fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

JAPÃO - O Japão liberará mais de 1 milhão de toneladas de água contaminada da usina nuclear destruída de Fukushima no mar, informou o governo na terça-feira (13), uma medida que a China classificou de "extremamente irresponsável", enquanto a Coreia do Sul convocou o embaixador em Tóquio a Seul para protestar.

A primeira liberação de água acontecerá em cerca de dois anos, o que dá à operadora da usina, Tokyo Electric Power, tempo para começar a filtrar a água para retirar isótopos prejudiciais, construir infraestrutura e obter aprovação regulatória.

O Japão argumenta que a liberação de água é necessária para levar adiante a desativação complexa da usina, danificada em 2011 por um terremoto e um tsunami, e diz que água filtrada de maneira semelhante é liberada por usinas nucleares de todo o mundo rotineiramente.

Quase 1,3 milhão de toneladas de água contaminada, o suficiente para encher cerca de 500 piscinas olímpicas, está armazenada em tanques gigantescos na usina a um custo anual de aproximadamente  US$ 912,66 milhões e o espaço está acabando.

"Liberar a água tratada é uma tarefa inevitável para desativar a usina nuclear de Fukushima Dai-ichi e reconstruir a área de Fukushima", disse o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, sobre o processo que exigirá décadas.

A decisão vem cerca de três meses antes da Olimpíada de Tóquio, e alguns eventos acontecerão a até 60 quilômetros da usina arruinada. Em 2013, o então premiê japonês Shinzo Abe garantiu ao Comitê Olímpico Internacional (COI) que Fukushima "nunca causará nenhum dano a Tóquio".

 

 

*Por Yuka Obayashi e Aaron Sheldrick - Repórteres da Reuters

SÃO CARLOS/SP - O Serviço de Utilidade Pública Especializado em Reabilitação e Acolhimento – S.U.P.E.R.A, está com as inscrições abertas para o projeto em parceria com a Secretaria Municipal de Esportes e Cultura intitulado “SuperAção – Esporte, Lazer e Qualidade de Vida na Melhor Idade”.

Desta forma, o S.U.P.E.R.A convida toda comunidade que tenha interesse em realizar atividades com educador físico, fisioterapeuta, nutricionista e psicólogo para se inscreverem.

O projeto irá acontecer de segunda a quinta feiras, das 18:00 às 19:40 horas, por meio da plataforma online. São vagas disponibilizadas para ambos sexos, com idade acima de 40 anos e que não possua nenhuma doença descompensada.

Se houver interesse, basta enviar uma mensagem no WhatsApp (16) 99270-2164

Lembrando que são apenas 40 VAGAS até final de Abril.

ANDRADINA/SP - O Prefeito de Andradina, Mário Celso Lopes, anunciou no último sábado (10) a construção de um Hospital Municipal e outras quatro Unidades Básicas de Saúde na cidade, nos próximos.

O anúncio foi feito durante a prestação de contas dos 100 primeiros dias de governo feito através de uma “Live” de prestação de conta dos primeiros 100 dias da administração, com a presença de secretários municipais e jornalistas.

Mário Celso ainda afirmou que todo o processo de construção do Hospital acontecerá em no máximo 100 dias de obras, quebrando outro tabú das administrações públicas que é a demora no tempo de implantação. A exemplo, existem obras no município que atravessaram três gestões até serem concluídas no governo de Mário Celso, com o caso da Cozinha Piloto já concluída e da Piscina Olímpica, em fase de conclusão.

“É possível imprimir o conceito de eficiência das empresas provadas dentro do setor público sim. Disseram que um homem do setor privado com o eu não se acostumaria com a gestão pública, mas pelo contrário, estou curtindo bastante esta experiencia”, disse Mário Celso aos internautas.

Além de completar o sistema de saúde na cidade, Mário Celso acredita que a implantação do Hospital será o ponto de partida para a implantação de um curso de medicina para Andradina uma área também tem sido bem estudada pela administração pública.     

