fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Universidade e ONG mantêm parceria desde 2018

 

SÃO CARLOS/SP - Estão abertas, até o dia 18 de agosto, as inscrições para projeto de extensão realizado em parceria entre a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e a ONG Ecofalante que tem como objetivo aproximar a comunidade da Universidade de material audiovisual produzido em todo o mundo, sintetizado e exibido na mostra Ecofalante.
Os inscritos do Cine Ecofalante edição 2020 irão assistir a quatro documentários selecionados pelo projeto, nas datas, horários e plataformas disponíveis pela 9ª Mostra Ecofalante de Cinema (ecofalante.org.br.), que se encerra no dia 20 de setembro. 
"Ocorrerão quatro encontros via Google Meet que continuamos chamando de roda de conversa, já que o propósito é compartilhar as ideias e reflexões críticas. Aliás, quando pensamos em qual é a contribuição dessa atividade para os alunos, temos que ressaltar a necessidade de preservação da universidade pública como um espaço de criação participativa e coletiva de um conhecimento universal que é vivo e reflexivo. Os temas dos documentários estão na vanguarda, portanto colocam professores e estudantes diante de uma realidade em movimento", afirma Alice Peres, docente do Centro de Ciências da Natureza (CCN) do Campus Lagoa do Sino da UFSCar e coordenadora do projeto.
Os documentários selecionados são renomados, premiados em festivais internacionais e atendem a diferentes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU). Os encontros serão mediados por Peres e haverá certificado de participação. Podem se inscrever servidores docentes, técnico-administrativos e estudantes dos quatro campi da UFSCar por meio deste formulário (https://forms.gle/GcN1HBzAShANwcTf6). Mais informações, como lista de filmes e cronograma de exibição, podem ser obtidas no mesmo formulário.

Mostra Ecofalante de Cinema
Está aberta e acontece até o dia 20 de setembro a 9ª Mostra Ecofalante de Cinema. São 98 filmes e oito debates disponíveis gratuitamente online. Toda a programação pode ser acessada no site ecofalante.org.br. A Ecofalante é uma ONG que atua nas áreas de Cultura, Educação e Sustentabilidade produzindo filmes e documentários. A ONG firmou acordo de cooperação técnico-educacional com a UFSCar e desde 2018 vem disponibilizando para toda a comunidade da Universidade o acesso ao seu conteúdo audiovisual.

"Quarentena" é uma produção do Laboratório Aberto de Interatividade da UFSCar

 

SÃO CARLOS/SP - O podcast "Quarentena", produzido pela equipe do Laboratório Aberto de Interatividade para a Disseminação do Conhecimento Científico e Tecnológico (LAbI) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), chegou nesta semana (em 12 de agosto) à marca significativa de 150 dias ininterruptos no ar. "Quarentena" traz, diariamente, as principais notícias, recomendações e, também, entrevistas sobre a Covid-19, com cientistas e outros profissionais de todo o Brasil.

Apresentado pelos jornalistas Mariana Pezzo e Tárcio Fabrício, o podcast tem foco em informação de qualidade e nas pesquisas relacionadas ao cenário da pandemia.
"Nós começamos o podcast praticamente junto com o distanciamento, quando nos vimos trabalhando em casa e precisando rapidamente pensar em como reorganizar a equipe para colocar a nossa experiência em divulgação científica e os nossos esforços a serviço do enfrentamento da pandemia. Não tínhamos, naquele momento, a dimensão do alcance que ele ganharia em um cenário que acabou se configurando como de excesso de informações e, muito especialmente, de informações fragmentadas, muitas vezes desencontradas e de má qualidade, quando não deliberadamente equivocadas ou falsas", conta Fabrício, que realiza pós-doutorado com pesquisa sobre divulgação científica no Departamento de Física (DF) da UFSCar e é Coordenador de Conteúdo do LAbI.

