as taxas de juros em seu nível atual próximo a zero até que a inflação alcance e esteja a caminho de ultrapassar 2%, e a economia alcance o pleno emprego.

O enorme estímulo adicional em face de um Fed quiescente levanta o fantasma para alguns de que um boom econômico no final deste ano poderia elevar os preços de forma desconfortável ou sobrecarregar os preços dos ativos.

“Não sei se entendemos completamente todos os impactos de injetar tanto dinheiro na economia quando uma parte significativa da economia ainda está reprimida pela pandemia”, disse o professor de economia da Universidade de Oregon, Tim Duy.

 

 

 

*Reportagem de Howard Schneider e Ann Saphir; Edição de Daniel Wallis / REUTERS

MUNDO - O WhatsApp anunciou nesta semana que passa a ser obrigatório o compartilhamento de dados de seus usuários com o Facebook, dono do aplicativo de troca de mensagens.

Quem não concordar com a mudança, conforme a notificação enviada pela plataforma, é convidado a apagar o app e desativar a conta.

"A política de privacidade e as atualizações dos termos de serviço são comuns na indústria, e estamos informando os usuários com ampla antecedência para que revisem as mudanças, que entrarão em vigor em 8 de fevereiro", disse um porta-voz do Facebook à agência de notícias AFP.

"Todos os usuários deve aceitar as novas condições se quiserem continuar usando o WhatsApp", acrescentou.

A União Europeia e o Reino Unido, contudo, serão exceções. Devido a acordos firmados com organizações de proteção de dados da região, a empresa não vai impor o compartilhamento de informações — o que foi interpretado por alguns como uma vitória da rígida legislação sobre privacidade e proteção de dados pessoais que a região vem implementando nos últimos anos.

A medida gerou uma onda de críticas e provocações. O empresário Elon Musk, CEO da Tesla, sugeriu a migração para o concorrente Signal. Outros propuseram o Telegram.

 

Quais dados serão compartilhados?

À AFP, o Facebook declarou que as novas condições "permitirão o compartilhamento de informações adicionais entre WhatsApp e Facebook e outros aplicativos como Instagram e Messenger". Isso inclui dados do perfil, mas não o conteúdo das mensagens, que seguem sendo encriptadas, conforme a empresa.

Em sua plataforma, o WhatsApp detalha a gama de informações que podem ser disponibilizadas a outras empresas do grupo: número de telefone e outros dados que constem no registro (como o nome); informações sobre o telefone, incluindo a marca, modelo e a empresa de telefonia móvel; o número de IP, que indica a localização da conexão à internet; qualquer pagamento ou transação financeira realizada através do WhatsApp.

Também podem ser compartilhados números de contatos, atualizações de status, dados sobre a atividade do usuário no aplicativo (como tempo de uso ou o momento em que ele está online), foto de perfil, entre outros.

Conforme a página, o objetivo da coleta de dados é "operar, fornecer, melhorar, entender, personalizar, oferecer suporte e anunciar nossos serviços". Procurado pela BBC, o Facebook não respondeu ao pedido de entrevista para esclarecer o que motivou as mudanças na política de privacidade.

Após o anúncio, o número de downloads do app Signal, também um serviço de trocas de mensagens encriptadas, disparou. Além de Musk, Jack Dorsey, cofundador do Twitter, também recomendou o uso de aplicativo para burlar o consentimento forçado imposto pelo Facebook.

A plataforma de análise de dados Sensor Tower reportou que mais de 100 mil pessoas o haviam instalado, enquanto o Telegram registrou quase 2,2 milhões de downloads, segundo a Reuters.

O volume de downloads do WhatsApp, por sua vez, caiu 11% nos sete primeiros dias de 2021 em comparação com a semana anterior, ainda segundo a Sensor Tower.

 

Exceção europeia

Após uma confusão inicial a respeito da mudança de regras para usuários na Europa, que também receberam notificações de atualização na política de privacidade, o Facebook divulgou um comunicado nesta quinta (7/01) para esclarecer que ela não valeria para a "região europeia", que cobre a União Europeia, o Espaço Econômico Europeu e o Reino Unido.

"Para evitar qualquer dúvida, segue valendo que o WhatsApp não compartilha os dados de seus usuários na região europeia com o Facebook", reforçou um porta-voz da empresa.

De acordo com a plataforma, a exceção se deve a negociações firmadas com organizações europeias dedicadas à proteção de dados — para alguns, um resultado direto do endurecimento da legislação referente à privacidade e proteção de dados pessoais em curso nos últimos anos.

Paul Tang, deputado holandês no Parlamento Europeu, compartilhou em sua conta no Twitter a notícia sobre a mudança das regras para os demais países e acrescentou: "Por isso a proteção de dados é importante".

