fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar

Inscrições devem ser feitas exclusivamente por e-mail, conforme edital

 

SOROCABA/SP - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP-So) do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) prorrogou até o dia 12 de junho as inscrições na seleção de estudantes para dedicação exclusiva ao curso de mestrado acadêmico, com início no segundo semestre de 2020.

O PPGEP-So, com área de concentração em Gestão de Operações, tem por objetivo formar pesquisadores que possam atuar em subáreas de pesquisas associadas ao planejamento, implementação, controle e aperfeiçoamento de sistemas produtivos em sentido amplo.

Podem participar do processo seletivo candidatos portadores de diplomas de graduação de instituições de Ensino Superior reconhecidas pelo Ministério da Educação (MEC) ou, provisoriamente, de certificado ou documento equivalente. As inscrições devem ser realizadas exclusivamente por e-mail, conforme instruções do edital, acessível no site www.ppgeps.ufscar.br.

O processo seletivo terá duas etapas, ambas de caráter eliminatório e classificatório: análise de currículo acadêmico e arguição sobre texto científico original e individual, elaborado pelo candidato.

As informações devem ser conferidas no edital e demais documentos disponíveis no site www.ppgeps.ufscar.br, na opção "Estude no PPGEP-So". Dúvidas podem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. ou pelo telefone (15) 3229-5990.

SÃO PAULO/SP - As escolas devem voltar a funcionar no Estado de São Paulo no início de agosto com 20% dos alunos de cada série. O plano que será anunciado na sexta-feira, 5, pelo governo do Estado valerá para escolas estaduais, municipais, particulares, universidades, Fatecs e até cursos de inglês. Ainda se discute se será um grupo de 20% dos alunos frequentando as aulas todos os dias da semana ou se grupos diferentes de 20% dos estudantes irão uma vez por semana, completando 100% na sexta-feira.

Segundo apurou o Estadão, o esquema funcionaria por duas semanas e depois o número de crianças e jovens aumentaria aos poucos. O governo do Estado descartou a possibilidade, antes aventada, de iniciar as aulas com os alunos mais novos, da educação infantil (zero a 5 anos). O protocolo da volta prevê também uso de máscaras e distanciamento de 1,5 metro dentro das salas de aula. Quem não estiver nas aulas presenciais teria de continuar com atividades a distância, tanto em instituições públicas quanto nas particulares.

São Paulo, que tem a maior rede de ensino do Brasil, caminha para uma solução diferente dos planos de outros Estados. “Já é praticamente unanimidade começar a voltar pelas pontas, e principalmente pelo 3º ano do ensino médio por causa do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)”, diz o vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e secretário de Pernambuco, Fred Amâncio, com relação ao conjunto de Estados. Depois, segundo ele, voltariam o 9º ano do ensino fundamental, em seguida o 6º ano, ou seja, quem está no fim dos ciclos. “Não dá para colocar todo mundo dentro da escola, é um dos ambientes de maior risco”, diz Amâncio.

No sábado, 30, o secretário do Estado da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, reuniu por vídeoconferência representantes de todos os segmentos para discutir as medidas, que devem fazer parte de um decreto. No caso de prevalecer a opção de voltar apenas um grupo de 20% de cada instituição, ainda se discute qual será o grupo prioritário.

As universidades públicas (USP, Unesp e Unicamp) e as Fatecs (faculdades de tecnologia) pediram prioridade na volta às aulas presenciais para os alunos que estão no último ano, para não prejudicar a formatura. Nas Fatecs, muitos estudantes precisam cumprir atividades práticas em laboratórios essenciais para formação.

Já os representantes de escolas particulares (Sieeesp) requisitaram ao secretário o retorno da educação infantil. “Se elas não voltarem ao presencial, nem que seja em dias alternados, muitas vão falir”, diz o presidente do Sindicato Sieeesp, Benjamin Ribeiro da Silva. Como a lei não exige que crianças de até 3 anos estejam matriculadas em instituições de ensino no Brasil, 30% dos pais, segundo estimativa do Sieeesp, já tiraram os filhos da escola.