"É claro que de vez em quando pensamos se é hora de parar, não só pelos desafios envolvidos na manutenção de um produto diário, mas também por imaginar que o interesse pelo tema vá diminuindo com o tempo. Mas aí chega alguma mensagem do nosso público, e muitas nos dizem como o podcast é não só uma referência de informação confiável, mas também fonte de algum alento, de um pouco de segurança nesta situação que causa a sensação de impotência ou desesperança, e nós seguimos", compartilha Pezzo, que divide a coordenação do Laboratório com Adilson Jesus Aparecido de Oliveira, docente do DF.

"O LAbI já tem 14 anos de atuação na divulgação científica, e nosso compromisso com a democratização do acesso ao conhecimento e a ampla difusão de informações de qualidade, baseadas em evidências científicas, nos guiou na rápida estruturação para produção de materiais voltados ao contexto da pandemia. Por outro lado, estes meses têm nos mostrado quantos desafios permanecem na promoção de uma relação mais próxima, produtiva e de diálogo entre Ciência e público, e estamos muito motivados para incorporar esses aprendizados à nossa prática e aos nossos projetos futuros", complementa Oliveira.

Os episódios de Quarentena, com cerca de 40 minutos cada, vão ao ar diariamente no início da noite, inclusive aos finais de semana. Eles estão disponíveis no site do LAbI (www.labi.ufscar.br) e, também, nos principais agregadores de podcasts e serviços de streaming, como Spotify, iTunes, Deezer, Google Podcasts, TuneIn e outros. O podcast mantém, além das características já mencionadas, quadros fixos em parceria com o docente do Departamento de Medicina (DMed) da UFSCar Bernardino Geraldo Alves Souto, que aborda as principais dúvidas do público em relação a aspectos diversos da pandemia, e com o Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da UFSCar, que tem promovido reflexões sobre o momento na perspectiva sociológica.

O podcast deu origem também ao "Quarentena ao Vivo", programação semanal de debates no formato de lives, transmitidas pelas redes sociais do LAbI - Facebook e canal ClickCiência no YouTube. Os projetos têm o apoio do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) e do Centro de Inovação em Novas Energias (Cine), ambos centros de pesquisa vinculados à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Além do podcast, o LAbI também já produziu mais de 100 vídeos de divulgação científica no contexto da pandemia, e toda essa produção pode ser conferida no site do Laboratório, em www.labi.ufscar.br.

Primeira edição tem participação de estudante do curso de Música da Instituição

 

SÃO CARLOS/SP - Durante a pandemia de Covid-19, as atividades presenciais estão suspensas na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O isolamento social mudou o dia a dia das pessoas, mas não foi capaz de parar a arte. Para ampliar a vivência artística da comunidade universitária, mesmo na pandemia, a Instituição lança o projeto "Arte na Universidade".
"Uma exposição virtual das manifestações artísticas da comunidade universitária". É como Rochele Amorim Ribeiro, Coordenadora de Cultura da UFSCar, define o projeto. "A ideia é criar um espaço para divulgação de toda a riqueza e diversidade artística produzida por estudantes e servidores da UFSCar. Música, dança, teatro, fotografia, pintura e outras manifestações que possam ser expostas virtualmente. Vale para artistas já consolidados e para aqueles que cantam para alegrar o fim de tarde. A arte é uma inspiração ao nosso dia a dia; a arte não pode parar", conclui Ribeiro.
A primeira edição do "Arte na Universidade" apresenta uma produção musical que conta com arranjo de Pedro Pereira, estudante do curso de Música da UFSCar. Pedro Pereira e Luiz Henrique Ferreira, estudante da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que compôs a música, adaptaram sua expressão artística ao novo momento: chamaram os amigos e, cada um de sua própria casa, gravaram um vídeo que mostra muito do que todos estão vivendo neste momento de isolamento social: a saudade.
Saudade das aulas presenciais e abraços? Na primeira edição do "Arte na Universidade" desfrute um pouquinho da música "Saudade" (https://bit.ly/2PYSt5b), de Luiz Henrique Ferreira e arranjo de Pedro Pereira. 