 

 

*Por: BBC NEWS

Presidente dos EUA usou o Twitter para dizer que não estará presente na cerimônia de 20 de janeiro

MUNDO - O presidente dos EUA, Donald Trump, usou sua conta no Twitter nesta sexta-feira (8) para anunciar que não irá comparecer à cerimônia de posse do democrata Joe Biden no próximo dia 20 de janeiro.

"A todos os que me pediram, não irei à posse no dia 20 de janeiro", postou na rede social.

 Essa é mais uma ruptura das tradições das eleições presidenciais nos EUA. Após o anúncio da vitória do adversário, Trump também se negou a reconhecer a derrota, algo sempre acontenceu nas outras disputas políticas no país.

Ainda não foi anunciado se o vice-presidente, Mike Pence, estará no cerimônia de posse no lugar para substituir o presidente.

Desde o resultado da eleição presidencial, em novembro do ano passado, Trump diz que o sistema eleitoral norte-americano foi fraudado para prejudicar a sua campanha.

O republicano tem como argumento para usa teoria a derrota em estados que tradicionalmente não votavam nos candidatos democratas, mas que deram vitória a Biden, como a Geórgia.

Por R7

Veículo transportava feridos de bombardeios ocorridos no último domingo (3) na região central do país. MSF pede que os grupos envolvidos no conflito respeitem a ação médico humanitária e civis.

 

MUNDO - Uma ambulância de Médicos Sem Fronteiras (MSF) que transportava pacientes entre Douentza e Sévaré, na região central de Mali, foi violentamente parada por homens armados durante horas na última terça-feira (05/01), resultando na morte de um dos pacientes a bordo. MSF condena veementemente essa grave obstrução à assistência médica e conclama todas as partes no conflito a respeitarem a ação humanitária e médica e a população civil.

A ambulância, identificada pelo logotipo de MSF de forma bastante visível, estava a caminho do hospital geral em Sévaré com três pacientes gravemente feridos no atentado de domingo (03/01) na região de Douentza. Uma enfermeira do Ministério da Saúde, um zelador e um motorista também estavam no veículo. Os homens armados os amarraram, os agrediram e os deixaram sob o sol forte por várias horas antes de finalmente libertá-los. Um dos pacientes, um homem de aproximadamente 60 anos, não resistiu e morreu durante a ação.

"Condenamos nos termos mais fortes possíveis todas as formas de violência contra nossos pacientes, nossa equipe e profissionais de saúde em geral", disse Juan Carlos Cano, chefe da missão de MSF em Mali. “Estamos muito chocados e pedimos às partes no conflito que respeitem as ambulâncias, a equipe médica, os pacientes e seus cuidadores. Os veículos médicos devem ter permissão para transportar os pacientes com segurança.”

Na quarta-feira (06/01), a ambulância de MSF conseguiu finalizar o transporte dos pacientes ao hospital em Sévaré. Os outros dois pacientes do veículo estão atualmente sob cuidados médicos na instalação.

No início desta semana, equipes de MSF trataram de vários pacientes gravemente feridos no centro de saúde de referência de Douentza, após o ataque a bomba nas aldeias Douentza e Sévaré. Os pacientes, a maioria homens idosos, tiveram ferimentos por explosões, estilhaços de metal e ferimentos a bala. MSF não estava presente na área no momento dos eventos e por isso não tem mais informações sobre os ataques na região.

Após a detenção violenta da ambulância da organização e a deterioração da situação de segurança em Mali, MSF reitera o pedido para que todas as partes no conflito respeitem a ajuda médica e humanitária, as instalações médicas e a população civil.

Médicos Sem Fronteiras trabalha no Mali desde 1985. Atualmente, a organização administra projetos médicos e humanitários nas regiões de Kidal, Gao (Ansongo), Mopti (Ténenkou, Douentza, Bandiagara, Bankass e Koro), Ségou (Niono) e Sikasso (Koutiala ), e também na capital, Bamako.

 

Sobre Médicos Sem Fronteiras

Médicos Sem Fronteiras é uma organização humanitária internacional que leva cuidados de saúde a pessoas afetadas por conflitos armados, desastres naturais, epidemias, desnutrição ou sem nenhum acesso à assistência médica. Oferece ajuda exclusivamente com base na necessidade das populações atendidas, sem discriminação de raça, religião ou convicção política e de forma independente de poderes políticos e econômicos. Também é missão da MSF chamar a atenção para as dificuldades enfrentadas pelas pessoas atendidas em seus projetos. Para saber mais acesse o site de MSF-Brasil.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Abril 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Comércio e Serviços em Geral