As experiências internacionais, de países que começaram a retornar às aulas, mostram tanto os que optaram pela volta dos alunos mais velhos que estão terminando a escola, como a China, quanto outros que preferiram iniciar com os menores, como a Dinamarca. A opção pelas crianças em vez dos adolescentes é justificada pelo fato de os pais também começarem a voltar ao trabalho e não terem com quem deixá-las. Lá fora, os protocolos, em geral, incluem rodízio de alunos, distanciamento, uso de máscaras e impedimento de os pais entrarem nas escolas.

“Além do Enem, voltar com os alunos do ensino médio tem um propósito de desenvolver o protagonismo juvenil. Eles podem ser parceiros dos professores para conscientizar os menores quando eles voltarem”, diz o secretário de Educação do Espírito Santo, Vitor de Angelo. As crianças teriam mais dificuldade em cumprir as novas regras sanitárias e de distanciamento nas escolas, afirma. O plano no Espírito Santo é voltar às aulas em julho, dividindo as turmas de ensino médio em duas metades e alternando as semanas. Depois de 15 dias, começaria a retornar os alunos do ensino fundamental, também com revezamento.

Em Minas, não há data definida ainda para retorno porque o Estado entende que o pico de casos de covid-19 deve ocorrer em julho. Mesmo assim, a ideia também é recomeçar as aulas pelo 3º ano do ensino médio. “Nosso foco será em quem está concluindo a educação básica e os mais vulneráveis, que não estão tendo acesso ao ensino a distância”, diz a secretária de Educação de Minas, Julia Sant’Anna.

Rede particular aguarda determinação oficial e já elabora planos

Escolas particulares de elite aguardam as determinações oficiais do governo para organizar melhor a volta, mas já começaram a elaborar planos. Muitas acreditam que o segundo semestre terá modelo híbrido de ensino, com aulas presenciais e também a distância.

O grupo que inclui os Colégios Oswald de Andrade, Elvira Brandão e Piaget, já está comprando medidores de oxigenação e termômetros para que a temperatura dos alunos seja medida na porta da escola. A ideia também é voltar às aulas dividindo as turmas pela metade e escalonando os dias de aulas presenciais. Quem fica em casa poderia ver a mesma aula pelo computador. “Estamos lendo protocolos de todos os países para montar o nosso, mas é tudo muito novo. Por exemplo, vai ter recreio ou não, como será o lanche da cantina?”, diz o diretor da rede, Claudio Giardino.

No Colégio Bandeirantes, a preocupação maior também é com os alunos do 3o ano do ensino médio que precisam concluir a etapa. Segundo a diretora pedagógica da escola, Mayra Ivanoff, eles devem ser os primeiros a voltar. O Bandeirantes também está organizando grupos com psicólogos para o acolhimento emocional de professores e alunos por causa da pandemia. “Tudo ainda é muito incerto, como vamos fazer um discurso de não interação para os adolescentes?”

“É importante olhar para as pontas, como o 3º ano, para os alunos poderem aproveitar melhor essa despedida da educação básica, ainda com os momentos de incertezas pelo Enem”, diz a diretora pedagógica da Escola da Vila, Fernanda Flores. A escola montou um grupo com professores, pais, alunos, funcionários para planejar como será a volta. Fernanda diz se preocupar também com os pequenos, da educação infantil, que aproveitam pouco o ensino a distância e cujos pais precisam da escola para voltar a trabalhar. Estamos tentando reduzir o número de crianças nas turmas, para cinco ou oito. Mesmo assim, quando menores eles são mais complexa é a questão de distanciamento e uso de máscara.”

 

 

*Por: Renata Cafardo / ESTADÃO

Organizado pelo LSNano do Campus Araras da UFSCar, evento acontece nos dias 16, 17, 24 e 25 de junho

 

ARARAS/SP - Estão abertas até 5 de junho as inscrições para o "I Fronteiras em Eletroquímica e Eletroanalítica: avanços realizados por jovens cientistas", que acontece nos dias 16, 17, 24 e 25 de junho. A organização é do Laboratório de Sensores, Nanomedicina e Materiais Nanoestruturados (LSNano), do Campus Araras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). 