Confira
Entrevista com Pedro Pereira e Luiz Henrique Ferreira: https://bit.ly/31JBJnV
Íntegra da música "Saudade", com produção em isolamento social: https://bit.ly/2PYSt5b

Participe As pessoas interessadas em divulgar suas manifestações artísticas no projeto "Arte na Universidade" devem apresentar proposta à Coordenação de Cultura (CCult) da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), encaminhando e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., com o link para o trabalho (fotos, vídeos, músicas, poemas, etc.) que já deve estar publicado em redes sociais ou plataformas de compartilhamento de conteúdo online e pequena descrição do próprio material e de seus autores. Todos os integrantes da comunidade universitária da UFSCar podem participar, e será dada preferência a manifestações autorais.

Constatação foi apontada em revisão clínica de grupo de pesquisa da UFSCar

 

SÃO CARLOS/SP - "A obesidade predispõe as crianças e adolescentes obesos a terem complicações da Covid-19 e é fato que a obesidade é crescente entre esse público", afirma o professor Carlos Alberto Nogueira-de-Almeida, do Departamento de Medicina (DMed) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). O docente coordena o grupo de pesquisa "Centro de Investigação em Nutrologia e Saúde (Cinus)", que fez uma revisão clínica recente sobre a relação entre a obesidade infantil e as complicações da Covid-19. O artigo foi publicado no periódico Jornal de Pediatria, renomada revista internacional na área.

O principal objetivo do trabalho foi identificar fatores que contribuem para o aumento da suscetibilidade e gravidade da Covid-19 em crianças e adolescentes obesos e suas consequências para a saúde. O professor da UFSCar aponta que a obesidade é uma comorbidade de alta prevalência nos casos graves de Covid-19 em crianças e adolescentes. De acordo com ele, o excesso de tecido adiposo, déficit de massa magra, resistência à insulina, dislipidemia (colesterol elevado no sangue), hipertensão, níveis elevados de citocinas pró-inflamatórias e a baixa ingestão de nutrientes essenciais são fatores que comprometem o funcionamento de órgãos e sistemas dos indivíduos obesos. 

Nogueira-de-Almeida afirma que, somados a esses fatores, também há prejuízos dos sistemas imunológico, cardiovascular, respiratório e urinário e modificação da microbiota intestinal. Os prejuízos desse quadro podem causar complicações nos casos de infecção pelo novo Coronavírus. "Essas alterações orgânicas advindas da obesidade podem potencializar a necessidade de assistência ventilatória, risco de tromboembolismo, redução da taxa de filtração glomerular, alterações na resposta imune inata e adaptativa e perpetuação da resposta inflamatória crônica", completa o professor da UFSCar.

Além das medidas protetivas já preconizadas no combate à Covid-19, o docente destaca a necessidade dos profissionais da Saúde realizarem avaliação nutricional para diagnóstico do excesso de peso e o rastreamento de comorbidades associadas à obesidade para garantir a efetividade do tratamento contra a Covid-19. "É preciso que os profissionais da Saúde dosem os níveis de imunonutrientes para avaliar a necessidade de suplementação, deem orientações às famílias e determinem, quando necessário, o encaminhamento a unidades hospitalares aptas ao atendimento de crianças e adolescentes obesos", defende.

Os resultados do trabalho realizado pelo Cinus foram publicados no artigo "Covid-19 e obesidade na infância e adolescência: uma revisão clínica", que pode ser acessado no link https://bit.ly/3kC2G5j. O Cinus é um Diretório de Pesquisa alocado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e na UFSCar, e inclui professores e estudantes da Instituição e da Universidade de São Paulo (USP).

