fbpx

Realizar Acesso

Usuário *
Senha *
Lembrar
 
Radio Sanca Web TV - Quinta, 03 Setembro 2020

SÃO CARLOS/SP - O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) São Carlos comunica que neste sábado (05/09), a partir das 7h, realizará a interligação entre adutoras de abastecimento de água. O serviço será realizado na rua Marino da Costa Terra, próximo ao número 786, no Parque Sabará.

Em virtude da interligação ocorrerá interrupção no fornecimento de água no período da manhã no Parque Sabará, altos da Vila Nery, Residencial Américo Alves Margarido, Parque dos Timburis e no Jardim De Cresci. A interligação tem por objetivo adequar o sistema de distribuição de água nessas regiões.

A previsão é de que até às 13h o serviço já esteja finalizado e o fornecimento de água restabelecido.

Outras informações podem ser obtidas pelos usuários no serviço de atendimento da autarquia pelo telefone 0800-111-064.

Publicado em Outras Notícias

SÃO CARLOS/SP - Os Consumidores que vão aos supermercados de São Carlos estão assustados com o preço do arroz, feijão, óleo e outros produtos da cesta básica. O aumento nas exportações, a alta do dólar e a produção menor devido a pandemia são as principais causas.

De acordo com um revendedor de arroz em São Carlos, no início de 2020, o saco de 5kg estava sendo disponibilizado ao consumidor pelo valor aproximado de R$10,00 à R$ 15,00. Atualmente, não se encontra o mesmo produto por menos de R$25,00.

Segundo o revendedor que não quer se identificar, houve um grande número de exportações e o aumento do dólar para contribuir para esta situação. “Hoje, muito do arroz consumido no Brasil é importado do Paraguai”, informou.

A questão da pandemia da Covid-19 também contribuiu. Ele informou que muitas empresas tiveram que interromper as atividades devido a surtos da doença. “Isso só vai se normalizar com a safra do ano que vem. A China está comprando praticamente tudo”, disse.

A inflação acumulada dos últimos 12 meses, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 2,31% em julho e a alimentação marcou 7,61% no mesmo período.

A dona de casa Maria Cardoso reclama do preço, mas não deixa de comprar os alimentos. “É algo que não pode faltar na mesa da gente. Pesa no bolso, mas não tem como substituir. Diferentemente da carne que conseguimos substituir por um legume, ovo ou frango”, afirmou.

Diante do cenário e as justificativas pelo aumento dos preços, a Rádio Sanca entrou em contato com o Advogado Joner José Nery que é especialista em Defesa do Consumidor e membro efetivo do Conselho de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil do Estado de SP.

Segundo Nery, as justificativas devem ser vistas com ressalva, pois sabe-se que habitualmente existem abusos em algumas situações e estabelecimentos acabam extrapolando na alta dos preços, como de fato aconteceu com o álcool gel, luvas e máscaras durante o início da pandemia.

"Quando existem suspeitas de abuso por parte dos estabelecimentos, é o momento de o consumidor ligar o sinal de alerta e procurar seus direitos.  O caminho principal é solicitar auxílio do órgão de defesa do consumidor de sua cidade (Procon), que deverá comparecer nos estabelecimentos, analisar os preços e solicitar as notas ficais de compras passadas e as atuais, analisando assim se o atual valor se justifica" disse o especialista no direito do consumidor.

O advogado ainda ponderou que o aumento dos produtos já é notícia nacional e os órgãos de proteção e defesa do consumidor podem agir imediatamente, não precisando ser acionado pelo consumidor, porém, a questão depende de cada direção do órgão, uns são mais atuantes e outros menos.

Por fim, Nery destacou que toda prova que o consumidor possuir em mãos é importante, como por exemplo fotos dos preços, anúncios antigos e atuais dos produtos, bem como a nota fiscal de compra. “Tudo isso pode servir de prova em uma futura responsabilização do estabelecimento por aumento do preço de maneira excessiva e injustificada, finalizou.

