fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

TÓQUIO - Bruno Fratus chegou lá. O pódio que lhe escapou por pouco nos Jogos de Londres-2012 e Rio-2016, veio na noite deste sábado, 31, no Centro Aquático de Tóquio, com a conquista da medalha de bronze dos 50 metros nado livre, a mais rápida da natação, nos Jogos de Tóquio 2020. O atleta de 32 anos cravou o tempo de 21s57. A medalha de ouro foi para o americano Caeleb Dressel, com o recorde olímpico de 21s07. O francês Florent Manadou levou a prata, com 21s55.

Fratus chegou motivado por um ciclo olímpico de respeito (levou a prata nos Mundiais de Budapeste-2017 e Gwangju-2019), mas pressionado pelas frustrações na sua prova favorita em outras edições: foi quarto colocado em 2012 e sexto em 2016. Desta vez, porém, ele conseguiu se consolidar como uma dos nadadores mais rápidos do planeta.

"Estava entalado desde 2011, meu primeiro mundial, depois 2012. Olimpíada do quase. Depois do Rio, principalmente. Foi um grito de finalmente. Finalmente sou medalhista olímpico. Realizei meu sonho de 11 anos de idade. Não teria sido sem o suporte, amor e amizade de torcida de todo mundo está até agora do meu lado, que não abriu. Não teria sido sem a palavra de quem duvidou, também. Essa é para vocês", desabafou o medalhista à Rede Globo.

"Os caras são grandes, mas nós é ruim" [sic]. Aqui é Brasil", brincou o atleta de 1.87 m sobre a concorrência com Dressel (1.91 m) e Manadou (1.99 m). "Se é para deixar uma mensagem: temos o melhor país do mundo, somos o melhor povo. Eu moro nos Estados Unidos. Pagam pau para nós. Somos muito capazes. Permitam-se ser o povo e o país que podemos construir. Estamos entre os melhores do mundo", completou.

Continua depois da publicidade

Ao Comitê Olímpico do Brasil (COB), Fratus falou sobre a preparação para os Jogos, que incluiu um período de isolamento total da internet. “Um dos motivos pelo qual saí de rede social aqui é porque precisava estar isolado no meu mundo. Quando a competição vai chegando eu vou afunilando e tirando cada vez mais coisas que não importam muito e priorizando o que é importante. (...) Vocês sabem que eu tenho uma cobrança muito grande em cima de mim, então às vezes meu trabalho de psicologia é botar o pé no freio, relaxar, não me cobrar tanto", contou Fratus, que celebrou a conquista junto da esposa de Michelle Lenhardt, sua esposa e treinadora.

Por fim, Fratus fez uma série de agradecimentos especiais. “Quero agradecer muita gente do COB, da CBDA e do Minas Tênis Clube e publicamente eu queria agradecer dois caras. Um é o Cesar Cielo, que mostrou que era possível há uns anos atrás. No começo da minha carreira se eu não tivesse tido a oportunidade de competir ao lado de quem eu acredito ser o melhor velocista da história eu não teria chegado aqui hoje. E agradecer ao Fernando Scheffer, que mostrou essa semana que era possível. Eu disse uma vez que não tenho ídolo, mas vou usar essa palavra, meu ídolo, que eu cresci vendo, Fernando Scherer, que mostrou que era possível anos atrás. Michelle, minha esposa, que me falou antes de para a prova fez toda diferença, Brett Hawke, meu melhor amigo, meu técnico, que estava mais ansioso do que eu”.

Esta foi a segunda medalha da natação brasileira em Tóquio depois do bronze de Fernando Scheffer nos 200 metros livre, um resultado considerado satisfatório. Em 2016, o Brasil não conquistou nenhum pódio nas piscinas, apenas na maratona aquática, o bronze de Poliana Okimoto.

Dressel, por sua vez, conquistou sua quarta medalha de ouro nesta edição, depois do 4x100 e dos 100 metros livre e 100 metros borboleta. O americano, porém, não conseguiu superar o recorde mundial do brasileiro Cesar Cielo nos 50 livre, de 20s91, estabelecido em 2009.

