fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 

Instituição garante a continuidade de sua ação sociocultural com extensa programação online e ênfase na educação para a saúde, alimentação, bem-estar e solidariedade;

 

Retomada  no estado de São Paulo será gradual. Primeira etapa contempla serviços de odontologia para pacientes que já estavam em tratamento e atividades físicas para alunos já inscritos. Atendimentos serão agendados e protocolos obedecem a resoluções estaduais e municipais;

 

Desde o último dia 10, funcionários participam de treinamento sobre segurança em saúde, higiene e comportamento. Medidas englobam consultoria técnica especializada e soluções multidisciplinares.

 

São Paulo/SP – Assim que foi decretada a pandemia pela Organização Mundial da Saúde, todas as unidades do Sesc - Serviço Social do Comércio em São Paulo suspenderam o atendimento presencial, em 17 de março, para prevenir os riscos de propagação do Novo Coronavírus (Covid-19) entre freqüentadores e funcionários. Situação que demandou atitudes inéditas e uma tomada de decisões abrangente para a manutenção do relacionamento com o público de maneira efetiva, respeitando o isolamento social e os protocolos sanitários.

Uma agenda de transmissões ao vivo foi criada, agrupadas sob a hashtag #EmCasaComSesc e incluindo diversas linguagens artísticas: apresentações musicais, experimentações cênicas, exibições de filmes e apresentações para crianças, além de debates, bate-papos e treinos esportivos. Esse conjunto de ações foi responsável pela expansão, definitiva, das atividades do Sesc em território digital, também marcada pelo lançamento da Plataforma Sesc Digital, que reúne o acervo audiovisual da instituição, além de conteúdos inéditos, lançamentos digitais e cursos à distância.

No campo social, o Sesc adotou uma série de medidas com o objetivo de colaborar no enfrentamento da crise, como a doação de alimentos perecíveis e itens de proteção utilizados nas clínicas odontológicas, disponíveis nos estoques das unidades, para serviços públicos de saúde e assistência; a produção, também para doação a profissionais de saúde, de protetores faciais de acetato; a fabricação de máscaras artesanais de tecido, em parceria com iniciativas sociais presentes no entorno das unidades, para distribuição comunitária e geração local de renda; a promoção da saúde e do bem-estar por meio de ações educativas em saúde, alimentação e atividades físicas, além da continuidade das ações do programa Mesa Brasil, que realizou a doação de 55 mil cestas básicas e intensificou a distribuição de alimentos e, em caráter excepcional, de produtos de higiene e limpeza a instituições assistenciais, comunidades em situação de vulnerabilidade e aldeias indígenas, empreendendo também um esforço para o engajamento de novas empresas doadoras.

Mesa Brasil | Tecido Solidário | Fabricação Digital de Protetores Faciais

 

Ao final de agosto, cinco meses após a suspensão majoritária do atendimento presencial nas unidades, o Sesc São Paulo anuncia uma parcial e gradativa retomada, com um número restrito de atividades, dirigidas aos alunos que já eram inscritos nos cursos de Ginástica Multifuncional,  Práticas Corporais e Corrida,  além de pacientes das Clínicas Odontológicas cujos tratamentos foram interrompidos pela pandemia. Todas essas atividades serão previamente agendadas, visando restringir a circulação de público no interior das unidades.

“A ação do Sesc é bastante abrangente. Ela envolve a ação no campo da cultura, com todas as suas linguagens: na música, no cinema, no teatro, na dança, nas artes visuais. Mas o Sesc tem uma ação mais ampla, socioeducativa, na medida em que atua também com grupos vulneráveis, como idosos, crianças e pessoas de baixa renda”, afirma o diretor do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda. “Queremos dar início à prestação de serviços que julgamos indispensáveis e fundamentais à população e ao trabalhador, e que podem colaborar para a integralidade do bem-estar individual e o desenvolvimento social”, completa. “É um renascimento. Tivemos que inventar um modo de fazer, primeiro no ambiente virtual, e agora no presencial. Faremos tudo com o cuidado e os protocolos necessários para a segurança de funcionários e do público para, em seguida, pensar no pós-pandemia”, finaliza o diretor.

Desde o último dia 10, uma parcela dos funcionários iniciou os treinamentos para os protocolos de segurança em saúde, higiene e comportamento, e a intensificação dos trabalhos para a readequação estrutural das unidades. Cultura de Paz, Liderança, Saúde e Segurança Ocupacional, Cuidados com a Saúde Mental/Emocional e Fatores Psicossociais, Conjuntura Macroeconômica, Acessibilidade, Cidadania e Direitos Humanos em Tempo de Pandemia foram os temas selecionados pela gerência de Desenvolvimento de Pessoal para a instrumentalização das equipes nesta etapa, com a consultoria técnica de profissionais como os médicos Dráuzio Varella e Esper Kallás, além de um time multidisciplinar que conta com a jornalista Lia Diskin, o psicólogo Ricardo Hirata e a professora de Economia Carla Beni, entre outros, que estão contribuindo para a capacitação dos funcionários para a retomada do atendimento ao público.

Todas as 40 unidades do estado devem retornar à medida que os municípios em que estão instaladas atinjam a classificação necessária para reabertura, estabelecida pelo Plano São Paulo do Governo do Estado, e em conformidade com as regulações municipais. O plano prevê uma retomada consciente dos setores da economia em cinco etapas, de acordo com índices que envolvem a capacidade do sistema de saúde local e a evolução da epidemia. Apenas as unidades do Sesc instaladas em cidades que estão na fase 2 (laranja) e 3 (amarela) estarão habilitadas a reabrir. Atividades físicas só poderão retornar em municípios que estiverem na fase amarela.

As unidades serão sinalizadas com recomendações de autocuidado e segurança que deverão ser seguidas pelo público, além de marcações que orientam o distanciamento físico adequado para a circulação no prédio, nas salas, elevadores e com a medição de temperatura na entrada. Álcool em gel e desinfetante ecológico serão disponibilizados para o público e os vestiários não serão utilizados para banho e troca de roupas, disponíveis apenas para necessidades básicas e assepsia das mãos; os sanitários também terão oferta reduzida à higiene básica. As rotinas das equipes de limpeza foram ajustadas a fim de intensificar a frequência de higienização das superfícies de contato e espaços confinados, como os elevadores, por exemplo, que estão programados para serem higienizados a cada 1h.

As unidades que possuem estacionamento já contam com sistema automatizado para emissão e pagamento de tíquetes, ou seja, sem contato manual. A oferta será de 50% das vagas, sempre intercaladas. É importante que os alunos e pacientes tragam seus próprios copos, squeezes ou garrafas, pois as Comedorias permanecerão fechadas e os bebedouros se prestarão apenas para o abastecimento de recipientes, sem a possibilidade de se beber água diretamente do equipamento.

 

Práticas Corporais, Ginástica Multifuncional e Corrida

Os alunos que retomarem as atividades físicas deverão sempre fazer o uso de máscara de proteção, inclusive durante a prática. Neste primeiro momento, deverão retornar apenas alunos entre 12 e 59 anos, das turmas de Ginástica Multifuncional (GMF), Práticas Corporais e Corrida, e não será realizado o atendimento de públicos que compõem “grupos de risco”, entre eles os idosos. O Sesc também não receberá novos inscritos para as modalidades. O número de alunos por turma será reduzido, para garantir o distanciamento físico, respeitando o limite de uma pessoa a cada 8m². Os alunos matriculados receberam as orientações necessárias para suas consultas e aulas por meio de contato telefônico, e-mail ou SMS.

Nesse primeiro momento não haverá cobrança de mensalidades, mas a atualização do exame clínico que habilita o aluno para a prática de atividades físicas será exigido. Alunos já inscritos, cuja Credencial expirou, terão sua validade prorrogada até 31 de outubro. Para consultar a validade da Credencial, o Sesc disponibilizou, gratuitamente, o aplicativo Credencial Sesc SP, que pode ser baixado no Google Play e App Store.

Para agendar seu horário, os alunos deverão acessar a Central de Relacionamento Digital do Sesc São Paulo, em que estará disponível a grade de atividades de cada unidade – que contempla intervalos maiores para a limpeza que ocorrerá entre as aulas ou entre as utilizações, garantindo a segurança na ocupação posterior desses espaços. Complementa esse processo a instalação de centrais de sanitização em todas as salas, com produto desinfetante ecológico para utilização do público na limpeza dos materiais esportivos de uso individual.

 

Odontologia

Embora a odontologia seja classificada como um serviço essencial, no inicio da quarentena o atendimento das clínicas odontológicas ficou limitado apenas às urgências, devido ao alto risco de contágio presente nos consultórios odontológicos. Os pacientes que tiveram seus tratamentos interrompidos devem aguardar uma ligação de atendentes do Sesc com orientações para a avaliação da saude geral e definições sobre o agendamento das consultas.

A retomada dos tratamentos será realizada em três etapas: a primeira levará em conta as urgências e tratamentos que dependem de intervenção clínica para não se agravar o estado de saúde do paciente. A segunda etapa ampliará os serviços realizados, incluindo então procedimentos cirúrgicos – neste momento, apenas pacientes fora do “grupo de risco” serão atendidos. Por último, na terceira etapa, serão retomados todos os atendimentos para todos os pacientes inscritos.

O número de consultas por dia será limitado e os pacientes serão orientados a não levar acompanhantes durante o tratamento – a não ser que a presença seja necessária. O uso de máscara e distanciamento de ao menos 1,5m dos demais frequentadores nas dependências do Sesc também será obrigatório, como medida de segurança.

Pacientes que já estavam em tratamento terão a validade da Credencial prorrogada até 31 de outubro. Para consultar a validade da Credencial, o Sesc disponibilizou, gratuitamente, o aplicativo Credencial Sesc SP, que pode ser baixado pelo Google Play e App Store.

 

 

Quem pode fazer a Credencial Plena do Sesc São Paulo?

As pessoas que trabalham com registro em carteira profissional nos setores de comércio, serviços e turismo, que estagiam, jovens aprendizes, as que atuam de forma temporária, as pessoas desempregadas há até 24 meses e as que se aposentaram nessas áreas, podem fazer a Credencial Plena do Sesc e ter acesso a toda programação. Saiba +

 

Cuidado com os Funcionários

Sempre atento à saúde dos funcionários, o Sesc limitou as jornadas de trabalho presenciais a turnos de até 6 horas para pessoas que não fazem parte do grupo de risco. A escolha do horário de funcionamento das unidades também privilegiou o deslocamento fora dos horários de pico no transporte público, além da oferta dos equipamentos de proteção individual necessários para o desempenho das atividades profissionais nos setores, como máscaras PPF2, avental de TNT, luvas e protetores faciais. “O Sesc, desde o início da pandemia, implementou todas as ações necessárias para garantir a segurança dos funcionários, terceirizados, fornecedores e do público frequentador. O treinamento das equipes para a retomada das atividades presenciais visa a segurança dos funcionários e do público, tanto quanto a compreensão do difícil momento que a sociedade enfrenta, para que os funcionários se percebam como agentes da mitigação das consequências da pandemia no acolhimento ao público do Sesc.”, resume Danilo Miranda.

 

Horários de Funcionamento:

 

Unidades do estado: terça a sexta-feira, das 14h às 20h. Aos sábados, das 10h às 14h. Fechados aos domingos.

Sesc Carmo: segunda a sexta-feira, das 10h às 16h.

Sesc Florêncio de Abreu: segunda a sexta-feira, das 8h às 21h.

Sesc Itaquera e Sesc Interlagos: reabrem para atividades de parque de quarta a sexta-feira, das 10h às 16h. As carretas do OdontoSesc irão funcionar de terça a sábado, das 10h às 16h.

CineSesc e Centro de Pesquisa e Formação (CPF): Permanecem fechados.