 

O Projeto

Todo o projeto será realizado com recursos do próprio orçamento da Saúde. Enquanto outros municípios do país tem na saúde um dos maiores desafios financeiros, a saúde andradinense goza de uma sanidade financeira capaz de projetar projetos como o do HMA (Hospital Municipal Andradinense), sem que haja dependência de emendas.  “Hoje a Saúde financeira da secretaria permite até que se compre antecipando 50% do pagamento aos fornecedores. “, afirmou Norival Nunes da Silva, Secretário Municipal de Fazenda, Planejamento,

Gestão Fiscal, Controladoria e Transparência.

O HMA será construído anexo ao UPA 24 Horas que deverá ser mantido como a porta de entrada do hospital municipal, projetado inicialmente para 30 leitos de enfermaria e 10 leitos na UTI. Seguindo o conceito de sustentabilidade defendido pelo prefeito, a construção será auto suficiente em energia elétrica de matriz fotovoltaica. 

Segundo o Secretário Municipal de Saúde, Dr João Leme, todo o planejamento na saúde é para preparar uma nova Andradina para o futuro, com 120 a 150 mil habitantes nos próximos 17 anos. “A construção das novas quatro Unidades Básicas de Saúde levam em conta esses pontos estratégicos onde Andradina tende a crescer em densidade populacional levando o atendimento básico a todos os cantos da cidade”, explicou João Leme.

 

Desafios Vencidos

Desde o primeiro dia do novo Governo na Saúde, foi iniciado um processo de reorganização do organograma interno permitindo economia e o saneamento das contas do setor.

“Estamos preparando a cidade para uma população três vezes maior e com o desafio de manter uma excelência de atendimento humanitário graças a troca de experiencias com o Hospital de Amor de Barretos”, explicou João Leme.

Com o setor organizado foi possível a implantação em tempo recorde de 22 leitos no CAC (Central de Atendimento ao Covid) e uma usina oxigênio. Isso associado a vacinação de 20% da população, média duas vezes maior que a média nacional, tem preparado Andradina para passar por esta pandemia com um suporte muito mais eficiente.

“O Estado nos disse que mandaria ajuda para o município. Mas não esperamos e fizemos a nossa parte em transformar o CAC e fazer tudo com os nossos próprios esforços e conseguimos fazer o melhor por nossa gente. Após o término chegou a ajuda, 25 tanques de oxigênio vazios. Já pensou se tivéssemos esperado”, disse Mário Celso.

Encontro é gratuito e aberto a todos os interessados

 

SÃO CARLOS/SP - Nesta segunda-feira, dia 12 de abril, o Programa de Pós-Graduação em Ciência Tecnologia e Sociedade (PPGCTS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) promove uma aula magna com o tema "Saúde Pública Atual", aberta a todo o público interessado. A atividade será transmitida pelo Youtube e as inscrições devem ser feitas pela Internet.

O evento online terá a participação de Bernardino Alves Souto, docente do Departamento de Medicina da UFSCar, e Raphael Mendonça Guimarães, pesquisador da Fiocruz, e será mediado por Vinício Carrilho Martinez, docente do Departamento de Educação da UFSCar e coordenadora do PPGCTS.

A aula será transmitida pelo canal do Encontros CTS no Youtube (encurtador.com.br/bcuGX), das 14 às 16 horas. Para inscrição e emissão de certificados, os interessados devem se inscrever pelo site https://bit.ly/3wEWAHB.

SERRANA/SP - A cidade de Serrana termina neste domingo (11) a vacinação em massa da população contra a covid-19. A cidade é parte de um estudo clínico do Instituto Butantan para medir a eficácia da CoronaVac, vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac.

A pesquisa avaliará a eficiência do imunizante na diminuição da taxa de transmissão do coronavírus na cidade. Entre os efeitos que serão analisados está a imunidade de rebanho.

Segundo o Butantan, as primeiras conclusões saem em maio, quando termina o período de 15 dias para que a imunização completa seja obtida.