 

 

 

*Por:  Luiz Felipe Castro / VEJA

TÓQUIO - A vela brasileira conseguiu mais um bom resultado nos Jogos Olímpicos de Tóquio. A dupla Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino, da classe Nacra 17, conseguiu se classificar para a medal race após as três regatas disputadas neste domingo. Na categoria 470 feminina, Ana Barbachan e Fernanda Oliveira também estão bem colocadas na busca da regata das medalhas.

Nas últimas três regatas realizadas neste domingo na classe Nacra 17, Samuel e Gabriela conseguiram as 18ª, 10ª e 10ª colocações, terminando assim na 10ª posição geral, a última que dá vaga na medal race. Apesar da classificação, a chance de medalha para a dupla brasileira é quase impossível, porque também são levados em conta os pontos somados nas regatas regulares.

Já na categoria 470 feminina, Ana Barbachan e Fernanda Oliveira estão na 7ª colocação geral faltando duas regatas para definir os 10 que disputarão a medal race. Nas duas regatas realizadas neste domingo, as brasileiras ficaram na 10ª colocação em ambas. Na classe 49er masculina Marco Grael e Gabriel Borges não conseguiram vaga na regata das medalhas (16ª posição geral) e já estão eliminados.

Continua depois da publicidade

Na 470 masculina, Henrique Haddad e Bruno Amorim, disputaram duas regatas neste domingo, com a 12ª e 17ª posições, e estão na 15ª colocação geral, restando duas regatas para definir os classificados para a medal race. Mais cedo, a lenda da vela no Brasil, Robert Scheidt, disputou a regata das medalhas, mas terminou em 9ª, encerrando a participação em Tóquio com a 8ª posição geral na classe Laser.

 

 

*Por: LANCE!

JAPÃO - Brasil e França fizeram um jogo de altíssimo nível técnico no vôlei masculino neste domingo, o melhor dos Jogos Olímpicos de Tóquio até o momento. A seleção brasileira oscilou, mas superou seus problemas e foi mais consistente que o forte rival europeu para vencer por 3 sets a 2, com parciais de 25/22, 37/39, 25/17, 21/25 e 20/18 após 2h50 de partida na Arena Ariake. Foi um duelo épico, espetacular. São vários os adjetivos desse confronto extremamente equilibrado, técnico, com pontos longos e impressionantes, definido nos detalhes a favor dos atuais campeões olímpicos, acostumados a decisões.

Os atuais campeões olímpicos fecharam a primeira fase no Grupo B, o mais difícil da Olimpíada, com vitórias sobre Tunísia, Argentina e França e uma derrota para os russos. Dessa maneira, a seleção chega com moral para o mata-mata. O adversário das quartas ainda será conhecido. Caso se confirme na vice-liderança, o que é provável, o Brasil vai enfrentar o terceiro colocado do outro lado, que será Japão ou Irã. Os times se enfrentam ainda neste domingo. Mas é certo que a equipe brasileira conseguiu escapar de um confronto duro com a Polônia.

"Seja quem vier tenho certeza que vai ser o jogo mais importante do nosso quadriênio", definiu o técnico Renan Dal Zotto, orgulhoso da lucidez da equipe em quadra. "Poucas vezes vi um equilíbrio tão grande como hoje. A França tem uma qualidade incrível, mas o Brasil demonstrou maturidade e o sentimento de querer muito".

Wallace fez sua melhor partida nos Jogos Olímpicos, Lucarelli teve uma atuação muito consistente e Lucão sobrou no bloqueio, fundamento em que é um dos melhores do mundo. O libero Thales, muito criticado pelas atuações anteriores, se redimiu e fez muito bem sua função na defesa e no passe. Leal também fez o que se espera dele, definindo os ataques à sua maneira, com muita explosão. E esse forte jogo coletivo brasileiro foi superior ao da França, muito dependente do genial Ngapeth, maior pontuador do confronto, com 29 pontos.

