fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

MUNDO - A montadora Renault registrou uma perda de 7,3 bilhões de euros (US$ 8,581 bilhões) no primeiro semestre, a maior de sua história, em função da crise da saúde e das turbulências de sua parceira japonesa Nissan.

O grupo francês, que já estava em uma situação difícil antes do coronavírus e que no final de maio anunciou o corte de 15.000 vagas de trabalho, informou que não fará previsões financeiras para exercício de 2020, devido à incerteza da pandemia.

"É uma situação sem precedentes, mas não definitiva", disse o novo diretor-geral, Luca de Meo, que assumiu o cargo no início de julho.

"A crise da saúde que vivemos atualmente teve um forte impacto nos resultados do grupo no primeiro semestre e se somou às dificuldades preexistentes", explicou a diretora-geral adjunta, Clotilde Delbos.

Esses números vermelhos se devem, principalmente, à contribuição da Nissan, da qual a Renault detém 43% das ações, e que provocou perdas de 4,8 bilhões de euros (US$ 5,642 bilhões).

A Renault foi prejudicada por seu excesso de produção em nível mundial, acentuado pela crise da saúde e pela paralisia do mercado automotivo.

Os resultados da Renault contrastam com os do grupo Peugeot Citroën, o outro grande fabricante francês, que obteve um lucro líquido de 595 milhões de euros (US$ 506 milhões) entre janeiro e junho, apesar da pandemia.

 

 

*Por: AFP

MUNDO - O banco espanhol Santander anunciou nesta quarta-feira um prejuízo líquido de 11,13 bilhões de euros (13,06 bilhões de dólares) no segundo trimestre, depois de depreciar seu fundo do comércio devido "à deterioração das perspectivas econômicas" provocadas pela pandemia de COVID-19.

A depreciação alcança o valor de 12,6 bilhões de euros, mas "não afeta liquidez" do grupo, afirma um comunicado divulgado pelo Santander, segundo maior banco europeu em termos de capitalização na Bolsa.

Para o conjunto do primeiro semestre, a perda é de 10,800 bilhões de euros.

Sem o elemento excepcional, o banco teria registrado lucro de 1,9 bilhão de euros no primeiro semestre, uma queda de 53% na comparação com o primeiro semestre de 2019, informou o Santander.

"A depreciação não afeta a solidez de nosso balanço. As bases de nossa atividade são sólidas, com um nível de capital na parte superior de nossos objetivos", afirmou a presidente do banco, Ana Botín, citada no comunicado.

A taxa de fundos próprios CET1, que mede a força financeira do banco, subiu levemente a 11,84%, contra 11,58% no fim de março.

O produto líquido bancário, equivalente ao faturamento, foi de 11,8 bilhões de euros, uma queda de 8% em um ano (mais 2% sem variações do câmbio).

As filiais afetadas pela depreciação do fundo de comércio são as do Reino Unido (-6,1 bilhões de euros), Estados Unidos (-2,3 bilhões), Polônia (-1,2 bilhão) e a unidade de créditos ao consumidor (-477 milhões).

 

 

*Por: AFP

Pesquisa de Médicos Sem Fronteiras mostra que valor poderia ser de US$ 5 em vez dos quase US$ 20 cobrados pela empresa Cepheid

 

MUNDO - Pela alta demanda global e urgente de testes de diagnósticos rápidos, necessários para lidar com a pandemia de COVID-19, a organização internacional de ajuda humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) fez um apelo nesta terça-feira (28) à empresa americana de diagnósticos Cepheid para ofertar testes de detecção da COVID-19 (Xpert Xpress SARS-COV2) de forma equitativa e acessível em todos os países.

MSF solicitou à companhia que se abstenha de buscar grandes lucros com a pandemia, reduzindo o preço de cada teste para US$ 5, em vez dos quase US$ 20 cobrados nos países mais pobres do mundo, a fim de garantir acesso mais amplo ao diagnóstico. Um levantamento de MSF aponta que os testes podem ser vendidos com lucro ao preço de US$ 5 cada.

"Como os países estão lutando para lidar com casos suspeitos de COVID-19, é essencial ter um teste rápido e preciso para o gerenciamento em tempo real das pessoas afetadas pelo vírus, a fim de combater essa pandemia", disse Greg Elder, coordenador médico da Campanha de Acesso de MSF. "Tantas vidas poderiam ser salvas se empresas como a Cepheid disponibilizassem seu teste com urgência e baixo custo em todos os países".