Live no dia 17 de agosto terá a presença das ex-diretoras da BCo relembrando acontecimentos que marcaram essa história

 

SÃO CARLOS/SP - No dia 17 de agosto de 1995, foi inaugurada e entrou em funcionamento a Biblioteca Comunitária (BCo) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Instalada em um complexo com 9 mil m² - onde se localiza, além da própria Biblioteca, o Teatro Universitário Florestan Fernandes, os Auditórios da BCo, a Coordenadoria de Apoio a Eventos Acadêmicos (CAEv) e a livraria da Editora da UFSCar (EdUFSCar) -, a sua inauguração ocorreu logo após a transferência do acervo da antiga Biblioteca Central da UFSCar, local onde atualmente se encontra o prédio do Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH) da Instituição.
O projeto da Biblioteca Comunitária foi caracterizado como pioneiro entre as universidades federais, pois previa que a BCo deveria ser um centro referencial, que garantisse o uso e o acesso a informações em todos os níveis e para todos os fins, atendendo diversos grupos de usuários. O objetivo era democratizar o espaço físico, o acervo, os serviços e produtos, servindo como canal catalisador da informação gerada e armazenada na Universidade. 
Atualmente, após 25 anos de existência, a BCo vem cumprindo com esse objetivo, sendo uma Biblioteca aberta a todos os públicos, que disponibiliza recursos bibliográficos, informacionais e tecnológicos e acesso à informação aos discentes, docentes e técnico-administrativos da Universidade e, também, à população de São Carlos e região, que podem realizar cadastro e, assim, empréstimo de obras.

Evento de comemoração
Para comemorar o aniversário de 25 anos, a Biblioteca Comunitária realiza, na próxima segunda-feira, dia 17 de agosto, uma live com a presença de suas ex-diretoras. O intuito é detalhar essa história e também relembrar acontecimentos, curiosidades e eventos que ocorreram ao longo deste um quarto de século de existência da Unidade. O bate-papo contará com a participação das bibliotecárias Lourdes Moraes, Ligia Maria Silva e Souza, Camila Cassiavilani, Eliane Colepicolo e Marisa Cubas Lozano.
O evento é gratuito, aberto às pessoas interessadas e acontecerá a partir das 15 horas, via Google Meet, pelo link meet.google.com/xxv-hyxy-qvi.

Iniciativa do InformaSUS da UFSCar continua com inscrições abertas até 30 de setembro

 

SÃO CARLOS/SP - Estão abertas as inscrições no Festival Cultural CultivAR-TE, iniciativa do projeto InformaSUS da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), que acontece até o dia 30 de setembro, com o objetivo de evidenciar a importância da cultura no cuidado de si e do outro em interface com a saúde mental. O Festival é virtual e as inscrições são gratuitas. As obras artísticas podem ser inscritas por quaisquer interessados nas categorias Artes Visuais; Fotografia; Dança; Literatura; Artes cênicas; Performance; Audiovisual e Música. 

A proposta do CultivAR-TE é abrir um espaço que permita a livre expressão, a produção de vida e o olhar para si sob a perspectiva da autonomia, da participação e da inclusão social. Além disso, diante da pandemia da Covid-19 e seus impactos na sociedade, o Festival pretende apresentar diferentes vivências cotidianas durante esse momento, valorizando a multiplicidade de formas de expressão e cuidados. Nesse contexto, os eixos temáticos do Festival são: Retratos do isolamento e distanciamento social; Resiliência em tempos de pandemia; O cuidado de si e do outro; e Permanências e transformações da cultura. 

Os trabalhos serão considerados na sua relação com o eixo temático proposto e de acordo com a expressividade, sensibilidade e criatividade. O período de inscrição segue ao longo de todo o Festival (até 30 de setembro). A submissão das propostas por eixos temáticos deve ser feita no link https://bit.ly/3iNLjxG.