O evento online tem como objetivo a discussão entre especialistas brasileiros que atuam em linhas de pesquisas nas áreas de Eletroquímica e Eletroanalítica.  

As apresentações serão conduzidas por jovens pesquisadores e a intenção é que o simpósio proporcione um ambiente para o aumento da interação entre os cientistas com possibilidades de surgimento de novas parcerias. Serão mais de 20 palestrantes que trabalham em centros de pesquisa e universidades nacionais e internacionais.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas neste formulário (https://forms.gle/xN4yBL3osTkn9o139). O link para acessar o evento será disponibilizado via e-mail aos inscritos, 10 minutos antes do início da programação. Mais informações e o cronograma completo estão no site do simpósio (encurtador.com.br/eiorG) e no Instagram do LSNano (@lsnano.ufscar).

88 projetos de extensão foram formalizados em dois meses

 

SÃO CARLOS/SP - Devido à pandemia do novo Coronavírus, a UFSCar suspendeu as atividades acadêmicas presenciais no dia 14 de março, mas continuou a atuar de forma predominantemente remota. As atividades presenciais continuaram apenas nos serviços essenciais, seguindo as orientações do Comitê de Controle e Cuidados em Relação à Covid-19 da UFSCar. 

O evento virtual denominado "Marcha pela Ciência e pela Vida: UFSCar em Ação no Combate à COVID-19" foi realizado no mês de maio para reportar as ações da Universidade em resposta à COVID-19. Foram cerca de 60 mini palestras mostrando ações da UFSCar nas áreas de saúde, educação e inclusão. Também foram apresentadas ações da UFSCar para adaptação de suas rotinas de trabalho e a trajetória de sua atuação na linha de frente contra a COVID-19. "Nesse momento da pandemia, a comunidade UFSCar decidiu apoiar a sociedade. Buscamos caminhos e soluções para o enfrentamento da COVID-19. Este evento trouxe uma amostra do que é a UFSCar", afirmou a Reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann. 

A UFSCar respondeu de forma espontânea às necessidades da sociedade. "A sociedade gritou por socorro e a UFSCar respondeu prontamente. Em 2 meses, foram formalizados 88 projetos de extensão voltados ao enfretamento da COVID-19, com participação de todos os Centros Acadêmicos da Universidade", explicou o Pró-Reitor de Extensão, Roberto Ferrari Júnior. Os temas das iniciativas? Produção de protetores faciais; álcool 70%; testes para diagnóstico da COVID-19; projeto de respiradores e outros equipamentos hospitalares; cartilhas de orientação e apoio aos mais diversos grupos em isolamento social; aplicativos; apoio a empresas em dificuldades, dentre outros.

Como foi possível, para a UFSCar, passar a atuar de forma predominantemente remota? "Nos últimos 3 anos a UFSCar investiu em infraestrutura de hardware, software e melhoria da sua rede. A implantação do SEI (Sistema Eletrônico de Informação), o treinamento para uso do SEI a mais de 1.200 servidores docentes e técnico-administrativos e a digitalização de processos também foram fundamentais para a continuidade do trabalho durante a quarentena", afirmou Márcio Merino Fernandes, Pró-Reitor de Administração.  

Algumas ferramentas e serviços foram disponibilizados ou reforçados no início da quarentena, e a demanda aumentou fortemente. "Até o dia 26 de maio aconteceram quase 13 mil reuniões por meio do Google Meet, com cerca de 24 mil horas de encontros nesta plataforma. O Google Classroom, disponibilizado recentemente, já tem em torno de 300 salas criadas", contou o Secretário-Geral de Informática, Erick Lázaro Melo.