No Brasil, o Ministério da Saúde
 anunciou, em março, um processo de negociação com a Cepheid para a compra de 600 mil cartuchos. Até o momento, os testes ainda não foram disponibilizados no sistema público de saúde. Com número de novos casos ainda elevado no país, MSF reforça a necessidade de que as pessoas tenham acesso a um diagnóstico confiável, rápido e disponível no local de atendimento médico.

"É crucial, inclusive, para atender às necessidades de populações difíceis de alcançar. Portanto, mais transparência sobre a capacidade de produção e entrega da Cepheid e os preços mais baixos são etapas importantes para garantir o acesso sustentável a essa ferramenta para a população brasileira", salienta Felipe Carvalho, coordenador da Campanha de Acesso a medicamentos de MSF no Brasil.

A Cepheid estabeleceu o preço de cada teste em US$ 19,80 em 145 países em desenvolvimento, incluindo até as nações mais pobres do mundo, onde a renda por pessoa é de apenas US$ 2 por dia. A Cepheid desenvolveu o cartucho "Xpert Xpress SARS-CoV-2com um investimento de US$ 3,7 milhões, recurso oriundo de financiamento público da Autoridade Biomédica Avançada de Pesquisa e Desenvolvimento (BARDA) do governo dos EUA. No passado, MSF foi uma das organizações que analisou que a fabricação do teste de tuberculose (TB) da companhia, semelhante ao cartucho para testagem da COVID-19, mostra que o custo dos produtos, incluindo materiais, fabricação, despesas gerais e outras despesas indiretas para cada unidade é baixo, equivalente a US$ 3 considerando quantidades compras volumosas. Isso daria margem para lucro se o produto fosse oferecido ao mercado ao preço de US$ 5 a unidade, incluindo royalties relevantes expirados.

A análise também demonstra que não houve diferença significativa entre cartuchos virais e bacterianos que justificariam variações substanciais de preços entre cartuchos para diferentes doenças. MSF pediu à Cepheid uma redução significativa de preço de seus cartuchos para não mais que US$ 5, incluindo o teste de COVID-19.

"É indefensável para a Cepheid lucrar com esta pandemia", disse Sharonann Lynch, consultora sênior de HIV e TB da campanha de acesso de MSF. “Não é hora de definir o preço com base no que o mercado pode suportar. Este teste crítico deve ser acessível a todas as pessoas e custar US$ 5 para enfrentarmos esta emergência de saúde global.

Em março de 2020, a Cepheid recebeu uma autorização de emergência da Administração de Medicamentos e Alimentos dos EUA para comerciaizar o teste de COVID-19 para detectar coronavírus, fornecendo resultados em menos de uma hora. O teste foi desenvolvido para uso nas plataformas de testes GeneXpert, que já estão sendo usadas em todo o mundo para o diagnóstico de tuberculose e outras doenças infecciosas. Existem cerca de 11 mil instrumentos GeneXpert em países de baixa e média renda.

Organização Mundial da Saúde (OMS), juntamente com vários de seus parceiros, criou o 'Consórcio de Diagnóstico' em março deste ano para apoiar o acesso rápido e equitativo aos produtos de saúde de COVID-19 e diagnósticos para países de baixa e média renda. O Consórcio garantiu compromissos de volume dos principais fabricantes de testes de diagnóstico (Abbott, Cepheid, Roche e Thermo Fisher) por um período de quatro meses. Segundo o Consórcio, os valores comprometidos pela Cepheid representavam apenas um terço de sua capacidade de fabricação de cartuchos COVID-19. Como resultado, menos da metade dos pedidos dos países para o Consórcio foram cumpridos. O consórcio e as empresas, incluindo a Cepheid, devem se reunir novamente para negociar volumes e preços de suprimentos para o próximo período de quatro meses (setembro-dezembro).

