fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Podem participar educadores, familiares e responsáveis por crianças de zero a seis anos, até o dia 31 de outubro

 

SÃO CARLOS/SP - O Grupo de Pesquisas a respeito das crianças, Educação Infantil e estudos da infância (CRIEI) e o Grupo Educação e primeira infância em contexto (EDIPIC), ambos da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), estão realizando a pesquisa intitulada "Condições e perspectivas para Educação Infantil e a infância em tempos de pandemia".
O projeto nasce do interesse em compreender as experiências de vida das crianças e suas famílias no contexto da Covid-19 e no pós-pandemia. O estudo objetiva pensar e mobilizar a Educação Infantil diante das demandas e impactos advindos dos novos tempos, atentando às informações e aos posicionamentos de educadores - sendo considerada toda a comunidade educativa das creches e pré-escolas, ou seja, docentes e não docentes, incluindo equipes de apoio - e familiares ou responsáveis por crianças de zero a seis anos.
A realização da pesquisa terá dois momentos e conta com a participação da comunidade de educadores e de familiares ou responsáveis para compreender as condições das crianças durante a pandemia. Primeiramente, será feito um mapeamento dessas condições de forma ampla, a partir de questionários online, que podem ser respondidos até o dia 31 de outubro - um específico para educadores, acessado aqui (https://bit.ly/3iIfNzU), e outro para familiares ou responsáveis, disponível neste link (https://bit.ly/33H7aBh). Para a segunda etapa, serão aprofundadas as principais demandas apresentadas, via outros instrumentos de pesquisa a serem divulgados oportunamente.
O CRIEI está vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED-So) do Campus Sorocaba da UFSCar, e é coordenado por Maria Walburga dos Santos, docente do Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE-So), e Andreia Regina de Oliveira Camargo, professora no Núcleo de Educação Infantil - NEI Paulistinha, na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Já o EDIPIC é vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e ao Programa de Pós-Graduação Profissional em Educação (PPGPE), do Campus São Carlos da UFSCar, e liderado por Cleonice Maria Tomazzetti e Andréa Braga Moruzzi, docentes do Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTTP) da Instituição.
Dúvidas podem ser esclarecidas pelos e-mails dos grupos de pesquisa - Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Resultados dos estudos serão divulgados, na íntegra, no Seminário Policiamento Ostensivo e Relações Raciais, nos dias 21 (hoje) e 22/10

 

Uma pesquisa sobre desigualdades raciais produzidas em abordagens policiais, coordenada por Jacqueline Sinhoretto, docente do Departamento de Sociologia (DS) e líder do Grupo de Estudos Sobre Violência e Administração de Conflitos (GEVAC) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apontou que pessoas negras sofrem de três a sete vezes mais punições do que pessoas brancas. O estudo, realizado durante três anos, analisou dados quantitativos de prisões em flagrante e letalidade policial por cor/raça. Também foram feitas entrevistas em profundidade com policiais militares sobre o tema polícia e racismo, permitindo conhecer o que policiais brancos e negros, oficiais e praças, pensam sobre a temática.
De acordo com Sinhoretto, a proporção de prisões em flagrante de pessoas negras em relação às brancas chega a ser até quatro vezes maior, ponderando o número de brancos e negros na população. "As pessoas negras são alvo mais frequente de uso letal da força. A depender do ano e do distrito, a chance matemática de uma pessoa negra ser morta pela polícia é de três a sete vezes maior do que a chance de um branco receber o mesmo tratamento", explica a pesquisadora. 
Os relatos dos policiais apontam que seu trabalho é baseado na busca ativa de atitudes suspeitas, que a grande maioria descreve como sendo características corporais, de vestimenta, de gestual, de modo de andar e olhar, e até de cortar o cabelo. O estudo mostra que eles associam pessoas negras a essas atitudes suspeitas. "Dessa forma, não são atitudes impessoais que eles procuram, mas tipos físicos estigmatizados, estereótipos sobre o corpo e características culturais forjadas pelo racismo", esclarece Sinhoretto.
Segundo a docente, esse quadro foi obtido por meio de dados oficiais de São Paulo e Minas Gerais, pois a deficiência das estatísticas dificulta fazer o acompanhamento em todos os estados que foram analisados - além desses, Rio Grande do Sul e Distrito Federal. Além disso, as instituições negam a existência de evidências de discriminação racial na atuação policial, o que dificulta a discussão de soluções para reverter o quadro e melhorar as técnicas de trabalho policial. 
A pesquisa foi realizada em rede com a Universidade de Brasília (UnB), a Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e a Fundação João Pinheiro, núcleos ligados ao Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia sobre Estudos Comparados em Administração de Conflitos (INCT-InEAC). O relatório sobre a pesquisa pode ser acessado em https://bit.ly/31bXltm.

