fbpx

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
 

Programas enfocam experiências e pesquisas relacionadas ao fragmento do Cerrado da Universidade

 

SÃO CARLOS/SP - O projeto de extensão "Visitas Orientadas à Trilha da Natureza" está com as atividades de visitação ao Cerrado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) suspensas em função das restrições de acesso impostas pela pandemia de Covid-19. Contudo, as atividades de divulgação da importância da conservação dessa área em particular e de sensibilização da comunidade em relação à conservação ambiental, em sentido amplo, continuam. Para isso, novos formatos têm sido utilizados. Assim, neste ano, o projeto está lançando a segunda temporada de podcasts na qual, a cada duas semanas, são entrevistados pesquisadores que conduzem seus projetos no fragmento de Cerrado da UFSCar. 

Os podcasts são produzidos pela equipe de monitores e bolsistas do Projeto, sob a coordenação de Eduardo Barreto de Oliveira, estudante do curso de Linguística e bolsista da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), que também apresenta e realiza as entrevistas. 

Para o primeiro programa de 2021 - lançado no mês de março -, foi entrevistada a colaboradora da "Trilha da Natureza" e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Conservação da Fauna (PPGCFau) da UFSCar Melissa Freitas da Silva. Ela fala sobre a sua experiência como monitora da "Trilha da Natureza" e sobre a influência dessa experiência nas suas escolhas profissionais. No programa, ela também aborda a sua pesquisa "Uso da Mastofauna como Ferramenta para Conservação: Estudo de Caso do Cerrado Onde Fica a UFSCar - Campus São Carlos, SP", desenvolvida sob orientação da professora Ana Paula Carmignotto, do Departamento de Biologia (DBio-So) da UFSCar-Sorocaba, e coorientação da professora Carolline Zatta Fieker. 

Os programas estão disponíveis no Spotify (Trilha da Natureza), pelo link https://spoti.fi/2RhEg79

Minicurso

O projeto também está com inscrições abertas para o minicurso "Cada qual no seu lugar: regras de boa convivência para animais silvestres e domésticos". A atividade tem início no dia 14 de abril, com encontros semanais de 2 horas, às quartas-feiras, a partir das 19 horas. As inscrições devem ser feitas pelo formulário eletrônico (disponível em www.even3.com.br/cursotrilhadanatureza). As temáticas abordadas são "Animais silvestres em áreas naturais"; "Pets, animais silvestres e doenças"; "Covid-19 e animais silvestres"; "O animal silvestre pode ser pet?"; entre outros. 

Mais informações sobre a iniciativa constam nas páginas do Facebook (facebook.com/TrilhaDaNaturezaUfscar) e Instagram (instagram.com/trilhadanaturezaufscar) do Trilha da Natureza. 

Sobre a Trilha da Natureza

O projeto de extensão "Visitas Orientadas à Trilha da Natureza" da UFSCar nasceu em 1986, a partir da ideia de um grupo de professores do antigo Departamento de Ciências Biológicas de planejar uma trilha interpretativa na área do Cerrado da Universidade. No entanto, o "Trilha da Natureza" só foi inaugurado em 10 de abril 1992. Desde 2014, é coordenado pelo Departamento de Apoio à Educação Ambiental (DeAEA) da Secretaria Geral de Gestão Ambiental e Sustentabilidade (SGAS) e tem a participação do Departamento de Ciências Ambientais (DCAm) e apoio da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx), todos da UFSCar. Como instituição parceira, conta com o Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC) da Universidade de São Paulo (USP), responsável pela condução da maioria das visitas escolares do Ensino Fundamental II e Ensino Médio.

Em 2014, o projeto passou a ofertar as visitas abertas à comunidade, que têm o intuito de levar pessoas a conhecerem o Cerrado da UFSCar. "Além disso, desde 2018, passamos a oferecer algumas atividades culturais - em parceria com outros grupos - que inclui a promoção de saraus artísticos, rodas de conversas, práticas de ioga, meditação e capoeira. São ações que contribuem para uma maior interação entre a comunidade e o remanescente de Cerrado da UFSCar e para a melhoria da qualidade de vida", complementa Liane Biehl Printes, coordenadora do DeAEA.

