fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Mestrado profissional é desenvolvido em rede nacional, e UFSCar tem vagas em São Carlos e Sorocaba

 

SÃO CARLOS/SP - Até o dia 18 de dezembro, às 17 horas, estão abertas as inscrições no exame nacional de acesso para ingresso em 2021 (ENA 2021) no Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (Profmat). O curso tem como objetivo proporcionar formação matemática aprofundada relevante para o exercício da docência na Educação Básica, especialmente a docentes de escolas públicas que buscam aprimoramento.
O Profmat é desenvolvido por meio de uma rede de instituições de Ensino Superior que, para 2021, estão oferecendo um total de 1.400 vagas. Destas, 20 são para a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sendo 10 no Campus São Carlos e 10 no Campus Sorocaba. O curso é semipresencial, e as aulas em São Carlos e Sorocaba estão previstas para acontecer às sextas-feiras. O Mestrado Profissional foi avaliado com conceito 5 pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), nota máxima para programas com curso de mestrado apenas.
Excepcionalmente no contexto da pandemia de Covid-19, o exame nacional para as vagas de algumas instituições, incluindo a UFSCar, será realizado em duas fases. A primeira, eliminatória, será realizada online no dia 9 de janeiro, com questões de múltipla escolha. Uma segunda fase, com prova discursiva, está prevista para o dia 30 de janeiro, e acontecerá presencialmente se as condições sanitárias no momento assim o permitirem (caso contrário, também será online).
As inscrições devem ser feitas exclusivamente pela Internet, em www.profmat-sbm.org.br, onde também estão mais informações sobre o Profmat e o edital do processo seletivo. O Profmat é oferecido no contexto do programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), da Capes, sob a coordenação da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) e com apoio do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa).

PPGECE
Além das 20 vagas oferecidas pela UFSCar no âmbito do próprio Profmat, o ENA 2021 também constituirá o processo seletivo para outras 20 vagas, 10 em São Carlos e 10 em Sorocaba, oferecidas no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Exatas (PPGECE) da Instituição. Os detalhes deste processo podem ser conferidos no site do PPGECE, em www.ppgece.ufscar.br.

Obra está disponível para download gratuito

 

SOROCABA/SP - "Interações entre escalas climáticas na cidade de Sorocaba, São Paulo" é o título do capítulo escrito por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e que integra o e-book "Climatologia Geográfica: do local ao regional e dimensões socioambientais", organizado por Marcelo de Oliveira Moura, Daisy Beserra Lucena, Camila Cunico e Christiane Maria da Silva Moura, docentes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e publicado pela Editora da mesma instituição.
A coletânea é uma proposta dos membros do Laboratório de Climatologia Geográfica (Climageo) e do Grupo de Estudo e Pesquisa em Geografia Física e Dinâmicas Socioambientais (Geofisa) da UFPB de reunir contribuições de pesquisadores que atuam direta e indiretamente no campo da Climatologia Geográfica, em especial, no Brasil e no Chile. Com a finalidade de associar essas contribuições aos campos do saber de maior vazão da produção da Climatologia Geográfica, os capítulos da coletânea foram distribuídos em três partes: Clima das cidades; Climatologia regional; e Riscos, vulnerabilidade socioambiental e desastres hidroclimáticos. 
O capítulo - escrito por Edelci Nunes da Silva, docente do Departamento de Geografia, Turismo e Humanidades (DGTH-So), Paulo Lopes Rodrigues, mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia (PPGGeo), e Andressa Fernanda de Souza Pistili, mestranda do PPGGeo, todos do Campus Sorocaba da UFSCar - apresenta aspectos do clima e do clima urbano de Sorocaba, como o comportamento e dinâmica das temperaturas do ar e seus impactos (a exemplo das ondas de calor), o conforto térmico e caracterização da ilha de calor e da precipitação. O objetivo foi refletir sobre as interações dos elementos e fatores climáticos definidores do clima nas diferentes escalas em uma região tropical.
"O município de Sorocaba é marcado por uma grande complexidade não somente do ponto de vista social, mas também ambiental. Localizado próximo ao Trópico de Capricórnio, o município está em uma área de transição climática, proporcionando características muito próprias que precisam ser compreendidas. Há poucos estudos relacionados à compreensão climática da região", explica Silva sobre a escolha da cidade como objeto de estudo.
O capítulo traz na introdução uma breve discussão acerca das escalas climáticas e depois contextualiza o município de Sorocaba do ponto de vista de sua localização e das suas características físicas, sociais e ambientais. Em seguida, aborda o comportamento dos elementos climáticos, como a temperatura do ar, a chuva e seus impactos e, finalmente, foca especificamente sobre o clima urbano da cidade, a partir do estudo da ilha de calor e da análise microclimática em um bairro periférico.
"As pesquisas apontaram alterações nos elementos climáticos na escala local e micro que podem também se relacionar com alterações ocorridas nas outras escalas. Do ponto de vista do urbano, indica necessidade da ampliação de espaços verdes que propiciem melhorar as condições do conforto térmico e da qualidade ambiental urbana", resume Silva sobre os resultados da pesquisa.
O livro está disponível para download gratuito no site da Editora da UFPB (https://bit.ly/3nk3Gwd).