"Nesta pandemia violenta, os países mais ricos têm uma enorme vantagem sobre os outros na compra de ferramentas médicas de COVID-19 para usar primeiro", disse Lynch. “Estamos profundamente preocupados que as pessoas em muitos países com recursos limitados sejam privadas desse teste de diagnóstico crítico. Precisamos ver a Cepheid tomar as medidas certas e garantir uma alocação justa e um suprimento acessível de seu teste COVID-19 ao Consórcio de Diagnóstico para ajudar países que, de outra forma, seriam deixados para trás ou deixados de fora de acordos bilaterais. Ninguém deve ter acesso negado com base em sua origem ou no que ganham.

MSF enfrenta a pandemia do novo coronavírus

As equipes de MSF estão correndo no combate à pandemia de COVID-19 em mais de 70 países, adaptando as atividades existentes ou abrindo projetos em novos países à medida que se tornam focos da doença. O trabalho de MSF frente à COVID-19 concentra-se em três pilares principais: apoiar as autoridades de saúde na prestação de cuidados aos pacientes com COVID-19; proteger pessoas vulneráveis e em risco; e manter os serviços médicos essenciais funcionando. No Brasil, MSF vem oferecendo serviços de saúde para populaçlões em situação de maior vulnerabilidade à infecção pelo novo coronavírus no Sudeste e no Norte do país.

 

Sobre Médicos Sem Fronteiras

Médicos Sem Fronteiras é uma organização humanitária internacional que leva cuidados de saúde a pessoas afetadas por conflitos armados, desastres naturais, epidemias, desnutrição ou sem nenhum acesso à assistência médica. Oferece ajuda exclusivamente com base na necessidade das populações atendidas, sem discriminação de raça, religião ou convicção política e de forma independente de poderes políticos e econômicos. Também é missão da MSF chamar a atenção para as dificuldades enfrentadas pelas pessoas atendidas em seus projetos. Para saber mais acesse o site de MSF-Brasil.

MUNDO - A Juventus garantiu, neste domingo (26), o nono título consecutivo do Campeonato Italiano, o 36º em toda sua história. A Velha Senhora derrotou a Sampdoria por 2 a 0, no estádio Luigi Ferraris, em Gênova, e chegou aos 83 pontos, conquistando a taça com duas rodadas de antecedência.

Os gols da Juventus foram marcados por Cristiano Ronaldo, aos 51 minutos do primeiro tempo, e Bernardeschi, aos 23 minutos da etapa complementar. A equipe de Turim não teve muita dificuldade para conquistar a vitória e poderia até ter ampliado o marcador se Cristiano Ronaldo não tivesse desperdiçado um pênalti no final da partida. A Uefa (União das Associações Europeias de Futebol) parabenizou a Juventus, pelo título que garante vaga da equipe na próxima temporada 2020/2021 da Liga dos Campeões.

Quem também comemorou a conquista no Twitter foi o volante bósnio Miralem Pjanić, que postou uma foto junto ao elenco.

Na próxima rodada, a eneacampeã enfrenta fora de casa o Cagliari. O jogo, válido pela 37ª rodada, será na próxima quarta-feira (29), às 16h45min (horário de Brasília), no Estádio Sant´Elia.

A equipe campeã do Italiano não terá muito tempo para comemorar. O time, comandado pelo técnico Maurizio Sarri, precisa focar no difícil desafio que tem pela frente. No próximo dia 7 de agosto, a Velha Senhora precisa derrotar o Lyon na partida de volta da Liga dos Campeões. No jogo de ida, o time francês venceu por 1 a 0, com gol de Tousart. O confronto será em casa, no Juventus Stadium, em Turim, a partir das 16h.

 

 

*Por: Maurício Costa - Repórter da Rádio Nacional

*AGÊNCIA BRASIL

MUNDO - A Espanha é novamente segura para turistas e cidadãos espanhóis, insistiu o governo nesse domingo (26), depois que a Grã-Bretanha impôs abruptamente uma quarentena de duas semanas aos viajantes que retornam de lá, uma decisão que encheu turistas de preocupação.

No ano passado, os britânicos representaram mais de um quinto dos estrangeiros que visitaram a Espanha, país que depende muito das receitas do turismo. A nova medida da Grã-Bretanha pode ser um duro golpe nos esforços para restabelecer a economia do país mediterrâneo após meses de bloqueio.

"A Espanha é segura, é segura para os espanhóis, é segura para turistas", disse a ministra das Relações Exteriores, Arancha Gonzalez Laya, a repórteres.

