fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

Em julho, 120 alunos da Universidade começam o Internato no hospital

 

SÃO CARLOS/SP -  - A Santa Casa recebeu a visita de profissionais da UNIFAI - Centro Universitário de Adamantina, que vieram para São Carlos para conhecer as novas instalações do Instituto de Ensino e Pesquisa. A construção do IEP foi financiada pela Universidade, que investiu R$ 900 mil na obra. Além das quatro salas de aula, das salas de apoio às atividades acadêmicas; da área de convivência; da biblioteca e também do laboratório para atividades práticas para cursos e treinamentos, o Auditório da Santa Casa está sendo revitalizado para receber os novos alunos.

“A nossa expectativa com essa parceria é muito grande. Os nossos alunos estudaram toda a parte de atenção básica conosco. Tiveram também a oportunidade de passar pelo Pronto-Socorro, enfermaria e UTI da Santa Casa de Adamantina. E agora, na Santa Casa de São Carlos, eles poderão aprimorar a experiência hospitalar em uma Instituição de alta complexidade. E a Santa Casa tem uma estrutura excelente e eu acredito que os profissionais formados aqui serão muito úteis aos pacientes. Você não forma só o médico, você tem que ajudar a formar o cidadão. E tenho certeza de que vamos conseguir isso aqui”, comenta a Coordenadora de Atenção Básica do Curso de Medicina da UNIFAI, Maria Stella Putinatti.

Além da Coordenadora de Atenção Básica do Curso de Medicina da UNIFAI, Maria Stella Putinatti, participaram da visita o diretor de Patrimônio da UNIFAI, Claudinei Pelae Jorge; o diretor Contábil e Financeiro da UNIFAI, Pablo Sandu; e o Administrador de Redes da UNIFAI, José Ricardo Pires de Moraes. Eles foram recebidos pelo Provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior; o Gerente do IEP, André Mascaro; o Gerente Médico da Santa Casa, Roberto Muniz Júnior e pelo consultor em Certificação para Hospital de Ensino, Danilo Oliveira.

Foi o consultor em Certificação para Hospital de Ensino, Danilo Oliveira, quem alinhou a parceria. “Eu fui docente em Saúde Pública na UNIFAI por um ano e meio. E quando a Universidade estava em busca de um hospital de ensino para o Programa de Internato, fizemos a ponte. Em 2018, houve a primeira visita da UNIFAI à Santa Casa. E parceria deu certo”, afirma.

Os 120 alunos da UNIFAI começam o Programa de Internato no dia 19 de julho. Os estudantes de Medicina vão ter acesso às especialidades de Cirurgia, Pediatria, Clínica e Ginecologia).

“Graças ao apoio da UNIFAI, criamos uma infraestrutura moderna para o nosso Instituto de Ensino e Pesquisa, além de revitalizar o nosso auditório. E essa parceria vai trazer ganhos não só para a saúde mas também para a economia da cidade, uma vez que esses estudantes que vêm para São Carlos, vão alugar imóveis para morar e também consumir no município. É um passo a mais na consolidação da nossa Santa Casa como um hospital de ensino”, afirma o Provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Júnior.

 

A destinação foi feita atendendo a pedido do Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Denilson Aparecido Tochio

 

SÃO CARLOS/SP  - O Provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Júnior, recebeu a visita do Presidente do Conselho Municipal de Saúde e Diretor Regional do Sindicato dos Trabalhadores Públicos da Saúde no Estado de São Paulo (SindSaúde), Denilson Aparecido Tochio, para a entrega de ofício do Deputado Federal Alexandre Padilha (PT). O parlamentar destinou emenda de R$ 100 mil para a Santa Casa.

“Tenho muito contato com o Deputado Alexandre Padilha, em função do SindSaúde. Por isso, diante do aumento de custos do hospital com medicamentos e equipamentos de proteção individual provocado pela pandemia, solicitei o apoio e fomos atendidos”, afirma o Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Denilson Aparecido Tochio.

Só para se ter ideia do aumento dos custos do hospital, medicamentos do kit intubação subiram até 410% do começo do ano até agora. O frasco de 10 mil de Midazolam, por exemplo, passou de R$ 6 para R$ 25. Por dia, a média de consumo apenas deste medicamento no hospital é de 350 frascos.