Colônia de Férias Sesc Bertioga: iniciará atividades de hospedagem a partir de 10 de setembro; a unidade local do OdontoSesc funcionará de terça a sábado, das 10h às 16h; Day Use e atendimentos à comunidade permaneem suspensos. Serão atendidos exclusivamente os hóspedes que estiverem hospedados na temporada.

 

SAÚDE BUCAL NO SESC SÃO PAULO

O foco principal é recuperar e manter a condição da saúde bucal do público credencial plena, incorporando ações educativas às atividades clínicas odontológicas para a promoção da saúde, do bem-estar, da qualidade de vida e do estímulo à autonomia. O Sesc São Paulo busca atenuar a desigualdade no acesso e utilização dos serviços, seguindo critérios de vulnerabilidade, e tem como pilares: Acolhimento, Equidade, Integralidade. O público atendido são os trabalhadores do comércio de bens, turismo e serviços e seus dependentes, com Credencial Plena válida no Estado de São Paulo.

ESPORTE E ATIVIDADE FÍSICA NO SESC SÃO PAULO

O Sesc São Paulo apoia o conceito de “Esporte e Atividade Física para Todos”, com uma programação intensa em várias modalidades, voltadas ao seu público. Desenvolve campanhas que visam promover um estilo de vida mais saudável, como o Dia do Desafio, realizado em maio; a Semana Move, em setembro; e o Sesc Verão, nos meses de janeiro e fevereiro. Durante o isolamento social e com as o atendimento presencial suspenso, o Sesc São Paulo propôs uma programação online por meio das redes sociais.

Criado especialmente para o período da quarentena, o perfil do Instagram EsporteSescSP (@esportesescsp) apresenta dicas, aulas e informações sobre esporte, atividade física, alimentação saudável e cultura esportiva. Os conteúdos oferecidos ao público apresentam maneiras de se manter uma rotina mais ativa, com qualidade de vida e bem-estar para todas as idades.

Além de todo esse conteúdo no Instagram, o público interessado em esporte pode consultar a programação da série Em Pauta, publicada pelo canal do YouTube Sesc São Paulo. São entrevistas com atletas e esportistas sobre diversos temas do universo esportivo. Desde junho, o Esporte #EmCasaComSesc traz transmissões ao vivo, aos domingos, com atletas representantes dos mais variados esportes, com a participação de um educador físico da equipe das unidades do Sesc. Uma forma de levar o “Esporte para Todos” para dentro da casa das pessoas.

A Ginástica Multifuncional (GMF), a primeira atividade física a retomar o atendimento presencial, é composta de aulas como condicionamento físico, alongamento, exercícios integrados e aulas em grupo, ministrados por educadores do Sesc São Paulo. Neste momento, o formato das aulas contempla apenas atividades individualizadas, em atendimento aos protocolos vigentes durante o período de pandemia”.

 

+ SOBRE O SESC SÃO PAULO

O Sesc completa 74 anos em 2020 e conta com 40 unidades operacionais no estado. Desenvolve ações socioeducativas com o objetivo de promover bem-estar e qualidade de vida aos trabalhadores do comércio, serviços, turismo e suas famílias e para toda a sociedade. Mantido e administrado pelos empresários do setor, o Sesc é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que atua nas dimensões físico-esportiva, meio ambiente, saúde, odontologia, turismo social, cultura, alimentação e segurança alimentar, inclusão, diversidade e cidadania. As iniciativas da instituição partem das perspectivas cultural e educativa voltadas para todas as faixas etárias, com o objetivo de contribuir para experiências mais duradouras e significativas. São atendidas nas unidades do estado de São Paulo cerca de 30 milhões de pessoas por ano. Hoje, aproximadamente 50 organizações nacionais e internacionais do campo das artes, esportes, cultura, saúde, meio ambiente, turismo, serviço social e direitos humanos contam com representantes do Sesc São Paulo em suas instâncias consultivas e deliberativas.

Plataforma exibe também longa queniano Rakifi, em homenagem à Semana da Visibilidade Lésbica, em parceria com o Telecine

 

Além disso, seguem em exibição os títulos selecionados da 46ª edição do Festival Sesc Melhores Filmes

 

A série Cinema #EmCasaComSesc oferece a cada semana streaming gratuito de filmes em alta qualidade e sem necessidade de cadastro; para assistir, acesse sescsp.org.br/cinemaemcasa

 

SÃO CARLOS/SP  – Há quase três meses no ar e com mais de 450 mil visualizações, a série Cinema #EmCasaComSesc, realizada pelo Sesc São Paulo, disponibiliza gratuitamente ao público filmes em streaming pela plataforma do Sesc Digital. Nesta semana, a série vai começar a exibir a Mostra Mundo Árabe de Cinema em Casa, além de filme em homenagem à Semana da Visibilidade Lésbica. Serão também exibidos dentro do Sesc Digital, pela primeira vez, os títulos do Panorama de Cinema Suíço, em uma edição totalmente online este ano. E continua disponível, na mesma plataforma, um recorte especial dos filmes mais votados no 46º Festival Sesc Melhores Filmes.

Para marcar o Dia da Visibilidade Lésbica (29/7), será disponibilizado no sábado, às 20h, o longa-metragem “Rafiki”, em parceria com o Canal Telecine. Com direção da queniana Wanuri Kahiu, Rafiki – que significa “amigos” – é uma história de amor entre duas jovens mulheres em um país que ainda criminaliza a homossexualidade. Apesar da rivalidade política entre suas famílias, as protagonistas encorajam uma a outra a perseguir seus sonhos em uma sociedade conservadora. Quando o amor floresce entre elas, Kena e Ziki devem escolher entre felicidade e segurança. O filme fica em cartaz por apenas 24 horas e a sessão especial é realizada em parceira com Telecine e a Olhar Distribuição que se unem para celebrar a diversidade e jogar luz às demandas, existências e resistências das mulheres lésbicas.

Na segunda-feira (31/8), a série estreia o filme “O Dia em que Perdi Minha Sombra”, da diretora síria Soudade Kaadan, que faz parte da Mostra Mundo Árabe de Cinema em Casa. Realizada pelo Instituto da Cultura Árabe – ICArabe, com correalização do Sesc São Paulo, o festival acontece de 28 de agosto a 27 de setembro, pelo site mundoarabe2020.icarabe.org e na plataforma Sesc Digital. O evento, realizado totalmente em formato online nesta edição, trará quatro filmes inéditos no Brasil e uma seleção especial dos destaques da mostra, que nos últimos 15 anos projetou-se no cenário internacional e integrou-se ao calendário cultural da cidade de São Paulo. Na plataforma sescsp.org.br/cinemaemcasa, quatro filmes da mostra estreiam sempre às segundas-feiras, a partir de 31 de agosto, e ficam disponíveis por uma semana.

 

8º Panorama Digital do Cinema Suíço

 

Na mesma semana, de 27 de agosto a 6 de setembro, acontece o Panorama Digital do Cinema Suíço, que chega à sua 8ª edição, a primeira on-line. O evento apresentará 14 filmes e dois programas de curtas, que serão exibidos gratuitamente na plataforma Sesc Digital (www.sescsp.org.br/panoramasuico). O festival é uma realização do Consulado da Suíça em São Paulo e do Sesc São Paulo, em parceria com a agência de cinema SWISS FILMS.

Na lista de filmes exibidos, títulos lançados entre 1969 e 2020 que se dividem entre documentários e ficções. Na programação de longas de ficção estão: “Praça Needle Baby” , de Pierre Monnard, “Temporada de Caça”, de Sabine Boss, "Bruno Manser - A Voz da Floresta", de Niklaus Hilber, “Aqueles que Trabalham”, de Antoine Russbach, “No Meio do Horizonte”, de Delphine Lehericey, ”O Vento Muda”, de Bettina Oberli, e “O Fim do Mundo”, de Basil da Cunha, além dos clássicos de Alain Tanner "Charles Morto ou Vivo" e "A Cidade Branca". O festival traz ainda cinco documentários e dez curtas divididos em dois programas, sendo um deles inteiramente dedicado ao público infantil.

 

46º Festival Sesc Melhores Filmes

 

E o 46º Festival Sesc Melhores Filmes continua. Para esta edição especial online, foi disponibilizado um recorte com alguns dos filmes mais votados pelo público e pela crítica que estariam na programação da edição presencial do Melhores. O público pode ver e rever gratuitamente filmes como o polonês “Guerra Fria”, de Paweł Pawlikowski, o dinamarquês “Rainha de Copas”, de May el-Toukhy, o sueco “Border”, de Ali Abbasi e “Cine São Paulo”, de Ricardo Martensen e Felipe Tomazelli. Os filmes ficam disponíveis na plataforma do Sesc Digital até 20 de setembro. Para assistir basta acessar sescsp.org.br/cinemaemcasa.

 

PROGRAMAÇÃO

#EmCasaComSesc

[Disponível 24h]

 

RAFIKI

(Dir.: Wanuri Kahiu, África do Sul, Quênia, França, 2019, 82 min, Ficção, 14 anos)

Rafiki (que significa “amigos”) é uma história de amor entre duas jovens mulheres em um país que ainda criminaliza a homossexualidade. Kena e Ziki há muito tempo ouvem dizer que “boas meninas quenianas se tornam boas esposas quenianas” – mas elas anseiam por algo mais. Apesar da rivalidade política entre suas famílias, as meninas encorajam uma a outra a perseguir seus sonhos em uma sociedade conservadora. Quando o amor floresce entre elas, Kena e Ziki devem escolher entre felicidade e segurança.

 

 

 

De 31/8 a 6/9

 

O DIA EM QUE PERDI MINHA SOMBRA

(Dir: Soudade Kaadan, Síria, França, Líbano e Qatar, 2018, 90min, Ficção)

No início da guerra na Síria, a jovem farmacêutica Sana tenta comprar um pouco de gás engarrafado, mas sua busca rapidamente sai do controle. Este filme foi escrito em um país onde o amanhã é um pensamento inimaginável. O que é amanhã se você está vivendo sob constantes bombardeios? As sombras vão reaparecer e desaparecer ao longo do filme, anunciadas por um som dilacerante da partitura, cujo efeito é uma reminiscência da obra de Lucrecia Martel, onde o som muitas vezes é um significante de um universo misterioso em que a realidade é distorcida e quebrada. O filme alterna entre diferentes níveis: realidade, sonhos, ilusões, miragens e um universo hiper-realista em que perder uma sombra é uma experiência traumatizante que se reflete em um conceito de realismo mágico. Vencedor do Prêmio Luigi De Laurentis de Melhor Estreia em Veneza, em 2018.

 

8º Panorama Digital do Cinema Suíço

 

[Disponível 24h]

 

Dia 27/8, às 20h

PRAÇA NEEDLE BABY

(Dir.: Pierre Monnard, Ficção, Suíça, 2020, 100 min., 12 anos) 

Primavera de 1995: Depois do fechamento da famosa Praça Needle, local público frequentado por usuários de drogas em Zurique, Mia, de onze anos, e sua mãe, Sandrine, mudam-se para uma pequena e idílica cidade nos arredores de Zurique. No entanto, a nova casa não é um paraíso para Mia, porque a mãe, que continua dependente das drogas, dificilmente conseguirá ter a sua custódia. A garota busca refúgio em seu mundo de fantasia com seu amigo imaginário, com quem conversa durante horas e faz planos para uma vida melhor. Mia também encontra uma espécie de família substituta na turma de adolescentes que têm uma origem semelhante à sua. Cada vez mais, ela ganha força para se rebelar contra sua mãe e, finalmente, consegue deixá-la. O filme é baseado no bestseller suíço 'Platzspitzbaby', de Michelle Halbheer e Franziska K. Mueller.