O governo espanhol concentrará seus esforços na tentativa de convencer a Grã-Bretanha a excluir as ilhas Baleares e Canárias da quarentena, disse ela, acrescentando que a prevalência do novo coronavírus nesses destinos populares de viagens é muito menor do que no Reino Unido.

A Espanha viu os casos de covid-19 aumentarem nas últimas semanas, e a Grã-Bretanha anunciou no sábado que retiraria o país de uma lista de locais seguros para viajar. A quarentena entrou em vigor horas depois.

A medida atrapalhou os planos de muitas pessoas em férias ou que planejavam tirar férias, e causou mais problemas para as companhias aéreas e empresas de turismo.

Se por um lado Gonzalez Laya evitou criticar diretamente a mudança na Grã-Bretanha, os turistas britânicos na Espanha foram mais diretos. "É um pouco maluco, considerando que as restrições existentes na Espanha já são muito boas, com máscaras, desinfecção de tudo, lavagem das mãos no comércio. Isso é melhor do que o que temos em Londres", disse Rich Lambert, um profissional de comunicação, no aeroporto de Barcelona.

A Grã-Bretanha também desaconselhou todas as viagens, exceto as essenciais, à Espanha continental, deixando as ilhas fora do conselho, mas incluindo-as na medida de quarentena.

 

 

*Por Ingrid Melander e Nathan Allen - Repórteres da Reuters

Novos focos de covid-19 e aumento dos contágios em várias regiões espanholas são justificativa de Londres para medida, que representa duro golpe para o setor turístico, responsável por 12% do PIB da Espanha.

MUNDO - O governo do Reino Unido excluiu a Espanha da lista de países seguros e isentos de quarentena no contexto da pandemia do coronavírus. Assim, os viajantes procedentes de lá deverão se isolar durante 14 dias após chegar ao território britânico, comunicou o Ministério dos Transportes britânico.

A medida entrou em vigor à 00h00 deste domingo (26/07) e se aplica a todo o território espanhol, incluindo as ilhas Baleares e Canárias. Quem desrespeitar a determinação poderá ser multado em até mil libras (R$ 6,6 mil). A decisão do governo britânico vem em reação aos novos focos de covid-19 e aumento dos contágios em várias regiões espanholas. Na sexta-feira, a Noruega já anunciara uma quarentena de dez dias para quem retornem da Espanha, enquanto a França urgiu seus cidadãos a evitarem a Catalunha.

Como uma das mais afetadas por novos surtos da doença, essa região do Norte espanhol contabilizou 1.493 casos e três mortes relacionadas à doença nas últimas 24 horas. Para lidar com a situação, nos próximos 15 dias permanecerão fechadas boates e casas de festas da capital regional Barcelona e sua área metropolitana, além de estabelecimentos nas províncias de Lérida e Girona. O governo catalão também aconselha o autoisolamento a seus cidadãos.

A exclusão da lista de países seguros da Espanha, principal destino de férias dos britânicos, implicará uma mudança dos planos de verão para muitos, com repercussões nos setores turísticos espanhol e britânico. O porta-voz do Partido Trabalhista britânico Nick Thomas-Symonds, de oposição, reconheceu que a notícia "será muito preocupante para quem se encontra na Espanha e planejava ir para lá", e pediu ao governo que crie um plano para lidar com os cidadãos nessas situações.

A decisão representa um duro golpe para o turismo da Espanha, que apenas começa a se reanimar após a proibição total de viagens. Com 20%, os britânicos representam o mais importante grupo nacional para o setor responsável por 12% do PIB espanhol.

O país de 47 milhões de habitantes já registrou mais de 272 mil casos de covid-19 e 28 mil óbitos relacionados, segundo dados da Universidade de Medicina Johns Hopkins.

Portugal também continua fora dos corredores de viagens que isentam os passageiros de quarentena na chegada ao Reino Unido. Por outro lado, esta semana Londres adicionou à lista cinco países – Estônia, Letônia, Eslováquia, Eslovênia e Ilhas de St. Vincent, nas Caraíbas – na sequência de uma avaliação dos riscos de infeção com covid-19.

O ministro das Relações Exteriores, Augusto Santos Silva, considerou "absurda" e "errada" a exclusão de Portugal dos corredores de viagens, e sugeriu um impacto nas relações bilaterais. A lista inclui França e Alemanha, por exemplo, mas não os Estados Unidos.