Obras selecionadas
Das obras que foram inscritas desde o início do Festival, em julho, 26 foram selecionadas e já estão no site para apreciação do público. São registros de artes visuais, fotografias, danças, produções literárias e composições musicais adequadamente associadas aos eixos temáticos do CutivAR-TE. Confira na Galeria Virtual do InformaSUS (em www.informasus.ufscar.br).

O edital e outras informações sobre o CultivAR-TE também podem ser acessados no site www.informasus.ufscar.br. Contatos pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Tecnologia que detecta o câncer de cabeça e pescoço poderá ser adaptada para o diagnóstico da Covid-19

 

SÃO CARLOS/SP - Os biomarcadores são compostos presentes em fluídos corporais como no sangue, urina, saliva ou lágrima e podem ser utilizados para o diagnóstico de diversos tipos doenças. Para alguns biomarcadores - como as proteínas -, há métodos de detecção amplamente disponíveis, entretanto, novos e promissores biomarcadores necessitam de técnicas mais sofisticadas que estão disponíveis em poucos centros especializados nas grandes cidades, o que restringe seu uso. Pensando nessa questão de saúde mundial, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em parceria com o Centro de Pesquisa em Oncologia Molecular (CPOM) do Hospital de Amor de Barretos, desenvolveu um método mais simples que o usual para detectar microRNAs (miRNAs), importantes biomarcadores para o diagnóstico de diversas doenças, identificando, neste caso, o câncer de cabeça e pescoço, e com possibilidade de ser adaptado, inclusive, para o diagnóstico da Covid-19. O dispositivo é feito com materiais descartáveis de baixo custo, capaz de detectar o biomarcador miRNA associado aos cânceres de cabeça e pescoço com a mesma precisão dos diagnósticos realizados atualmente. 

Intitulada "Sensor eletroquímico descartável para quantificação de miRNA para o diagnóstico de doenças e método de obtenção e de quantificação", a patente de autoria dos pesquisadores Ronaldo Censi Faria, Orlando Fatibello Filho, Fernando Henrique Cincotto e Wilson Tiago da Fonseca, do Departamento de Química (DQ) da UFSCar, junto de Matias Eliseo Melendez, Ana Carolina de Carvalho Peters e André Lopes Carvalho, do Centro de Pesquisa em Oncologia do Hospital de Amor de Barretos, é uma proposta de dispositivo confeccionado com materiais simples - tais como plásticos, tintas condutoras, folhas de impressora a laser (transparências), impressora de recorte, adesivos vinílicos e outros materiais de papelaria - que realiza o diagnóstico do câncer com a mesma precisão dos métodos atuais. 

De maneira geral, os cânceres de cabeça e pescoço se referem a qualquer neoplasia que atinge a mucosa da via aerodigestiva superior - compreendida pela boca, faringe e laringe, sendo o carcinoma epidermoide o mais frequente. Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em geral os tumores de cabeça e pescoço são mais frequentes em homens na faixa dos 60 anos de idade e representam o segundo tipo da doença com maior incidência na população masculina e o quinto mais comum entre as mulheres. Considerando a especificidade de cada sintoma e tratamento, cientistas do mundo todo se dedicam a descoberta de fármacos e mecanismos de cura, mas até atualmente, uma das principais formas de obter sucesso no tratamento é identificar o tumor em estágios iniciais, o que reforça a importância do diagnóstico precoce. 
De acordo com o inventor Wilson Fonseca, para o desenvolvimento da tecnologia, foram analisadas 18 amostras de pacientes separados em grupo controle (que não possuem a doença) e grupo afetado (que possuem câncer de cabeça e pescoço). Com isso, o dispositivo eletroquímico descartável mediu o sinal e ofereceu uma resposta como um glicosímetro - dispositivo utilizado para a medição da glicose - detectando a biomolécula miRNA-203 (biomarcador) em amostras de pacientes com a doença apresentado um sinal diferente dos pacientes que não possuíam a doença. A partir daí, os resultados foram comparados com os dados dos mesmos pacientes que tinham sido submetidos ao método padrão RT-PCR, retificando o diagnóstico de câncer de cabeça e pescoço. "A patente detecta a biomarcador miRNA-203 em amostras de linfonodos através de ensaios com partículas magnéticas, nanopartículas de ouro e sondas de DNA que possibilitam a captura do biomarcador e sua inserção no dispositivo, por meio do qual é medido o biomarcador eletroquimicamente, gerando uma resposta quando o paciente é portador da doença", esclarece. 