Publicado em Comércio

SÃO CARLOS/SP - A região de São Carlos vai continuar na Fase Amarela do Plano São Paulo. Nesta sexta-feira, 04, o governador João Doria e a secretária estadual de Desenvolvimento, Patricia Ellen, anunciaram a décima segunda atualização do Plano, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

Com isso, o atendimento presencial no comércio são-carlense continua sendo das 10h às 18h, de segunda a sexta-feira, e das 09h às 17h, aos sábados. “Continuamos da mesma forma que estamos. Mesmo com números positivos para avançarmos, o governo estadual manteve a nossa região na Fase Amarela”, afirmou o presidente da ACISC (Associação Comercial e Industrial de São Carlos), José Fernando Domingues.

Zelão ressalta que graças aos esforços de todos os comerciantes, os casos estão relativamente controlados na cidade. “Todos continuam respeitando as medidas e os protocolos sanitários e, com isso, temos controlado o avanço da doença, possibilitando que sigamos na fase atual que estamos no Plano SP”, afirmou.

Atualmente, estão funcionando todos os setores: comércio, serviço, shoppings, salões de beleza e barbearia, restaurantes e similares, academias, convenções e atividades culturais, em conformidade com as recomendações de segurança e os protocolos sanitários padrões e setoriais específicos, entre eles, o uso obrigatório de máscaras.

As normas sanitárias continuam sendo as mesmas para todos os segmentos: disponibilizar higienização para funcionários e consumidores com álcool gel 70% em pontos estratégicos; os funcionários devem utilizar máscaras durante toda a jornada de trabalho, assim como os consumidores; o acesso e o número de pessoas nos estabelecimentos devem ser controlados; manter todas as áreas ventiladas; e a fila deve ter distanciamento de 2 metros entre as pessoas.

“A quarentena continua! Vamos seguir atentos às medidas de distanciamento social e respeitar os protocolos sanitários, utilizando máscaras, para que, finalmente, possamos avançar para a Fase Verde”, finalizou Zelão Domingues.

A nova atualização ordinária do Plano São Paulo acontecerá no dia 18 de setembro. 

Publicado em Comércio

RIO DE JANEIRO/RJ - Viviane Araújo aproveitou o #TBT desta última quinta-feira (03) no Instagram para relembrar sua última viagem e fez muito sucesso nas redes sociais.

A musa do carnaval publicou uma foto pra lá de poética na praia. Todo em preto e branco, o clique mostra Viviane deitada na areia e curtindo um momento de reflexão, sem deixar de esbanjar muita saúde com seu shape definido de dar inveja.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Aqueça a sua alma com o que é bom e puro.... sinta a leveza do carinho que a paz nos tece ... seu coração é lindo... deixe o amor florescer nele .... sempre ! ... Que esta paz que reside em mim neste momento seja uma eterna residente de minha alma.

Uma publicação compartilhada por Viviane Araujo (@araujovivianne) em  “Aqueça a sua alma com o que é bom e puro. Sinta a leveza do carinho que a paz nos tece. Seu coração é lindo. Deixe o amor florescer nele sempre! Que esta paz que reside em mim neste momento seja um eterno residente de minha alma.”, escreveu na legenda, bem filosófica para combinar com o registro.

 

 “Aqueça a sua alma com o que é bom e puro. Sinta a leveza do carinho que a paz nos tece. Seu coração é lindo. Deixe o amor florescer nele sempre! Que esta paz que reside em mim neste momento seja um eterno residente de minha alma.”, escreveu na legenda, bem filosófica para combinar com o registro.

 

 

*Por: Gabriela Ellin / METROPOLITANA

Publicado em Celebridades

Ele foi encontrado com mais de 400 porções de entorpecentes e um revólver

 

RIBEIRÃO PRETO/SP - A Polícia Civil prendeu um jovem, de 20 anos, que foi flagrado com mais de 400 porções de drogas, entre cocaína, maconha e LSD, além de uma arma de fogo. A ação aconteceu, na noite de quinta-feira (3), em um condomínio residencial no Jardim João Rossi, no município de Ribeirão Preto.

Agentes da 2ª Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise), da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) de Ribeirão Preto, estavam em diligências direcionadas ao combate ao tráfico de drogas quando surpreenderam um suspeito na escadaria de um conjunto habitacional.

Durante revista pessoal, foram encontrados R$ 210 em notas diversas, sendo que o rapaz logo admitiu o envolvimento com o comércio de entorpecentes, alegando que o dinheiro encontrado seria proveniente desta prática criminosa. Em continuidade às atividades, os policiais realizaram buscas nas imediações.