 

 

*Por: DW.com

MUNDO - Na mesma noite em que o UFC se despediu momentaneamente da ‘Ilha da Luta’, após quatro eventos bem sucedidos na sede montada em Abu Dhabi (EAU), Rogério ‘Minotouro’ deu o seu último adeus dentro do octógono. No terceiro e derradeiro combate da trilogia entre o baiano e Maurício 'Shogun', a vitória ficou novamente nas mãos do ex-campeão meio-pesado (93 kg), dessa vez na decisão dividida dos juízes.

Fazendo jus à rivalidade nascida há 15 anos, quando se enfrentaram pela primeira vez, ainda pelo extinto evento japonês Pride, os veteranos deram mais um show de trocação franca, com bastante ação e equilíbrio. Se nas duas primeiras pelejas 'Shogun' levou a vitória na decisão unânime dos juízes, desta vez o curitibano só foi declarado vencedor por dois dos três jurados presentes na 'Ilha da Luta'.

Na entrevista pós-luta, Rogério confirmou que deve realmente se aposentar. Apesar de estar satisfeito com sua performance neste sábado (25), 'Minotouro' ressaltou que é hora de passar a tocha para a nova geração. O baiano deixa o esporte com 23 triunfos e dez reveses após quase duas décadas competindo no MMA profissional.

Por sua vez, 'Shogun' preferiu não decretar ainda seu futuro e afirmou que deve conversar com seu empresário sobre o seu próximo passo daqui a alguns dias. Por enquanto, de acordo com o curitiba, a hora é de comemorar mais um triunfo sobre o compatriota.

 

A luta:

Mesmo com os dois combates prévios, o início do combate teve muito estudo. Depois de um volume baixo de golpes desferidos na primeira metade do round, os veteranos aceitaram a trocação franca, como nos velhos tempos. Em pé, ‘Minotouro’ conseguiu aplicar os melhores golpes, o que obrigou ‘Shogun’ a buscar a queda no final do assalto.

A segundo round continuou na mesma pegada, com ambos aceitando a troca de golpes franca, apesar do córner do curitibano tê-lo aconselhado a evitar este tipo de jogo. Novamente ameaçando uma queda, ‘Shogun’ acabou sendo derrubado e ficando por baixo. O assalto terminou equilibrado em pé e com boas ações por parte dos dois.

A etapa final foi marcada pelo equilíbrio na luta em pé, com vantagem no volume de golpes para o ex-campeão dos meio-pesados. Para garantir a vitória no round, ‘Shogun’ ainda levou o combate para o solo, onde aplicou bons socos no ground and pound.

 

Ex-campeão se recupera na luta principal:

Na luta principal da noite, Robert Whittaker superou Darren Till por decisão unânime dos juízes após cinco rounds de batalha. O maior volume de golpes disparado pelo ex-campeão peso-médio (84 kg) do UFC foi fundamental para garantir a sua recuperação após vir de derrota para Israel Adesanya em outubro do ano passado, quando perdeu o título da categoria.

Com o resultado, o australiano se mantém no topo da categoria, onde pode conseguir uma chance de recuperar o cinturão dos médios em breve. Já Darren Till sofreu sua primeira derrota na divisão, após estrear com triunfo sobre Kelvin Gastelum.

 

A luta:

O combate iniciou com Till buscando o controle do centro do octógono para aproveitar a vantagem na envergadura. O round se desenrolou em sua totalidade na trocação, com ambos mostrando boa técnica, mas aparente vantagem para o inglês, que conseguiu um knockdown com uma cotovelada de encontro.

Já no segundo round foi Whittaker quem conseguiu um knockdown nos primeiros minutos. O australiano aproveitou para cair por cima do adversário e trabalhar no ground and pound.

Na terceira etapa, Till conseguiu retomar o controle do ritmo e da distância da luta. No entanto, o round ficou marcado mais pelas boas técnicas defensivas dos lutadores do que pelo volume de golpes aplicados.

O quarto período seguiu o mesmo panorama, com Whittaker soltando mais golpes e Till apostando na movimentação e precisão. O último assalto teve o mesmo padrão se repetindo em pé, mas terminou com o australiano conseguindo algumas quedas. Ao final, o volume de luta do ex-campeão garantiu a vitória na visão dos jurados.