Com a pandemia, o projeto teve que se reinventar. Foram lançadas as lives da "Trilha da Natureza", que, além de apresentarem uma visita virtual pelo Cerrado, abordaram temas relacionados ao Cerrado e também à conservação da natureza de modo geral, tais como medicina do Cerrado, acidentes ofídicos, tradições indígenas, animais silvestres, fotografia de áreas naturais, conservação em zoológicos e educação ambiental. Todos esses programas podem ser acessados no canal do YouTube da Trilha da Natureza (https://bit.ly/3cVyWhX). Além das lives, o projeto já conta com 10 podcasts no Spotify (https://spoti.fi/2RhEg79).

Mais informações podem ser acessadas no site da SGAS (www.sgas.ufscar.br/deaea), nas páginas do projeto no Facebook (facebook.com/TrilhaDaNaturezaUfscar) e Instagram (instagram.com/trilhadanaturezaufscar/) ou solicitadas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Projeto pioneiro no País, Hub USP Inovação visa fomentar parcerias com startups, empresas e comunidades de negócios; para o Reitor Vahan Agopyan, "pandemia mostrou a importância de a universidade transferir conhecimento para a sociedade"

 

São Paulo/SP Num evento online realizado na manhã de sexta-feira, dia 9, a Universidade de São Paulo (USP) lançou uma plataforma com foco em inovação e empreendedorismo para facilitar a conexão entre o ambiente acadêmico, organizações voltadas para pesquisa, startups, comunidades de negócios, órgãos governamentais e a sociedade civil.

Idealizada para fomentar parcerias e disseminar o conhecimento técnico de uma das maiores universidades do mundo, a plataforma Hub USP Inovação (https://hubusp.inovacao.usp.br/) oferece informações detalhadas sobre iniciativas em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I) de organizações, programas, laboratórios e incubadoras ligadas às 42 unidades de ensino e pesquisa da USP, distribuídas em sete campi em todo o estado de São Paulo.

“A pandemia do coronavírus mostrou a importância de a universidade transferir conhecimento para a sociedade”, afirmou o Reitor Vahan Agopyan. “As pesquisas tecnológicas desenvolvidas pela USP foram fundamentais, pois conseguimos colocar produtos no mercado num intervalo de poucos meses: ventiladores pulmonares emergenciais que estão salvando vidas, almofadas hospitalares anatômicas em produção industrial, além de desenvolvimento de robôs”, exemplificou.

Segundo o Reitor Agopyan, a USP conseguiu mostrar sua capacidade de desenvolver conhecimento, testar e colocar em prática rapidamente soluções em várias áreas. “Precisamos de um facilitador, e o hub é a ferramenta adequada para a sociedade interagir e ter acesso ao conhecimento.”

Fruto de um trabalho integrado, sob supervisão do Professor Marcos Nogueira Martins, coordenador da Agência USP de Inovação (AUSPIN), órgão responsável pelo projeto, o Hub USP Inovação traz um levantamento abrangente de todas as áreas da universidade, incluindo as competências, serviços tecnológicos e equipamentos de cada um dos 5.300 professores atuais, além do legado representado pelas quase 1.200 patentes registradas pela USP, todas classificadas.

Com uma busca simples na plataforma, uma empresa ou instituição poderá encontrar projetos e especialistas que procura. Por exemplo, se uma empresa está interessada em um projeto de biotecnologia desenvolvido na USP ou em encontrar os especialistas nesta área, basta digitar “biotecnologia” no campo da busca e encontrará todas as competências, laboratórios e docentes associados ao tema.

De acordo com a Professora Geciane Porto, vice-coordenadora da AUSPIN, a plataforma foi desenhada para facilitar a aproximação da universidade com o setor produtivo interessado em desenvolver soluções tecnológicas relevantes. “Para uma empresa, inovação representa sobrevivência a longo prazo e o Hub oferece uma porta de entrada para identificar que tipo de solução existe na universidade para a necessidade que essa empresa procura”, afirma Geciane.