A 1ª fase do chamado Projeto S foi finalizada em 14 de março. Foram vacinados 97,3% do público-alvo. Segundo balanço divulgado pelo instituto, 27.619 pessoas das 28.380 inscritas receberam a 1ª dose.

Os pesquisadores esperam números semelhantes na 2ª e última fase. Três dos 4 grupos em que os participantes foram separados já receberam a 2ª dose. O comparecimento foi de 94% no grupo verde, 93% no amarelo e 88% no cinza.

A cidade, de aproximadamente 45.600 habitantes, foi escolhida para o estudo por reunir 3 condições: número adequado de cidadãos para a pesquisa clínica, alta taxa de infecção e proximidade a um centro de pesquisa, em Ribeirão Preto.

A adesão ao estudo clínico foi voluntária. Todo morador com mais de 18 anos estava apto a ser vacinado, com exceção das grávidas, das lactantes e de pessoas com contraindicação médica.

Serrana bateu, em março, o recorde de mortes por covid: 19. Antes, o pior  mês tinha sido agosto de 2020, quando 16 pessoas por causa da doença. Dados da 1ª semana de abril apontam que a situação melhorou. Foram registradas duas mortes no período.

Informações da secretaria municipal de Saúde também mostram que a cidade vive um momento mais tranquilo. Há 3 semanas, davam entrada por dia nas UPAs (unidades de pronto atendimento) uma média de 90 pacientes com sintomas gripais e suspeita de covid-19. Agora, são 40.

 

 

*Por: PODER360

SÃO PAULO/SP - Com uma leve queda no número de novas internações, o governo de São Paulo decidiu não prorrogar a fase emergencial, que é um estágio mais restritivo e que vai se encerrar no domingo (11). No entanto, o governo paulista decidiu manter o estado na fase 1-vermelha do Plano São Paulo, onde somente serviços considerados essenciais podem funcionar. A fase 1-vermelha entra em funcionamento a partir da próxima segunda-feira (12) e vale até 18 de abril.

Desde o dia 6 de março, todo o estado de São Paulo está na fase 1-vermelha do Plano São Paulo. Mas como a taxa de isolamento não estava crescendo a níveis considerados satisfatórios, o governo endureceu ainda mais essa medida. Com isso, desde o dia 15 de março entrou em funcionamento no estado a fase emergencial, com medidas ainda mais restritivas. As aulas da rede pública foram suspensas, jogos de futebol paralisados e cultos e celebrações religiosas coletivas foram proibidos. Foi estabelecido um toque de recolher das 20h às 5h.

Apesar de avançar para a fase 1-vermelha, algumas medidas tomadas na fase emergencial serão mantidas nessa nova etapa. Cultos e celebrações religiosas coletivas, que são considerados atividades essenciais e poderiam funcionar na fase vermelha, continuarão proibidos no estado, atendendo ao que ficou decidido ontem no Supremo Tribunal Federal, em Brasília.

Também será mantida a recomendação de escalonamento de horário de trabalho para as atividades essenciais que estão permitidas nessa etapa. Segundo o governo, continuam valendo também o toque de recolher, estabelecido entre as 20h e 5h, e a recomendação de teletrabalho.

 

Futebol

Já os jogos de futebol e outros esportes, que estavam proibidos desde o dia 15 de março, poderão retornar agora, ainda sem a presença de público. Também vai ser permitido que os consumidores voltem a retirar suas encomendas diretamente nos restaurantes, shoppings e comércio. O consumo ou atendimento no local, no entanto, continua proibido. Outra mudança é que será permitido a abertura de lojas de materiais de construção.

Outra alteração anunciada pelo governo é a volta às aulas. As escolas da rede pública serão reabertas e as aulas presenciais serão permitidas a partir de 14 de abril, mas o retorno será gradual, com limite de ocupação de 35%.