“Nós agradecemos imensamente a emenda do Deputado Federal Alexandre Padilha, bem como  o apoio do Conselho Municipal de Saúde, na pessoa do Presidente Denilson Tochio. E salientamos a importância do Conselho que cobra quando tem que cobrar e ajuda, quando necessário”, declara o Provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior.  

O câncer cerebral está entre os dez tipos mais frequentes e não tem prevenção. Por isso, é preciso estar atento aos sintomas

 

SÃO CARLOS/SP - O cérebro é o órgão do nosso corpo responsável por coordenar todas as nossas funções: fala, coordenação motora, memória, raciocínio e atenção. Quando esse órgão é afetado por um tumor, células anormais passam a crescer de forma desordenada, inclusive nas meninges (membranas que revestem o cérebro) e na medula espinhal.

Este tipo de câncer está entre os dez mais frequentes entre os adultos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Entre as crianças, o tumor cerebral é o terceiro tipo mais comum. Em 2021, foram registrados 11.100 mortes por causa da doença.

Segundo o neurocirurgião e coordenador do Serviço de Neurocirurgia da Santa Casa, Danillo Vilela, o câncer no cérebro está relacionado a fatores genéticos e ambientais, exposição à radiação, tabagismo e alcoolismo. “Mas, infelizmente, além de cultivar uma vida saudável, evitando esses vícios, não existe uma forma concreta de prevenção. Por isso, o diagnóstico precoce é a melhor forma de evitarmos as mortes”, explica.

Continua depois da publicidade

Para conscientizar a população sobre a doença e alertar sobre os principais sintomas do câncer de cérebro, é que foi criado o Maio Cinza. São sinais comuns do câncer de cérebro: dor de cabeça, crise convulsiva, tontura, falta de equilíbrio, desmaios, alteração na visão, gagueira e perda da fala, dormência ou formigamento nas pernas ou braços, alteração no comportamento e no humor, dificuldade para ficar em pé ou para andar e alteração na coordenação motora.

Na Santa Casa de São Carlos, o tratamento dos tumores cerebrais é feito de forma integral pela neurocirurgia e oncologia, que são referência para os quase 400 mil habitantes da microrregião que abrange 6 municípios (além de São Carlos, Descalvado, Porto Ferreira, Ibaté, Ribeirão Bonito e Dourado) nos atendimentos que necessitam de procedimentos neurocirúrgicos como esse.

A Neurocirurgia da Santa Casa conta com 6 neurocirurgiões, especialistas em diversas áreas: neurocirurgia pediátrica, oncologia, vascular, coluna e dor. Conta com um serviço de plantão 24h para atender as emergências neurocirúrgicas. Além de manter no Centro Cirúrgico do hospital, equipamentos e monitores de ponta para tratamento das doenças neurológicas.

O pequeno Heitor Gonçalves Romero, de apenas 2 anos, foi diagnosticado com tumor cerebral e passou por cirurgia há 3 meses. “O Heitor, aos 3 meses, parou de ganhar peso. A partir de então, começamos uma maratona para buscar um diagnóstico. Passamos por vários médicos, inclusive particulares. Fomos até Ribeirão Preto, mas sem sucesso. Em fevereiro, fomos encaminhados para a Santa Casa e com o resultado da ressonância magnética veio o diagnóstico. No mesmo mês, o Heitor já passou pelo procedimento cirúrgico para a retirada do tumor”, conta a mãe do menino, Maiana Almeida Gonçalves.

Segundo a família, o garoto está se recuperando muito bem. Quando o Heitor foi diagnosticado, havia o risco de ele não falar mais, não comer sozinho e nem andar. Agora, 3 meses depois da cirurgia, é como um milagre: ele já voltou a falar, a comer e está passando por sessões de fisioterapia para voltar a andar. Sou grata ao atendimento recebido no hospital. Fomos super bem atendidos e acolhidos”, relata a mãe.  