Na plataforma, há uma separação por áreas de busca para facilitar a navegação. São elas: Iniciativas, P&D&I, Competências, Educação, Empresas e Patentes. Na aba “Iniciativas”, por exemplo, o usuário poderá encontrar editais, programas e as estruturas da USP para fomento do empreendedorismo e inovação, como as incubadoras e parques tecnológicos. Em “P&D&I”, há diversos laboratórios, organizações e programas de desenvolvimento para consulta. Na aba de “Competências”, há a separação por área de conhecimento.

Em “Educação”, há várias possibilidades de busca para cursos de graduação e pós-graduação, com foco em Inovação e Empreendedorismo, oferecidos pela universidade. A aba “Patentes” reúne as patentes da USP que estão disponíveis para que empresas e organizações possam licenciar para aplicação e uso, inclusive aquelas que se encontram em domínio público.

Na área de “Empresas”, por sua vez, é possível encontrar cerca de 1.700 empresas e startups formadas por alunos e ex-alunos da USP, ou que passaram por processo de incubação na Universidade, as quais são identificadas com a marca DNA USP. Para se ter uma ideia da importância da marca, 7 dos 15 unicórnios (startups avaliadas em pelo menos 1 bilhão de dólares) brasileiros têm DNA USP: Nubank, 99, Gympass, iFood, C6 Bank, Wild Life e Loggi. “São empresas que foram fundadas por alunos e ex-alunos ou são fruto de algum projeto ou pesquisa da universidade ou passaram por alguma das incubadoras da USP”, acrescenta Geciane.

NA WEB:
Hub USP Inovação
https://hubusp.inovacao.usp.br/

CONTATO:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

SÃO CARLOS/SP - Integrada na realização da XIII Semana de Recepção aos Calouros da USP-2021, que se inicia neste dia 12, às 08h00, com uma cerimônia virtual, o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) iniciará igualmente sua própria programação de acolhimento aos novos alunos entre os dias 12 e 16 do corrente mês.

Desta forma, no dia 12, às 10h00, inicia-se a Semana de Recepção aos alunos de nosso Instituto com uma conversa entre os novos ingressantes, o diretor do IFSC/USP e o Presidente da Comissão de Graduação, na circunstância, os Profs. Vanderlei Bagnato e Luis Gustavo Marcassa, evento que será transmitido pelo Canal Youtube do Instituto (VER AQUI).

Seguidamente, às 14h00, os alunos pertencentes aos Cursos de Bacharelado e de Licenciatura participarão da sessão de apresentação do Centro de Estudos de Física de São Carlos (CEFISC) e da Secretaria Acadêmica de Licenciatura e Ciências Exatas (SACEx), iniciativas estas que ocorrerão em salas virtuais distintas, apenas dedicadas aos interessados.

A última iniciativa deste dia acontecerá às 17h30, através do Canal Youtube do IFSC/USP, com a cerimônia de entrega dos Prêmios Prof. Horácio Panepucci e Paulo Freire, onde na circunstância serão homenageados diversos professores, uma iniciativa que estará a cargo do CEFISC e da SACEx e que será igualmente transmitida pelo Canal Youtube do IFSC/USP (VER AQUI).

No dia 13 de abril, às 10h00 e 14h00 serão apresentados aos novos alunos, respectivamente, os Ambientes Virtuais Institucionais/Sociais do Instituto, bem como os Coordenadores dos Cursos de Física, Física Computacional e Ciências Físicas e Biomoleculares, através de transmissões fechadas.

Os dias 14 e 15 serão dedicados a atividades extracurriculares, eventos recreativos e confraternizações, sendo que o dia 16 de abril terá como destaque a Aula Magna que será ministrada pelo Prof. Sérgio Rezende (Universidade Federal de Pernambuco), intitulada “Ciência e Tecnologia no Brasil: Avanços históricos e ameaças atuais”, programada para acontecer às 10h30 e aberta ao público através do Canal Youtube do IFSC/USP.

Às 14 horas desse mesmo dia, a Semana de Recepção aos Calouros do IFSC/USP terminará com uma atividade de integração denominada “Arte à Tarde”.

 

Encontro é gratuito e aberto a todos os interessados

 

SÃO CARLOS/SP - Nesta segunda-feira, dia 12 de abril, o Programa de Pós-Graduação em Ciência Tecnologia e Sociedade (PPGCTS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) promove uma aula magna com o tema "Saúde Pública Atual", aberta a todo o público interessado. A atividade será transmitida pelo Youtube e as inscrições devem ser feitas pela Internet.