Em um estacionamento aos fundos do bloco onde foi realizada a abordagem, a equipe encontrou uma sacola plástica escondida sob um dos automóveis. Ao todo, foram recolhidos 104 microtubos com cocaína, 281 micropontos de LSD, 39 porções de maconha, além de isqueiro e papel seda.

Em seguida, no mesmo estacionamento, ainda perto da abordagem, encontraram um revólver de calibre aparente 32, desmuniciado, que estava dentro de um saco em tecido camuflado, encostado no meio fio da calçada. As substâncias e a arma foram apreendidas e encaminhadas para perícia.

O jovem foi preso em flagrante e indiciado. Ele responderá por tráfico de drogas e por posse irregular de arma de fogo de uso permitido. As investigações prosseguem.

Publicado em Ribeirão Preto

SÃO CARLOS/SP - Depois de visitar o Centro Municipal de Educação Básica (Cemei) Carminda Nogueira de Castro, no Residencial Eduardo Abdelnur, região da Água Fria, ao lado do Jardim Zavaglia, o vereador Roselei Françoso (MDB) solicitou à Prefeitura a ampliação da unidade.

Inaugurada em outubro de 2019 para atender 220 crianças de zero a 5 anos, a unidade atende atualmente 290 alunos. Outros 75 são atendidos na Escola Municipal de Educação Básica (Emeb), Ulysses Ferreira Picollo, que funciona ao lado.

Uma indicação ao prefeito Airton Garcia e dois ofícios, às Secretarias de Educação e Habitação, foram protocolados pelo vereador. “A indicação é o instrumento legislativo oficial para este tipo de pleito”, explica o parlamentar. “Já os ofícios, além de registrar junto aos secretários responsáveis essa necessidade, pretendem garantir a reserva da área ao lado da escola”, detalha Roselei.

Na esquina das ruas Hagar Cristina Rojo Rocha e Antonio Gallo existe um área disponível que fica ao lado do Cemei Carminda Nogueira de Castro, conforme os registros da Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano. “Solicitei ao secretário João Muller que reserve essa área para no futuro abrigar a ampliação da escola”, destaca. “Essa ação em prol da população da região pode ser assumida por todos os candidatos a prefeito”, comenta.

O Cemei Carminda Nogueira de Castro foi concluído na gestão do prefeito Airton Garcia e construído em parceria com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) por R$ 1,6 milhão. Conquistada ainda na gestão do prefeito Oswaldo Barba (2009-2012) quando o vereador Roselei Françoso era diretor da Secretaria da Educação, a unidade estava prevista para ser construída no Jardim Botafogo.

“Com o aumento populacional dos bairros da região da Água Fria foi acertada a decisão de construir a escola no Eduardo Abdelnur”, lembra o parlamentar. O mesmo ocorreu no distrito de Água Vermelha. Em 2009, a Prefeitura adquiriu a área que irá abrigar o novo prédio do Cemei Santo Piccin, cuja licitação está em andamento. “Naquela época já sabíamos que além de ser necessário um novo prédio para a escola, haveria o crescimento populacional significativo no distrito”, recorda Roselei Françoso.

Publicado em Política

Segundo médico da família Marcelo Demarzo, com o agravamento dos quadros psiquiátricos causado pela pandemia, sistemas de saúde podem sofrer impacto com a procura de atendimentos. 

 

SÃO CARLOS/SP - Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), com cerca de 400 médicos de 23 estados e do Distrito Federal, mostrou que 89,2% dos especialistas entrevistados destacaram o agravamento de quadros psiquiátricos em seus pacientes devido à pandemia de Covid-19.  

O alto percentual é um alerta para os sistemas de saúde público e privado, já que muitas doenças mentais causadas pelo sofrimento psicológico podem desencadear ou agravar quadros físicos, chamados de doenças psicossomáticas. 

De acordo com o médico da família Marcelo Demarzo, as doenças psicossomáticas são causadas, na maioria das vezes, pelo estresse crônico, sendo que as mais comuns no Brasil são: enxaqueca; síndrome do intestino irritado; alergias alimentares, respiratórias e de pele; sintomas de gastrite sem infecção aparente; impotência sexual; entre outras. 