As mantas de fototerapia vão ajudar a tratar as lesões por pressão em pacientes acamados

 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa recebeu a doação de duas mantas de fototerapia da MultFISIO Brasil. A empresa é especializada em tratamentos inovadores na área de fisioterapia.  De acordo com o sócio da MultFISIO Brasil e pesquisador da USP, Antonio Eduardo de Aquino Junior, o equipamento tem um grande diferencial e uma enorme eficácia nas cicatrizações. “Esse equipamento é muito interessante para diversas ações na área da saúde. A cicatrização com o uso da luz tem grandes resultados. Nós, pesquisadores, sabemos da importância da fototerapia para esses tratamentos. Nosso objetivo é proporcionar uma qualidade de vida aos pacientes que estão internados nas UTIs ou se recuperando da COVID-19. Queremos ajudar a Santa Casa a oferecer uma qualidade melhor no cuidado aos pacientes que estão precisando desse tratamento”, comenta Antonio. 

Continua depois da publicidade

A manta de fototerapia é um equipamento inovador e que possui tecnologia da LEDterapia com ação analgésica e anti-inflamatória. O laser vermelho, em contato com a pele, estimula a cura e a regeneração de novos tecidos, reduzindo a inflamação e a dor. Além disso, o aparelho também ajuda a prevenir as lesões por pressão, popularmente conhecidas por escaras, que são feridas causadas em pacientes que permanecem muito tempo na mesma posição, pessoas acamadas e com mobilidade reduzida.

“Pensamos em doar esse equipamento, pois vai beneficiar todos os pacientes que estão internados. Além disso, temos uma missão social em ajudar o hospital, principalmente neste momento de pandemia. A Santa Casa é referência na região e presta muitos atendimentos. O aparelho vai contribuir para o trabalho dos profissionais e também vai proporcionar a redução de escaras nos pacientes”, afirma a sócia da MultFISIO Brasil e pesquisadora da USP, Fernanda Mansano Carbinatto.

Além da doação dos equipamentos, a equipe da MultFISIO Brasil ofereceu um treinamento para uso do aparelho no Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) da Santa Casa. Participaram do treinamento os enfermeiros e fisioterapeutas da Residência Multiprofissional em Paciente Crítico.

A coordenadora Acadêmica do Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) da Santa Casa, Chris Mayara Tibes Cherman, comenta que os equipamentos vão proporcionar mais qualidade na assistência aos pacientes. “Os pacientes críticos da UTI COVID têm muitos fatores de risco para o desenvolvimento de lesões por pressão, pois ficam muito tempo acamados. E a doação desse aparelho vai contribuir muito com o nosso trabalho, pois é uma ferramenta a mais no tratamento dos pacientes que sofrem com a lesão durante a fase de recuperação”, conclui.

ARARQUARA/SP - A possibilidade de faltar medicamentos denominados “Kit Intubação” (sedativos, bloqueadores neuromusculares e anestésicos) em hospitais de Araraquara e região nos próximos dias é confirmada pela Santa Casa de Araraquara.

O hospital, que atende várias cidades da região, explica que a oferta atual não tem sido capaz de suprir as necessidades do mercado hospitalar em nossa região e no Brasil pela demanda crescente de pacientes, partindo de um cenário de escassez para um preocupante cenário de desabastecimento nos últimos dias.

Continua depois da publicidade

“A Santa Casa de Araraquara, assim como grande parte dos hospitais no País, atingiu o seu limite em disponibilizar os medicamentos do “Kit Intubação”, comunicando o fato às Secretarias de Saúde Municipal e Estadual, que, após reunião entre as partes, estão se esforçando diariamente e conjuntamente com o hospital, junto aos fornecedores e importadores, para a obtenção desses medicamentos em falta no mercado”, ressalta o hospital.

A Santa Casa informa ainda que, seguindo orientação contingencial e o Decreto Municipal, os procedimentos cirúrgicos eletivos foram suspensos e, agora, considerando a escassez de tais itens, foram suspensos os procedimentos que não sejam urgentes, com o intuito de preservar a manutenção da assistência de forma segura aos pacientes já internados e as emergências devidamente encaminhadas pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (Cross).

A instituição reitera a toda a sociedade a importância da atenção às medidas de cuidado e proteção no combate ao coronavírus e solicita celeridade dos órgãos responsáveis na regularização da oferta de medicamentos do “Kit Intubação”.

