fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 
Russos e ucranianos travam batalha em Lysychansk © Oleksandr GIMANOV

Russos e ucranianos travam batalha em Lysychansk

Escrito por  Jul 03, 2022

UCRÂNIA - Forças da Ucrânia travaram um combate no sábado, 02, com tropas russas e separatistas em Lysychansk, um dos últimos redutos ucranianos na bacia do Donbass, leste do país.

"Os combates são intensos em torno de Lysychansk. Felizmente, a cidade não está cercada e está sob o controle do Exército ucraniano", disse o porta-voz da Guarda Nacional ucraniana, Ruslan Muzychuk.

Um representante da "milícia popular de Luhansk" havia assegurado pouco antes que essa força separatista e as tropas russas "ocuparam as últimas posições estratégicas, o que nos permite afirmar que a cidade de Lysychansk está completamente cercada", o que a Ucrânia negou.

Além disso, a Ucrânia denunciou o "terror russo deliberado" e renovou os pedidos por sistemas antimísseis ocidentais após ataques mortais na região de Odessa.

Segundo autoridades militares e civis ucranianas, pelo menos 21 pessoas, incluindo um menino de 12 anos, foram mortas nesta sexta-feira por três mísseis russos que destruíram "um grande edifício" e "um complexo turístico" em Serhiivka, uma cidade na costa do Mar Negro, a cerca de 80 km de Odessa, no sul da Ucrânia.

"Isso é terror russo deliberado e não erros ou um ataque acidental com mísseis", denunciou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, na noite de sexta-feira, enquanto as autoridades locais asseguraram que "não havia qualquer alvo militar" no local dos ataques.

Em resposta às acusações ucranianas, o Kremlin garantiu que "as forças armadas da Rússia não operam contra alvos civis" na Ucrânia, uma reação descrita como "desumana e cínica" por Berlim.

De acordo com Kiev, os ataques em Serhiivka feriram 38 pessoas, incluindo cinco crianças, duas delas em estado grave.

"Peço aos nossos parceiros que forneçam à Ucrânia sistemas de defesa antimísseis o mais rápido possível. Ajudem-nos a salvar vidas", implorou o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kouleba, chamando a Rússia de "Estado terrorista".

 

- 'Perdas pesadas' -

De acordo com o exército ucraniano, os projéteis usados contra Serhiivka foram mísseis de cruzeiro soviéticos datados da Guerra Fria e projetados para atacar porta-aviões, do mesmo tipo daqueles que atingiram um shopping center em Kremenchuk (centro da Ucrânia) em plena luz do dia na segunda-feira matando pelo menos 19 pessoas.

Zelensky reconheceu que a situação continua "extremamente difícil" em Lysytchansk, onde a maior parte dos combates está concentrada e onde os russos "tentam cercar" o Exército ucraniano "pelo sul, leste e oeste", segundo o governador local, Serguiï Gaïdaï.

Zelensky reconheceu que a situação continua "extremamente difícil" em Lysytchansk, onde a maior parte dos combates está concentrada e onde os russos "tentam cercar" o Exército ucraniano "pelo sul, leste e oeste", segundo o governador local, Serguiï Gaïdaï.

De acordo com o governador da região de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, quatro civis foram mortos e 12 feridos em Sloviansk desde a manhã de sexta-feira.

 

- Bombardeios diários -

Sloviansk, que fica na província de Donetsk, é bombardeada dia e noite há uma semana. Quatro civis morreram e 12 ficaram feridos nas últimas 24 horas, segundo o governador regional, Pavlo Kyrylenko.

"O Exército russo continuou hoje disparando mísseis contra nossas cidades", afirmou o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em seu pronunciamento diário, citando ataques em seis cidades até a noite. "Um combate feroz continua ao longo de toda a linha de frente no Donbass", assinalou, acrescentando que "a atividade do inimigo se intensifica na região de Kharkov".

 

- Roteiro para a reconstrução -

Zelensky mostrou-se hoje na expectativa da conferência que irá discutir na próxima segunda-feira, na Suíça, a reconstrução da Ucrânia. Líderes de uma dúzia de países e organizações internacionais estarão em Lugano com o objetivo de entregar um roteiro para a recuperação da Ucrânia.

Reconstruir o país "requer investimentos colossais, bilhões, novas tecnologias, melhores práticas, novas instituições e, certamente, reformas", antecipou Zelensky. Segundo ele, 10 regiões da Ucrânia foram afetadas pela guerra, com povoados e vilarejos que precisam ser "reconstruídos do zero".

Perante o bloqueio marítimo que lhe é imposto pela Rússia e que a impede de exportar trigo, a Ucrânia pediu ontem à Turquia que interceptasse um cargueiro russo que saiu do porto de Berdiansk, na zona ocupada, e suspeito de transportar milhares de toneladas de grãos roubados por Moscou.

Ilustrando a questão da guerra de grãos imposta por Moscou e que preocupa muitos países africanos que dependem do trigo ucraniano para sua segurança alimentar, o Exército ucraniano afirmou ontem, com um vídeo de apoio, que o Exército russo havia bombardeado duas vezes com bombas de fósforo a Ilha das Serpentes, uma ilhota no Mar Negro perto das costas ucraniana e romena e essencial para controlar o tráfego marítimo, de onde Moscou havia garantido no dia anterior ter se retirado em "sinal de boa vontade". Kiev, por sua vez, afirma que os russos foram expulsos por repetidos ataques ucranianos.

 

 

AFP

Ivan Lucas

 Jornalista/Radialista

Website.: https://www.radiosanca.com.br/equipe/ivan-lucas
E-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Agosto 2022 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Aviso de Privacidade

Este site utiliza cookies para proporcionar aos usuários uma melhor experiência de navegação.
Ao aceitar e continuar com a navegação, consideraremos que você concorda com esta utilização nos termos de nossa Política de Privacidade.