 

De 6/9, às 20h

BRUNO MANSER - A VOZ DA FLORESTA

(Dir: Niklaus Hilber, Ficção, Suíça, 2019, 142 min., 12 anos)

1984: Em busca de uma nova experiência de vida, Bruno Manser viaja para a selva de Bornéu e encontra a tribo nômade Penan. Quando a existência dos Penan é ameaçada pelo desmatamento implacável, Manser engaja-se na luta contra a exploração das madeireiras, com coragem e determinação, tornando-se um dos mais conhecidos ambientalistas do seu tempo. Baseado em uma história real.

 

De 28/8 a 30/8

NO MEIO DO HORIZONTE

(Dir: Delphine Lehericey, Ficção, Suíça, Bélgica, 2019, 90 min., Livre] 

Sob o sol implacável, Gus está prestes a deixar a infância para trás. Num tempo de uma rigorosa estiagem, emoções intensas, com a família fragmentada e tudo se despedaçando, o impensável acontece: as tempestades esperadas ansiosamente irão varrer os cansados e desgastados campos, lavando um mundo inteiro.

 

CONTRAPOR

(Dir.: Peter Guyer e Thomas Burkhalter Documentário, Suíça, 2019, 89 min., 14 anos)

Como se deu o desenvolvimento da globalização e as mudanças de valores desde o seu início em Gana e no continente africano? Como queremos confrontar e nos contrapor a essas mudanças? A nova visão do futuro pode se tornar realidade global? Dois cineastas suíços buscam estas respostas com a ajuda de sete músicos de Gana - M3NSA, Wanlov The Kubolor, Adomaa, Worlasi, Akan, Mutombo Da Poet e Potera Asantewa - que criaram novas músicas e produziram videoclipes especialmente para o documentário.

 

A JORNADA

(Dir: Fanny Bräuning, Documentário, Suíça, 2018, 85 min., Livre)

Niggi, um fotógrafo apaixonado, e Annette, o amor de sua vida, tetraplégica há 20 anos, viajam pelo mundo em um trailer. Com coragem, eles continuam retirando da vida o que ela tem de melhor. Mas o que acontece com o amor, quando a vida muda tão drasticamente? Cheia de curiosidade e admiração a cineasta (e filha), Fanny Bräuning, busca respostas. O resultado é uma sensível homenagem à vida e ao amor.

 

De 28/8 a 1/9

O VENTO MUDA

(Dir: Bettina Oberli, Ficção, Suíça, França, 2018, 86 min., Livre) 

Uma fazenda isolada em uma região remota do Cantão do Jura, onde Pauline e Alex estão transformando em realidade seu sonho de viver de modo completamente autossuficiente e em harmonia com a natureza. Seus projetos de vida estão selados pelo amor e pelo trabalho comum. Finalmente, estão prontos para alcançar sua total independência, mas a chegada de Samuel, que vem instalar um aerogerador, transtorna profundamente Pauline, abalando o casal e seus valores.

 

De 30/8 a 1/9

TEMPORADA DE CAÇA

(Dir: Sabine Boss, Ficção, Suíça, 2020, 90 min., 12 anos)

Sinopse: Como Diretor Financeiro, Alexander Meier luta pela sobrevivência da empresa onde trabalha. Quando Hans-Werner Brockmann, o novo CEO, é nomeado, Alexander se envolve numa luta de poder que cada vez mais o desequilibra. Diante da ruína de sua existência, ele vê apenas uma possibilidade de vingança.

 

De 31/8 a 2/9

MEU PRIMO INGLÊS

(Dir: Karim Sayad, Documentário, Suíça, Catar, 2019, 82 min., 12 anos)

2001, Fahed chega à Inglaterra cheio de expectativas e sonhos. 2018, às voltas com a crise da meia-idade, ele precisa tomar uma decisão. Continuar seu humilde estilo de vida, trabalhando 50 horas semanais, ou retornar à Argélia, país de onde fugiu com a esperança de uma vida melhor.

 

De 31/8 a 2/9

MADAME

(Dir: Stéphane Riethauser, Documentário, Suíça, 2019, 94 min., Livre) 

Uma saga familiar baseada em cenas de arquivos privados, MADAME leva-nos a uma jornada íntima na qual uma extravagante avó de 90 anos e seu neto cineasta exploram o desenvolvimento e a transmissão da identidade de gênero num ambiente patriarcal.

 

De 1 a 5/9

UM PERFUME DE LIBERDADE

(Dir: Ruedi Leuthold e Beat Bieri, Documentário, Suíça, 2020, 52 min., Livre)

O café molda a história dos povos Maya na Guatemala. Primeiro, a terra lhes foi tirada, então foram forçados a trabalhar nas plantações dos grandes fazendeiros estrangeiros. O filme de Ruedi Leuthold e Beat Bieri mostra como os pequenos fazendeiros, organizados em cooperativa, tornaram-se o segundo maior exportador de café do país. E como seu sucesso fortaleceu a emancipação social da população indígena.

 

De 2 a 6/9

AQUELES QUE TRABALHAM

(Dir: Antoine Russbach, Ficção, Suíça, Bélgica, 2018, 101 min., Livre) 

Após um ato desonesto, a carreira de Frank em uma companhia de frete marítimo, onde trabalhou por 20 anos, é imediatamente interrompida. Para Frank, que dedicou toda a sua vida à escalada do sucesso, revelar a razão de sua demissão para sua família é impossível. A transição entre consultor de carreira para uma vida solitária, faz com que inicie um período de auto-reflexão que o faz rever todos os seus valores.

 

De 3 a 5/9

O FIM DO MUNDO

(Dir: Basil da Cunha, Ficção, Suíça, Portugal, 2019, 107 min., Livre)

Spira tem 18 anos e passou os últimos 8 anos de sua vida num reformatório. De volta à Reboleira, uma favela em Lisboa, reencontra seus amigos. Spira percebe que as coisas estão mudando. Mas todos continuam lutando por seus sonhos, como Iara, por quem Spira se apaixona, ou Giovani que faz qualquer coisa para se tornar um dos grandes chefes locais.

 

De 4 a 6/9

CHARLES MORTO OU VIVO

(Dir: Alain Tanner, Ficção, Suíça, 1969, 92 min., 14 anos)

Sinopse: Prisioneiro do conforto e segurança herdados dos seus avós, Charles, um industrial de Genebra na casa dos 50 anos, toma consciência de sua vida ridícula como um homem supostamente realizado e, pela primeira vez, rebela-se contra tudo o que lhe condiciona, seus antepassados, sua família, seu próprio filho, e foge. Junto com um casal de boêmios que encontra num café onde busca refúgio, ele recupera sua liberdade e o gosto de viver.

 

A CIDADE BRANCA

(Dir: Alain Tanner, Ficção, Suíça, Portugal, 1982, 108 min., 14 anos)

Paul, um engenheiro em um navio cargueiro, desembarca em Lisboa sem uma razão especial. Sua estadia em um quarto de hotel é como um parêntese em sua vida, um interlúdio, durante o qual experimenta um grande vazio existencial. Ele vagueia pela cidade por dias a fio, filmando com sua câmera Super-8 e enviando as imagens para sua esposa na Suíça, acompanhadas de cartas que contam suas longas horas de meditação. Em seus passeios, encontra Rosa, por quem se apaixona.

 

De 28 a 31/8

SESSÃO DE CURTAS: PROGRAMA 01 - ADULTO

Este ano, o Panorama traz uma seleção de curtas, que fazem um recorte da produção cinematográfica suíça. 53min.

 

O SOM DA CASA

(Dir: Maxime Kathari, Ficção, Suíça, 2015, 14 min., Livre)

Antes de partir para a Europa, uma jovem estudante brasileira passa os últimos momentos em casa com a mãe. Um abraço e um bate-papo expressam o amor mútuo entre mãe e filha.

 

SELFIES

(Dir: Claudius Gentinetta, Ficção, Suíça, 2018, 4 min., 14 anos)

Uma explosão de autorretratos, centenas de selfies, idílicas, perturbadoras e inquietantes, reunidas num curta-metragem.

 

TUDO INCLUSO

(Dir: Corina Schwingruber Ilić, Documentário, Suíça, 2018, 10 min., Livre)

Sob o domínio do entretenimento massificado em pleno alto mar.

 

LÍRIO DA PAZ

(Dir: Louis Hans-Moëvi, Maxime Beaud, Documentário, Suíça, 2018, 9 min., Livre)

Isolados em um quarto de motel brasileiro, homens e mulheres falam sobre sua sexualidade em uma sociedade em que nem sempre tem acesso à privacidade.

 

REALIDADE ETÉREA

(Dir: Kantarama Gahigiri, Documentário, Suíça, 2019, 14 min., 16 anos)

Abandonado por 30 anos no espaço. Como é a sensação de finalmente voltar para casa? Uma reflexão sobre a migração e o sentido de pertencimento.

 

De 3 a 6/9

SESSÃO DE CURTAS: PROGRAMA 02 - INFANTIL

Este ano, o Panorama traz uma seleção de curtas infantis, exibidos em diversos festivais internacionais. 32 min.

 

O ÚLTIMO DIA DO OUTONO

(Dir: Marjolaine Perreten, Ficção, Suíça, Bélgica, França, 2019, 7 min., Livre)

Animais da floresta coletam secretamente pedaços de bicicletas abandonadas, para construírem seus próprios veículos. Uma grande corrida está sendo organizada. A corrida do último dia de outono.

 

AS CORES DO CUCO

(Dir: Oana Lacroix, Ficção, Suíça, 2018, 6 min., Livre)

Era uma vez uma grande floresta habitada por pássaros coloridos e cantores, cada um encontra seu lugar numa árvore de sua mesma cor. Mas o que acontece com um pássaro de duas cores?

 

BRANCO E PRETO

(Dir: Gerd Gockell, Jesús Pérez, Ficção, Suíça, Alemanha, 2020, 6 min., 5 anos)

Uma animação para as crianças sobre tolerância. Só a ovelha negra, expulsa do rebanho, poderá protege-lo do inimigo.

 

KUAP

(Dir: Nils Hedinger, Ficção, Suíça, 2018, 8 min., Livre)

Um girino é deixado sozinho. Mas há muito o que descobrir na lagoa e logo chegará a próxima primavera. Uma singela história sobre crescer.

 

O PEQUENO PÁSSARO E AS ABELHAS

(Dir: Lena von Döhren, Ficção, Suíça, 2020, 5 min., 3 anos)

É primavera. No alto de sua árvore, o pequeno pássaro cuida das primeiras flores que nascem em frente à sua porta. Mas surgem as abelhas e a raposa vermelha, e a aventura começa.

 

46º Festival Sesc Melhores Filmes

 

20/8 a 20/9

Guerra Fria

(Dir.: Pawel Pawlikowski, Polônia, Reino Unido, França, 2018, 78 min, Ficção, 14 anos)

Durante a Guerra Fria entre a Polônia stalinista e a Paris boêmia dos anos 50, um músico amante da liberdade e uma jovem cantora com histórias e temperamentos completamente diferentes vivem um amor impossível.

 

Rainha de Copas

(Dir.: May el-Toukhy, Dinamarca, Suécia, 2019, 128 min, Ficção, 18 anos)

Anne é uma advogada do direito das crianças e dos adolescentes. Acostumada a lidar com jovens complicados, ela não tem muitas dificuldades para estreitar laços com seu enteado Gustav, filho do primeiro casamento de seu marido Peter, que acaba de se mudar para sua casa. No entanto, a relação que deveria ser maternal se torna romântica, envolvendo Anna em uma situação complexa, arriscando a estabilidade tanto de sua vida pessoal quanto profissional.