"Jogos assim que são decididos no detalhe, que exigem sangue frio, deixam uma sensação muito boa. Conseguimos liderar com a pressão. Passar por esses momentos leva a equipe para outro nível", avaliou o levantador Bruninho, que busca em Tóquio a sua quarta medalha olímpica. "Estou otimista e orgulhoso do time, que lutou o tempo inteiro".

Em Tóquio, o Brasil busca a sua quinta final olímpica consecutiva. Em Atenas-2004, conquistou o ouro; em Pequim-2008 e Londres-2012, ficou com a medalha de prata; e no Rio-2016, o grupo brasileiro subiu ao degrau mais alto do pódio novamente.

Liderada por Lucão, Wallace e Lucarelli, a seleção brasileira fez um bom primeiro set. Esteve sempre à frente no placar diante da França, uma seleção técnica e inteligente. Oscilou em alguns momentos, mas não a ponto de levar a virada e ampliou o domínio no fim para vencer por 25/22.

No segundo set, semelhante ao da fase inicial da Liga das Nações, a França cresceu, mas o rendimento do Brasil não caiu. Por isso, a parcial foi a mais equilibrada e disputada. Nenhuma das seleções conseguiu abrir mais que dois pontos. Os franceses defenderam muito, conseguiram bons contra-ataques e recorreram quase sempre, nas bolas difíceis ou nem tanto, ao seu astro, Ngapeth. Ele estava inspirado e fez a diferença a favor do time europeu, com ataques de muito talento, na força, ou no jeito, explorando o bloqueio.

No fim, depois de 51 minutos - foi a parcial mais longa dos Jogos Olímpicos até o momento - e 76 pontos, a França venceu o set por 39 a 37 e empatou a partida. Por pouco não foi o set mais demorado da história do vôlei masculino na Olimpíada. Em Sidney-2000, a Itália ganhou fez 40 a 38 na primeira parcial diante da Argentina.

O equilíbrio visto no segundo set não se repetiu na terceira parcial. O Brasil manteve o bom nível técnico e atropelou os franceses. Encaixou o jogo que lhe credencia a ganhar mais uma medalha em olimpíadas e não deu brecha para o rival europeu, que, embora seja uma equipe técnica e com recursos, não tem o potencial dos brasileiros. Wallace e Lucão continuaram inspiradíssimos e Leal se recuperou do segundo set ruim para ajudar a seleção a ganhar a parcial por 25/17 após 25 minutos.

O time de Renan Dal Zotto iniciou o quarto set de maneira dominante e abriu quatro pontos de vantagem. No entanto, por desatenção e algumas escolhas erradas, além de mérito dos franceses, que reorganizaram seu jogo, o Brasil se perdeu no set. Viu o rival, comandados por Ngapeth, empatar, virar o jogo e abrir uma diferença difícil de ser tirada no fim do set, vencido pela França por 25/21.

Continua depois da publicidade

Houve a impressão de que o roteiro do quarto set se repetiria no tie-break, uma vez que os brasileiros abriram a mesma vantagem de quatro pontos e a França, mais uma vez, não se entregou, empatou e virou a partida no fim. No entanto, nem mesmo a atuação de gala de Ngapeth foi suficiente para os franceses vencerem o jogo. Lucarelli e Leal cresceram na reta final e garantiram o importante triunfo que eleva o moral da seleção para o mata-mata.

 

 

*Por: Ricaro Magatti / ESTADÃO

TÓQUIO - Ágatha e Duda perderam para a dupla alemã Laura Ludwig e Margareta Kozuch por 2 sets a 1 (parciais de 21/19, 19/21 e 16/14), neste domingo (1º), pelas oitavas de final do vôlei de praia e foram eliminadas das Olimpíadas de Tóquio.

No primeiro set, as brasileiras cometeram seguidos erros (foram 7 ao longo da parcial), facilitando o trabalho de Ludwig/Kozuch, que fechou em 21 a 19.