Seminário Policiamento Ostensivo e Relações Raciais
Os resultados na íntegra da pesquisa serão divulgados e debatidos no Seminário Policiamento Ostensivo e Relações Raciais, que é gratuito, aberto ao público e acontece nos dias 21 (hoje) e 22 de outubro, sem necessidade de inscrição prévia. O evento terá duas mesas, intituladas "Policiamento ostensivo e filtragem racial" e "Policiais e desigualdades raciais", e contará com a exposição de pesquisadores e comentários de policiais sobre os resultados encontrados. 
Informações detalhadas sobre os participantes estão no site do GEVAC (http://www.gevac.ufscar.br). A iniciativa será transmitida a partir das 16 horas, pelo canal do YouTube do INCT-InEAC (https://bit.ly/3k5lsBB) e pelo Facebook do GEVAC (facebook.com/ufscargevac).

Instituto tem a missão promover a consciência da biodiversidade para estimular a sua conservação e melhorar a qualidade de vida.

 

SÃO CARLOS/SP - O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Hymenoptera Parasitoides (INCT-HYMPAR), na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tem um novo espaço para pesquisa. O prédio com mais de 300 m² foi projetado pela equipe da Secretaria Geral de Gestão do Espaço Físico (SeGEF) da Universidade, viabilizado pela Pró-Reitoria de Administração (ProAd) e Reitoria da Universidade.

"Nossa equipe esteve engajada, sempre buscou o melhor para a UFSCar e concluímos mais um edifício que vai fortalecer a nossa infraestrutura de pesquisa", afirmou a Reitora da UFSCar, Wanda Hoffmann.

O obra foi viabilizada com recursos da própria Universidade e de órgãos de fomento, como o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). "A gestão da UFSCar não mediu esforços para a viabilização dessa construção. Para nós, da engenharia civil e arquitetura, inaugurar uma obra é sempre um momento muito especial. Inaugurar o edifício INCT-HYMPAR é um desses momentos especiais que eu guardarei na minha memória", afirmou o Secretário-Geral de Gestão do Espaço Físico, José da Costa Marques Neto. 

O novo prédio irá abrigar as atividades de pesquisa, ensino e extensão de grupos de vespas que atuam como parasitoides de outras espécies de artrópodes. "Concretizamos um importante objetivo relacionado aos projetos que vêm sendo desenvolvidos há cerca de 40 anos, quando decidimos pelo estudo da biodiversidade brasileira e escolhemos um grupo de vespas cujas larvas se desenvolvem dentro ou sobre o corpo de outros insetos", contou a Coordenadora do INCT-Hympar, Angélica Maria Penteado Martins Dias, docente do Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva (DEBE).

O INCT-HYMPAR é um centro de investigação e gestão da biodiversidade da Região Sudeste. O instituto tem como missão promover uma maior consciência sobre o valor da biodiversidade para estimular a sua conservação e melhorar a qualidade de vida do homem. O trabalho envolve Universidades, empresas, institutos de pesquisa e outras entidades públicas e privadas nacionais e internacionais.

"Esse novo espaço é bastante importante para a continuação das pesquisas que já vêm sendo desenvolvidas nessa área e vêm contribuído enormemente com a ciência brasileira, assim como a UFSCar", destacou o Pró-Reitor de Pesquisa (ProPq), João Batistas Fernandes. 