 

Border

(Dir.: Ali Abbasi, Suécia, 2018, 108 min, Ficção, 16 anos)

Tina (Eva Melander) é uma policial que trabalha no aeroporto fiscalizando bagagens e passageiros. Depois de ser atingida por um raio na infância, ela desenvolveu uma espécie de sexto sentido, fazendo com que seja capaz de “ler as pessoas” apenas pelo o olhar. Isso sempre representou uma vantagem na sua profissão, mas tudo muda quando ela identifica um criminoso em potencial e não consegue achar provas para justificar sua intuição. Após o episódio, ela passa a questionar seu dom, ao mesmo tempo em que fica obcecada em descobrir qual o verdadeiro segredo de Vore (Eero Milonoff), seu único suspeito não legitimado.

 

Cine São Paulo

(Dir.: Ricardo Martensen, Felipe Tomazelli, Brasil, 2017, 77 min, Documentário, Livre)

Seu Chico cresceu brincando no cinema de seu pai, um majestoso prédio construído em 1910, na cidade de Dois Córregos. Uma vida que sempre girou em torno da telona, sua paixão. Interditado pela justiça por problemas de segurança, o local passa por uma complexa reforma para voltar a funcionar.

 

CINESESC

 

Um dos cinemas de rua mais queridos da cidade, o CineSesc iniciou seu funcionamento em 21 de setembro de 1979, no número 2075 da rua Augusta, na cidade de São Paulo, e se dedica à missão de fomentar a difusão do cinema de qualidade, exibindo obras que muitas vezes ficam fora do circuito comercial nas salas de cinema e plataformas online. Sua programação inclui grandes e pequenas produções do mundo todo.

Além de integrar o corpo de curadores em mostras especiais, o CineSesc também recebe festivais importantes do calendário cinematográfico paulistano, como a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Festival Mix Brasil e o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, entre outros. O cuidado com a programação tem reconhecimento do público e da crítica, que o elegeu, por diversas vezes, a melhor sala especial de cinema na cidade de São Paulo.

 

Série Cinema #EmCasaComSesc

 

Desde o início de junho, o CineSesc realiza a série Cinema #EmCasaComSesc, em sua plataforma sescsp.org.br/cinemaemcasa, com estreias semanais. A iniciativa de oferecer filmes em streaming em sua nova plataforma digital reforça os aspectos que ancoram a ação institucional do Sesc São Paulo, garantindo o acesso a conteúdos da cultura a variados públicos. Com maior presença no ambiente online, o Sesc amplia sua ação de difusão cultural, de maneira acessível e permanente. O público ganha assim mais um espaço para contemplar, descobrir e redescobrir o cinema, a partir de grandes obras selecionadas, disponibilizadas online e gratuitamente.

Os filmes ficam disponíveis por um período determinado, com alterações e novas estreias semanais a cada quinta-feira (considerando a semana de cinema de quinta à quarta-feira). Há ainda possibilidade de prorrogação da exibição, conforme a demanda do público, além de sessões especiais por períodos menores (como 24h, por exemplo). A curadoria do Cinema #EmCasaComSesc conta com a experiência do CineSesc, que segue fechado desde o mês de março, por conta da crise causada pelo novo coronavírus.

 

SIGA O SESC NAS REDES:

Facebook/Twitter/Instagram

 

Fase Beta

As versões da plataforma do Sesc Digital encontram-se em fase beta, ou seja, novidades e melhorias serão implementadas a partir das interações que se desenvolverem entre o público e os recursos. Além disso, o catálogo será expandido periodicamente, englobando novas temáticas e linguagens.

 

+ Sesc na Quarentena

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

Mesa Brasil, Tecido Solidário, Teatro, Música, Dança, Cinema, Esporte, Crianças, Ideias, SescTV, Selo Sesc, Edições Sesc São Paulo, Youtube Sesc São Paulo, Instagram Sesc Ao Vivo, Portal Sesc SP

 

+ Sesc Digital

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado. Por essa razão, o Sesc apresenta o Sesc Digital, sua plataforma de conteúdo!

Nesta sexta-feira, 28 de agosto, o Sesc São Carlos apresenta o projeto artístico de cultura popular em suas redes sociais, VIOLA: TRADIÇÃO CAIPIRA, que visa dar espaço aos artistas e produções locais, com nomes que atuam na cidade e na região.

 

Destaques para a dupla João Carlos e Bruno, Marcelo Sarti (maestro de orquestra de viola caipira) e o luthier Cesar Hubnner (artesão que fabrica e repara violas)

 

SÃO CARLOS/SP - Historicamente o Sesc São Carlos sempre divulgou e apresentou atividades que valorizam a cultura caipira. E agora, mesmo diante da pandemia decorrente do covid-19 e do atual quadro de isolamento social, tem realizado atividades em seus canais online. E a viola é o destaque no próximo dia 28 de agosto, sexta, a partir das 12h, com o projeto VIOLA: TRADIÇÃO CAIPIRA, que tem como objetivo mostrar a viola, sua significação e características no universo das tradições caipiras, principalmente do interior do estado de São Paulo.

 

Apresentado em três ciclos

A viola será apresentada em seus três ciclos: a história, a construção e a execução. Quem narra a história da viola e sua importância para a cultura caipira é Marcelo Sarti, maestro da Orquestra Torrinhense de Viola Caipira.

Cesar Hubnner, luthier da cidade de Torrinha, o artesão mostra a tradição das diferentes etapas da construção de uma viola.

Finalizando, é a vez da tradicional dupla de São Carlos João Carlos e Bruno, que executa grandes sucessos da música sertaneja de raiz, bem como diferentes variações da arte de tocar e executar a viola.

 

Veja nos canais digitais do Sesc São Carlos:

facebook.com/sescscarlos

instagram.com/sescsaocarlos

youtube.com/sescsaocarlos

 

+ SESC NA QUARENTENA

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita.  Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

A partir desta quinta-feira, 6 de agosto, o Sesc Digital disponibiliza o dinamarquês A Caça, o canadense O Reino da Beleza, o brasileiro Cabra Cega, de Toni Venturi, e a animação francesa Kiriku - Os homens e as mulheres

E a partir de agosto, a plataforma digital inaugura uma sessão extra para exibir produções clássicas e contemporâneas de coletivos e diretores indígenas, de diversas etnias e regiões do Brasil, começando com os filmes A Origem da alma – Tekowe Nhepyrun e O Último Sonho

 

A série Cinema #EmCasaComSesc oferece a cada semana streaming gratuito de filmes em alta qualidade e sem necessidade de cadastro; para assistir, acesse sescsp.org.br/cinemaemcasa

 

São Paulo/SP – Completando três meses no ar e com mais de 250 mil visualizações, a série Cinema #EmCasaComSesc, realizada pelo Sesc São Paulo, traz a cada quinta-feira uma programação de filmes em streaming na plataforma Sesc Digital, com curadoria do CineSesc. E neste mês, a partir do dia 6, dá início a um novo ciclo exclusivamente dedicado à autoria indígena. Basta acessar o Cinema Em Casa para conferir longas e curtas-metragens, ficcionais e documentais, sempre a partir de quinta-feira, com acesso gratuito a qualquer hora do dia para ver e rever quando e onde quiser, e sem necessidade de cadastro.

Nesta semana, o #EmCasaComSesc exibe o longa de ficção A Caça, de Thomas Vintenberg. O drama sueco-dinamarquês de 2012 narra a história de Lucas, homem de meia idade que após seu divórcio tem uma nova namorada, um novo trabalho e reconstrói sua relação com Marcus, seu filho adolescente. Porém, quando a neve começa a cair e as luzes de Natal se iluminam, uma mentira espalha-se como um vírus invisível. O estupor e a desconfiança propagam-se e a pequena comunidade mergulha na histeria coletiva, obrigando Lucas a lutar para salvar sua vida e dignidade.

Outra estreia da semana é O Reino da Beleza, que traz roteiro e direção do canadense Denys Arcand. No filme, o personagem Luc, um jovem arquiteto talentoso, vive uma vida tranquila com a esposa, Stéphanie, na área de Charlevoix. Um dia, ele aceita ser o membro de um júri de arquitetura em Toronto. Lá, ele encontra Lindsay, uma mulher misteriosa que vai virar sua vida de cabeça para baixo.

A partir desta quinta, 6 de agosto, o público também poderá conferir o longa nacional Cabra Cega, de Toni Venturi, que narra a história de Tiago e Rosa, dois jovens militantes da luta armada, que sonham com uma revolução social no Brasil. Após ser ferido por um tiro, em uma emboscada feita pela polícia, Tiago precisa se esconder na casa de Pedro, um arquiteto simpatizante da causa. Com o passar do tempo, Tiago passa a ficar preocupado com sua segurança, adotando um comportamento estranho e colocando em dúvida se Pedro seria um traidor.

Outra estreia da semana é a animação francesa Kiriku - Os homens e as mulheres, de Michel Ocelot. No último filme da trilogia, o herói Kiriku é chamado para salvar sua aldeia de perigos sobrenaturais e humanos, o que ele faz com muita astúcia e humor, além de uma certa ingenuidade sobre o mundo. Contado pelo seu avô, o Homem Sábio que vive na Montanha Proibida, o filme entrelaça uma coleção de fábulas misturando narrativa tradicional e mitologia com pedaços de humor e sagacidade.

E inaugurando um novo eixo temático com a exibição de filmes de autoria indígena, entre obras clássicas e contemporâneas realizadas por coletivos e diretores de diversas etnias e regiões do Brasil, a série Cinema #EmCasaComSesc traz dois documentários de Alberto Alvares:  A Origem da Alma - Tekowe Nhepyrun, que apresenta depoimentos dos mais velhos da aldeia Yhowy, Guaíra-PR, compartilhando conhecimentos sobre a origem do modo de ser Guarani e O Último Sonho, que homenageia o grande líder espiritual Guarani Wera Mirim – João da Silva, da aldeia Sapukai, de Angra dos Reis-RJ.

A programação do Cinema #EmCasaComSesc contempla quatro eixos principais, além do novo ciclo de autoria indígena. Uma curadoria de clássicos do cinema, em sua maioria cópias restauradas e exclusivas na plataforma; uma seleção contemporânea internacional, com filmes que tiveram uma trajetória relevante em festivais no mundo todo e que merecem uma nova oportunidade de exibição ao público; uma janela dedicada ao cinema nacional, com produções de grande alcance de público e filmes independentes que merecem maior espaço de exibição – haverá também destaque aos documentários, ponto forte na produção cinematográfica brasileira; e por fim, uma seleção de filmes infantojuvenis, visando a formação de público, desde os primeiros anos de vida, para a diversidade do cinema e ampliação do lastro de narrativas.

Pelo ciclo de autoria indígena, a cada mês, um filme ou seleção de filmes entra em cartaz na plataforma do Sesc Digital - Cinema #EmCasaComSesc e fica disponível ao público pelo período de 30 dias. São produções que ampliam olhares sobre a diversidade cultural, por meio de um cinema que se realiza nas e com as florestas, os cerrados, a natureza, o território, a cosmologia. Os filmes resultam de um intenso processo de apropriação tecnológica contemporânea a partir de matrizes culturais tradicionais que fazem do cinema um potente caminho para o fortalecimento cultural, fonte de expressão de diversas formas de ser e estar no mundo e de transmissão de saberes.

Para a curadoria desse primeiro ciclo especial, o CineSesc convidou a documentarista e antropóloga Júnia Torres, organizadora e curadora do forumdoc.bh - Festival do Filme Documentário e Etnográfico de Belo Horizonte. Segundo Júnia, o intuito dessa programação é "compartilhar títulos exemplares de um fenômeno em curso: a consolidação de novos protagonismos na cena autoral audiovisual recente, resultado da revolução tecnológica promovida pelo cinema digital e suas apropriações estéticas por diferentes grupos". Este ciclo de filmes confere visibilidade a partir dessa produção, abrindo um canal potente para um cinema pulsante, realizado por novas e novos realizadores e realizadoras de diferentes povos. "São filmes que, ao incluir sujeitos historicamente apartados da perspectiva autoral cinematográfica, demarcam novos territórios, provocam um deslocamento e uma descolonização do olhar e uma ampliação conceitual e política que importa potencializar e que não podemos, hoje, desconhecer", completa a curadora.