O Plano São Paulo é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul). O plano divide o estado em 17 regiões e cada uma delas é classificada em uma fase do plano, dependendo de fatores como capacidade do sistema de saúde e a evolução da epidemia.

 

 

*Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil

O cadastro no site Vacinaja é o primeiro passo para imunização que começa neste sábado (10/04)


SÃO CARLOS/SP - A imunização contra a COVID-19 para os profissionais da educação com 47 anos ou mais que atuam nas escolas, desde a creche ao ensino médio, nas redes estadual, federal, municipais e privadas de São Carlos, começa neste sábado (10/04) em São Carlos.

Poderão ser imunizados profissionais que atuem nas escolas com funções como secretários, auxiliares de serviços gerais, faxineiras, mediadores, merendeiras, monitores, cuidadores, diretores, vice-diretores, professores de todos os ciclos da educação básica, professores coordenadores pedagógicos, além de professores temporários.

Para fazer a imunização o Departamento de Vigilância em Saúde da Prefeitura de São Carlos retirou no Departamento Regional de Saúde (DRS III de Araraquara) mais 6.270 doses da Coronavac, sendo 4.320 doses para idosos e 1.950 para a educação.
“Essas doses serão utilizadas para a imunização em segunda dose dos idosos de 72 a 74 anos e para os trabalhadores da educação a partir de 47 anos”, explica Crislaine Mestre, diretora de Vigilância em Saúde.

Os profissionais da educação devem fazer o cadastro no site https://vacinaja.sp.gov.br/educacao, com número do CPF, nome completo e e-mail. Em seguida, receberão um link no e-mail indicado e será necessário validá-lo para dar continuidade ao cadastro. É importante verificar se o e-mail não foi deslocado para a caixa de spam.

No passo seguinte, o profissional da educação deve confirmar os dados pessoais e apontar nome da escola, rede de ensino, município e cargo ocupado. Também será necessário anexar os holerites dos meses de fevereiro e março.

Na sequência, o cadastro passará por um processo de análise e, se validado, o profissional receberá em seu e-mail o comprovante VacinaJá Educação e este documento terá um QRCode para verificação de autenticidade.

No momento da vacinação, o profissional da educação deverá apresentar o comprovante Vacinaja Educação, RG e CPF para conferência dos dados pelo profissional de saúde. Caso o usuário não apresente o comprovante Vacinaja Educação ou o seu número de CPF não conste no comprovante apresentado, ele não poderá ser imunizado.

LOCAIS – Neste sábado (10/02) a vacinação dos profissionais da educação vai ocorrer somente nos dois postos volantes com sistema drive thru localizados na FESC, na Vila Nery e no Estádio do Luisão, na Vila Prado, das 9h às 13h. Durante a semana, além dos postos volantes, os profissionais da educação também podem procurar as unidades básicas de saúde do Santa Felícia com extensão na Escola Estadual Attilia Prado Margarido) da Vila São José (com extensão na E.E. Andrelino Vieira) da Redenção (com extensão na EMEB Carmine Botta), do Azulville e do Cidade Aracy. O horário nessas unidades será das 13h às 16h.

Na quarta-feira (14/04), excepcionalmente, as unidades básicas de saúde do Santa Felícia e da Vila São José também vão atender os profissionais da educação no período da manhã, das 9h às 13h.

Denise Braga, diretora do Departamento de Gestão e Cuidado Ambulatorial, disse que com o esquema montado não há necessidade de aglomeração. “Estamos colocando também as escolas como postos de apoio das maiores unidades básicas, caso das UBS’s da Redenção, Vila São José e Santa Felícia. Vamos atender a todas e todos, por isso é preciso calma para que não ocorra aglomeração”.

IDOSOS – Os idosos que precisam tomar a segunda dose e aqueles com 68 anos ou mais que ainda não se vacinaram devem procurar essas mesmas unidades durante a semana, porém no período da manhã, das 9h às 13h.