O evento online terá a participação de Bernardino Alves Souto, docente do Departamento de Medicina da UFSCar, e Raphael Mendonça Guimarães, pesquisador da Fiocruz, e será mediado por Vinício Carrilho Martinez, docente do Departamento de Educação da UFSCar e coordenadora do PPGCTS.

A aula será transmitida pelo canal do Encontros CTS no Youtube (encurtador.com.br/bcuGX), das 14 às 16 horas. Para inscrição e emissão de certificados, os interessados devem se inscrever pelo site https://bit.ly/3wEWAHB.

Complementar às ações existentes, iniciativa receberá doações de pessoas físicas e jurídicas

 

SÃO CARLOS/SP - A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) vai criar um novo programa de fomento à permanência estudantil, que receberá doações de recursos financeiros destinados ao custeio de moradia, alimentação, transporte, dentre outras necessidades de alunos em situação de vulnerabilidade. A iniciativa, aprovada pelo Conselho Universitário (ConsUni) em reunião no dia 1º de abril, será concretizada pela Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FAI-UFSCar) e surge em um contexto de cortes nos recursos do Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) e de agravamento das condições de vulnerabilidade diante da pandemia de Covid-19. 

"Desde que assumimos a gestão da UFSCar temos discutido sistematicamente a questão do direito à permanência estudantil. É nosso compromisso. Queremos garantir que todos que tenham acesso ao Ensino Superior público concluam sua formação. Não adianta democratizar a entrada sem garantir a permanência, que é um direito. Este é um momento histórico para a Instituição. Doar nesta hora de calamidade significa investir no desenvolvimento do País", ressaltou a Reitora da UFSCar, Ana Beatriz Oliveira, na reunião do ConsUni, na qual o projeto foi aprovado por unanimidade. 

Os recursos para o programa de fomento devem vir da contribuição de pessoas físicas e jurídicas. A distribuição será feita por meio de editais, com critérios e procedimentos de análise socioeconômica. A captação dos investimentos será feita pela FAI, mas um comitê no Conselho de Assuntos Comunitários e Estudantis (CoACE) da UFSCar deve ser o responsável por definir e acompanhar as ações a serem concretizadas com as doações captadas. 

O Diretor Executivo da FAI, Targino de Araújo Filho, explicou que serão buscados parceiros interna e externamente à Universidade, com prospecção de empresas e convite a ex-alunos que se formaram na Universidade e agora podem apoiar quem busca concluir o Ensino Superior. "A UFSCar tem tradição em ações afirmativas e a assistência estudantil é inegociável. É um momento muito importante, em que a gente apela à solidariedade das pessoas. A solidariedade precisa vencer. Vamos trabalhar de forma transparente, com medidas de controle e acompanhamento de receitas e despesas", garantiu Araújo Filho, que foi Reitor da UFSCar entre 2008 e 2016. 

Atualmente, mais de duas mil pessoas, alunos de graduação, recebem algum tipo de apoio da UFSCar para permanecer estudando, o que representa cerca de 14% do total de estudantes. A Universidade investe, por mês, aproximadamente R$ 900 mil em bolsas, auxílios e pagamento de aluguéis e gás de cozinha para as moradias estudantis. Contudo, desde janeiro de 2021, tem recebido cerca de R$ 700 mil em recursos do PNAES. 

No total, em 2021, a UFSCar deve receber do PNAES pouco mais de R$ 8,3 milhões. O valor é R$ 2,2 milhões menor quando comparado a 2019. "O pagamento das bolsas e auxílios tem sido possível, até o momento, por conta de saldos do exercício passado e de complementação de recursos de outra fonte do orçamento", alerta Djalma Ribeiro Junior, Pró-Reitor de Assuntos Comunitários e Estudantis. 

Compromisso
Considerando todo o cenário, representantes discentes presentes à reunião do ConsUni fizeram manifestações enfáticas na reunião. Lembraram, sobretudo, que a assistência estudantil é um direito e não, portanto, um favor, afirmando que o momento é de desespero e que já há estudantes abandonando os estudos por causa de piora em sua situação socioeconômica. Reconheceram, de outro lado, a reação da UFSCar no sentido de priorizar a assistência estudantil. 