Levando cerca de nove meses para ser desenvolvida, fruto de sua tese de doutorado, Fonseca explica que o diferencial da tecnologia é a utilização de um método alternativo de baixo custo para o diagnóstico através da detecção de biomarcadores miRNA, isso porque o método padrão RT-PCR para detectar este tipo de câncer é caro e utiliza equipamentos maiores. "O método que propomos não utiliza ultrassonografia, ressonância magnética, e nem medidas em RT-PCR, portanto, seu diferencial em relação a outros métodos atuais é o fato de ser um dispositivo descartável confeccionado com materiais simples de papelaria e que possibilita a portabilidade, uma vez que atualmente os exames são feitos em laboratórios com equipamentos difíceis de se transportar (em virtude de sua dimensão e peso). Além disso, alcançamos elevada sensibilidade detectando a molécula em níveis de concentração bastante baixos, o que a torna promissora ao mercado", diz ele. 

A tecnologia ainda não está disponível no mercado porque os pesquisadores carecem de investimentos e parceiros que atuem em cooperação para aprimorar ainda mais o dispositivo na área eletrônica, tornando-o menor e ainda mais portátil como o glicosímetro. A expectativa é que, além de diferentes tipos de câncer, ele possa detectar doenças como o HIV, artrite reumatoide, fibrose hepática, e doenças virais, como a Covid-19. 

Assim, atualmente, além do objetivo de inserir essa tecnologia no mercado mundial, o grupo de pesquisadores investe no desenvolvimento de biossensores, imunossensores e sensores de baixo custo para o diagnóstico de doenças humanas e doenças de plantas, focando sempre no diferencial de baixo custo, medidas in loco/portabilidade e praticidade de descarte após o uso. Em momento de pandemia e isolamento mundial, o grupo de Ronaldo Faria segue atuando em projetos de pesquisa voltados para o diagnóstico da Covid-19. 

Essa tecnologia está disponível para licenciamento e as informações podem ser conferidas no site da Agência de Inovação (AIn) da UFSCar em www.inovacao.ufscar.br.

Contrato com a empresa responsável pela obra foi assinado em 7/8 e o serviço começa na próxima semana

 

SÃO CARLOS/SP - Na última sexta-feira, dia 7 de agosto, foi assinado o contrato com empresa responsável pela construção do Bloco D do Hospital Universitário da Universidade Federal de São Carlos (HU-UFSCar/Ebserh). As obras terão início a partir da próxima semana e a finalização está prevista em dois anos.

O Bloco D irá abrigar serviços de apoio técnico e logístico. Serão 4.578,50 m² de área construída com vestiários/higiene, refeitório, cozinha, central de distribuição de medicamentos, almoxarifado, laboratório de anatomia patológica, necrotério, rouparia, manutenção predial e engenharia clínica, além de espaço para carga e descarga e para abrigo de resíduos.

Essa estrutura foi levantada em 2010, mas a obra foi paralisada. Com a gestão do HU pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), elaborou-se um plano de investimentos para a retomada da construção. Como a estrutura é antiga, algumas modificações serão realizadas, de forma que se cumpra a legislação vigente e as normas de segurança, prevendo, também, a eficiência do espaço em relação aos serviços que serão ofertados ali.

O valor da obra é R$ 9,035 milhões com recursos provenientes do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), gerido pela Ebserh. De acordo com Ângela Leal, Superintendente do HU, "a obra é fundamental para abrigar serviços de apoio à recente expansão do Hospital".