Projeto está na terceira fase e, em breve, resultados serão disponibilizados na Internet

 

SÃO CARLOS/SP - Estamos vivendo a pior pandemia de escala global. A Covid-19 continua fazendo milhares de vítimas por dia em todo o mundo. O Brasil, hoje, é o epicentro da doença, com o maior número de mortes diárias. Nesse cenário, as projeções a curto e médio prazos são de extrema relevância a fim de possibilitar a formulação de políticas públicas que minimizem os efeitos da doença no sistema de saúde.

Um grupo de pesquisadores de áreas diferentes, como Matemática, Ciência da Computação e Medicina, resolveu se unir para desenvolver o projeto "Acompanhamento de curvas de casos, mortes e internações por Covid-19: modelagem matemática, projeção futura e previsão de cenários", um projeto de modelagem de curvas que prevê notificações oficiais sobre a pandemia.

"A Matemática contribui no entendimento e uso das funções logísticas generalizadas. A Computação no uso de algoritmos genéticos para otimizar o valor dos parâmetros das funções logísticas generalizadas e também com algoritmos para detecção de novas ondas com base nos dados de média móvel de casos. E a Medicina para indicar o uso de parâmetros efetivos de transmissão, como exemplo, a taxa de transmissão de forma a verificar se as curvas estão em conformidade com os aspectos epidemiológicos esperados para a doença", explicou Ricardo Rodrigues Ciferri, docente do Departamento de Computação (DC) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Além dele, também integram o projeto Gil Vicente Reis de Figueiredo, docente aposentado do Departamento de Matemática (DM) da UFSCar e idealizador do projeto; José Antonio Salvador, docente do DM da UFSCar; Domingos Alves, docente do Departamento de Medicina Social da Universidade de São Paulo (USP); e o doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) pela UFSCar, Douglas Menegol Folletto.

O projeto, apoiado pelo Sindicato dos Docentes em Instituições Federais de Ensino Superior dos Municípios de São Carlos, Araras e Sorocaba (ADUFSCar), foi desenvolvido em fases. A primeira fase objetivou apenas representar as curvas de casos já ocorridas por meio de equações matemáticas. Pelo fato de a pandemia de Covid-19 ser composta de múltiplas ondas sucessivas e com sobreposição, diferente de outras pandemias e epidemias, Figueiredo propôs uma solução a partir da composição de várias ondas, cada qual representada por uma função logística generalizada. Apesar da ideia ser promissora, a solução ainda não conseguia representar adequadamente as curvas devido à dificuldade de se escolher valores mais adequados para os valores dos parâmetros das funções logísticas. Assim, Ricardo Ciferri entrou no projeto de forma a auxiliar no uso de soluções computacionais para identificar esses valores para os parâmetros das funções logísticas. Em seguida, Salvador foi integrado para ajustar os valores das funções logísticas generalizadas e também para ajudar na identificação de novas ondas. "A primeira fase do projeto foi desenvolvida com sucesso e conseguimos representar com muito boa precisão as curvas de casos por meio de ondas, cada qual representada por uma função logística generalizada", avaliou o professor do DC.

A segunda fase do projeto teve por objetivo fazer projeção futura, ou seja, estimar o valor esperado para acontecer nos próximos 30 dias. Como a projeção conseguida não foi satisfatória, surgiu a ideia de convidar, para integrar o projeto, o professor Alves, visando ajudar na qualidade da projeção. Nesse momento, o projeto está na terceira fase, que consiste em fazer previsões com base em cenários distintos, algo como, "se aumentar o percentual de vacinação de 9% para 90%, o que acontece com a estimativa futura?"

O projeto usa dados públicos de média móvel de 14 dias de casos, mortes, internações em enfermaria e internações em UTI, disponibilizados pelo Governo Federal e pelas secretarias estaduais de saúde. 

A projeção do modelo pode ser infinita, mas do ponto de vista de precisão, foram obtidos muito bons resultados com até 14 dias e bons resultados entre 20 e 30 dias. Na prática, os dados vêm sendo trabalhados com projeção futura de até 30 dias. 