Continua depois da publicidade


 

Uma das estratégias para dar dinamismo às atividades de ensino de graduação ao longo da pandemia foi a criação de um Período Letivo Suplementar com o oferecimento de disciplinas de modo remoto. O foco destas disciplinas ofertadas foram atividades de monografia, trabalhos de conclusão de curso (TCC) e seus respectivos projetos, além de ACIEPES - Atividades Curriculares de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão, que por sua característica extensionista viabilizam uma ação direta na sociedade. Foram oferecidas 75 disciplinas e 69 ACIEPES. Estas contam com o envolvimento de mais de 212 docentes e 7.941 estudantes de graduação da UFSCar, além de membros da comunidade externa. "O período letivo suplementar viabilizou as ofertas das ACIEPES e a formalização das atividades que já vinham ocorrendo. Inicialmente ofertamos cerca de 4 mil vagas, mas ao final nós tivemos quase 8 mil inscrições e aceitamos praticamente todos os inscritos", afirmou Cláudia Gentile, Pró-Reitora Adjunta de Graduação.

Para auxiliar professores e alunos no desafio de estudar em ambientes virtuais, a Secretaria Geral de Educação a Distância (SEaD) criou o INOVAEH (Espaço de Apoio ao Ensino Híbrido), que reúne materiais destinados aos docentes, estudantes e demais interessados. O objetivo é a capacitação de professores nas novas tecnologias para que possam utilizá-las em suas atividades. Para os estudantes, o apoio é quanto à organização dos estudos.

O Hospital Universitário (HU-UFSCar) destinou 44 leitos para pacientes suspeitos ou confirmados e abriu sua Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com 10 leitos destinado à COVID-19. Na Unidade Saúde-Escola - USE estão sendo realizados 8 projetos de extensão e 3 projetos de pesquisa relacionados à COVID-19. Tanto o HU quanto a USE passaram a utilizar o teleatendimento, o telemonitoramento e a teleorientação como formas de interação remota.

Os Restaurantes Universitários continuam a funcionar de modo adaptado, com foco no apoio aos estudantes que permanecem na Universidade. As bolsas de permanência estão sendo mantidas ao longo da quarentena. Além disso, a Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (ProACE) reportou ações de acolhimento e orientação, mapeamento dos estudantes em vulnerabilidade, diagnóstico de necessidades, distribuição de máscaras e kits de limpeza para os apartamentos das moradias estudantis, suporte social, dentre outros serviços. 

Toda a movimentação da Comunidade UFSCar para enfrentar a COVID-19, ao longo dos primeiros 54 dias da quarentena, deu origem a 414 produtos de informação nos veículos de divulgação institucionais (Portal da UFSCar, InfoRede, Redes Sociais, dentre outros). O impacto das ações da UFSCar na imprensa foi marcante: 442 reportagens em 210 veículos de divulgação de todo o Brasil. O novo Coronavírus trouxe inúmeros desafios e a UFSCar, Universidade ativa, dinâmica e diversa, está se reinventando com o compromisso de melhorar a vida da comunidade, seja ela interna ou externa. "Mais do que nunca, a UFSCar está trabalhando e mostrando que é uma Universidade imprescindível para a sociedade", concluiu a Reitora Wanda Hoffmann. 

Para saber mais sobre as ações da UFSCar no combate e enfrentamento à COVID-19 acesse o Portal COVID-19 UFSCar.

SÃO CARLOS/SP - A Prefeitura de São Carlos, através da Secretaria de Educação, começa nessa segunda-feira, dia 01 de junho, uma série de atividades pela internet com os alunos da rede municipal desde a educação infantil até a de jovens e adultos – EJA. Serão, basicamente, atividades que os professores irão preparar em casa (home office) e serão postadas nas redes sociais, como Facebook, blogs, WhatsApp e site da Secretaria de Educação.