A iniciativa de oferecer filmes em streaming em sua nova plataforma digital reforça os aspectos que ancoram a ação institucional do Sesc São Paulo, garantindo o acesso a conteúdos da cultura a variados públicos. Com maior presença no ambiente online, o Sesc amplia sua ação de difusão cultural, de maneira acessível e permanente. O público ganha assim mais um espaço para contemplar, descobrir e redescobrir o cinema, a partir de grandes obras selecionadas, disponibilizadas online e gratuitamente.

Os filmes ficam disponíveis por um período determinado, com alterações e novas estreias semanais a cada quinta-feira (considerando a semana de cinema de quinta à quarta-feira). Haverá ainda possibilidade de prorrogação da exibição, conforme a demanda do público, além de sessões especiais por períodos menores (como 24h, por exemplo). A curadoria do Cinema #EmCasaComSesc conta com a experiência do CineSesc, que segue fechado desde o mês de março, por conta da crise causada pelo novo coronavírus.

 

ESTREIAS Cinema #EmCasaComSesc 06 DE AGOSTO

A CAÇA

(Dir.: Thomas Vintenberg, Dinamarca - Suécia , 2013, 111  min, Ficção, 14 anos)

Após um complicado divórcio, Lucas, quarenta anos, tem uma nova namorada, um novo trabalho e reconstrói sua relação com Marcus, seu filho adolescente. Mas há algo errado. Uma observação passageira. Uma mentira aleatória. E quando a neve começa a cair e as luzes de Natal se iluminam, a mentira espalha-se como um vírus invisível. O estupor e a desconfiança propagam-se e a pequena comunidade mergulha na histeria coletiva, obrigando Lucas a lutar para salvar sua vida e dignidade.

O REINO DA BELEZA

(Dir.: Denys Arcand, Canadá, 2017, 102 min, Ficção, 16 anos)

Luc, um jovem arquiteto talentoso, vive uma vida tranquila com a esposa, Stéphanie, na área de Charlevoix. Linda casa, esposa bonita, jantar com amigos, golfe, tênis, caça...uma vida perfeita, por assim dizer. Um dia, ele aceita ser o membro de um júri de arquitetura em Toronto. Lá, ele encontra Lindsay, uma mulher misteriosa que vai virar sua vida de cabeça para baixo.

CABRA CEGA

(Dir.: Toni Venturi, Brasil, 2005, 105 min, Ficção, Livre)

Tiago e Rosa são dois jovens militantes da luta armada, que sonham com uma revolução social no Brasil. Após ser ferido por um tiro, em uma emboscada feita pela polícia, Tiago precisa se esconder na casa de Pedro, um arquiteto simpatizante da causa. Tiago é o comandante de um "grupo de ação" de uma organização de esquerda, que está no momento debilitada e estuda um retorno à luta política. Rosa é o contato de Tiago com o mundo, sendo agora ainda mais importante por estar ferido. Com o passar do tempo Tiago passa a ficar preocupado com a segurança deles, adotando um comportamento estranho e colocando dúvidas em Pedro se ele não seria um traidor.

KIRIKU – OS HOMENS E AS MULHERES

(Dir.: Michel Ocelot, França, 2015, 88 min, Ficção, Livre)

No último filme da trilogia, Kiriku é chamado para salvar sua aldeia de perigos sobrenaturais e humanos, o que ele faz com muita astúcia e humor, além de uma certa ingenuidade sobre o mundo. Contado pelo seu avô, o Homem Sábio que vive na Montanha Proibida, o filme entrelaça uma coleção de fábulas misturando narrativa tradicional e mitologia com pedaços de humor e sagacidade.

A ORIGEM DA ALMA - TEKOWE NHEPYRUN

(Dir.: Alberto Alvares, Brasil, 2015, 36 min, Documentário, Livre)

Para nós Guarani, a alma é a conexão entre o corpo e o espírito. O documentário "A Origem da Alma" apresenta o depoimento dos mais velhos da aldeia Yhowy, Guaíra, Paraná, compartilhando conhecimentos sobre a origem do modo de ser Guarani.

O ÚLTIMO SONHO

(Dir.: Alberto Alvares, Brasil, 2019, 60 min, Documentário, Livre)

O documentário homenageia o grande líder espiritual Guarani Wera Mirim – João da Silva, da aldeia Sapukai, em Angra dos Reis – RJ, que teve o seu passamento em 2016. Ele sempre ouvia e seguia a orientação de Nhanderu para guiar o seu povo na caminhada no território através da sabedoria e do seu sonho e de suas belas palavras.

+ FILMES EM CARTAZ

 

Quem navega pela plataforma Sesc Digital encontra outras que permanecem disponíveis para acesso gratuito e irrestrito do público. Em Cinema Em Casa, há o clássico De Crápula a Herói, de Roberto Rossellini, o alemão Manifesto, do cineasta e multiartista Julian Rosefeldt, o terror surrealista A Hora do Lobo, do sueco Ingmar Bergman, e a cópia restaurada de Mamma Roma, de Pier Paolo Pasolini.

Também permanecem no serviço de streaming do Sesc São Paulo, o belo A Carruagem de Ouro, do francês Jean Renoir, Os Palhaços, de Federico Fellini, Academia das Musas, de José Luis Guerín, Violência e Paixão, de Luchino Visconti e Paterson, de Jim Jarmusch, que teve sua exibição prorrogada devido à grande procura do público.

A produção do cinema nacional tem um espaço de destaque no Sesc Digital, com 12 títulos, entre filmes, documentários a animações. A lista conta com Corpo Elétrico, do diretor Marcelo Caetano, Todos os Paulos do Mundo, de Gustavo Ribeiro e Rodrigo de Oliveira, e Ela Volta na Quinta, de André Novais Oliveira. Completam a lista os infantis Garoto Cósmico e O Menino e o Mundo, de Alê Abreu.

Ainda estão em cartaz Francofonia – Louvre sob Ocupação, de Alexander Sokurov, o documentário franco-alemão Visages, Villages, da cineasta belga Agnès Varda e do fotógrafo e artista urbano francês JR, pseudônimo de Jean Réné, A Sociedade Secreta de Souptown, do diretor Margus Paju, Cinco Graças, da diretora turco-francesa Deniz Gamze Ergüven, Entrelaços, da japonesa Naoko Ogigami e os documentários brasileiros Partido Alto e Encantado - O Brasil em Desencanto.

Continuam em cartaz também a ficção Kapò – Uma História do Holocausto, do diretor italiano Gillo Pontecorvo, além do longa E Então Nós Dançamos, e da ficção Quase Samba, além da animação nacional infantil Peixonauta - Agende Secreto da O.S.T.R.A.

 

CINESESC

Um dos cinemas de rua mais queridos da cidade, o CineSesc iniciou seu funcionamento em 21 de setembro de 1979, no número 2075 da rua Augusta, na cidade de São Paulo, e se dedica à missão de fomentar a difusão do cinema de qualidade, exibindo obras que muitas vezes ficam fora do circuito comercial nas salas de cinema e plataformas online. Sua programação inclui grandes e pequenas produções do mundo todo.

Além de integrar o corpo de curadores em mostras especiais, o CineSesc também recebe festivais importantes do calendário cinematográfico paulistano, como a Mostra Internacional em São Paulo, Festival Mix Brasil e o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, entre outros.  O cuidado com a programação tem reconhecimento do público e da crítica, que o elegeu, por diversas vezes, a melhor sala especial de cinema na cidade de São Paulo.

Serviço:

Cinema #EmCasaComSesc

Toda semana, sempre a partir de quinta-feira, tem quatro novos filmes para streaming:

sescsp.org.br/cinemaemcasa

 

SIGA O SESC NAS REDES:

Facebook/Twitter/Instagram

 

Fase Beta

As versões da plataforma do Sesc Digital encontram-se em fase beta, ou seja, novidades e

melhorias serão implementadas a partir das interações que se desenvolverem entre o público e os recursos. Além disso, o catálogo será expandido periodicamente, englobando

novas temáticas e linguagens.

 

+ Sesc na Quarentena

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

As 50 máscaras faciais vão ajudar a garantir a proteção dos profissionais que atuam na linha de frente

 

SÃO CARLOS/SP - O Provedor da Santa Casa, Antônio Valério Morillas Júnior, e a Gerente de Operações da Santa Casa, Mariana Pelegrinotti, receberam a visita da Coordenadora do Programa Mesa Brasil do Sesc São Carlos, Veridiana Blanco de Molfetta e da Coordenadora de Comunicação do Sesc, Márcia Beltrami. Na ocasião, foram entregues 50 máscaras Face Shields.  A doação será destinada para os profissionais de saúde que estão na linha de frente do atendimento aos pacientes com suspeita ou confirmação de COVID-19.  

De acordo com a Coordenadora de Comunicação do Sesc São Carlos, Márcia Beltrami, essa é uma ação que conta com a participação de funcionários de diversas unidades do Sesc da capital que têm produzido protetores faciais a partir de uma linha de produção digital instalada no Sesc Avenida Paulista, utilizando impressoras 3D, plástico biodegradável e máquinas de corte, que fazem parte da infraestrutura do programa de Tecnologias e Artes. “Desde que começou a pandemia, temos buscado direcionar os esforços pra ajudar a comunidade em que estamos inseridos, seja com as doações ou com a contratação de profissionais locais para diversas ações programáticas. A Santa Casa é reconhecida pelo seu importante trabalho de atendimento a toda população. Os protetores faciais - Face Shields - são especificamente fabricados para atender os profissionais da saúde. É muito importante ajudar esses trabalhadores que estão na linha frente, atendendo a população e sendo decisivos nesse momento pelo qual todos nós estamos passando”, comenta Márcia.

Mesmo com as unidades fechadas para evitar propagação do novo Coronavírus, o Sesc mantém suas ações de doações normalmente. É o caso do Mesa Brasil, projeto que recolhe alimentos fora dos padrões de comercialização de várias empresas, mas em condições seguras para consumo e encaminham para as entidades. E a Santa Casa é uma das Instituições beneficiadas com essa doação. O hospital recebe aproximadamente 1 tonelada de alimentos por mês, entre salgados, leites, verduras, legumes e frutas.

O Provedor da Santa Casa conta que o Sesc já é um grande parceiro da Santa Casa. Ajuda diariamente a manter a qualidade das refeições do hospital.  E a doação das máscaras Face Shields vai oferecer, principalmente aos profissionais da linha de frente, a garantia de uma maior proteção. “A doação das máscaras contribui muito neste momento de dificuldade que o hospital enfrenta. Além disso, colabora para as finanças do hospital, já que representa um custo a menos no mês. Nossos profissionais estão se dedicando em meio a essa pandemia, e essas doações nos ajudam a garantir a proteção deles”.

Mais de 500 máscaras de tecido e 100 protetores faciais (Face Shield) produzidos por funcionários do Sesc são distribuídas para uso de profissionais de instituições de saúde, de assistência social, em empresas doadoras do Programa Mesa Brasil e empresas do comércio em geral

 

 

SÃO CARLOS/SP - Mesmo com as unidades fechadas desde março, o Sesc continua realizando atividades programáticas em ambiente digital, e também trabalhando em um conjunto de ações socioculturais nas áreas de educação, saúde, alimentação e sustentabilidade para atenuar a crise sanitária que atinge todo o país.