 

Confira os resultados do UFC ‘Ilha da Luta’ (25 de julho):

  • Robert Whittaker venceu Darren Till por decisão unânime;
  • Maurício ‘Shogun’ venceu Rogério ‘’Minotouro’ por decisão dividida; Fabrício Werdum venceu Alexander Gustafsson por finalização;
  • Carla Esparza venceu Marina Rodriguez por decisão dividida;
  • Paul Craig venceu Gadzhimurad Antigulov por finalização;
  • Alex ‘Cowboy’ venceu Peter Sobotta por decisão unânime;
  • Khamzat Chimaev venceu Rhys McKee por nocaute técnico;
  • Francisco ‘Massaranduba’ venceu Jai Herbert por nocaute técnico;
  • Jesse Ronson venceu Nicolas Dalby por finalização;
  • Tom Aspinall venceu Jake Collier por nocaute técnico;
  • Movsar Evloev venceu Mike Grundy por decisão unânime;
  • Tanner Boser venceu Raphael ‘Bebezão’ por nocaute técnico;
  • Pannie Kianzad venceu Bethe Correia por decisão unânime;
  • Ramazan Emeev venceu Niklas Stolze por decisão unânime;
  • Nathaniel Wood venceu John Castañeda por decisão unânime.

 

 

*Por: AG. FIGHT

MUNDO - Segundo especialistas ouvidos pela RFI, a maior beneficiada pela decisão do Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) da Bolívia de adiar para o dia 18 de outubro as eleições gerais devido ao agravamento da pandemia é a presidente interina, Jeanine Áñez, quem, de quebra, ainda reforça a sua polarização contra o partido do ex-presidente Evo Morales, o Movimento ao Socialismo (MAS). "O governo desejava muito um adiamento das eleições porque está numa situação declinante em termos de votos. Adiar as eleições pode dar um pouco de oxigênio ao Executivo para recuperar popularidade", explica à RFI o analista político boliviano, Raúl Peñaranda.

Até maio, a interina Jeanine Áñez empatava tecnicamente com o ex-presidente Carlos Mesa na disputa sobre qual dos dois lideraria o campo opositor no pleito eleitoral com o candidato de Evo Morales, o ex-ministro da Economia, Luis Arce. O período inicial do combate ao coronavírus tinha beneficiado o capital político da presidente que aparecia como uma líder protetora. No entanto, a ineficaz capacidade de resposta à propagação do vírus somada aos efeitos da quarentena na economia revelaram uma gestão em crise.

"A lua-de-mel de Jeanine Áñez, iniciada em novembro, terminou em maio com o avanço da pandemia. O combate tornou-se crise e, na gestão dessa crise, a presidente não tinha mais possibilidade do que algum retoque superficial até setembro", avalia à RFI o cientista político boliviano Diego Ayo, da Universidade Mayor de San Andrés em La Paz. "Agora, com mais tempo, o governo pode distribuir alguma ajuda financeira ou ensaiar duas ou três manobras políticas e ganhar apoio popular na reta final das eleições", indica.

Curva de contágio influi no voto

Com a data de 6 de setembro, os eleitores iriam às urnas em pleno auge da curva de contágio, prevista para o período entre 20 de agosto e 10 de setembro. Já com a nova data de 18 de outubro, as eleições aconteceriam na descida da curva, o que permitiria ao governo exibir-se como vitorioso na luta contra o vírus.

"Seria uma irresponsabilidade manter a data em setembro. Com a alteração da data, Evo Morales e o MAS não concordam, mas o partido está isolado na Bolívia, no seu discurso de barricada em defesa das eleições, sem se importar com a pandemia", aponta Diego Ayo.

"Há uma sensação de crise sanitária muito grande no país. A mudança de data era inevitável porque havia uma pressão de muitos setores políticos e cidadãos", descreve Raúl Peñaranda.

Esta é a terceira vez que as eleições na Bolívia são adiadas. A data de 3 de maio passou a 2 de agosto e depois a 6 de setembro. Foram decisões controladas pelo Parlamento, onde o partido de Evo Morales detém 2/3 dos votos.

"Ao contrário das duas anteriores, que passaram pelo Legislativo, esta foi uma decisão do TSE que, ao não conseguir acordo político com os partidos, resolveu sozinho. Isso gerou a irritação do MAS e de Evo Morales, porque ficam agora à mercê das decisões dos demais poderes", observa Peñaranda.