Com o novo programa de fomento, a expectativa é que também seja possível destinar recursos para pós-graduandos. Na reunião, Rodrigo Constante Martins, Pró-Reitor de Pós-Graduação, caracterizou o momento como crítico para a área. No seu relato, registrou que bolsas cortadas em 2018 pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) estão sendo efetivamente recolhidas a partir de agora e que, até 2023, a UFSCar deve perder mais de 30% do total de bolsas de pós-graduação. Além disso, o Pró-Reitor lembrou que a expectativa é que, até o fim de 2022, todos os programas de pós-graduação tenham implementado ações afirmativas, o que deve aumentar o número de estudantes em situação de vulnerabilidade. 

Neste sentido, o Pró-Reitor de Assuntos Comunitários Estudantis esclareceu que o novo programa de fomento surge no contexto da pandemia mas não tem prazo para acabar. "A ideia é que o programa se sustente dentro da UFSCar. Temos de garantir os direitos que o Governo não tem garantido. Agora, vamos poder aumentar o número de pessoas que podem participar do Programa de Permanência Estudantil. Isso não é caridade, é uma forma de ter uma sociedade melhor", defendeu. 

Informações sobre como doar no âmbito Programa de Fomento à Permanência Estudantil da UFSCar serão divulgadas em breve, mas o contato de pessoas interessadas ou eventuais dúvidas já podem ser encaminhadas para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Pioneirismo
O compromisso da UFSCar com a democratização do acesso à Educação Superior e a garantia de permanência está inscrito na história da Instituição. A Universidade foi pioneira em políticas de permanência estudantil, oferecendo oportunidades desde muito antes do decreto de 2010 que instituiu o PNAES. Além disso, desde 2007 a Universidade mantém o seu Programa de Ações Afirmativas, ou seja, cinco anos antes da lei federal que instituiu a reserva de vagas para pessoas negras, indígenas e, mais tarde, de pessoas com deficiência, de escolas públicas e em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

O cadastro no site Vacinaja é o primeiro passo para imunização que começa neste sábado (10/04)


SÃO CARLOS/SP - A imunização contra a COVID-19 para os profissionais da educação com 47 anos ou mais que atuam nas escolas, desde a creche ao ensino médio, nas redes estadual, federal, municipais e privadas de São Carlos, começa neste sábado (10/04) em São Carlos.

Poderão ser imunizados profissionais que atuem nas escolas com funções como secretários, auxiliares de serviços gerais, faxineiras, mediadores, merendeiras, monitores, cuidadores, diretores, vice-diretores, professores de todos os ciclos da educação básica, professores coordenadores pedagógicos, além de professores temporários.

Para fazer a imunização o Departamento de Vigilância em Saúde da Prefeitura de São Carlos retirou no Departamento Regional de Saúde (DRS III de Araraquara) mais 6.270 doses da Coronavac, sendo 4.320 doses para idosos e 1.950 para a educação.
“Essas doses serão utilizadas para a imunização em segunda dose dos idosos de 72 a 74 anos e para os trabalhadores da educação a partir de 47 anos”, explica Crislaine Mestre, diretora de Vigilância em Saúde.

Os profissionais da educação devem fazer o cadastro no site https://vacinaja.sp.gov.br/educacao, com número do CPF, nome completo e e-mail. Em seguida, receberão um link no e-mail indicado e será necessário validá-lo para dar continuidade ao cadastro. É importante verificar se o e-mail não foi deslocado para a caixa de spam.

No passo seguinte, o profissional da educação deve confirmar os dados pessoais e apontar nome da escola, rede de ensino, município e cargo ocupado. Também será necessário anexar os holerites dos meses de fevereiro e março.

Na sequência, o cadastro passará por um processo de análise e, se validado, o profissional receberá em seu e-mail o comprovante VacinaJá Educação e este documento terá um QRCode para verificação de autenticidade.

No momento da vacinação, o profissional da educação deverá apresentar o comprovante Vacinaja Educação, RG e CPF para conferência dos dados pelo profissional de saúde. Caso o usuário não apresente o comprovante Vacinaja Educação ou o seu número de CPF não conste no comprovante apresentado, ele não poderá ser imunizado.