 

 

*Por: Chico Lourenço / PORTAL MORADA

A verba parlamentar de R$ 130 mil será utilizada na conclusão da Usina Solar Fotovoltaica

 

SÃO CARLOS/SP - A Câmara Municipal aprovou o envio de R$ 130 mil para a Santa Casa de São Carlos na sessão de terça-feira (18). O recurso, destinado pelo vereador Roselei Françoso (MDB), será utilizado na conclusão da Usina Solar Fotovoltaica, e irá proporcionar uma economia anual de pelo menos R$ 700 mil, segundo a estimativa dos técnicos da instituição.

O sistema de captação de energia solar é uma iniciativa da CPFL Paulista, que investiu R$ 176 mil na instalação das placas fotovoltaicas sobre o telhado da Santa Casa por meio do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O objetivo do programa é reduzir o consumo de energia elétrica nas instituições públicas e filantrópicas.

Continua depois da publicidade

De acordo com a concessionária, o sistema instalado tem potência de 39,27 kwp, equivalente ao consumo mensal de 25 residências. Os recursos destinados pelo vereador Roselei serão empregados na adequação da cabine elétrica da Santa Casa, localizada nas dependências da Maternidade Dona Francisca Cintra Silva, substituição do transformador e instalação de novos cabeamentos.

“Costumo enviar minhas emendas parlamentares para as escolas municipais”, explica Roselei. “Quando eu soube do projeto de energia solar da Santa Casa fiz questão de colaborar, primeiro porque é uma forma de contribuir neste momento de pandemia e também porque será um investimento que permanecerá”, salienta.

Para o parlamentar, especialmente neste período de pandemia da Covid-19, qualquer ajuda à Santa Casa e ao Sistema Único de Saúde (SUS) é primordial. “A Usina Solar permanecerá como um importante investimento para a Santa Casa, gerando uma economia de recursos que podem ser aplicados em outras áreas”, frisa.

“No momento em que precisávamos desse recurso para concluir a obra, procurei pelo vereador Roselei Françoso que, prontamente atendeu a minha solicitação e fez a indicação dessa verba”, disse o provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Junior.

Roselei destaca ainda o papel de referência da Santa Casa de São Carlos, que atende a população local e de outras cinco cidades da região. “Além disso, todos estamos acompanhando o quanto a Santa Casa e todos os seus colaboradores têm sido fundamental no combate à pandemia”, diz.

O estoque de medicamentos deve ser suficiente para os próximos 10 dias. Mas o déficit de profissionais ainda não permite que o hospital coloque todos os leitos de UTI COVID em operação

 

SÃO CARLOS/SP  - A Santa Casa de São Carlos recebeu, no fim de semana, um lote de anestésicos enviados pelo Ministério da Saúde. Foram entregues 3.430 ampolas de Cisatracurio (5ml) e 2.265 ampolas de Propofol (20ml). A previsão é de que esse lote seja suficiente para os próximos 10 dias.

Os medicamentos foram trazidos da China ao Brasil e doados ao Sistema Único de Saúde (SUS) por um grupo de empresas formado pela Engie, Itaú Unibanco, Klabin, Petrobras, Raízen e Vale.

DÉFICIT DE PROFISSIONAIS

A Santa Casa contratou 28 profissionais de enfermagem (10 enfermeiros e 18 técnicos de enfermagem) no começo deste mês. Com essas novas contratações, o hospital ainda tem um déficit de 58 profissionais de saúde, sendo 46 técnicos de enfermagem e 12 fisioterapeutas.

“Nós temos trabalhado constantemente para atrair e contratar novos profissionais. Nesta terça-feira (20), teremos mais uma etapa processo seletivo com 25 novos candidatos. Mas com a pandemia, os profissionais de saúde qualificados têm ficado cada vez mais escassos no mercado, além do absenteísmo (ausências do trabalho) que também atinge todo o segmento”, explica o gerente de Recursos Humanos da Santa Casa, Samir Rodrigues.

LEITOS COVID

Com o déficit de profissionais de saúde e com o fornecimento ainda incerto dos medicamentos do kit intubação, a Santa Casa ainda não conseguiu colocar todos os leitos de UTI COVID em operação.

O hospital conta hoje com 30 leitos de UTI COVID. Mas 6 foram desativados, em função da falta de anestésicos e de profissionais de saúde.