Com o adiamento, a Bolívia prolonga a sua incerteza política e os mandatos que originalmente venceram no dia 22 de janeiro sem que o país tivesse eleitos para substituir os atuais.

Uso político da pandemia

O Movimento Ao Socialismo (MAS) discorda do adiamento e o ex-presidente Evo Morales, refugiado na Argentina, acusa o governo de "ganhar tempo". O ex-chefe de Estado vê na manobra uma "perseguição contra o seu candidato".

O TSE estuda uma acusação de alguns partidos contra o MAS por difundir ilegalmente sondagens, algo que pode eliminar o partido da disputa.

"O MAS não está de acordo com o adiamento porque tem a ideia de que um descontrole social e sanitário pode prejudicar o governo e beneficiar os interesses eleitorais de Evo Morales, hoje na oposição", aponta Peñaranda.

Ao anunciar o adiamento, o presidente do Tribunal Supremo eleitoral, Salvador Romero, argumentou que "não se pode ir às eleições sem o resguardo suficiente, nem usar como pretexto o drama, a dor e o luto da pandemia para anular ou para adiar indefinidamente as eleições”.

"O Tribunal Supremo Eleitoral resolveu marcar a data para a jornada de votação geral em 18 de outubro com eventual segundo turno em 29 de novembro e posse das novas autoridades em dezembro", determinou Salvador Romero, quem acrescentou que a nova data permitirá "organizar as eleições com medidas adequadas e sólidas de proteção à saúde".

Assim, a nova data coincide com as frustradas eleições de um ano atrás. Depois de constatada fraude nas eleições de 20 de outubro pela Organização dos Estados Americanos, auditora do processo eleitoral, Evo Morales perdeu o apoio dos sindicatos, da Igreja e das Forças Armadas, e renunciou ao cargo, pondo fim a um quarto mandato, depois de 14 anos de governo.

Morales abandonou o país em 12 de novembro em meio a uma convulsão social, resultante de três semanas de protestos e greves. Passou um mês no México e, com a mudança política na Argentina, refugiou-se em Buenos Aires, de onde lidera a campanha do seu partido.

Dança dos votos ao ritmo de contágios

A pandemia evidenciou a fragilidade do sistema de Saúde boliviano. Os contágios avançam enquanto hospitais e serviços funerários estão em colapso. A exemplo do que ocorreu no Equador em abril, os cadáveres são recolhidos nas ruas. Com 11,5 milhões de habitantes, a Bolívia tem 2.328 mortos, sendo, proporcionalmente, um dos países mais afetados do mundo.

Duas recentes sondagens mostram uma disputa entre o candidato de esquerda de Evo Morales, o ex-ministro da Economia, Luis Arce, e o ex-presidente de centro-esquerda, Carlos Mesa. A atual presidente de direita, Jeanine Áñez, vem em franco declínio.

Na sondagem Ipsos, Luis Arce e Carlos Mesa estão empatados com 26% enquanto Jeanine Áñez aparece em terceiro lugar com 14% das intenções de voto. Porém, o estudo foi realizado apenas nos principais centros urbanos do país enquanto 40% dos bolivianos vivem nas zonas rurais que se inclinam ao MAS de Morales.

Já na pesquisa Mercados e Mostras com centros urbanos e zonas rurais, Luis Arce cai de 27% a 24% enquanto Carlos Mesa sobe de 19% a 20% e Jeanine Áñez perde dois pontos, ficando com 16%. Os indecisos aumentaram de 9% a 20%, deixando a disputa totalmente aberta e mantendo o país numa indefinição que vai completar um ano.

 

 

*Por: Márcio Resende / RFI

MUNDO - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, promulgou nesta sexta-feira (24) a lei histórica que permite saques de 10% de fundos de pensão privados. A medida ocorre um dia depois da sua aprovação no Congresso, o que representou um duro golpe para governo.

O plano visa amenizar os efeitos econômicos da pandemia do novo coronavírus. A promulgação foi realizada em uma cerimônia privada no palácio do governo, informou a Presidência em um curto comunicado publicado na noite desta sexta.