Aulas serão realizadas a distância, com início em janeiro de 2021

 

SÃO CARLOS/SP - Estão abertas as inscrições no curso de especialização em Fisiologia Clínica do Exercício, ofertado pelo Departamento de Ciências Fisiológicas (DCF) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). As aulas serão realizadas a distância a partir de janeiro de 2021, com previsão de término em novembro do mesmo ano. 
A Fisiologia Clínica do Exercício é a área responsável pelo estudo dos efeitos do exercício físico sobre as funções do corpo humano, com o objetivo de prevenir o desenvolvimento de doenças e promover a recuperação funcional de pacientes. A especialização visa capacitar profissionais para utilizar o exercício físico como recurso terapêutico para o tratamento de hipertensão, diabetes, obesidade, câncer, doenças autoimunes, doenças articulares etc. Os egressos do curso poderão atuar em academias, clínicas de reabilitação, hospitais e consultórios próprios.
O público-alvo da especialização é formado por profissionais de Educação Física, fisioterapeutas, médicos, nutricionistas, psicólogos, gerontólogos, terapeutas ocupacionais, enfermeiros, biólogos, farmacêuticos, entre outros. A carga horária total é de 360 horas e as aulas teóricas e práticas serão disponibilizadas em plataforma virtual de ensino, além de encontros ao vivo com o professor e tutor. As datas e horários dos encontros serão definidos em acordo com os alunos.
As informações completas sobre o curso - disciplinas, corpo docente e investimento - e o link para a inscrição estão disponíveis na boxUFSCar (https://bit.ly/fisioead). Outras informações podem ser consultadas no Facebook (facebook.com/fisiologia.clinica.exercicio) ou solicitadas pelo telefone (16) 99610-5354.

Processo seletivo será realizado de forma remota; inscrições vão até 4 de janeiro

 

SOROCABA/SP - O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPGEc-So) do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está com inscrições abertas na seleção de alunos regulares ao curso de mestrado, com ingresso no primeiro semestre de 2021. 

O PPGEc-So conta com duas linhas de pesquisa: Desenvolvimento econômico, sociedade e meio ambiente; e Eficiência econômica, organizações e mercados. São ofertadas 10 vagas no processo seletivo, que será online e contará com três etapas: análise de projeto de pesquisa; análise de currículo e histórico escolar; e entrevista. 

As inscrições devem ser realizadas até o dia 4 de janeiro, exclusivamente pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Os procedimentos de inscrição e demais informações devem ser conferidos no edital, disponível no site www.ppgec.ufscar.br. Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (15) 3229-5991

Conclusão está em estudo com coautoria de professor da UFSCar

 