LOCAIS – Neste sábado (10/02) a vacinação dos profissionais da educação vai ocorrer somente nos dois postos volantes com sistema drive thru localizados na FESC, na Vila Nery e no Estádio do Luisão, na Vila Prado, das 9h às 13h. Durante a semana, além dos postos volantes, os profissionais da educação também podem procurar as unidades básicas de saúde do Santa Felícia com extensão na Escola Estadual Attilia Prado Margarido) da Vila São José (com extensão na E.E. Andrelino Vieira) da Redenção (com extensão na EMEB Carmine Botta), do Azulville e do Cidade Aracy. O horário nessas unidades será das 13h às 16h.

Na quarta-feira (14/04), excepcionalmente, as unidades básicas de saúde do Santa Felícia e da Vila São José também vão atender os profissionais da educação no período da manhã, das 9h às 13h.

Denise Braga, diretora do Departamento de Gestão e Cuidado Ambulatorial, disse que com o esquema montado não há necessidade de aglomeração. “Estamos colocando também as escolas como postos de apoio das maiores unidades básicas, caso das UBS’s da Redenção, Vila São José e Santa Felícia. Vamos atender a todas e todos, por isso é preciso calma para que não ocorra aglomeração”.

IDOSOS – Os idosos que precisam tomar a segunda dose e aqueles com 68 anos ou mais que ainda não se vacinaram devem procurar essas mesmas unidades durante a semana, porém no período da manhã, das 9h às 13h.

São mais de 280 mil visitas no site e 100 mil impressões mensais nas redes sociais do projeto

 

SÃO CARLOS/SP - O InformaSUS, projeto de extensão da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), está completando um ano e colhendo resultados positivos da interação proposta entre universidade e sociedade por meio da comunicação social e científica de qualidade nas áreas da Saúde, Educação e Políticas Públicas. Atualmente, são mais de cem pessoas envolvidas voluntariamente nas atividades, dentre alunos, servidores docentes e técnico-administrativos, além de colaboradores externos da UFSCar.

O InformaSUS surgiu em março de 2020 a partir do esforço coletivo de docentes, técnicos e alunos da UFSCar, mobilizados após a criação do Comitê de Controle e Cuidados em relação ao Novo Coronavírus na Universidade. A partir de diagnóstico feito por esse grupo, houve o consenso de que havia em circulação muitas notícias falsas sobre a Covid-19 e uma dificuldade evidente de organização de informações oficiais e científicas, dificultando sua interpretação, análise crítica e acesso da população geral. A partir do desenvolvimento de um plano de comunicação, o InformaSUS propôs a articulação de equipes temáticas com áreas específicas para a pesquisa, organização, checagem e produção de conteúdos para imprensa, internet e mídias sociais, qualificando as informações disponibilizadas ao público e auxiliando no controle da pandemia e no combate de notícias falsas.

Todo o conteúdo produzido - matérias, entrevistas, artigos, dentre outros - ficam disponíveis no site www.informasus.ufscar.br e nas redes socais do projeto - Facebook, Instagram, TikTok, Youtube e Twitter. Gustavo Nunes de Oliveira, docente do Departamento de Medicina da UFSCar e coordenador do InformaSUS, afirma que a iniciativa é uma organização em rede que conecta coletivos através da web e redes sociais, tendo como eixo central de ativação a comunicação social e científica em saúde, educação e políticas públicas. "Essa rede se constituiu, a partir do contexto da pandemia, com o objetivo inicial de conectar grupos temáticos para facilitar a produção e a difusão de informações para diversos públicos, de forma multilateral, propiciando a articulação de um plano de comunicação social no contexto da Covid-19", considera o docente.

Os projetos articulados pelo InformaSUS envolvem universidades públicas em todas as regiões do Brasil, constituindo-se cada vez mais em uma comunidade ampliada de produção de conhecimento e qualificação do papel social e público das universidades envolvidas.