Piñera tinha até 30 dias para vetar a lei ou enviá-la ao Tribunal Constitucional para sua revisão, mas decidiu dar sinal verde diante do risco de que voltassem a ocorrer protestos generalizados e violentos nas ruas.

Pesquisas de opinião indicam que o projeto tem mais de 80% de apoio popular. A tramitação do texto no Congresso foi antecedida por panelaços de apoio e alguns protestos violentos em bairros da periferia de Santiago.

Na quinta-feira (23), o presidente explicou que a promulgação rápida obedecia à "sua intenção e vontade, dada a difícil situação econômica e social de muitas famílias e compatriotas, de facilitar e agilizar os saques destes fundos de pensão por pessoas habilitadas".

Filas indicam desespero por ajuda

Longas filas já se formaram nas sedes das administradoras de pensões, por pessoas em graves dificuldades diante da crise que atinge o Chile. As pessoas, ansiosas, desejam saber seu saldo, recuperar suas senhas e pedir detalhes, em um claro reflexo de seu desespero econômico.

A medida, proposta pela oposição, avançou com força no Congresso em apenas duas semanas. Nas ruas, emergia, nos últimos meses, a frustração e a impaciência pela demora na liberação de ajuda oficial para a classe média, um dos setores mais atingidos pela pandemia.

"Nos interessa tirar (o dinheiro) porque estamos endividados. Esse dinheiro me serve para pagar toda a minha dívida", disse à AFP Luz Bautiz, uma peruana que trabalhava como garçonete em um restaurante.

Uma pesquisa da Câmara de Comércio de Santiago revelou que 60% dos que vão retirar o fundo vão usá-lo para comprar alimentos e artigos de higiene pessoal, enquanto 38% vão usá-lo para o pagamento de serviços básicos.

Vitória simbólica

"Vejo como uma vitória. Estou feliz em poder sacar para que nosso povo possa viver e comer, porque nosso Estado não o garante", disse Evelyn Silva, que planeja usar o dinheiro para iniciar uma poupança e comprar uma moradia social.

Para David, desempregado que teve que lançar mão a seu seguro-desemprego, trata-se de uma "medida bastante boa". Mas "a crise somos nós que continuamos pagando", lamenta.

Depois da promulgação e de sua publicação no Diário Oficial, a lei estabelece dez dias para iniciar o processo de entrega do fundo, que será feito em dois pagamentos e terá até um ano de prazo para a entrega total do dinheiro.

A lei permite aos 10,9 milhões de afiliados às Administradoras de Fundos de Pensões (AFP) sacar até um máximo de 4,3 milhões de pesos (cerca de R$ 29 mil) e um mínimo de um milhão de pesos (R$ 6,7 mil) de seus fundos de pensão. Quem tiver economizado menos que este mínimo poderá retirar a totalidade de seu fundo.

Os temores do impacto econômico da medida, uma das maiores operações financeiras já registradas no Chile, com uma movimentação estimada em até US$ 20 bilhões, foram se atenuando com o passar dos dias.

Um estudo do Banco Scotiabank estima que uma injeção de recursos de US$ 10 e 15 bilhões aportaria entre 3% e 5,3% ao PIB chileno, moderando a queda de 7,5% estimada para este ano.

 

 

Com informações AFP

*Por: RFI

MUNDO - O PSG conquistou seu 13º título da Copa da França nesta sexta (24) após derrotar o Saint-Étienne por 1 a 0 em partida disputada no Stade de France. E o grande herói da equipe da capital francesa foi o brasileiro Neymar, que marcou o único, e decisivo, gol da partida.

 

Em um jogo no qual o torcedor do PSG ficou preocupado com a imagem do francês Mbappé deixando o gramado machucado ainda no primeiro tempo após receber uma entrada dura de Perrin (o que pode se tornar um problema para os jogos decisivos da Liga dos Campeões), o gol decisivo de Neymar foi um alento.

O atacante brasileiro jogou bem e decidiu a parada logo aos 14 minutos do primeiro tempo, quando, após jogada de Mbappé (que ainda estava em campo neste momento), aproveitou rebote para vencer o goleiro Moulin.

 

Com a atuação desta sexta, Neymar dá mais uma demonstração de que pode ser decisivo para o PSG na parte final da Liga dos Campeões, que está muito próxima.

 

 

*Por:AGÊNCIA BRASIL

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30