Trabalho pode auxiliar no aprimoramento de estudos aplicados como, por exemplo, na área de produção de medicamentos

 

SÃO CARLOS/SP - Em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), botânicos especialistas na família Myrtaceae - à qual pertencem, por exemplo, a pitanga, a jabuticaba e a goiaba - estudaram as populações associadas à Myrcia splendens, uma espécie muito comum de guamirim (pequeno arbusto) que ocorre tanto na Amazônia quanto em outros biomas da América tropical. A hipótese - confirmada pelo estudo - era de que o nome Myrcia splendens estava sendo aplicado para mais de uma espécie nas áreas abrangidas pelo Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais (PDBFF).
"Muito se fala em espécies de plantas tropicais abundantes e amplamente distribuídas. Contudo, é preciso considerar que talvez cada uma delas seja, na verdade, um conjunto de espécies muito parecidas e difíceis de separar visualmente. É comum que a esse agrupamento seja atribuído um só nome, criando as chamadas 'espécies hiperdominantes' e subestimando a diversidade das nossas florestas", explica a professora Fiorella Fernanda Mazine Capelo, do Departamento de Ciências Ambientais (DCA-So) do Campus Sorocaba da UFSCar.
Segundo ela, a identificação correta de qualquer espécie é importante porque cada uma pode ter propriedades diferentes. "É uma etapa crítica em estudos aplicados como, por exemplo, os farmacêuticos. Se você descobre determinada propriedade em uma planta, é importante que somente exemplares dessa espécie sejam utilizados para extraí-la, pois a utilização de outra espécie, mesmo que morfologicamente parecida ou evolutivamente próxima, pode não trazer o mesmo resultado. Falando em medicamentos, utilizar plantas de outra espécie pode ter até efeitos danosos", esclarece Mazine. "No gênero Myrcia, há indícios de potencial farmacêutico em algumas espécies, como por exemplo aquelas popularmente conhecidas como pedra-ume-caá­, ainda pouco estudadas", acrescenta.
Esse tipo de pesquisa, diz Mazine, "faz parte do grande esforço por parte dos botânicos para inventariar a biodiversidade brasileira, ainda pouco conhecida em muitas regiões, inclusive na Amazônia. Ele representa um passo a mais na organização das plantas em compartimentos organizados  - que são as espécies e grupos de espécies - para que elas sejam primeiro conhecidas e, posteriormente, utilizadas em outras áreas das ciências. Ou seja, é um estudo de base, mesmo sendo multidisciplinar, que abre caminho para estudos aplicados".
Além da UFSCar, a iniciativa contou com a parceria do Laboratório de Botânica Amazônica (Labotam) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), e foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) no período de 1º de novembro de 2018 a 30 de junho de 2019. Os pesquisadores estudaram tanto a morfologia externa quanto a espectroscopia das folhas na região do infravermelho-próximo, que reflete a composição interna dos tecidos e tem sido utilizada para distinguir espécies amazônicas com sucesso. "Na descrição de uma espécie nova, o botânico traz características diagnósticas, ou seja, características morfológicas que ajudam na sua correta identificação. Na Amazônia grande parte das espécies de planta ainda são desconhecidas para a ciência, portanto, antes de qualquer estudo aplicado, precisamos primeiro descrevê-las e dar nomes a elas", diz a docente.