A Secretaria de Educação deixa claro que são atividades pedagógicas ofertadas por meio de ambiente virtual, será uma retomada de trabalhos escolares para evitar o retrocesso na aprendizagem e manter o vínculo escola/ família e também atender a carga de 800 horas letivas obrigatórias principalmente no ensino fundamental. Na educação infantil os professores enviarão aos pais orientações de atividades lúdicas para que eles possam compartilhar junto com as crianças esse momento diferente na vida e na rotina de todos.

Com relação a educação infantil, a diretora pedagógica da Secretaria Municipal de Educação, Cilmara Seneme, lembra: “pai e mãe não são professores e a casa das famílias também não é um ambiente escolar. Por isso, a ideia e as ações serão na perspectiva de que todos juntos possam aproveitar parte do tempo para brincadeiras, instantes de interação e aprendizagem”. Ela frisa, ainda, que há diferenças de abordagens para cada estágio da vida escolar e, em função disso, durante a semana uma estratégia de ação e planejamento pedagógico será estabelecida para atender a essa demanda do momento.

“Já para o ensino fundamental as atividades virtuais, não presenciais, poderão sim ser contadas como horas letivas. Para os estudantes que não têm acesso à internet e às redes sociais nós vamos promover a chance de trabalhos impressos para entrega e devolução dos resultados nas próprias unidades escolares, sempre seguindo, claro, um cronograma determinado e com todos os cuidados dos protocolos de segurança sanitária durante esse período de pandemia”, enfatiza Cilmara.

O secretário de Educação, Nino Mengatti, disse que essa primeira semana, de segunda a sexta-feira, de 01 a 05 de junho, será uma fase de adaptação e adequação da proposta de retomada de parte da rotina escolar. “Tudo isso é um ambiente novo para todos nós que fazemos parte da rede pública de ensino municipal, e de modo especial, com certeza, para alunos e professores. Por isso, aos poucos iremos percebendo as necessidades e executando os ajustes importantes. O que vale, nesse instante, é o ânimo e a coragem de cada professor e professora, de cada pai e de cada mãe, como também de cada aluno, para que possamos passar por esse período de forma menos traumática possível”.

Inscrições podem ser realizadas até o dia 28 de junho

 

SÃO CARLOS/SP - A Agência de Inovação da UFSCar (AIn), a Pró-Reitoria de Pesquisa (ProPq), a Pró-Reitoria de Pós-Graduação (ProPG) e a Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tornam público o edital (https://bit.ly/3gBB6TJ) de seleção de orientadores e empresas parceiras no âmbito da Chamada CNPq Nº 12/2020 - Programa de Mestrado e Doutorado Acadêmico para Inovação (MAI/DAI).

O Programa busca fortalecer a pesquisa, o empreendedorismo e a inovação nas Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) do Brasil, por meio do envolvimento de pesquisadores em projetos de interesse do setor empresarial, mediante parceria com empresas. Na UFSCar, o edital prevê a implementação de bolsas em programas de pós-graduação para até 10 alunos de mestrado e 10 alunos de doutorado, além de até 60 bolsas de Iniciação Tecnológica e Industrial (ITI).

Os projetos devem ser aderentes às áreas prioritárias do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em setores das Tecnologias Estratégicas; Tecnologias Habilitadoras; Tecnologias de Produção; Tecnologias para o Desenvolvimento Sustentável; e Tecnologias para Qualidade de Vida. São também considerados prioritários os projetos de pesquisa Básica, Humanidades e Ciências Sociais que contribuam para o desenvolvimento das Tecnologias Prioritárias. 

As inscrições podem ser realizadas até o dia 28 de junho por qualquer empresa interessada ou por qualquer orientador credenciado em programa de pós-graduação da Universidade que tenha possibilidade de desenvolver projetos nessas áreas e em parceria com empresas. A inscrição não é garantia de aprovação ou disponibilização das bolsas pelo CNPq. Os interessados podem conferir todas as informações sobre o edital neste link (http://ain.ufscar.br/MAI_DAI/) e tirar dúvidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O edital do CNPq está disponível em https://bit.ly/3gBB6TJ.