Para a Coordenadora de Apoio a Parcerias Institucionais, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fernanda Simões da Veiga, uma vitória para os INCTs. "O cientista é um guerreiro. A Professora Angélica e toda a equipe estão de parabéns. O trabalho do INCT junto com outros grupos é bastante importante. Os INCTs são, hoje, uma realidade vitoriosa".

"Nessa linha de pesquisa já foram formados dezenas de estudantes, em diferentes níveis, desde iniciação científica até o doutorado. Muitos daqueles aqui formados constituem, hoje, outros grupos de pesquisas em diferentes regiões do país, dando, assim, continuidade ao nosso trabalho", concluiu Angélica Maria Penteado Martins Dias.

Objetivo é conferir visibilidade à produção nacional e, também, promover a aproximação entre Ciência e públicos diversos

 

SÃO CARLOS/SP - O Laboratório Aberto de Interatividade para a Disseminação do Conhecimento Científico e Tecnológico (LAbI) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) acaba de lançar uma série de vídeos voltada à divulgação de esforços da comunidade científica brasileira em todas as áreas do conhecimento no enfrentamento da pandemia de Covid-19. A série, intitulada "Ciência contra a Covid-19", traz os próprios pesquisadores apresentando o seu trabalho, em episódios de cerca de cinco minutos veiculados semanalmente no site e nas redes sociais do Laboratório (Facebook, Twitter, Instagram e canal no YouTube).

Os três primeiros episódios já estão no ar. Na estreia, Marilaine Colnago, integrante do grupo de pesquisa Viser (Visualization, Image and Smart Energy), vinculado à Universidade Estadual Paulista (Unesp), apresenta a plataforma de visualização de dados sobre a pandemia SP Covid-19 Info Tracker. Aline Sommerhalder, docente no Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas (DTPP) da UFSCar, fala de pesquisa em desenvolvimento sobre o espaço de brincadeiras com crianças de 1 a 10 anos no contexto da pandemia. No episódio mais recente, Luís Felipe Cesar da Rocha Bueno, docente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), fala da Sala Planejada, ferramenta desenvolvida para estimar a distância segura entre pessoas em salas de aula e outros locais.

"As dificuldades na relação entre Ciência e público têm estado no foco, mas o contexto também oferece oportunidade de conferir mais visibilidade à pesquisa desenvolvida no Brasil. Há grupos brasileiros produzindo na fronteira do saber, com resultados relevantes para o enfrentamento da pandemia em termos globais e, também, pesquisadores em diferentes momentos da carreira colocando seus conhecimentos a serviço de medidas desde as mais simples e localizadas até as mais abrangentes, que possam nos apoiar na superação deste momento. A série surge justamente para mostrar a mais pessoas esses esforços e, assim, concretizar os benefícios que os investimentos em Ciência podem trazer", registra Adilson Jesus Aparecido de Oliveira, Coordenador Geral do LAbI e docente do Departamento de Física da UFSCar.

"No contato com pesquisadores para a elaboração dos outros materiais que vimos produzindo desde o início da pandemia, como, por exemplo, o podcast Quarentena, que é diário e exige a realização de várias entrevistas, fomos percebendo uma grande diversidade de atuações e, em muitos casos, a ausência de experiências anteriores de divulgação desse trabalho. Por isso, a série pode ser também uma oportunidade interessante para mais pesquisadores vislumbrarem caminhos para essa comunicação com o público, hoje mais relevante do que nunca", complementa Tárcio Minto Fabrício, pesquisador de pós-doutorado e Coordenador de Conteúdo no Laboratório.

Os vídeos da série "Ciência contra a Covid-19" são gravados pelos próprios pesquisadores e finalizados pela equipe do LAbI. As pessoas interessadas em participar podem entrar em contato pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., para orientações. "Ciência contra a Covid-19" e as demais produções do LAbI no contexto da pandemia têm o apoio do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) fomentado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O material pode ser conferido no site do LAbI, em www.labi.ufscar.br.