Resultados
Nesse trabalho, três espécies foram consideradas novas para a ciência e batizadas de Myrcia eveaeM. otocalyx e M. prismatica. As espécies novas variam de pequenas arvoretas a árvores de 18 metros de altura. Todas têm folhas simples, opostas e não apresentam látex ou resina; contudo, suas folhas têm glândulas translúcidas que podem ser vistas como pontos brilhantes se forem posicionadas contra a luz. "A diferenciação morfológica entre elas é complexa e precisa ser feita com base tanto em suas folhas quanto suas flores e frutos, que são posicionados em inflorescências ou infrutescências bastante ramificadas e com eixos longos", detalha Mazine. Além disso, o comportamento espectral das folhas - a quantidade de raios absorvida, refletida ou que atravessa o tecido vegetal - se mostrou diferente para cada espécie, reflexo das diferenças entre as substâncias dos tecidos foliares de cada uma. 
À UFSCar coube a realização do experimento, feito por Paulo Henrique Gaem, então aluno do curso de Engenharia Florestal da Universidade, sob orientação de Mazine e de Alberto Vicentini, do Inpa. Em linhas gerais, as etapas para realizar esse tipo de estudo compreendem a coleta de amostras das plantas em campo, a secagem em estufa e a identificação com utilização de bibliografia especializada ou comparação com espécimes de coleções (herbário); caso não haja correspondência, é feita uma descrição da espécie nova, a partir de características morfológicas, e comparação com outras semelhantes e evolutivamente próximas. Nas etapas seguintes, são realizadas leituras de absorbância das folhas no espectrofotômetro; e comparados estatisticamente os espectros para verificar semelhanças ou diferenças entre espécies.
O artigo "Three new Amazonian species of Myrcia sect. Myrcia (Myrtaceae) based on morphology and near-infrared spectroscopy", com os resultados da pesquisa, foi publicado no periódico internacional Phytotaxa e pode ser acessado no link https://bit.ly/31q70fc. Mais informações pelo e-mail do pesquisador Paulo Henrique Gaem (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.).

Organizado por estudantes da UFSCar e USP, o "Parar para Doar" será um piloto para as próximas atividades do projeto

 

SÃO CARLOS/SP - O Projeto Operação Natal realiza no dia 15 de agosto, das 9 às 18 horas, em São Carlos, a ação "Parar para Doar", um piloto para a arrecadação de donativos e produtos de higiene pessoal e de limpeza, no modelo drive-tru. As doações serão revertidas para as instituições Acorde e Anália Franco da cidade. A ação será realizada no recuo da Avenida Trabalhador São-carlense, abaixo da ponte da Avenida São Carlos, próximo à Rodoviária.

A Operação Natal é um projeto de extensão criado em 2006, pelo Programa de Educação Tutorial (PET) da Engenharia de Produção, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atualmente, o projeto de extensão (nº 23112.009333/2020-94) é coordenado pela docente Denise Balestrero Menezes, do Departamento de Engenharia Civil (DECiv) da UFSCar, e organizado por estudantes da própria UFSCar e da Universidade de São Paulo (USP). O projeto tem como missão espalhar a magia do Natal por meio de uma atuação sinérgica e de ações de responsabilidade social que impactam a vida de pessoas socioeconomicamente vulneráveis.

O "Parar para Doar" será o primeiro movimento deste ano e vai auxiliar a Operação Natal na organização de eventos maiores ainda em 2020. "Estamos em ano atípico, não podemos gerar aglomerações e nem fazer o ‘casa a casa’. Estamos inovando para continuar os nossos propósitos, seguindo todas as medidas de proteção sanitária", diz Isadora Bonetto Ferrari, uma das estudantes coordenadoras do projeto. 

Para contribuir, basta parar o carro e entregar a doação. Quatro integrantes do projeto, com os equipamentos de proteção individual necessários, receberão os donativos. Podem ser doados macarrão, enlatados, feijão, óleo, molho de tomate, farinha, fubá, arroz, leite, itens de higiene pessoal (sabonete, pasta de dente, absorvente, papel higiênico e shampoo) e produtos de limpeza (desinfetante, água sanitária e detergente). 

Em 2019, a Operação Natal realizou inúmeras atividades de arrecadação de donativos e 5.865 pessoas de várias instituições da cidade foram beneficiadas. Outras informações podem ser conferidas na página do projeto no Facebook (facebook.com/operacaonatalsc).

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30