“Com a chegada desse novo lote de medicamentos, doados pelo grupo de empresas e entregues pelo Ministério da Saúde, ganhamos um fôlego para manter os atendimentos do hospital. Mas ainda não conseguimos colocar todos os leitos de UTI COVID em operação. Por segurança de quem já está internado, inclusive para evitar casos extremos como foram relatados em hospitais do Rio de Janeiro, em que pacientes precisaram ser intubados sem sedativos, é que estamos tendo toda cautela para reabrir leitos. À medida que tivermos medicamentos suficientes e à medida que houver pacientes na fila de espera, vamos aceitar novas internações. Na segunda-feira (19), não havia nenhum paciente aguardando vaga em leito de UTi em São Carlos. E nós vamos continuar atentos a essa demanda”, explica o infectologista e diretor técnico da Santa Casa, Vitor Marim.

Além dos leitos de UTI COVID Adulto, a Santa Casa conta com 4 leitos de UTI Pediátrica em operação, 8 leitos de enfermaria e 20 leitos na Unidade de Cuidados Intermediários.

Com o agravamento da pandemia da COVID-19, as doações despencaram

 

SÃO CARLOS/SP - O Banco de Sangue precisa urgentemente de doações dos tipos A e O positivo. Os estoques dos tipos A positivo estão 60% abaixo do ideal e os de O positivo, 40% abaixo do ideal. 

“Com o agravamento da pandemia, os voluntários estão com medo de vir até o Banco de Sangue para doar. Mas é importante ressaltar que as doações continuam sendo agendadas para evitar aglomerações; que nossos profissionais usam todos os equipamentos de proteção adequados e que o nosso mobiliário é higienizado entre uma e outra doação”, explica a hematologista e responsável técnica do Banco de Sangue, Andreia Moura de Luca.

Desde o início da pandemia, o Banco de Sangue tem seguido as regras da Associação Brasileira de Hematologia. É obrigatório o uso de máscara de proteção facial e foi proibida a entrada de acompanhantes.

 

QUEM PODE DOAR

REQUISITOS GERAIS

- Ter entre 18 e 69 anos;

-  Ter mais de 50 Kg

- Estar em boas condições de saúde;

- O voluntário não pode fumar uma hora antes da doação e nem ingerir bebida alcoólica 24 horas antes.

PARA QUEM TEVE SINTOMAS RESPIRATÓRIOS

- Quem teve diagnóstico de COVID-19, precisa esperar 90 dias depois da cura da doença;

- Quem teve contato com alguém com suspeita ou com diagnóstico de COVID-19, tem que esperar 30 dias depois do contato com a pessoa;

- Quem está com sintomas gripais, mas ainda não foi diagnosticado, precisa esperar 30 dias, a partir do início dos sintomas.

 

SERVIÇO:

BANCO DE SANGUE – HORÁRIOS PARA DOAÇÕES

Segunda a sexta-feira – 7h30 às 12h

Terças e quintas – 13h30 às 15h30

Sábados – 8h às 11 h

BANCO DE SANGUE – CANAIS PARA AGENDAMENTO

(16) 99104-6748 (WhatsApp) e (16) 3509-1230 (fixo)

De segunda a sexta-feira, das 8h às 15h

O estoque de medicamentos é suficiente apenas para os próximos 7 dias. Se o fornecimento não for normalizado, as cirurgias de emergência e os atendimentos na UTI COVID também podem ser prejudicados
 

SÃO CARLOS/SP - A Santa Casa de São Carlos suspendeu todas as cirurgias eletivas nesta sexta-feira (19) por falta de anestésicos. A medida vale para todos os procedimentos SUS, convênios e particulares.

Atualmente, os três medicamentos mais usados são o Fentanil, o Atracurio e o Midazolam. Os dois primeiros são suficientes para os próximos dez dias. Enquanto o estoque do Midazolam já se esgotou.

A falta dos medicamentos se deve à alta demanda em função da pandemia. Para se ter uma ideia, a média de consumo antes da COVID-19 era de 1.300 ampolas por mês. Neste momento, o hospital tem consumido 9.900 ampolas por mês.

“Alguns anestésicos estão com preços 400% mais elevados se comparado ao período anterior à pandemia. Mas mesmo pagando mais caro, os fornecedores não têm esses medicamentos disponíveis para fornecimento. Uma realidade que a gente tem visto ser noticiada em todo o país e que agora está chegando até nós”, explica o Provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior.