Em São Carlos, uma equipe de 11 funcionários do Sesc e costureiras vinculadas ao Programa Municipal de Economia Solidária participam da campanha Tecido Solidário, criada pelo Sesc São Paulo, para confecção de máscaras de tecido com distribuição comunitária gratuita para grupos em situação de vulnerabilidade, entidades assistenciais e funcionários de empresas do comércio e serviços.

Afastados de suas funções presenciais por conta da pandemia, os funcionários produzem as máscaras em suas casas, utilizando máquinas de costura próprias ou com equipamentos que eram usados em cursos e oficinas oferecidos na unidade do Sesc.

O processo inclui protocolo de boas práticas, seguindo as determinações das autoridades de saúde, e as máscaras produzidas já estão de acordo com a mais atual recomendação da Organização Mundial de Saúde, possuindo três camadas: camada exterior feita de material resistente à água, camada intermediária em material sintético ou algodão e camada interior em material que absorva a água.

A participação na campanha tem propiciado inúmeros aprendizados e experiências para os funcionários, “costurar as máscaras é uma forma da gente se doar, colocar um pouco de carinho ao fazer bem ao próximo, mesmo que distante. Para mim foi uma experiência que fez muito bem, poder me dedicar a uma atividade que trouxesse bem estar, principalmente num momento em que estava entristecida com a doença da minha mãe. Aprendi com a costura e ainda formamos um grupo de funcionários e nos aproximamos muito, mesmo separados, trocamos informações, nos ajudamos, vibramos com o que conseguimos fazer. Ser capaz de aprender novas habilidades, criar algo com capricho e que ainda vai proteger alguém, me deixou muito feliz, afinal proteção é uma forma de amor”, relata Janaína Malvina, funcionária da área de alimentação.

Para Sidney Silva, acostumado com o trabalho na Central de Atendimento, “costurar foi um desafio, e tem sido um aprendizado. Nunca tinha costurado antes, mas ao saber do projeto Tecido Solidário, quis muito participar. Emprestei uma máquina do Sesc e comecei a treinar a costura a partir de algumas explicações e tutorial que recebi para a confecção da máscara. No começo, fiz algumas que não ficaram muito boas, mas hoje já estão dentro do padrão necessário para serem usadas nas empresas e instituições que receberão as doações”.

 

Protetores faciais

A partir de uma linha de produção digital instalada no Sesc Avenida Paulista, utilizando impressoras 3D, plástico biodegradável e máquinas de corte, que fazem parte da infraestrutura do programa de Tecnologias e Artes, funcionários de diversas unidades do Sesc da capital têm produzido protetores faciais (face shield) em dois modelos diferentes, um destinado aos trabalhadores do serviço público de saúde e instituições de atendimento hospitalar sem fins lucrativos, e outro modelo direcionado a entidades assistenciais que atendem idosos, pessoas em situação de vulnerabilidade e pessoas com deficiência, nas cidades atendidas pelas unidades da instituição em todo o estado.

Obrigatórias e comprovadamente eficazes na proteção individual contra a propagação do Coronavírus, as máscaras e os protetores faciais (face shield), juntamente com folheto educativo e embalagens plásticas para acondicionar separadamente máscaras limpas das usadas, neste primeiro momento, foram entregues para funcionários da Santa Casa de São Carlos, aos colaboradores de empresas atendidas pelo Programa Sesc de Relacionamento com Empresas e para as instituições Nave Sal da Terra, Nosso Lar, Acorde, e os abrigos Cantinho Fraterno e Dona Helena Dornfeld, cadastrados no Mesa Brasil Sesc.

 

Saiba+: sescsp.org.br/tecidosolidario

 

+SESC NA QUERENTENA

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita. Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

Mesa Brasil | Tecido Solidário | Fabricação Digital de Protetores Faciais | Teatro | Música | Dança | Cinema | Esporte | Crianças | Ideias | SescTV | Selo Sesc | Edições Sesc São Paulo | Youtube Sesc São Paulo | Instagram Sesc Ao Vivo | Portal Sesc SP

 

+ SESC DIGITAL

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Saiba +: Sesc Digital

Pesquisas indicam que 4 em cada 10 brasileiros mudaram hábitos de alimentação e tiveram variações de peso durante o período da pandemia;

 

Websérie terá 10 episódios semanais que estarão disponíveis no YouTube da instituição;

 

Programas terão a participação de nutricionistas e cozinheiros do Sesc São Paulo, que darão orientações relacionadas à saúde e bem-estar, escolha de alimentos, cuidados com a higiene e preparação.

 

São Paulo/SP – Pesquisas recentes identificaram que 4 em cada 10 brasileiros mudaram hábitos de alimentação e tiveram variações de peso durante o período da pandemia. Dados de outras pesquisas, que vão da área da saúde às tendências de busca na Internet, reforçam o fato de que o brasileiro tem comido de um jeito diferente nos últimos meses.

Sempre atento à educação alimentar e nutricional, e ainda mais neste momento em que tantas pessoas estão redescobrindo a cozinha em suas casas, o Sesc São Paulo reforça suas ações nessa área. Para isso, está lançando a série Alimentação #EmCasaComSesc, que será transmitida pela internet, já que suas unidades permanecem fechadas, como medida para evitar a propagação do novo coronavirus.

A websérie é composta por 10 espisódios que têm por objetivo promover a alimentação saudável. Baseados em conceitos desenvolvidos pela área de Alimentação do Sesc em sua ação cotidiana, como as orientações oferecidas pelo Guia Alimentar para a População Brasileira do Ministério da Saúde, os programas terão aproximadamente 10 minutos e irão ao ar sempre às quintas-feiras, às 11h, no YouTube do Sesc SP, com lançamento no dia 30 de julho.

A cada episódio, nutricionistas do Sesc São Paulo irão abordar temas do dia a dia, como a escolha dos alimentos, a importância do cozinhar, a desinfecção adequada de frutas, legumes e verduras, questões comportamentais associadas à comida, entre outros assuntos. Os cozinheiros do Sesc também participam, apresentando receitas desenvolvidas pelas equipes das Comedorias das unidades, utilizando ingredientes acessíveis e modos de preparo simples, incentivando o público a fazê-las em casa.

Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo, esclarece que “a realização de projetos como este tem função primordial no fomento a iniciativas que disseminam o conhecimento e a melhoria dos hábitos alimentares, efetivando o aumento do bem-estar e da qualidade de vida dos cidadãos”. E complementa: “Alimentar-se é necessidade, direito e prazer. Por meio do alimento, a natureza expressa sua cadeia contínua, em que se realimenta ininterruptamente, garantindo assim a manutenção da vida”.

 

 

PROGRAMAÇÃO

O primeiro programa, que vai ao ar em 30 de julho, tratará da alimentação adequada e saudável. O episódio oferece um panorama sobre o tema e a nutricionista Adriana Cruz irá desmistificar o significado de uma alimentação saudável, abordando assuntos como a importância de cozinhar, a diversidade de alimentos e o ato de comer em companhia. A receita será um filé de peixe assado com crosta de coco e tomate, apresentada pelo cozinheiro William Towata.

O episódio do dia 6 de agosto será sobre a escolha dos alimentos. A nutricionista Maurícia Franceschini abordará as diferenças entre alimentos in natura, minimamente processados, processados e ultraprocessados, além de enfatizar a importância da leitura dos rótulos de alimentos. Para destacar o uso de ingredientes frescos, o cozinheiro Michael Ferrari vai preparar uma moqueca de banana da terra.

Já o terceiro episódio, em 13 de agosto, abordará as refeições do dia a dia, na teoria e na prática. A nutricionista Raquel Monteiro dará sugestões de combinações e cardápios para todas as refeições, considerando os diferentes gostos e hábitos culturais. O cozinheiro Adriano Ferreira apresentará uma preparação coringa para todas as refeições: uma torta de liquidificador com legumes e sardinha.

O programa do dia 20 de agosto vai reforçar o fato de que todos podem cozinhar. O nutricionista Rodrigo Ferreira vai mostrar como o ato de cozinhar pode se tornar uma atividade prazerosa, além de abordar sua importância para a autonomia e a saúde, com dicas para aprimorar as habilidades culinárias e o uso da panela de pressão. O cardápio não poderia ser outro: feijão, apresentado pelo cozinheiro Almir Rodrigues.

 Os demais episódios estão sendo preparados e terão seus temas e participantes divulgados em breve.

 

ALIMENTAÇÃO LEVADA A SÉRIO

 

O Sesc São Paulo oferece serviços de alimentação desde 1947 e hoje possui 12 restaurantes e mais algumas dezenas de diferentes espaços de alimentação em 39 de suas unidades. Os espaços, chamados de Comedorias, valorizam as relações entre alimentação e cultura, sendo também planejados para promover o convívio e o encontro. Ainda pensando na alimentação como a base da vida, o Sesc São Paulo criou, em 1994, uma ação de segurança alimentar pioneira no combate à fome, que hoje se chama Mesa Brasil e está presente por todo o país.

A instituição também faz um trabalho permanente de promoção da educação alimentar e nutricional, além de celebrar, anualmente, o Dia Mundial da Alimentação, atuando em consonância com as diretrizes da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (Food and Agriculture Organization - FAO).

Em 2017, o Sesc São Paulo lançou o Experimenta! Comida, Saúde e Cultura, para promover a alimentação adequada e saudável por meio da valorização da cultura alimentar. A intenção é ampliar a autonomia em torno das escolhas presentes no ato de comer, desenvolver as habilidades culinárias e estimular práticas alimentares regionais e sustentáveis. A edição de 2019 teve mais de 350 atividades distribuídas em todas as unidades operacionais do Sesc São Paulo, envolvendo nutricionistas, sociólogos, antropólogos, chefs, agrônomos, cozinheiros, psicólogos, agricultores e outros especialistas.

Na edição de 2018 do Experimenta!, foi lançado o jogo de tabuleiro Tá na Mesa, desenvolvido pelo Sesc São Paulo a partir do conteúdo da segunda edição do Guia Alimentar para a População Brasileira, uma publicação do Ministério da Saúde.

Em 2019, para reforçar as ações da Semana Mundial do Aleitamento Materno, o Sesc lançou o Do Peito ao Prato, uma programação anual, realizada no mês de agosto com o objetivo de promover a amamentação e alimentação saudável nos dois primeiros anos de vida.

 

LEVANTAMENTOS

Várias pesquisas vêm sendo feitas a respeito dos hábitos dos brasileiros durante o período de distanciamento social devido à pandemia de covid-19. Uma sondagem do Ministério da Saúde, que não envolvia só alimentação, identificou que 40% dos entrevistados passaram a comer mais ou menos nos últimos meses. A pesquisa foi feita por telefone com mais de 2 mil pessoas de todo o país e incluía apenas esta questão sobre o tema.

Já um levantamento feito por um grupo de pesquisadores das áreas de endocrinologia, psicologia e patologia apontou que também 40% dos brasileiros tiveram variações de peso durante a quarentena. A pesquisa foi feita através de um questionário online, respondido por 1.470 pessoas e levou em consideração o Índice de Massa Corporal (IMC), tempo de isolamento e alimentação nesse período. Quase metade dos entrevistados (48%) afirmou sentir mais vontade de comer, mesmo quando não está com fome.

 

+ SESC NA QUARENTENA

Durante o período de distanciamento social, em que as unidades do Sesc no estado de São Paulo permanecem fechadas para evitar a propagação do novo coronavírus, um conjunto de iniciativas garantem a continuidade de sua ação sociocultural nas diversas áreas em que atua. Pelos canais digitais e redes sociais, o público pode acompanhar o andamento dessas ações e ter acesso a conteúdos exclusivos de forma gratuita e irrestrita.  Confira a programação e fique #EmCasaComSesc.