BRASÍLIA/DF - Pesquisa PoderData divulgada nesta última 4ª feira (14) mostra que o governo do presidente Jair Bolsonaro é aprovado por 52% dos brasileiros. Outros 41% desaprovam, e 7% não souberam ou não responderam.

Os percentuais apresentam estabilidade desde a 2ª quinzena de agosto. Eis os números:

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 12 a 14 de outubro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 503 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

HIGHLIGHTS DEMOGRÁFICOS

O PoderData destacou, também, os recortes para as respostas à pergunta sobre a percepção dos brasileiros sobre o governo.

Dessa forma, fica clara a discrepância de percepção em relação à administração bolsonarista entre os sexos. Dos homens, 60% aprovam. Mas a proporção cai para 45% quando as respostas vêm das mulheres. Desde 2018 avaliam de modo mais negativo o governo de Bolsonaro.

Quem mais aprova

  • pessoas de 25 a 44 anos (56%);
  • os que estudaram até o ensino médio (58%);
  • moradores da região Norte (64%);
  • quem ganha até 2 salários mínimos (56%).

Quem mais desaprova

  • jovens de 16 a 24 anos (62%);
  • quem tem ensino superior (52%);
  • moradores da região Nordeste (46%);
  • os que recebem de 5 a 10 salários mínimos (60%).

Como indicam os infográficos acima, a popularidade de Bolsonaro e a de seu governo podem ter batido no teto. O efeito do auxílio emergencial parece ter se esgotado. A incógnita agora é como se comportará a opinião pública com o fim do pagamento das parcelas de R$ 300 (antes R$ 600). Quase 68 milhões recebem o benefício.

TRABALHO DE BOLSONARO

O PoderData também perguntou o que os entrevistados acham do trabalho de Bolsonaro como presidente: ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo.

Os percentuais se mantiveram estáveis em 15 dias. A rejeição ao trabalho do presidente (“ruim”“péssimo”) variou 3 p.p. desde o último levantamento, dentro da margem de erro. Passou de 30% para 33%.

Os que ganham de 2 a 5 salários mínimos são aqueles que mais rejeitam o trabalho de Bolsonaro (49% de “ruim” e “péssimo”). Os desempregados ou sem renda fixa estão na outra ponta (42% de “ótimo” ou “bom”). O grupo, que abarca quase metade dos brasileiros, também concentra os beneficiários do auxílio emergencial.

 

 

Highlights demográficos
Os homens (46%) e os moradores do Centro-Oeste e do Norte (49% e 46%, respectivamente) são os que mais consideram o trabalho do presidente “ótimo” ou “bom”.

Já os que têm de 16 a 24 anos (41%) e aqueles que ganham de 2 a 5 salários mínimos e de 5 a 10 salários mínimos (49% e 48%, respectivamente) são os que mais acham Bolsonaro “ruim” ou “péssimo”.

Leia a estratificação completa:

OS 25% QUE ACHAM BOLSONARO “REGULAR”

No Brasil, pergunta-se aos eleitores se acham que o governante faz 1 trabalho ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo. A “turma do regular” (25%) é sempre uma incógnita.

O PoderData faz 1 cruzamento das respostas desse grupo com os que aprovam ou desaprovam o governo como 1 todo. Os dados mostram que a proporção daqueles que enxergam o trabalho de Bolsonaro como “regular” e hoje aprovam seu governo é de 50%.

Do grupo dos que acham o presidente “regular”,  44% disseram desaprovar o governo há 15 dias. Agora, 34% fizeram essa afirmação.

O fato mais relevante: metade dos que acham o trabalho de Bolsonaro regular aprovam sua administração.

BOLSONARO NO NORDESTE

Há 15 dias, 55% dos moradores da região disseram aprovar o governo. Agora, são 50% desse grupo. Já a desaprovação cresceu de 33% para 46% desde o último levantamento.