Números e produções

Neste primeiro ano de atuação, foram 769 publicações, sendo 697 destinadas ao público geral, em 46 categorias temáticas diferentes. O site recebeu 284.358 visitas; 129.878 leitores, sendo 21.307 recorrentes; e alcance em mais de cem países. Nas redes sociais, o InformaSUS chegou a cerca de 50 mil pessoas e 100 mil impressões por mês.

O InformaSUS também apoiou diversos projetos e iniciativas no âmbito da Saúde Mental; Atenção Primária em Saúde; Saúde da Pessoa Idosa; Pessoas com Deficiência; Saúde Indígena; Saúde da População Negra; População LGBTTQIA+; Pessoas em Situação de Rua; Saúde da Criança; Saúde das Mulheres; Saúde Bucal; População Privada de Liberdade; Pessoas com Doenças Neurológicas; Doenças Crônicas; Uso Racional de Medicamentos; Participação Social; e Políticas Públicas. Além disso, 57 iniciativas solidárias com diferentes públicos-alvo foram apoiadas pelo projeto. 

No que se refere a um processo de criação que surgiu em um contexto de crise sem precedentes, o professor Gustavo acredita que o InformaSUS conseguiu apresentar uma resposta sobre como articular um plano de comunicação diante da pandemia. Como desafios, o coordenador do projeto aponta a sustentabilidade da iniciativa e a manutenção do engajamento e voluntariado da equipe.

"Nunca sonhamos em chegar aonde chegamos, em alcançar tantas pessoas, em conectar tantos grupos. Os aprendizados alcançados e a produção de conhecimento científico gerada são um indicativo sobre novas formas de se fazer e valorizar a comunicação no campo da saúde, na cultura científica e no enfrentamento de crises", conclui Gustavo de Oliveira sobre o primeiro ano do projeto. 

Todos os conteúdos e materiais produzidos estão disponíveis no site e nas redes sociais do InformaSUS. O contato com a equipe do projeto pode ser feito pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

SÃO PAULO/SP - A nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) pode ser usada por estudantes na busca de uma vaga em universidades fora do Brasil. Atualmente, instituições em Portugal, Estados Unidos, Canada, Reino Unido, Irlanda e França recebem alunos com as notas do teste brasileiro.

Cada país e cada instituição tem uma forma especifica para selecionar alunos a partir das notas do Enem. Em comum, todos exigem a solicitação de um visto de estudante, que será valido pelo período do curso desejado.

Portugal é o país que oferece mais oportunidades. São 49 instituições de ensino superior, com cursos em diversas áreas. Além da possibilidade de morar na Europa, o idioma facilita a compreensão dos conteúdos e retira a necessidade de proficiência em outra língua. Nos demais países, e obrigatório entender o idioma para poder assistir as aulas.

Na lista de universidades portuguesas, há instituições públicas e privadas. Por se tratar de instituições que cobram, há uma série de valores que precisam ser observados pelos estudantes. Há taxas de matrícula, adesão e os valores das anuidades, que é, especificamente, o valor que se paga pelo curso escolhido.

“Os requisitos mínimos para estudar na Universidade de Lisboa podem depender de cada faculdade da Universidade, que estabelecem requisitos próprios para os estudantes internacionais”, explica Isabel França, diretora de Relações Externas e Internacionais da instituição.

Veja abaixo a lista de exigências gerais em cada país

  • Portugal – 49 instituições – Ensino médio completo, nota mínima de 500 pontos e passaporte
  • França – 4 instituições – Ensino médio completo, documentação traduzida, teste de proficiência em francês, ter sido aprovado em curso similar no Brasil e passaporte
  • Estados Unidos – 3 instituições – Ensino médio completo, documentação traduzida, teste de proficiência em inglês e passaporte
  • Reino Unido – 3 instituições – Ensino médio completo, documentação traduzida, teste de proficiência em inglês e passaporte
  • Irlanda – 1 instituição – Ensino médio completo, documentação traduzida, teste de proficiência em inglês e passaporte

Veja a lista completa das instituições e as exigências especificas das universidades

 

Bolsas de estudo

É possível cobrir os gastos anuais das universidades, ou parte deles, por meio de bolsas concedidas por algumas instituições. No Brasil, a Fundação Estudar e o banco Santander concedem bolsas parciais e integrais para estudos internacionais.