SÃO CARLOS/SP - O ambiente urbano pode agir como um filtro ecológico e impor diversos impactos negativos no comportamento de pássaros. Nesse contexto, para investigar como a poluição sonora afeta os bem-te-vis, uma pesquisa orientada pelo professor Rhainer Guillermo Nascimento Ferreira, do Departamento de Hidrobiologia (DHb) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), realizou experimentos em áreas rurais e urbanas e concluiu que a poluição sonora pode interferir na comunicação e afetar o comportamento territorial do bem-te-vi.
O estudo foi fruto do trabalho de conclusão de curso da bióloga e mestra em Biodiversidade Patricia Roseti Lenis, coautora do artigo "Effect of noise on behavioural response to simulated territorial intrusion in the Great Kiskadee (Pitangus sulphuratus) (Aves: Tyrannidae)", publicado na plataforma Springer Link, da editora Springer. "Ainda que muitas espécies sejam bem adaptadas para ambientes urbanos, outras são sensíveis aos efeitos dos distúrbios humanos", afirmam os pesquisadores no artigo. 
Para o estudo, os pesquisadores utilizaram um modelo de chamariz a partir de uma gravação com o som de pássaros, a 10 metros de distância, simulando uma invasão de território. O método foi usado para estimular o comportamento territorial dos bem-te-vis e verificar o tempo que levam para responder ao estímulo, de forma comparada, em ambientes urbanos e não-urbanos, com diferentes níveis de ruído. 
Durante a pesquisa, foram feitas observações em 24 dias, entre janeiro e março de 2015, nos períodos de atividades das aves (das 8 às 10 horas e das 16 às 18 horas). "Os animais observados eram territoriais defendendo ninhos em árvores. Antes do experimento, selecionamos previamente 15 ninhos em áreas urbanas e 15 em áreas não urbanas. As áreas não urbanas consistiram em fragmentos de Cerrado e Mata Atlântica no entorno da cidade de Dourados - MS, bem como áreas rurais", descrevem. Os resultados mostraram uma correlação entre o tempo de resposta e o nível de poluição sonora. 
"Os exemplos mais extremos foram um ambiente de Mata Atlântica com cerca de 40 decibéis de ruídos e 20 segundos de resposta da ave, enquanto no meio urbano tivemos ruídos em torno de 90 decibéis e respostas com mais de dois minutos de latência", compara o docente. 
"O que mais nos chamou a atenção foi a dificuldade de alguns indivíduos em encontrar o 'intruso'. Alguns deles voavam, trocando de poleiro e pareciam olhar para todos os lados procurando a fonte do som. Outro comportamento que nos chamou a atenção foi observado quando as aves encontravam o falso intruso, uma réplica de bem-te-vi. Nesse caso, observamos vocalizações agressivas e movimentos rápidos das asas, como se tentasse espantar o 'intruso'", conta o professor da UFSCar.
Os bem-te-vis (Pitangus sulphuratus) são aves da família Tyrannidae e ocorrem desde o Texas até a Argentina, sendo muito comuns no Brasil. "É uma ave generalista que ocupou os ambientes urbanos, principalmente pelo seu hábito alimentar oportunista. São conspícuos, com uma coloração que nos chama a atenção, assim como a sua vocalização que faz inclusive parte de nossa cultura. São territorialistas e defendem o ninho contra outros bem-te-vis, predadores e outras aves", detalha o pesquisador. 
Segundo Ferreira, o maior problema da poluição sonora é que a ave pode não identificar um intruso ou um predador a tempo, o que levaria à perda dos ovos ou dos filhotes. "Não sabemos ao certo como isso pode afetar as espécies a longo prazo, mas sabemos o efeito negativo sobre o equilíbrio ecológico por causa dos impactos que geramos nas populações dessas espécies", avalia. "Estudos como esse mostram o nosso impacto sobre os animais. Mostram como nossa poluição não se restringe a um papel de bala jogado na rua, mas também se estende ao ruído que produzimos com nossos carros, nossas aglomerações e nossas máquinas. Esperamos que estudos como esse chamem a atenção da população para que, quem sabe num futuro próximo, medidas sejam tomadas para reduzir a poluição que produzimos, inclusive a sonora", alerta Ferreira.
O artigo sobre o estudo está disponível na íntegra em https://bit.ly/38Xi74U.

Primeiro volume trata de isolamento social e de cidades resilientes

 

SÃO CARLOS/SP - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana (PPGEU) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) acaba de lançar o periódico Engenharia Urbana em Debate, voltado à divulgação e ao debate das investigações desenvolvidas por pesquisadores brasileiros na área. Os textos devem abordar temas como inovação, gestão, sustentabilidade e tecnologia, dentre outros, com foco no aprimoramento dos espaços urbanos construídos.
O primeiro volume da revista conta com dois números, o primeiro com o tema Cidades e Isolamento Social e participação de autores de 14 instituições e o segundo com o tema Cidades + Resilientes e participação de 12 instituições. Os artigos selecionados contemplam os eixos temáticos do I Simpósio Brasileiro Cidades + Resilientes, realizado pelo PPGEU em 2020.
O primeiro número surge no contexto das mudanças na vida urbana provocadas pela pandemia, com artigos que registram análises sobretudo em cidades de porte médio do interior paulista, como Araraquara, Itapevi, Pindamonhangaba, Ribeirão Preto, Serrana e São João da Boa Vista. No segundo, fica em evidência a importância de preparar as cidades para que se tornem mais resilientes e a necessidade da resiliência ser foco nas discussões sobre cidades sustentáveis e inovadoras.
Engenharia Urbana em Debate tem acesso livre e gratuito. Os artigos podem ser conferidos no site da revista, em www.engurbdebate.ufscar.br.