No set seguinte, as brasileiras chegaram a abrir 14 a 11, mas as alemãs viraram em 17 a 16. No final, porém, com um erro de ataque de Kozuch, as brasileiras conseguiram empatar a partida.

No tie-break, nenhuma dupla conseguia deslanchar no placar. O Brasil chegou a ter o match-point, mas desperdiçou. E, em um erro de ataque de Duda, as alemãs fecharam o jogo.

Continua depois da publicidade

"A sensação é ruim porque é muito trabalho para chegar até aqui. A gente dá a vida para entregar para o esporte. A gente sabe o quanto todo mundo trabalhou na nossa equipe", lamentou Ágatha, em entrevista ao SporTV.

 

 

*Por: FOLHA

JAPÃO - O boxeador brasileiro Hebert Conceição já garantiu pelo menos o bronze nas Olimpíadas de Tóquio. No duelo contra o cazaque Abilkhan Amankul, o brasileiro venceu por decisão dividida e avançou às semifinais na categoria até 75 kg. No boxe, os perdedores das duas semifinais garantem a medalha de bronze.

Hebert iniciou a luta estudando o adversário. Ele deixou a guarda aberta para tentar atrair o adversário e acabou sofrendo alguns golpes. Ainda assim, o brasileiro conseguiu conectar muitos socos diretos e venceu a primeira etapa.

No segundo round, o atleta do Cazaquistão se encontrou no ringue e foi para cima. Ele apostou em sequências rápidas e atingiu Hebert, empatando o duelo.

Continua depois da publicidade

O último assalto viu Hebert acertando sequencias de golpes, enquanto o adversário estava muito cansado. Ele conseguiu acertar dois upper cuts, mas na reta final segurou o ritmo da luta usando o clinch para garantir o resultado.

 

 

*Por: FOLHA

JAPÃO - Três dias após conquistar a primeira medalha da ginástica artística feminina do Brasil, a prata no individual geral, Rebeca Andrade deu continuidade à história que está escrevendo nas Olimpíadas de Tóquio. Num capítulo ainda mais emblemático, ela ganhou a medalha de ouro na disputa do salto neste domingo (1º).

A média dos seus dois saltos foi 15.083, abaixo do que apresentou na classificação, mas o suficiente para garantir a conquista histórica. A americana Mykayla Skinner ficou com a prata (14.916), e a sul-coreana Yeo Seojeong, com o bronze (14.733).

Rebeca é a primeira brasileira a ganhar duas medalhas na mesma edição olímpica. E ela ainda poderá conquistar a terceira. Nesta segunda-feira (2), disputará a final do solo, às 5h57.

Continua depois da publicidade

O único brasileiro a somar três medalhas no mesmo evento foi o canoísta Isaquias Queiroz na Rio-2016.

 

 

*Por: FOLHA

TÓQUIO - A seleção brasileira manteve a invencibilidade no torneio feminino de vôlei das Olimpíadas de Tóquio. No jogo disputado neste sábado (31), a vitória contra a Sérvia veio por 3 a 1, com parciais de 25-20, 25-16, 23-25 e 25-19.

Em seu desafio mais difícil até o momento, a seleção brasileira começou bem. Substituta de Macris, Roberta variava as jogadas do Brasil. O time também foi beneficiado pelos seguidos erros da Sérvia para fechar em 25 a 20 o 1º set.

No 2° set, o Brasil manteve a agressividade. A Sérvia não conseguia encaixar o passe e tinha dificuldade no ataque. Com isso, o Brasil não teve dificuldade para fechar em 25 a 16.

A Sérvia melhorou no 3° set, comandando o placar. Apesar de não conseguir deslanchar, acabou fechando o set em 25 a 23.

No 4° set, o Brasil retomou o controle do jogo. O passe sérvio voltou a falhar e com um ataque desperdiçado pelo time europeu, o Brasil fechou o jogo.

Continua depois da publicidade

Na próxima segunda-feira (2), o Brasil fecha participação no Grupo A contra o Quênia, às 9h45 (de Brasília).

