fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Combates continuam no leste da Ucrânia e atrasam retirada de Mariupol ROMAN PILIPEY/EFE

Combates continuam no leste da Ucrânia e atrasam retirada de Mariupol

Escrito por  Maio 02, 2022

UCRÂNIA - A ofensiva da Rússia continua com duros combates no Donbass nesta segunda-feira (2), dia em que a esperada retirada de civis da cidade de Mariupol foi adiada, no momento em que a União Europeia elabora um plano para impor um embargo progressivo ao petróleo russo.

Pouco mais de 100 pessoas foram retiradas no fim de semana da grande siderúrgica de Azovstal, o último reduto de resistência ucraniana nesta área da região do Donbass, que está praticamente sob controle total da Rússia.

Dois blindados da ONU e outros veículos de ONGs internacionais, assim como jornalistas, aguardavam os moradores de Mariupol em Zaporizhzhia, cidade que fica a uma distância de 200 quilômetros ao noroeste e ainda está sob controle ucraniano, onde há um centro para abrigar os refugiados, segundo constatou a AFP.

Uma segunda retirada era esperada nesta segunda-feira, mas, pela tarde, a situação seguia sem qualquer indício de movimento.

A vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, declarou que "centenas de civis permanecem bloqueados".

 

9 de maio

Desde o início da invasão russa, em 24 de fevereiro, milhares de civis fugiram de Mariupol, onde as autoridades ucranianas acreditam que ainda há entre 100 mil e 120 mil pessoas.

Nesta cidade, que antes da guerra tinha uma população de meio milhão de habitantes, as autoridades de Kiev temem que 20.000 pessoas já morreram desde o início do assédio das tropas russas, que deixou a urbe portuária reduzida a escombros.

Moscou se concentra nas regiões sul e leste do país, em particular no Donbass, que inclui Donetsk e Luhansk, depois de fracassar na tentativa de tomar a capital Kiev nas primeiras semanas de guerra.

Os combates são especialmente intensos em torno de Izyum, Lyman e Rubizhne, posições que os russos tentam tomar para "preparar o seu ataque contra Severodonetsk", uma das principais cidades de Donbass ainda controlada por Kiev, afirmou nesta segunda o Estado-Maior ucraniano.

"A situação na região de Luhansk pode ser descrita em poucas palavras: continuam ativos os duros combates", advertiu o Ministério da Defesa da Ucrânia.

Com a proximidade do 9 de maio, data em que a Rússia celebra com grande pompa a vitória sobre a Alemanha nazista em 1945, o governador da região de Lugansk disse que espera "uma intensificação dos bombardeios".

Mas o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, parece descartar a ideia. "Nossos militares não ajustarão artificialmente suas ações a nenhuma data", disse, em uma entrevista ao canal de televisão italiano Mediaset no domingo.

O Ministério da Defesa ucraniano também estimou que é possível que a Rússia aproveite a oportunidade para "planejar a questão" de uma integração das "repúblicas" autoproclamadas pelos separatistas pró-russos no Donbass à Federação da Rússia, depois que Moscou reconheceu sua independência na véspera da invasão.

Os ucranianos também assinalaram que a Rússia pode anunciar a realização de um referendo na região de Kherson, no sul da Ucrânia, muito próxima da península da Crimeia, que foi anexada por Moscou após uma consulta popular em 2014, no contexto do conflito com os separatistas pró-russos.

A Rússia tem tentado garantir sua posição nas áreas sob o seu controle. No domingo, começou a circular na região de Kherson a moeda russa, o rublo, inicialmente junto com a hryvnia ucraniana.

Mas as forças da Ucrânia também recapturaram alguns territórios nos últimos dias e, nesta segunda-feira, disseram que seus drones afundaram duas embarcações de patrulha da Rússia nos arredores da Ilha das Serpentes, no Mar Negro, símbolo da resistência ucraniana depois que um grupo de guardas fronteiriços rejeitou a rendição em abril, após um chamado feito por um navio russo.

Contudo, o chanceler russo causou polêmica após ser perguntado sobre a afirmação de que o seu país busca "desnazificar" a Ucrânia, já que o presidente ucraniano é judeu. Em sua resposta, Lavrov afirmou que Hitler "tinha sangue judeu".

O chanceler israelense, por sua vez, qualificou as afirmações como "escandalosas" e convocou o embaixador da Rússia para pedir "explicações".

 

Retorno dos diplomatas a Kiev

Enquanto isso, as potências ocidentais aumentaram os envios de armas pesadas para a Ucrânia e, pouco a pouco, voltam a instalar missões diplomáticas em Kiev, já que muitas delegações foram transferidas para Lviv, no oeste do país.

Seguindo a tendência de muitos países europeus, os Estados Unidos esperam retornar à capital ucraniana "antes do fim deste mês", anunciou hoje a encarregada de negócios de Washington, Kristina Kvien.

A União Europeia, por sua vez, busca aumentar a pressão sobre a Rússia endurecendo as sanções.

Fontes diplomáticas afirmaram à AFP que o bloco europeu deve propor uma proibição por etapas da importação de petróleo russo, que representa 30% das aquisições do hidrocarboneto da UE.

Os ministros de Energia do bloco se reúnem nesta segunda-feira à tarde em Bruxelas para definir um calendário sobre a questão. A Comissão Europeia, em representação da UE, prepara atualmente o texto que poderia ser submetido aos países-membros na quarta-feira, segundo essas fontes.

Vários diplomatas afirmaram que a proibição do petróleo russo seria possível depois de uma mudança de postura da Alemanha, que resistia à medida por considerá-la potencialmente prejudicial para sua economia.

Já o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, durante uma visita a Berlim, fez um pedido de diálogo para acabar com a guerra, mas evitou condenar a invasão durante uma visita a Berlim.

Em quase 10 semanas de guerra, mais de 5,4 milhões de ucranianos fugiram do país, segundo a ONU, e mais de 7,7 milhões se tornaram deslocados internos, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

 

 

por AFP

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Maio 2022 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Aviso de Privacidade

Este site utiliza cookies para proporcionar aos usuários uma melhor experiência de navegação.
Ao aceitar e continuar com a navegação, consideraremos que você concorda com esta utilização nos termos de nossa Política de Privacidade.