PPGEU
O PPGEU, criado em 1994, foi um dos primeiros programas no Brasil com abordagem de pesquisa em sistemas de Engenharia aplicáveis no território urbanizado. Trabalhados como eixos estruturantes, o planejamento urbano, o saneamento, os transportes e a geotecnia são vistos de forma integrada às áreas de meio ambiente, habitação social e geoprocessamento. Suas atividades estão organizadas em duas linhas de pesquisa: "Processos e fenômenos aplicados à Engenharia Urbana" e "Gestão, planejamento e tecnologias aplicados à Engenharia Urbana". Mais informações em www.ppgeu.ufscar.br.

Iniciativa é gratuita e acontecerá de janeiro a junho de 2021

 

SÃO CARLOS/SP - A partir do mês de janeiro de 2021, o Departamento de Educação (DEd) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) oferece o curso de extensão "A Ciência da CF88: Ler a Constituição Federal de 1988 - Integralmente", que tem por objetivo fomentar e melhorar a compreensão dos participantes, no âmbito educacional, acerca da Constituição Federal de 1988.

As atividades, que têm como responsável Vinício Carrilho Martinez, docente do DEd, serão online, às terças e quintas-feiras, das 14 às 16 horas, entre janeiro e junho de 2021, com início previsto no dia 19/1. Ao longo dos meses, os participantes irão debater os artigos determinados a cada encontro, por juristas e especialistas; apresentar as soluções que a CF88 traz no texto e apontar problemas na própria redação; e transformar as principais críticas do senso comum em aprendizagem constitucional. A certificação é de 60 horas.

O público-alvo consiste em discentes da UFSCar e de outras instituições, além de demais pessoas interessadas na temática. O curso é gratuito e as inscrições devem ser feitas até o dia 14 de janeiro, neste formulário online (https://bit.ly/36SQNDl), onde constam mais informações. Os links para acesso aos encontros serão enviados antecipadamente aos inscritos.

Obra apresenta atividades que estimulam a cognição dos idosos

 

SÃO CARLOS/SP - Com o crescente envelhecimento populacional, existe a necessidade de disponibilizar recursos para que profissionais que lidam com essa população possam impactar positivamente na qualidade de vida e da saúde dos idosos, bem como atuar na prevenção e promoção de saúde. Para atender a essa demanda, está sendo lançado o livro "Cognição e Envelhecimento: teoria e prática sob a perspectiva gerontológica", de autoria de Lucas Pelegrini, docente do Departamento de Gerontologia (DGero) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e publicado pela Editora Rima. 

"Tenho trabalhado com o tema desde minha graduação, mestrado e doutorado. Tive a oportunidade, também, de desenvolver algumas atividades de extensão aprovadas pela Pró-Reitoria de Extensão da UFSCar, nas quais ganhamos significativa experiência na condução de grupos de estimulação cognitiva para a população idosa", recorda Pelegrini.

Na obra são abordados os aspectos do envelhecimento normal (senescência) e patológico (senilidade) do sistema nervoso e da cognição. "Por envelhecimento cognitivo entendemos as alterações cognitivas que ocorrem ao longo da vida que, apesar de haver um certo nível de declínio esperado, nem sempre são negativas ou expressivas o suficiente para impactar negativamente no dia a dia da pessoa idosa", descreve o pesquisador.

O material está estruturado em duas partes. A primeira aborda a teoria e algumas reflexões sobre o envelhecimento, cognição, criação de oficinas de estimulação cognitiva para idoso, dentre outras. Já a segunda parte é composta por mais de noventa atividades que estimulam a cognição dos idosos, muitas delas criadas pelo próprio autor e que tiveram êxito quando praticadas nas oficinas realizadas. "Cabe ressaltar que tais atividades podem ser utilizadas de maneira individual com a pessoa idosa ou em grupos, e, também, existe a possibilidade de adaptação de acordo com o nível de escolaridade do participante, por exemplo", destaca o autor.

A obra está disponível em formato impresso no site da Editora (https://bit.ly/39EiIsl) e é destinada a estudantes e profissionais da área da Saúde que atuam com a população idosa e se simpatizam pela temática.