Percebe-se no infográfico abaixo que a percepção positiva sobre o governo federal aumentou entre os nordestinos. Em junho, a aprovação ao governo era só de 27%.

Já quando questionados sobre o trabalho pessoal de Bolsonaro, 39% dos entrevistados da região disseram que a atuação é “ótima” ou “boa“. A curva de rejeição (“ruim” + “péssimo”) apresentou tendência de queda desde junho. Nesta rodada, no entanto, a variação foi positiva dentro da margem de erro, indo de 28% para 31%.

*Por: Rafael Barbosa / PODER360

WASHINGTON - O candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, ampliou a vantagem sobre o presidente Donald Trump em Wisconsin e na Pensilvânia, ganhando impulso em dois Estados que podem decidir o vencedor da eleição, mostrou pesquisa Reuters/Ipsos nesta segunda-feira.

As pesquisas apontaram que o ex-vice-presidente tem 7 pontos percentuais a mais que Trump em ambos os Estados. Uma semana antes, Biden tinha vantagem de 6 pontos em Wisconsin e 5 na Pensilvânia.

A Reuters/Ipsos está fazendo pesquisas com prováveis eleitores em seis Estados - Wisconsin, Pensilvânia, Michigan, Carolina do Norte, Flórida e Arizona - que desempenharão papéis fundamentais para decidir se Trump ganhará um segundo mandato ou se Biden o desbancará.

 

 

*Por: Jason Lange / REUTERS

Projeto acompanhou mais de 4 mil voluntários por quatro anos e foi divulgado recentemente em publicação internacional

 

SÃO CARLOS/SP - Uma pesquisa desenvolvida na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) comprovou que existe relação entre a deficiência de vitamina D e o risco de incapacidade funcional em atividades básicas de vida diária (ABVD) em pessoas com mais de 50 anos de idade. O estudo é fruto do mestrado de Mariane Marques Luiz, fisioterapeuta e atual doutoranda em Fisioterapia pela UFSCar, e teve a orientação de Tiago da Silva Alexandre, docente do Departamento de Gerontologia (DGero) da Instituição. A pesquisa contou com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp -Processo N. 18/13917-3).

A capacidade funcional é a habilidade que idosos apresentam para realizar as tarefas do dia a dia de forma independente. A incapacidade, portanto, se caracteriza pela dificuldade ou a impossibilidade de desempenhar atividades cotidianas como comer, se vestir, tomar banho, levantar, ir ao banheiro e andar. Apesar de alguns trabalhos já terem demonstrado uma associação entre baixos níveis de vitamina D com o comprometimento da capacidade funcional de idosos, nenhum havia verificado se a deficiência de vitamina D é um fator de risco para o desenvolvimento da incapacidade. "Assim, nossa pesquisa teve como objetivo analisar se a deficiência de vitamina D era um fator de risco para desenvolver incapacidade em ABVD, além de verificar se esse risco se dava de forma distinta entre homens e mulheres com 50 anos ou mais", destaca Alexandre.

O projeto acompanhou uma amostra de 4.814 participantes provenientes de uma base de dados do Elsa (English Longitudinal Study of Ageing), da Inglaterra, que integra, junto a outros estudos, o International Collaboration of Longitudinal Studies of Aging (InterCoLAging), coordenado pelo professor Tiago Alexandre. Para conduzir a pesquisa, foram selecionados somente indivíduos que não relataram dificuldade para realizar tarefas cotidianas. Os selecionados foram classificados quanto aos níveis de vitamina D no sangue, como suficiente, insuficiente ou deficiente, e também foram coletados dados socioeconômicos e as condições clínicas dos participantes. Após dois e quatro anos, esses indivíduos foram novamente avaliados para verificar se houve o desenvolvimento de dificuldade para realizar uma ou mais das ABVD.