Mesa Brasil | Tecido Solidário | Fabricação Digital de Protetores Faciais | Teatro | Música | Dança | Cinema | Esporte | Crianças | Ideias | SescTV | Selo Sesc | Edições Sesc São Paulo | Youtube Sesc São Paulo | Instagram Sesc Ao Vivo | Portal Sesc SP

 

+ SESC DIGITAL

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado.

Saiba +: Sesc Digital

 

+ SESC SÃO PAULO

Com 73 anos de atuação no estado e 40 unidades operacionais, o Sesc São Paulo (Serviço Social do Comércio) desenvolve ações com o objetivo de promover bem-estar e qualidade de vida aos trabalhadores do comércio, serviços, turismo e para toda a sociedade. Mantido pelos empresários do setor, o Sesc é uma entidade privada que atua nos âmbitos da cultura,  esporte, saúde, alimentação, desenvolvimento infanto-juvenil, idosos, turismo social, entre outras frentes de ação. As iniciativas da instituição partem das perspectivas cultural e educativa voltadas para todas as faixas etárias, com o objetivo de contribuir para experiências mais duradouras e significativas. São atendidas nas unidades do estado de São Paulo cerca de 30 milhões de pessoas por ano. Hoje, aproximadamente 50 organizações nacionais e internacionais do campo das artes, esportes, cultura, saúde, meio ambiente, turismo, serviço social e direitos humanos contam com representantes do Sesc São Paulo em suas instâncias consultivas e deliberativas.

Saiba +: Sesc São Paulo

Na semana em que a programação de teatro pela internet do Sesc São Paulo completa dois meses no ar, tem os grandes textos que marcaram os 62 anos de carreira de Renato Borghi e Irene Ravache em monólogo sobre uma mulher que, depois de morta, faz sua última visita à casa onde morou

 

E no próximo dia 23, o SescTV lança a série Cena Inquieta, com 26 documentários dedicados ao teatro sob curadoria de Silvana Garcia e direção de Toni Venturi

youtube.com/sescsp

instagram.com/sescaovivo

 

São Paulo/SP – Nomes importantes do teatro brasileiro como Celso Frateschi, Georgette Fadel, Sérgio Mamberti, Cacá Carvalho, Gero Camilo, Matheus Nachtergaele e Denise Fraga já passaram pela série Teatro #EmCasaComSesc. Desde maio, o Sesc São Paulo promove a transmissão diferentes trabalhos cênicos, direto da casa dos artistas, sempre às segundas, quartas, sextas e domingos, às 21h30.

Na quarta-feira, 15, dia em que a série Teatro #EmCasaComSesc completa dois meses no ar, Renato Borghi apresenta Meu Ser Ator, para o qual retirou da estante os grandes textos que marcaram seus 62 anos de carreira. Como um exercício de memória, ele se transporta para as épocas e ambientes que moldaram alguns dos maiores clássicos do teatro brasileiro. A ideia é reviver solilóquios, diálogos e situações cênicas que fizeram de Borghi o ator que ele é. Além de resgatar trechos inesquecíveis das obras de Gorki, Brecht, Oswald de Andrade, Shakespeare, Tchekhov e Beckett, Borghi também faz uma homenagem a seus colegas de palco e aos grandes mestres que guiaram sua trajetória, como Eugênio Kusnet e Madame Morineau.

A atriz Irene Ravache apresenta na sexta-feira, 17, Alma Despejada, peça que conta a história de Teresa, que depois de morta faz sua última visita à casa onde morou. O imóvel foi vendido e sua alma, despejada. Teresa era uma professora de classe média, apaixonada por palavras, que teve dois filhos com Roberto, seu marido, homem simples, trabalhador, que se tornou um empresário bem-sucedido e colocou sua família no ranking de uma classe média emergente.  No texto de Andréa Bassitt, escrito especialmente para Ravache, a personagem transita entre o passado e o presente, do outro lado da vida. Sempre de maneira poética e bem-humorada, Teresa lembra de histórias e pessoas importantes em sua vida, como Neide, sua funcionária por mais de 30 anos, e sua melhor amiga, Dora. Sob a direção de Elias Andreato, o espetáculo estreou em São Paulo em setembro de 2019.

 

Cena Inquieta: a nova série documental do SescTV que investiga as formações, conceitos e trajetórias de grupos e artistas do teatro brasileiro

 

Além das lives no YouTube, o SescTV lança em 23 de julho uma série de documentários dedicados ao teatro: Cena Inquieta, com curadoria de Silvana Garcia e direção de Toni Venturi. A série é uma abrangente cartografia sobre a nova geração do teatro de grupo produzido no Brasil. Composta por 26 documentários de 55 minutos cada, o trabalho mapeou os mais importantes coletivos teatrais de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife.

São 48 companhias estáveis de teatro e mais 10 artistas solos que vem desenvolvendo trabalhos relevantes de experimentação de linguagem nos eixos do teatro negro, político e de gênero. Cada episódio apresenta dois grupos teatrais, alguns programas exibem também espetáculos solos de artistas que marcaram a cena nacional na última década, e um especialista (pesquisador, crítico ou jornalista) que comenta e contextualiza a cena ou proposta exibida. O primeiro documentário, exibido no dia 23/07 às 23h, investiga as formações, conceitos e trajetórias do Grupo Clariô de Teatro e Capulanas Cia. de Arte Negra.

 

A programação faz parte do projeto #Do13ao20 – (Re)Existência do Povo Negro, que faz alusão aos marcos do 13 de maio e do 20 de novembro, propõe diálogos sobre a condição social da população negra e objetiva reiterar os valores institucionais, bem como o reconhecimento das lutas, conquistas, manifestações e realidades do povo negro.

Para sintonizar o SescTV: Canal 128 da Oi TV ou consulte sua operadora. Assista também online em sesctv.org.br/aovivo. Siga o SescTV  no twitter: http://twitter.com/sesctv E no facebook: https: facebook.com/sesctv.

 

Agenda Teatro #EmCasaComSesc, 21h30

 

15/7, quarta: Renato Borghi em Meu Ser Ator

17/7, sexta: Irene Ravache em Alma Despejada

19/7, domingo: Felipe Oládélè em Fragmentos

 

Até aqui, o Teatro #EmCasaComSesc apresentou 33 espetáculos a uma audiência de mais de 140 mil visualizações. Já passaram pela série os artistas Celso Frateschi, interpretando, de sua autoria, Diana, Georgette Fadel em Terror e Miséria no Terceiro Milênio, de Bertolt Brecht, Sérgio Mamberti em Plínio Marcos, Um Homem do Caminho, Ester Laccava com Ossada, Jé Oliveira em Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens, de sua autoria, Gustavo Gasparani em Ricardo III, de Shakespeare, Lavínia Pannunzio com Elizabeth Costello, Grace Passô, interpretando Frequência 20.20, Denise Weinberg em O Testamento de Maria, Ailton Graça com Solidão, Cacá Carvalho em O Carrinho de Mão in A Poltrona Escura, Bete Coelho interpretando Mãe Coragem, Gero Camilo em A Casa Amarela, Eduardo Mossri com Cartas Libanesas e Cláudia Missura em Paixões da Alma, Matheus Nachtergaele com seu Desconscerto, o ator pernambucano Dinho Lima Flor com o espetáculo Ledores no Breu, Jhonny Salaberg em Buraquinhos ou o vento é inimigo do Picumã, Cassio Scapin com Eu Não Dava Praquilo, Clara Carvalho em A Mais Forte, Rodrigo França na leitura de Contos Negreiros do Brasil, Mariana Lima com a peça SIM – Cérebro|Coração em conferência para a terra, Amanda Lyra em Quarto 19, Denise Fraga com Galileu e Eu - A Arte da Dúvida, Yara de Novaes com o monólogo Justa, Leonardo Netto em 3 Maneiras de Tocar no Assunto - O Homem com a Pedra na Mão, Lucelia Sergio em Engravidei, Pari Cavalos e Aprendi a Voar Sem Asas, Débora Falabella com O Amor e Outros Estranhos Rumores e Debora Lamm encenando Mata Teu Pai, Ondina Clais apresentou Katierina Ivânovna, Antônio e Rocco Pitanga em Embarque Imediato e Teuda Bara em Queria Teatro.

 

+ Sesc Digital

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado. Por essa razão, o Sesc apresenta o Sesc Digital, sua plataforma de conteúdo!

 

Saiba+: sescsp.org.br

Programação de shows ao vivo do Sesc São Paulo na internet traz apresentações diárias, sempre às 19h, no Instagram (@sescaovivo) e YouTube (@sescsp)

instagram.com/sescaovivo

youtube.com/sescsp

Fotos das atrações em alta qualidade para imprensa neste link

 

São Paulo/SP – A série Música #EmCasaComSesc prossegue na semana com novas atrações, sempre às 19h, no Instagram Sesc Ao Vivo e no YouTube Sesc São Paulo

Na quarta, 8/7, é dia de curtir o som de Fabiana Cozza, que irá antecipar algumas canções de seu novo disco, previsto para setembro e cujo espetáculo, ainda em processo de produção, terá direção musical e participação de Fi Maróstica. Canções do universo do sagrado na cultura afro-ameríndia brasileira completam o repertório. A paulistana, tida pela crítica e público com uma das importantes intérpretes da música brasileira contemporânea, vencedora de duas edições do Prêmio da Música Brasileira, como “Melhor cantora de samba” e “Melhor álbum de língua estrangeira”, já soma oito discos e três DVDs lançados.

No dia seguinte, quinta-feira, 9/7, tem a peculiaridade artística do músico, ator e apresentador Arrigo Barnabé em show com peças de Clara Crocodilo, LP que marcou o início da Vanguarda Paulistana e que em 2020 completa 40 anos de lançamento. Para este repertório, Arrigo também selecionou algumas canções com letra de Luiz Tatit e Roberto Riberti; as valsas, como o próprio músico define, “Cidade Oculta”, parceria com Eduardo Gudin e Roberto Riberti; “Londrina”, de Tetê Espíndola, e “Sinhazinha em chamas”, de sua autoria. O público também terá a oportunidade de ouvir uma seleção de Tubarões Voadores, o seu segundo LP, e ainda “Canção dos Vagalumes” e “Canção do Astronauta Perdido”.

E na sexta-feira, 10/7, tem a voz e o violão de Roberta Campos apresentando seus grandes sucessos autorais, como "De Janeiro a Janeiro", "Minha Felicidade" e "Abrigo", bem como releituras já consagradas em sua voz, destaque para "Casinha Branca" (Gilson e Joran) e "Quem Sabe Isso quer Dizer Amor" (Lô Borges e Márcio Borges). Seus últimos lançamentos também estão no repertório, como a releitura de "Último Romance" (Rodrigo Amarante), "Fique na Minha Vida", música de sua autoria gravada com Vitor Kley e "Vem me Buscar", outra autoral que, na gravação original, ganhou contornos dos tambores do Olodum.

+ Música #EmCasaComSesc

A programação de shows na internet do Sesc São Paulo está no ar desde 19 de abril com apresentações diárias de importantes nomes da música brasileira, nos mais variados estilos. Sempre às 19h, tem uma atração ao vivo e direto da casa do artista no Instagram Sesc Ao Vivo e no YouTube Sesc São Paulo. Até aqui, já são mais de 70 shows realizados e uma audiência de mais de 3,15 milhões de visualizações. A programação foi pensada a todos que apreciam a boa música brasileira, em tempos de isolamento social por conta do novo coronavírus e que levou ao fechamento das unidades em todo o Estado para evitar a disseminação da Covid-19.