A Santa Casa está notificando a Secretaria Municipal de Saúde, o Departamento Regional de Saúde de Araraquara (do qual São Carlos faz parte), o Governo do Estado de São Paulo, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal sobre a falta dos anestésicos e sobre a decisão de suspender as cirurgias eletivas.

“A previsão é de que em uma semana, não tenhamos mais nenhum anestésico disponível para ser fornecido para nós. Por isso, decidimos suspender todas as cirurgias eletivas. Se a realidade não mudar nos próximos dias, corremos o risco de não conseguir realizar nem as cirurgias de urgência e emergência e nem manter os atendimentos na UTI COVID”, ressalta o infectologista e diretor técnico da Santa Casa, Vitor Marim.

Em outubro de 2020, o hospital gastava R$ 600 com materiais e medicamentos por dia e por leito. Hoje, com o aumento da gravidade dos pacientes e do preço dos insumos, o valor disparou para mais de R$ 1200.

 

SÃO CARLOS/SP - Os reflexos da COVID-19 têm atingido em cheio a saúde financeira dos hospitais filantrópicos. Desde o início da pandemia, o Ministério da Saúde tem repassado o valor de R$ 1600 de diária para um leito de UTI COVID. No entanto, com o agravamento dos pacientes, taxa de ocupação se mantendo em 100% e o aumento elevado dos custos com materiais e medicamentos, o valor repassado pelo Governo Federal não tem sido suficiente para pagar todas as despesas. 

Para se ter uma ideia, na Santa Casa, em outubro de 2020, gastava-se R$ 600 com medicamentos e materiais para cada leito de UTI COVID. O restante do recurso era usado para a remuneração da equipe de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, auxiliares e técnicos de enfermagem, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais). Em março de 2021, os custos com medicamentos e materiais mais do que dobraram, chegando a R$ 1280, o que representa 80% do repasse feito pelo MS.

“Essa elevação dos custos se deve a dois fatores. Primeiro, ao aumento significativo de materiais e medicamentos. Itens como as luvas cirúrgicas, por exemplo, tiveram 300% de reajuste no preço. E o valor de alguns anestésicos também subiu mais de 300%. Segundo, porque os pacientes têm chegado mais graves ao hospital e permanecido mais tempo internados (média de 18 dias) e isso aumenta o consumo de medicamentos, materiais e oxigênio”, explica o Provedor da Santa Casa, Antonio Valério Morillas Júnior.

Dessa forma, atualmente, a Santa Casa de São Carlos recebe do Ministério da Saúde R$ 1600 de diária para cada leito de UTI COVID, mas os custos devem chegar a R$ 2.800 no próximo mês.

“Nós temos hoje 30 leitos de UTI COVID. Portanto, o prejuízo pode chegar a R$ 36 mil reais por dia, um déficit de mais de R$ 1 milhão por mês. Com isso, sem ter o valor real para o custeio, corremos o risco de fechar leitos no pior momento da pandemia”, explica o infectologista e diretor técnico da Santa Casa, Vitor Marim.

Para agravar a situação, em janeiro deste ano, o Governo de São Paulo cortou 12% das verbas destinadas aos hospitais filantrópicos do Estado. Com a medida, por mês, a Santa Casa deixou de receber R$ 128.388,48.

“Para não deixar os pacientes desassistidos, a Santa Casa quase quadriplicou o número de leitos de UTI COVID Adulto. O hospital abriu 8 leitos no começo da pandemia e hoje estamos com 30 leitos. Agora, precisamos da ajuda de toda a população para manter essa estrutura. Porque os recursos enviados pelo Governo Federal não vão ser mais suficientes daqui para frente, diante do aumento dos materiais e medicamentos e da taxa de ocupação dos leitos”, explica a Coordenadora Financeira e de Captação de Recursos da Santa Casa, Ariellen Guimarães.

 

 

SERVIÇO:

 

Central de Captação de Recursos da Santa Casa

(16) 3509-1270 / (16) 99230-9294 (WhatsApp).

PIX da Santa Casa: 59610394/0001-42

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Propagandas gratuitas right 2