De acordo com o docente da UFSCar, no final dos quatro anos de acompanhamento, os homens com deficiência de vitamina D tiveram um risco 44% maior de desenvolver incapacidade, quando comparados aos homens com níveis suficientes de vitamina D. Por sua vez, as mulheres com deficiência de vitamina D tiveram um risco 53% maior de desenvolver incapacidade, quando comparadas às mulheres com níveis suficientes de vitamina D.
Alexandre explica que o envelhecimento é, frequentemente, acompanhado de uma redução nos níveis de vitamina D no sangue e acrescenta: "Devido à vitamina D possuir uma importante participação na manutenção da saúde dos ossos e músculos, a sua deficiência pode levar a prejuízos musculares como a fraqueza e a atrofia muscular. Consequentemente, pode haver o comprometimento da funcionalidade dos indivíduos mais velhos, repercutindo em dificuldade ou impossibilidade de realizar as ABVD".

O professor também indica que, apesar do risco de desenvolver incapacidade ser numericamente maior nas mulheres com deficiência de vitamina D quando comparadas aos homens com a mesma deficiência, não houve diferença estatística entre esses valores. "Dessa forma, não é possível afirmar que existe diferença entre sexos na deficiência de vitamina D como fator de risco para incapacidade em ABVD", esclarece Alexandre.

Como resultado, o professor destaca que a relação entre "deficiência de vitamina D e incapacidade é clinicamente relevante, pois os níveis de vitamina D podem representar um indicador precoce do comprometimento funcional, que representa um importante agravo para a saúde dos idosos". Assim, segundo ele, o adequado monitoramento dos níveis de vitamina D é uma estratégia para prevenir o desenvolvimento de incapacidade em idosos. A principal fonte de vitamina D é a exposição ao sol, mas, em alguns casos, pode ser indicada a suplementação.

O estudo também teve a participação de pesquisadores da University College London, do Reino Unido, e foi publicado recentemente no Journal of Nutrition (https://bit.ly/33drU3k). O projeto utilizou os bancos de dados do Elsa, que teve sua aprovação ética concedida pelo Comitê de Ética em Pesquisa Multicêntrica de Londres (MREC 2/1/91).

O foco é combater infecções durante o uso de ventilação mecânica

 

SÃO CARLOS/SP - Pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) finalizaram o processo de desenvolvimento de um tubo endotraqueal especial que evita a formação de colônias bacterianas, evitando, dessa forma, infecções. O trabalho foi recentemente publicado pela prestigiosa revista da Academia Americana de Ciências – Procedings of the National Academy of Science (PNAS), no último mês de agosto.

O processo de intubação nada mais é que a introdução de um tubo na traqueia, um procedimento médico rotineiro que se realiza sempre que existe a necessidade de auxiliar a respiração de pacientes que estejam com doenças respiratórias, ou pelo fato do sistema nervoso estar comprometido em dar o comando aos pulmões para inflarem e desinflarem.

O designado tubo endotraqueal é, de fato, um objeto estranho ao corpo humano, sendo que na região da traqueia onde ele fica instalado existem mucos e outros fluidos, que, em situação normal, são constantemente trocados. Porém, na presença do tubo, esses fluidos e mucos acumulam-se e, devido a esse fato, inicia-se um processo de multiplicação bacteriana e as infecções se estabelecem, sendo muito comum os pacientes intubados contraírem pneumonia.

O trabalho dos pesquisadores do Grupo de Óptica do IFSC/USP consistiu em aderir aos tubo endotraqueal uma molécula de curcumina - que é totalmente amigável ao ser humano, não causando nenhum problema -, seguindo-se a introdução, nesse tubo, de uma fibra óptica - pouco mais grossa que um fio de cabelo - que ilumina o interior do tubo.

Dessa forma, quando as moléculas são iluminadas, um processo chamado “ação fotodinâmica” ocorre na superfície do tubo, produzindo espécies reativas de oxigênio, que atacam as bactérias, evitando assim qualquer infecção.

A equipe de pesquisadores está agora realizando mais testes e ensaios para, finalmente, testar em seres humanos.

Se este protocolo for bem sucedido, a solução poderá ser um alivio para os problemas de infecção relacionados com a ventilação mecânica em todo mundo, especialmente agora, em um momento grave onde as infecções respiratórias são as principais preocupações relacionadas com a pandemia da COVID-19.