"A pesquisa está em fase de execução de testes exaustivos para verificar a confiabilidade estatística do modelo. Executamos vários testes e tivemos resultados promissores, com precisão frequente de erro de menos de 2% para 14 dias e já tivemos casos de projeção de 25 dias com erro menor do que 7%. Um erro de até 15% é aceitável para esse tipo de problema. Para projeções de 30 dias, temos alcançado erro de 10%", afirmou.

Os resultados são divulgados por meio de relatórios emitidos semanalmente pela ADUFSCar. Em breve, serão disponibilizados pela Internet.

A pergunta que não quer calar: quais são as projeções para os próximos dias? Nada boas. "Segundo o nosso modelo estamos na quinta onda com pico de casos previstos entre 6 de abril e 10 de abril. O pico de mortes tem um deslocamento de 14 dias e, atualmente, está no meio da curva ascendente. Porém, com o feriado da Páscoa, provavelmente teremos a sexta onda e, com isso, a pandemia pode ter novamente duas ondas sobrepostas em momentos distintos (uma onda terminando e outra começando), cuja soma dos efeitos pode ser devastadora", concluiu o pesquisador.

SÃO CARLOS/SP - Os efeitos da pandemia na nossa saúde mental é tema que temos discutido, refletido e tentado remediar desde o inicio da COVID-19.  Porém, manter a saúde mental, depois de mais de um ano de tantas mortes, privações, frustrações e angústias não é tarefa fácil, e, diante disso, vemos o aumento significativo de casos de ansiedade e depressão.

Para além desses quadros clínicos, outro transtorno que tem demonstrado aumento significativo diante da pandemia é o Transtorno de Estresse Pós-Traumático.

Podemos até nos questionar: como viver o pós-traumático se a pandemia ainda não acabou? Infelizmente, vivemos esse momento em que, apesar de viver a situação crítica da  COVID-19, muitos já vivenciam o trauma causado por ela.

Mas afinal, o que é o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)?

O transtorno de estresse pós-traumático é um distúrbio de ansiedade que se desenvolve em indivíduos que foram expostos a situações violentas de risco à sua vida ou à vida de terceiros, gerando, assim, traumas extremos que podem alterar a forma como a pessoa pensa, sente e se comporta.

Os sintomas do TEPT são:

  • - Re-experiência traumática: lembranças frequentes do evento, por meio de pesadelos e flashbacks. Mesmo não querendo pensar sobre o trauma, o paciente se lembra dele e revive o episódio como se estivesse ocorrendo naquele momento e com a mesma sensação de dor e sofrimento vividos no passado.
  • - Ansiedade intensa e reações exageradas a estímulos gerando, alterações das respostas do dia-a-dia. Maior irritabilidade e hipervigilância, dificuldade de concentração, distúrbios do sono, taquicardia, sudorese, tonturas, medo, pavor, desinteresse em atividades, incapacidade de sentir emoções positivas, perda de memória de momentos significativos do evento;
  • - Esquiva e isolamento social para fugir de situações, contatos e atividades que possam reavivar as lembranças dolorosas do trauma.

Não é necessário apresentar todos os sintomas para o diagnóstico e os sintomas podem se manifestar em qualquer faixa etária. Portanto, as crianças também estão suscetíveis ao transtorno e merecem todo nosso cuidado.

Para todas faixas etárias os sintomas  podem aparecer até seis meses após uma experiência ou evento traumático e permanecem por no mínimo um mês. Além disso, vale ressaltar que pode haver situações de comorbidades, ou seja, outras condições patológicas podem estar presentes além do TEPT no indivíduo.

É necessário estar atento aos sintomas e, se necessário, buscar ajuda profissional para o diagnóstico adequado.

Lembre-se: cada um tem sua forma de reagir frente às situações que colocam a sua vida ou de alguém próximo em risco. Quem pode contar e avaliar o quanto a situação foi traumática para você é apenas você, portanto, fique atento aos sintomas após a vivência do estresse e, se precisar, procure ajuda profissional para diagnóstico e tratamento adequado.