Evento será realizado a distância entre os dias 24 e 27 de junho

 

SÃO CARLOS/SP - Está aberto até 8 de junho o prazo de submissão de resumos expandidos para o 1º CBDGeoMA - Congresso Brasileiro Digital de Geotecnia e Meio Ambiente, promovido pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da Universidade de São Paulo (USP), e que será realizado online entre os dias 24 e 27 de junho. 

O CBDGeoMA é o primeiro congresso digital de Geotecnia e Meio Ambiente do Brasil, cujo objetivo é a aprendizagem e reciclagem de profissionais e estudantes da área, durante o isolamento social provocado pela pandemia da Covid-19. 

A iniciativa tem origem nas Jornadas de Geotecnia da UFSCar realizadas em 2012, 2013 e 2015 que evoluíram para Congresso, nesta edição totalmente a distância, extrapolando fronteiras, não só estaduais como nacional. O evento é organizado pelas professoras da UFSCar Marcilene Dantas Ferreira, do Departamento de Engenharia Civil (DECiv), e Cláudia Marisse dos Santos Rotta, do Centro de Ciências da Natureza (CCN), e pelo professor Jefferson Lins da Silva, da EESC-USP. 

A programação terá palestras, debates e interações entre profissionais e acadêmicos de renome nacional e internacional da USP, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), das universidades federais do Rio de Janeiro (UFRJ), de Brasília (UnB), de Minas Gerais (UFMG), do ABC (UFABC), de Alagoas (Ufal), do Paraná (UFPR), do Pará (UFPA), do Amazonas (Ufam) e de Pelotas (UFPel), das universidades estaduais de Campinas (Unicamp), Paulista (Unesp) e de Maringá (UEM), da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Goiás), da Uniararas, do Instituto Mauá de Tecnologia, da Universidad Peruana de Ciencias Aplicadas (UPC) e da Universidad de la República (UdelaR) do Uruguai. 

Para apresentação durante o evento, são aceitos trabalhos nas sessões temáticas de Geotecnia e Meio Ambiente. Os interessados devem acessar o formulário e baixar o template do resumo, por meio deste link (https://linktr.ee/cbdgeoma), que também dá acesso às inscrições para as palestras. Todos os participantes receberão certificado.

O Congresso recebe apoio institucional da UFSCar, via Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), DECiv, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana (PPGEU) e Laboratório de Geociências; e da USP, pela EESC, Departamento de Geotecnia (SGS) e Laboratório de Geossintéticos. A iniciativa também conta com o apoio de empresas como EG Barreto e do canal Geotecnia Brasil.
Mais informações podem ser obtidas no site do evento (https://bit.ly/3erxTUV) ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. O cronograma completo pode ser acessado aqui (https://bit.ly/3dbY4yT).

O desenvolvimento desta política de permanência estudantil está sendo feito coletivamente

 

SÃO CARLOS/SP - A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tem apoiado estudantes de graduação em vulnerabilidade socioeconômica por meio do Programa de Assistência Estudantil (PAE). Ao todo, 2.714 estudantes são bolsistas do Programa. Para aprimorá-lo, e torná-lo cada vez mais transparente aos órgãos de controle, a Universidade vem construindo o "Programa de Acompanhamento dos Bolsistas".

As políticas de permanência estudantil são geridas pela Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis (ProACE) da UFSCar. "Todos os bolsistas do Programa possuem um técnico de referência, o que significa que o estudante tem a quem procurar sempre que necessita de algum tipo de apoio. O técnico de referência acompanha a história do estudante na Universidade desde que ele ingressa no Programa de Assistência Estudantil", explica o Pró-Reitor de Assuntos Comunitários e Estudantis, Leonardo Antônio de Andrade.

Agora, políticas como esta serão regulamentadas pela UFSCar por meio do "Programa de Acompanhamento dos Bolsistas", que está em construção e conta com o apoio do Laboratório METUIA, do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade. 