 

 

*Por: FOLHA

JAPÃO - O boxeador Wanderson de Oliveira avançou mais uma etapa no boxe das Olimpíadas de Tóquio. Neste sábado (31), o brasileiro enfrentou Dzmitry Asanau, de Belarus, pelas oitavas da categoria até 63 kg. Com o resultado, Wanderson vai às quartas enfrentar o cubano Andy Cruz, na próxima terça (3), às 6h18.

Asanau conseguiu conectar alguns golpes rápidos no início da luta enquanto Wanderson se defendia. No entanto, o brasileiro revidou e encaixou uma série de golpes, encerrando com um cruzado de esquerda que desequilibrou o adversário. Apenas um jurado apontou vitória belarussa na etapa.

O segundo round foi mais aberto. Wanderson conseguiu derrubar o adversário novamente, mas o árbitro avaliou que ele foi empurrado por Wanderson. Ainda assim, os dois trocaram muitos golpes e a maior parte dos juízes avaliou que Asanau venceu, com apenas um dando vitória a Wanderson.

Continua depois da publicidade

Na etapa decisiva, a luta ainda estava em aberto. Wanderson iniciou algumas sequências e Asanau buscou o clinch para conseguir interromper o adversário. Os jurados, novamente, ficaram divididos e um deles deu vitória a Asanau, enquanto os outros viram o triunfo de Wanderson.

 

 

*Por: FOLHA

TÓQUIO - A velejadora Patrícia Freitas ficou em décimo lugar na classe RS:X feminina nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Neste sábado, a chinesa Lu Yunxiu foi a campeã da medal race e conquistou o ouro. Na disputa masculina da classe, o Brasil não teve representantes, e a vitória foi do holandês Kiran Baldoe. Os demais brasileiros seguem no domingo na disputa de outras classes.

O bicampeão olímpico Robert Scheidt já havia assegurado a classificação para a disputa por medalhas na Laser. Ele lutará pela sexta medalha olímpica neste domingo, a partir das 2h30 (de Brasília).

 

49er FX

Representando o Brasil com um desempenho ainda melhor que o dia anterior, a dupla Martine Grael e Kahena Kunze ficou em segundo lugar em todas as três regatas do dia. E por isso subiu para o primeiro lugar na classificação geral. Ela disputam a regata da medalha na segunda-feira, às 2h30 (de Brasília).

Jorge Zarif ficou em 14º e 13º lugar nas duas regatas do dia na classe Finn, e ocupa provisoriamente o 14º lugar na classificação geral dos Jogos Olímpicos.

Continua depois da publicidade

NACRA 17

Os iatistas Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino atualmente ocupam o nono lugar na classificação geral após nove regatas. E conseguiram a proeza de ficarem na mesma posição de nono lugar nas três últimas regatas que disputaram na classe.

 

49er

​Os velejadores Marco Grael e Gabriel Borges ficaram para trás e ocupam o 16º lugar na classificação geral, após ficarem na 16º posição nas três regatas do dia.

 

 

*Por: LANCE!

TÓQUIO  - As brasileiras Luisa Stefani e Laura Pigossi conquistaram a medalha de bronze, neste sábado (31), nas duplas femininas de tênis das Olimpíadas de Tóquio. Elas derrotaram as russas Veronika Kudermetova e Elena Vesnina por 2 sets 1.

É a primeira medalha da história do Brasil no tênis em Olimpíadas.

Elas perderam o primeiro set por 6 a 4, se recuperaram e devolveram a mesma parcial no segundo. No tie-break, elas conseguiram uma nova virada. Perdiam por 7 a 2 e, posteriormente, precisaram salvar quatro match points até alcançarem o triunfo por 11 a 9.

Continua depois da publicidade

Stefani e Pigossi já haviam atingindo a marca de Fernando Meligeni de Atlanta-96 ao passar para as semifinais olímpicas com a vitória de 2 a 1 sobre as norte-americanas Bethanie Mattek-Sands e Jessica Pegula.

 

 

*Por: FOLHA

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Agosto 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31