Até aqui, já passaram pela série os artistas Zeca Baleiro, Chico César, a dupla Fernanda Takai e John Ulhoa da banda mineira Pato Fu, Roberta Sá, Paulo Miklos, João Bosco, Zélia Duncan, Hamilton de Holanda e Mestrinho, Rael, Mônica Salmaso e Teco Cardoso, Davi Moraes e Pedro Baby, Hélio Ziskind, Siba, Luciana Mello e Jair Oliveira, Marcelo Jeneci, Renato Braz, André Mehmari, Anelis Assumpção e Curumin, Ayrton Montarroyos e Edmilson Capelupi, Céu, Emicida, Dori Caymmi, Tulipa Ruiz e Gustavo Ruiz, Toninho Ferragutti, Ná Ozzetti e Dante Ozzetti, Josyara, André Abujamra, Luedji Luna e Zudizilla, João Donato, Joyce Moreno, Duo Siqueira Lima, Tiê, As Bahias e a Cozinha Mineira, Nilze Carvalho, Ava Rocha, Adriana Calcanhotto, Eduardo Gudin e Naila Gallotta, Hercules Gomes, Mariana Aydar, Lula Barbosa, Thaíde, Maurício Pereira e Chico Bernardes, Leila Pinheiro, Geraldo Azevedo, Cristian Bubu, Zé Renato, Filipe Catto, Edgard Scandurra, Teresa Cristina, Francis e Olivia Hime, Renato Teixeira, Ricardo Herz e Vanille Goovaerts, Badi Assad, Carlinhos Antunes e Gabriel Levy, Vidal Assis, Mahmundi, Toquinho, Rincon Sapiência, Manoel Cordeiro, Pepeu Gomes, Adriana Moreira, Daniela Mercury, a dupla Carlos Careqa e Mário Manga, Jards Macalé, Vanessa Moreno, Maíra Freitas, Ed Motta, Trio Virgulino, Yvison Pessoa, Letrux, Fafá de Belém, Tom Zé, Arismar do Espírito Santo, Sandra de Sá, Lô Borges, Lula Ribeiro e Breno Ruiz. As apresentações atingiram uma audiência de mais de 3,15 milhões de visualizações, somando as páginas do Sesc São Paulo e dos artistas que transmitiram as apresentações.

A série Música #EmCasaComSesc também tem sido uma oportunidade para promover o Mesa Brasil, programa que conecta empresas doadoras e instituições sociais para o complemento de refeições de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Criado há 25 anos pelo Sesc São Paulo e hoje em operação em diversos estados do país, a iniciativa está com uma campanha para expandir sua rede de parceiros doadores e ampliar a distribuição de alimentos, produtos de higiene e limpeza em meio à crise causada pelo novo coronavírus. Também engajados pela causa, os artistas têm aproveitado as transmissões on-line para convocar as pessoas, principalmente empresários e gestores, a integrarem a rede de solidariedade. Para saber como ser um doador, acesse o site mesabrasil.sescsp.org.br.

+ Sesc Digital

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado. Por essa razão, o Sesc apresenta o Sesc Digital, sua plataforma de conteúdo!

 

Entre os dias 7 e 11, participam das discussões a artista e professora da FAU – USP Giselle Beiguelman; Iara Aparecida Ferreira, fundadora e coordenadora do Terno de Congado Moçambique Estrela Guia (Uberlândia-MG); José Graziano da Silva, ex-Ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome do primeiro governo de Lula da Silva, função na qual coordenou a implementação do Projeto Fome Zero; e a coordenadora executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, Marta Gil

 

A série Ideias, transmitida ao vivo sempre às 16h pelo YouTube da instituição, convida pensadores e articuladores sociais de diversas áreas para a troca de experiências e reflexões sobre assuntos da atualidade

 

youtube.com/sescsp

São Paulo/SP– Com o objetivo de incentivar a reflexão no contexto desafiador em que nos encontramos, a série Ideias, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), traz a transmissão ao vivo de debates sobre as principais questões que tencionam a agenda sociocultural e educativa atual. Sempre às 16h, as conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Na terça-feira, dia 7, o debate Memórias, cicatrizes e fraturas trará reflexões acerca das fragilidades dos patrimônios e acervos, e as relações entre memória e esquecimento no Brasil. Participam a artista e professora da FAU – USP Giselle Beiguelman e a artista e doutora pela ECA – USP Rosângela Rennó, com mediação de Barbara Rodrigues, graduada em artes plásticas e técnica de programação em artes visuais no Sesc Pompeia, e apresentação de Sabrina da Paixão, historiadora e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

No dia seguinte, quarta-feira, 8, A força ancestral na celebração da vida será o tema do bate-papo sobre os modos de (re)existir de manifestações culturais e comunidades tradicionais afro-brasileiras do Sudeste, como a Caiumba (conhecida como Batuque de Umbigada) e Moçambiques (presente nos festejos do congado). Com Iara Aparecida Ferreira, fundadora e coordenadora do Terno de Congado Moçambique Estrela Guia (Uberlândia-MG), membro estadual dos Pontos de Cultura de Minas Gerais e Delegada Nacional dos Pontos de Cultura (representando a Cultura Popular); Mestre Malaquias, conhecido como Preto, fundador e capitão do Moçambique Estrela Guia, casado há 33 anos com Iara, com quem faz parte da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito de Uberlândia; e Antônio Filogênio de Paula Júnior, membro do projeto Casa de Batuqueiro, ligado ao grupo Batuque de Umbigada de Piracicaba, Tietê, Capivari e Rio Claro-SP. Na mediação e apresentação, estará a jornalista e animadora cultural do Sesc Consolação, Renata Celano.

Seguindo com a programação, no dia 9, quinta-feira, estarão em pauta  Os efeitos da pandemia na alimentação dos brasileiros. Serão discutidos quais os caminhos para enfrentar a subnutrição e a fome neste contexto de preocupação em relação à disponibilidade e ao acesso a alimentos, agravado pelos fortes impactos sociais e econômicos causados pela pandemia. Dentre os debatedores, estão José Graziano da Silva, ex-Ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome do primeiro governo de Lula da Silva, função na qual coordenou a implementação do Projeto Fome Zero, e Renato Maluf, professor titular do CPDA/UFRRJ, onde coordena o Centro de Referência em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional, e membro do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Na mediação, Elisabetta Recine, integrante do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional e professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília. A apresentação será de Mariana Ruocco, assistente técnica da Gerência de Alimentação e Segurança Alimentar.

E encerrando a programação da semana, no sábado, 11, será realizado o debate Direitos das pessoas com deficiência: reflexões para o pós pandemia à luz do conceito de capacitismo. Estarão em xeque discussões sobre os direitos das pessoas com deficiência e uma reflexão sobre o capacitismo – fenômeno social ainda presente de forma velada ou explícita no cotidiano e que afeta a participação social deste segmento. Também será abordado como a adoção da acessibilidade atitudinal, entre outras medidas, pode contribuir para ampliar a qualidade de vida e os horizontes das pessoas com deficiência no cenário pós-pandemia em sociedade. Participam a coordenadora executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas, Marta Gil, e a professora aposentada da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Izabel Madeira Maior. O debate será mediado por Jairo Marques, jornalista da Folha de S. Paulo, e apresentado por Giovanna Togashi, doutora em Ciências pela USP e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

PROGRAMAÇÃO IDEIAS #EMCASACOMSESC

Dia 7/7, terça-feira

Memórias, cicatrizes e fraturas

Baseadas nas pesquisas feitas para o desenvolvimento de seus projetos artísticos e nas dificuldades encontradas para acesso aos acervos, Rosângela Rennó e Giselle Beiguelman abordam as fragilidades expostas do patrimônio e as relações entre memória e esquecimento no Brasil.

Participantes:

Giselle Beiguelman – Artista e professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Rosângela Rennó – Artista formada em artes plástica e em arquitetura e urbanismo, doutora em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da USP.

Mediação:

Barbara Rodrigues – Graduada em Artes Plásticas pela UFPE, e pós-graduanda em Crítica e Curadoria da Arte pela PUC. Técnica de programação em Artes Visuais no Sesc Pompeia.

Apresentação:

Sabrina da Paixão – Historiadora e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

Dia 8/7, quarta-feira

A força ancestral na celebração da vida

Bate-papo sobre os modos de (re)existir de manifestações culturais e comunidades tradicionais afro-brasileiras do Sudeste, como a Caiumba (conhecida como Batuque de Umbigada) e Moçambiques (presente nos festejos do congado).

Participantes:

Iara Aparecida Ferreira – Fundadora e coordenadora do Terno de Congado Moçambique Estrela Guia (Uberlândia-MG), membro estadual dos Pontos de Cultura de Minas Gerais e Delegada Nacional dos Pontos de Cultura (representando a Cultura Popular). 

Mestre Malaquias (conhecido como Preto) – Fundador e capitão do Moçambique Estrela Guia, casado há 33 anos com Iara, com quem faz parte da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito de Uberlândia.

Antônio Filogênio de Paula Júnior – Membro do projeto Casa de Batuqueiro, ligado ao grupo Batuque de Umbigada de Piracicaba, Tietê, Capivari e Rio Claro-SP. Graduado em filosofia, é mestre e doutor em Educação.

Mediação e apresentação:

Renata Celano – Jornalista e animadora cultural do Sesc Consolação.

Dia 9/7, quinta-feira

Os efeitos da pandemia na alimentação dos brasileiros

A preocupação em relação à disponibilidade e ao acesso a alimentos no presente e no futuro são os principais temas desta atividade. A insegurança alimentar já ameaçava milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade. A tendência é que esse cenário crítico se agrave com os fortes impactos sociais e econômicos causados pela pandemia. Nesse novo contexto, quais os caminhos para enfrentar a subnutrição e a fome, promovendo a alimentação adequada e saudável para todos? Como garantir este direito, considerando formas de produção, processamento e distribuição dos alimentos socialmente equitativas, ambientalmente sustentáveis e promotoras de diversidade cultural e ecológica?

Participantes:

José Graziano da Silva – Professor titular aposentado do Instituto de Economia da UNICAMP. Foi Ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome do primeiro governo de Lula da Silva. Nessa função, coordenou a implementação do Projeto Fome Zero. Foi Diretor Regional para América Latina e Caribe e depois Diretor Geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Renato Maluf – Professor titular do CPDA/UFRRJ, onde coordena o Centro de Referência em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Membro do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional. Ex-Presidente do CONSEA-Nacional (2007/2011).

Mediação:

Elisabetta Recine – Integrante do Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional, professora do Departamento de Nutrição da Universidade de Brasília.

Apresentação:

Mariana Ruocco – Assistente Técnica da Gerência de Alimentação e Segurança Alimentar.

Dia 11/7, sábado

Direitos das pessoas com deficiência: reflexões para o pós pandemia à luz do conceito de capacitismo

O objetivo do debate é trazer discussões sobre os direitos das pessoas com deficiência e uma reflexão sobre o capacitismo – fenômeno social ainda presente de forma velada ou explícita no cotidiano e que afeta a participação social deste segmento. Também se pretende debater a influência desta modalidade de preconceito no âmbito do acesso ao mercado de trabalho das pessoas com deficiência, por meio de barreiras com relação ao julgamento sobre sua performance e que eventualmente inibem as possibilidades de desenvolvimento em funções laborais diversas. Por fim, também será abordado como a adoção da acessibilidade atitudinal, entre outras medidas, pode contribuir para ampliar a qualidade de vida e os horizontes das pessoas com deficiência no cenário pós-pandemia em sociedade.

Participantes:

Marta Gil – Coordenadora Executiva do Amankay Instituto de Estudos e Pesquisas.

Izabel Madeira Maior – Professora aposentada da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Mediação:

 Jairo Marques – Jornalista da Folha de S. Paulo.

Apresentação:

Giovanna Togashi – Doutora em Ciências pela USP e pesquisadora do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc SP.

+ Sesc Digital

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado. Por essa razão, o Sesc apresenta o Sesc Digital, sua plataforma de conteúdo!

 

Saiba+: sescsp.org.br

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30