Os estudantes estão convidados a participar e a contribuir para o desenvolvimento desta política universitária. Os encontros serão on-line e os estudantes podem escolher uma das datas para participar:

1. Data: 04/06 - Horário: 16h
2. Data: 10/06 - Horário: 10h
3. Data: 16/06 - Horário: 14h
4. Data: 22/06 - Horário: 19h

Link para acesso às reuniões: https://meet.google.com/vce-geti-zzm

Dúvidas e sugestões podem ser endereçadas ao e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Devido à pandemia do novo Coronavírus, XII Geografando será virtual; atividades são gratuitas e abertas ao público

 

SOROCABA/SP - Em homenagem ao Dia do Geógrafo, celebrado em 29 de maio, a Coordenação do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), junto aos discentes de graduação do curso, realiza o XII Geografando. O evento, anual, promove o reconhecimento da importância da ciência geográfica na contemporaneidade e, neste ano, devido à pandemia do novo Coronavírus, será realizado pela primeira vez em versão virtual.

O XII Geografando apresenta a palestra "Resistências das Humanidades e organização popular das periferias", com a professora Silvia Lopes Raimundo, do recém-criado curso de Geografia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), além do lançamento do livro "Geografia e Cultura: olhares, diálogos, resistências e contradições", organizado pela professora Neusa de Fátima Mariano, do Departamento de Geografia, Turismo e Humanidades (DGTH-So) do Campus Sorocaba da UFSCar. Na programação cultural, haverá declamação de poemas.

O evento online acontece às 19 horas pela plataforma Google Meet (com acesso no link https://meet.google.com/ccz-vdgi-sbx). Não é necessária inscrição antecipada e haverá emissão de certificados.

Mais informações sobre o XII Geografando podem ser obtidas na página do evento no Facebook (encurtador.com.br/ciTV7). A ação conta com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da UFSCar.

Evento reflete sobre a promoção de relações não violentas, medidas de prevenção e proteção às vítimas

 

SÃO CARLOS/SP - Nos meses de maio e junho, o Departamento de Metodologia de Ensino (DME) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com o apoio do Núcleo de Formação de Professores (NFP) da Instituição, realiza uma série de rodas de conversa virtuais e interdisciplinares para discutir o cenário atual de pandemia do novo Coronavírus e suas implicações na Educação e nas Ciências.

Os debates online vão abordar temas como autoconhecimento e isolamento social; didática, política e coletividade; masculinidade e mulheres em vulnerabilidade em tempos de crise; violência doméstica em período de confinamento; pandemia e relações étnico-raciais; vacinas e relações entre ciências, política e sociedade; propagação de vírus e divulgação científica; e panorama educacional pós-pandemia. 

A próxima roda de conversa acontece na quarta-feira, dia 27 de maio, das 16 horas às 17h30, via ferramenta Google Meet, e enfocará a temática "Violência doméstica em período de confinamento por pandemia". A iniciativa está sob a coordenação de Aida Victoria Garcia Montrone, docente do DME, e objetiva abordar diferentes tipos de violência de gênero e analisar os impactos da pandemia do novo Coronavírus na violência doméstica, além de refletir sobre a promoção de relações não violentas, medidas de prevenção e proteção às vítimas. 

A roda de conversa terá a participação de Raquel Auxiliadora dos Santos, mestre em Educação com especialização em Educação de Jovens e Adultos, atual Presidenta do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de São Carlos; e Márcia Cangiani Fabbro, docente do Departamento de Enfermagem (DEnf) da UFSCar, que desenvolve estudos sobre saúde da mulher na perspectiva de gênero, e coordena, em conjunto com Montrone, o Núcleo de Estudos e Pesquisas de Saúde, Educação, Gênero e Direitos.

O evento é gratuito, aberto a todas as pessoas interessadas e tem inscrições limitadas, a serem feitas por meio do preenchimento de formulário online, disponível em https://tinyurl.com/roda03. A iniciativa conta com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da UFSCar. Mais informações podem ser obtidas na página do Facebook do NFP (https://bit.ly/3ftVk1h), onde também será disponibilizado o link de acesso ao encontro.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Junho 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30