Muitas das instituições de ensino também oferecem bolsas integrais e parciais, algumas cobrem, inclusive, gastos com moradia e com materiais didáticos. Neste caso específico, é preciso consultar em cada instituição e encontrar aquelas que oferecem esse tipo de bolsa.

Também é possível conseguir apoio financeiro pelos editais da Capes e CNPq, do governo federal, que abrem frequentemente editais para financiar estudos da graduação ao doutorado em países parceiros.

Caso o estudante não consiga uma bolsa, há a possibilidade de financiar os estudos ou conseguir um empréstimo para pagar os custos. A empresa Remessa Online, em parceria com a financeira Creditas, por exemplo, oferece um financiamento para estudos no exterior.

 

Pandemia

Todos os países listados, com exceção da França, conseguiram conter o avanço do novo coronavírus por meio das diversas ações aplicadas, dentre elas a vacinação em massa. Por causa do momento estável que passam, os Estados Unidos e Reino Unido -dentre os listados, não aceitam, até o momento, voos do Brasil. Os demais aceitam com algumas restrições.

  • Portugal – aceita viajantes internacionais por motivos profissionais, de estudo, de reunião familiar, por razões de saúde ou por razões humanitárias. É preciso ter feito o teste RT-PCR de covid e, certamente, ter testado negativo;
  • França – aceita estrangeiros, desde que tenha feito o teste RT-PCR valido até 72h da chegada e que tenha, em mãos, declarações exigidas pelo governo francês preenchidas,
  • Irlanda – aceita viajantes no país, desde que tenha preenchido uma declaração do governo e que tenha apresentado resultado negativo para o teste PCR da covid.

 

 

*Por: Kesley Pereira / PODER360

Atividades são online, gratuitas e abertas ao público

 

SOROCABA/SP - De 16 a 26 de abril, a Biblioteca da UFSCar-Sorocaba (B-So) realiza o minicurso virtual "Como fazer citação e referência". Ministrado pela bibliotecária Milena Polsinelli Rubi, o minicurso tem por objetivo apresentar as regras para fazer citações e referências em trabalhos acadêmicos, de acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

As atividades serão realizadas por meio do ambiente virtual Google Classroom, sem horários fixos, ou seja, cada participante poderá acessar o material e fazer as tarefas em seu próprio tempo, dentro do período previsto. Para participar, é preciso ter conta pessoal no GMail (e-mails institucionais migrados para a plataforma GSuit-Google não dão acesso ao curso).

A iniciativa é gratuita e aberta a todas as pessoas interessadas (não precisa ter vínculo com a UFSCar), seguindo o cronograma: 13 de abril, inscrições, neste formulário online (https://bit.ly/3ma4TpU), até completarem as 300 vagas disponíveis; 16 a 26 de abril, disponibilização do material de estudo e realização das atividades; 26 de abril, entrega da avaliação final; e 27 de abril, encerramento da turma. Durante todo o período, será possível tirar dúvidas com a bibliotecária.

Haverá emissão de certificado, que está condicionada à inscrição e à entrega da avaliação final no prazo determinado. Mais informações podem ser acessadas no site da B-So (https://bit.ly/3fyQqCH). Dúvidas devem ser esclarecidas pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Inscrições devem ser feitas pela Internet

 

SÃO CARLOS/SP - Estão abertas as inscrições do processo seletivo para docente substituto na área de Língua Brasileira de Sinais (Libras), para atuação no Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Estão sendo ofertadas duas vagas. As inscrições podem ser feitas pela Internet, até 14 de abril. 

Os candidatos devem ter graduação em Letras-Libras, Letras, Pedagogia, Linguística, Psicologia, Educação Especial ou Fonoaudiologia e ter título de mestre em Educação, Educação Especial, Linguística, Linguística Aplicada ou Letras. O regime de trabalho é de 40 horas semanais.

O processo seletivo simplificado constará de análise do curriculum vitae documentado e aferição de proficiência em Libras, de caráter eliminatório e classificatório. Todas as informações devem ser conferidas no edital (https://bit.ly/3dysrAR), disponível no site concursos.ufscar.br, nas opções Fase de Inscrição - Professor Substituto - São Carlos.

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Abril 2021 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Comércio e Serviços em Geral