 

*Texto escrito por: Thaise Fernanda Mendes Soares CRP: 06/128703

Programa Confortável Mente

Instagram@confortavelmente_psi

FacebookConfortável Mente

De 12 de abril a 10 de maio serão vacinados contra a H1N1 crianças, gestantes, puérperas, povos indígenas e trabalhadores da saúde. A vacinação para idosos começa em 11 de maio

 

SÃO CARLOS/SP - A 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe de 2021 começa na próxima segunda-feira, dia 12 de abril, em todo o país. A imunização se estende até 9 de julho. Esse ano o Ministério da Saúde dividiu a campanha em três etapas, sendo que inicialmente serão vacinadas crianças (de 6 meses a menos de 6 anos), gestantes, puérperas (pessoas que tiveram filho há pouco tempo), povos indígenas e trabalhadores da saúde. A primeira etapa vai até o dia 10 de maio.
Em São Carlos a vacinação desta primeira fase será realizada nas unidades básicas de saúde (UBS’s) do Delta, Santa Paula, Vila Nery, Maria Stella Fagá, Botafogo e Cruzeiro do Sul, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 15h30.

As Unidades de Saúde da Família (USF’s) vão aplicar tanto as vacinas contra a COVID-19 quanto a da gripe, porém com agendamento.“Como as unidades de saúde da família conhecem sua população, vão fazer contato com as pessoas e organizar para alguns dias vacinar COVID e outros vacinar gripe, e assim conseguir vacinar toda a população do território de cada unidade”, explica Denise Braga, diretora do Departamento de Gestão e Cuidado Ambulatorial, lembrando que todos os protocolos sanitários serão cumpridos em todas as unidades e que não há necessidade de aglomeração.

A segunda etapa vai de 11 de maio a 8 de junho e contempla idosos (com 60 anos ou mais) e professores das redes pública e particular de ensino. Já a última etapa da campanha, a ser realizada entre 9 de junho a 9 de julho, contemplará pessoas com comorbidades (hipertensão, diabetes, asma, entre outras) ou deficiências permanentes, assim como caminhoneiros e trabalhadores do transporte coletivo rodoviário e portuário, membros das forças de segurança e do Exército, além de funcionários do sistema prisional. A população privada de liberdade e adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas também serão imunizados nesta fase.  

A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório e é de alta transmissibilidade. A estratégia de vacinação contra a influenza foi incorporada no Programa Nacional de Imunizações (PNI) em 1999, com o propósito de reduzir internações, complicações e óbitos na população-alvo. 
Crislaine Mestre, diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, disse que as doses da vacina contra a gripe para a primeira etapa da campanha chegam no próximo sábado (10/04). “Em 2020, imunizamos 70.869 pessoas em São Carlos, com cobertura vacinal de 80,54%. Foi o ano com mais procura pela vacina, uma vez que a pandemia já tinha começado, mas nossa meta é sempre alcançar 90% do público alvo”, explica a diretora.

Entre os 70.869 imunizados em 2020, 33.204 estavam no grupo de idosos (113,48%), 8.927 profissionais da saúde (113,95%), 6.863 crianças (41,57%), 963 gestantes (40,96%), 214 puérperas (55,30%). Também já foram imunizados 1.348 professores (redes pública e particular), 2.887 adultos de 55 a 59 anos, 6.640 pessoas da força de segurança e salvamento, 13.726 pessoas com comorbidades e dos demais grupos outras 2.073 pessoas.

O Ministério da Saúde ressalta que neste momento é importante que seja priorizada a administração da vacina contra a COVID-19, mesmo para as pessoas contempladas no grupo prioritário da Influenza. A Norma Técnica do Ministério da Saúde diz que o intervalo mínimo entre as imunizações deve ser de 14 dias entre as vacinas.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Abril 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Comércio e Serviços em Geral