Série "Ciência contra a Covid-19" tem episódios com duração de 3 a 5 minutos

 

SÃO CARLOS/SP - O Laboratório Aberto de Interatividade para Disseminação do Conhecimento Científico e Tecnológico (LAbI) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) convida pesquisadoras e pesquisadores de todo o Brasil que estão desenvolvendo estudos relacionados à pandemia de Covid-19 para divulgar seus trabalhos na série "Ciência contra a Covid-19".
O projeto tem como objetivo apresentar, de forma clara e acessível a todos os públicos, como a Ciência brasileira tem trabalhado em diversas áreas do conhecimento para encontrar soluções para o enfrentamento da pandemia.
Cada episódio da série é composto de um vídeo sobre a pesquisa, com duração entre 3 e 5 minutos, apresentado pelo próprio pesquisador responsável. Podem participar professores, pesquisadores e pós-graduandos.
Os interessados devem entrar em contato com a equipe de produção do LAbI da UFSCar pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. para informações sobre a gravação, divulgação e demais esclarecimentos.

Trabalho é resultado de Iniciação Científica realizada por estudante do Campus Lagoa do Sino da UFSCar

 

SÃO CARLOS/SP - Recentemente, foi publicado na revista Línguas e Instrumentos Linguísticos, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), o artigo científico intitulado "Representações sobre Ciência e cientista em Pokémon e Lilo & Stitch". O artigo é resultado da Iniciação Científica (IC) de Yuri de Oliveira Monteiro Nobre, aluno do curso de Biologia da Conservação do Campus Lagoa do Sino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sob orientação da professora Ilka de Oliveira Mota, docente do Centro de Ciências da Natureza (CCN).
Em linhas gerais, o trabalho busca compreender as representações sobre a Ciência e o cientista presentes nos desenhos infantis Pokémon e Lilo & Stitch exibidos na TV brasileira, sob a luz da metodologia da Análise de Discurso. O estudo traz importantes reflexões sobre a imagem estereotipada da Ciência e do cientista presentes nos desenhos, bem como suas implicações no imaginário social. 
Mota, que é mestre em Linguística e doutora em Linguística Aplicada, explica que analisar os desenhos animados a partir da perspectiva da Análise de Discurso tem permitido compreender os sentidos e as diferentes discursividades que tecem esse tipo de materialidade, considerada para alguns como neutra e transparente.
Segundo Nobre, a ideia de estudar os desenhos animados surgiu em uma aula de Filosofia da Ciência ministrada por Mota, quando foram discutidos o imaginário sobre Ciência e cientista em diferentes mídias. "Foi uma discussão muito produtiva e promissora, o que me rendeu uma IC. Comecei a refletir sobre o funcionamento dos desenhos animados, pensando nos estereótipos que eles veiculam. Quando somos crianças não conseguimos compreendê-los em sua totalidade e, em muitas vezes, tendemos a reproduzi-los inconscientemente," comenta o estudante.
Para Mota, a análise realizada apontou para sentidos importantes construídos historicamente sobre a Ciência e o cientista. "Em síntese, a Ciência comparece, no imaginário, como exótica, elitista e vinculada à observação e experimentação, daí a presença recorrente de laboratórios em desenhos animados em geral. Apaga-se aí uma questão fundamental: há outras formas de produção do conhecimento, há outros modos de fazer Ciência. No entanto, nos desenhos, tudo se passa como se fazer Ciência fosse promover experimentos em um laboratório", revela a docente.
Além disso, Mota explica que o cientista também é significado como um ser exótico, superdotado de inteligência, solitário e do sexo masculino. "Em ambos os desenhos, o cientista vive trancado em seu laboratório sem contato com o mundo. Esse ponto é fundamental para o debate. Desconsidera-se um fator de extrema importância na produção do conhecimento científico: a Ciência é produzida dentro de um contexto social, histórico e ideológico. Não há separação da Ciência, de um lado, e da sociedade, de outro. A Ciência é social por excelência e é produzida por homens: sujeitos social e historicamente determinados e ideologicamente constituídos", afirma ela.
A docente também defende que é importante trazer à baila esses sentidos, compreendê-los criticamente e discuti-los com a sociedade. "O modo como os desenhos têm representado tanto a Ciência como a figura do cientista pode afastar a criança da ideia de trabalhar como futuro cientista, já que é propagada uma ideia de Ciência exótica, complexa e distante da sociedade (...) a Ciência é para todos e não para uma pequena parcela da sociedade. Esse é um debate importante que deve estar na ordem do dia". O artigo na íntegra pode ser acessado neste link https://bit.ly/37jQjVO.

Classificados Imóveis

Alugo Apartamento

R$ 550,00

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Janeiro 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31

Comércio e Serviços em Geral