Esta pesquisa teve a colaboração de pesquisadores da Universidade de Coimbra (Portugal).

 

 

 

*Por: Rui Sintra - Jornalista - IFSC/USP

Trabalho com perovskitas recebeu menção honrosa da Sociedade Brasileira de Física

 

SÃO CARLOS/SP - Tese de doutorado desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) recebeu menção honrosa na última edição da premiação de melhores teses da Sociedade Brasileira de Física (SBF), na área de Matéria Condensada e Materiais. O trabalho, intitulado "Técnicas de difração de elétrons e de caracterizações elétricas e térmicas combinadas para análise de transformações de simetria em estruturas perovskitas distorcidas: caso das soluções sólidas (Pb1-xCax)TiO3", foi realizado por Flávia Regina Estrada, sob orientação de Ducinei Garcia, docente do Departamento de Física (DF) da UFSCar.

Materiais agrupados no conjunto das perovskitas são desenvolvidos e investigados nos laboratórios pela sua relevância para aplicações em sensores e atuadores em diversas áreas, como em saúde, eletrônica, fotônica e energias renováveis, dentre outras. O que é comum às diferentes perovskitas é a sua estrutura cristalina genericamente representada com a fórmula ABX3, que indica três componentes ocupando posições diferentes nessa estrutura, idealmente cúbica. No entanto, parâmetros de processamento desses materiais, como a escolha da composição química, podem resultar em estruturas distorcidas (inclinadas ou com deslocamentos iônicos, por exemplo) e, embora essas distorções sejam fundamentais na definição das propriedades do material, são grandes os desafios encontrados pelos pesquisadores na sua determinação e controle.

Assim, o principal objetivo da pesquisa de Estrada foi a determinação inequívoca dessas simetrias, combinando diferentes métodos analíticos e experimentais, como técnicas de difração de raios X e difração de elétrons; caracterizações elétricas; e medidas de propriedades térmicas. O trabalho resultou em um protocolo que agora pode ser aplicado por outros pesquisadores na determinação das distorções e estruturas cristalinas de perovskitas ferroelétricas. "Perovskitas com propriedades ferroelétricas e piezoelétricas são muito usadas, por exemplo, em dispositivos eletrônicos. O seu desempenho depende diretamente das características estruturais do material, e por isso, conhecer as propriedades estruturais desses sistemas é indispensável ao desenvolvimento de dispositivos com melhor custo-benefício", explica a pesquisadora.

Para alcançar os objetivos propostos para a pesquisa, Estrada trabalhou nos laboratórios do Grupo de Materiais Ferroicos (GMF) da UFSCar e contou também com a infraestrutura dos laboratórios nacionais de Nanotecnologia (LNNano) e de Luz Síncrotron (LNLS), a partir de projetos submetidos ao Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). "Os desafios eram grandes e ela foi atrás do que precisava, e com muito autodidatismo, pois, no caso da difração de elétrons, era uma técnica que eu nunca tinha usado. Conversamos sobre os riscos e eu, como orientadora, passei por um momento difícil, em que não tinha como ajudar, só torcer", registra Garcia, destacando também os dias e noites passados nos laboratórios do CNPEM, para aproveitar ao máximo o tempo disponível.

Todo este esforço foi reconhecido, e não apenas pela SBF. Resultados preliminares levaram a premiações como melhor trabalho de simpósio no XV Encontro da SBPMat (Sociedade Brasileira de Pesquisa em Materiais), em 2016, e melhor trabalho de pós-graduação no 60º Congresso Brasileiro de Cerâmica, no mesmo ano. No início do doutorado, a pesquisadora foi selecionada no Programa de Intercâmbio de Estudantes Brasil/Estados Unidos, iniciativa das sociedades brasileira e americana de Física, e, recém-doutora, teve a oportunidade de realizar estágio de pós-doutorado no LNLS, interrompido para se tornar pesquisadora efetiva no próprio Laboratório, em 2018.

Os estudos que resultaram na tese contaram com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), sendo que estes últimos permitiram a colaboração também com pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá e da Universidade Federal da Grande Dourados.

Ataque quimioterápico e estimulação do sistema imunológico em câncer de pâncreas

 

SÃO CARLOS/SP - Um artigo científico publicado em julho último na revista Materials Advance (Royal Society of Chemistry - UK), dá a conhecer uma importante pesquisa realizada por pesquisadores do Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia do Instituto de Física de São Carlos (GNano-IFSC/USP), onde é apresentada uma nanocápsula com biofuncionalidade. Ainda em fase de pesquisa “in vitro”, os pesquisadores do GNano desenvolveram este novo formato de nanocápsulas especialmente dedicado ao combate do câncer de pâncreas, com uma atuação simultânea em duas frentes distintas, como explicamos a seguir.

O Paclitaxel e a Gemcitabina - designação de dois quimioterápicos  de primeira linha que atualmente são administrados a pacientes que se submetem a quimioterapia - provocam inúmeros efeitos colaterais, já que eles se espalham por todo o corpo. Neste trabalho científico, os pesquisadores desenvolveram uma nanocápsula que transporta estes dois quimioterápicos diretamente para o tumor, incidindo sua ação até neutralizá-lo e sem efeitos colaterais para o paciente. Por outro lado, os pesquisadores revestiram essa nanocápsula com uma membrana extraída da própria célula tumoral do paciente, o que provoca um ataque do sistema imunológico à célula cancerígena. Ou seja, a nanocápsula provoca um duplo ataque, simultâneo, ao câncer de pâncreas, algo que é considerado inovador em termos de nanomedicina.

Edson José Comparetti (28), primeiro autor do artigo científico e aluno de doutorado do IFSC/USP, salienta o fato de ter querido, neste trabalho, aprimorar a técnica de entrega de fármacos através de nanocápsulas. “Quis aprimorar essa entrega de quimioterápicos e para isso tive que utilizar membranas, nanopartículas lípidas, que são sintetizadas a partir das membranas das células cancerígenas. Então, a equipe extraiu a membrana da célula cancerígena, sintetizou uma nanopartícula com ela e conjugamos com os dois quimioterápicos - Paclitaxel e a Gemcitabina -, que são usualmente utilizados para tratamento do câncer de pâncreas. A vantagem de usar esse nanosistema é que quando extraímos a membrana da célula cancerígena, ela vem com proteínas que funcionam como direcionadoras dessa nanopartícula, e que vai facilitar a entrega dos citados nquimioterápicos à célula neoplásica. O maior diferencial deste artigo é que ele traz uma análise de imunomodelação dessas nanopartículas em monócitos do nosso sange periférico e em especial nas células dendriticas, que são as principais apresentadoras de antígeno, de material antigênico, para os linfócitos, que irão induzir uma resposta citotóxica contra a célula doente. Quando extraímos a membrana da célula cancerígena, ela vem com grande quantidade de material antigênico. Esse é o diferencial desta nanopartícula, pois carrega proteínas do câncer para a célula imunocompetente, que irá direcionar uma resposta uma resposta para a célula cancerígena - a célula doente. As nossas células expressam proteínas de adesão, incluindo quando podemos desenvolver câncer, sendo que no tecido existente entre as células existe uma grande quantidade de proteínas de adesão”, explica o jovem pesquisador.

O Coordenador do GNano, Prof. Valtencir Zucolotto (IFSC/USP), classificou este trabalho como excelente. “É um excelente artigo científico, que abre portas para novos desenvolvimentos e novas realidades. A partir daqui temos que aguardar que cesse esta emergência mundial relativa à pandemia, para iniciarmos os ensaios pré-clínicos com modelos animais”.

Além de Edson Comparetti, assinam este artigo cientifico os pesquisadores João Quitiba, Paula Lins e Valtencir Zucolotto.

 

 

 

*Por: Rui Sintra (IFSC/USP)

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Outubro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31