“A mente e o corpo estão estreitamente ligados. Por isso, quando a primeira está doente, é possível que vários órgãos do corpo sintam o reflexo dessa desordem, mesmo sem alteração orgânica alguma”, diz. 

Segundo Demarzo, o processo de desenvolvimento das doenças não é consciente e, por isso, o diagnóstico é feito por exclusão. Geralmente, o médico, além de uma entrevista clínica completa e centrada nas necessidades do paciente, precisa solicitar alguns exames complementares para confirmar que a causa dos sintomas relatados não seja por alguma alteração no organismo.  

“Levando em conta que este paciente poderá usar mais constantemente o atendimento médico até que seu diagnóstico seja feito e o problema inicial tratado, os sistemas de saúde podem ficar sobrecarregados, principalmente em tempos em que os hospitais já estão lotados devido à pandemia do novo coronavírus”, explica. 

Para evitar que o sofrimento psicológico cause disfunções maiores ao organismo, o médico explica que reservar atenção à saúde mental é o primeiro passo para o tratamento. 

“A mudança de hábitos e estilo de vida é uma das principais dicas para evitar que o estresse se torne algo crônico e desencadeie sintomas físicos. Reprogramar o cérebro diante de situações desafiadoras não é uma tarefa fácil, mas é possível com tratamentos psiquiátricos, acompanhamento terapêutico e treinamentos regulares, como a meditação e o mindfulness”, explica. 

Contudo, Demarzo aconselha que o paciente relate suas queixas sobre a carga emocional durante as consultas médicas, para que o especialista considere a causa psicológica desde o primeiro atendimento. 

 

Quem é Marcelo Demarzo? 

É médico especialista em Mindfulness para adultos e crianças, com treinamentos na Inglaterra (Mindfulness in Schools Project, em Londres; Oxford Mindfulness Centre, na Universidade de Oxford; e Instituto Breathworks, em Manchester), e nos EUA (Center for Mindfulness in Medicine, Health Care, and Society, na Universidade de Massachusetts). 

Fez pós-doutorado em Mindfulness e Promoção da Saúde na Universidade de Zaragoza, na Espanha, e diversos cursos de aprofundamento nas tradições contemplativas e meditativas, incluindo a Psicologia Budista e Tibetana em Dharamsala, na Índia. 

Junto com o professor Javier Garcia-Campayo, da Universidade de Zaragoza, desenvolveu a Terapia de Compaixão Baseada em Estilos de Apego (Attachment-Based Compassion Therapy). 

É fundador e atual coordenador do Mente Aberta (www.mindfulnessbrasil.com), referência nacional e internacional nos programas e pesquisas sobre Mindfulness. 

Publicado em Ciência & Saúde

A psicóloga Naiara Mariotto explica a necessidade de acompanhamento psicológico para lidar com o problema

 

SÃO CARLOS/SP - Em 2015, o Brasil acolheu o Setembro Amarelo, movimento destinado a dar visibilidade na prevenção ao suicídio e a depressão. Desde então, o mês concentra cada vez mais eventos, ações e atividades focadas em levar informação sobre a importância em se discutir o assunto. 
Segundo a psicóloga Naiara Mariotto, uma das primeiras medidas a serem tomadas quando um familiar apresenta depressão é acolher esse indivíduo e validar o seu sentimento. Outra recomendação é não tratar o problema como algo ocasional e evitar sugerir soluções passageiras para uma doença profunda e muitas vezes complexa.
“Também é importante buscar um profissional qualificado que faça a avaliação adequada dessa queixa e caso necessário, haverá o encaminhamento para um psiquiatra e consequente uso de medicação” explica. 
O apoio incondicional da família e amigos é outro ponto crucial no início ou durante o acompanhamento psicológico. Naiara conta que escutar as reclamações dessa pessoa e conversar o máximo possível sobre os sentimentos acerca do assunto, são formas de evitar que conflitos internos se compliquem ainda mais.
“Quando acompanhado de um profissional adequado, o paciente terá ajuda na busca de soluções que melhorem o seu humor e tragam mais prazer a vida e questões do dia a dia”, diz Naiara.

A importância do CVV

O Centro de Valorização da Vida (CVV), é uma ONG voluntária focada na prevenção do suicídio que trabalha de forma sigilosa e fornece apoio emocional aqueles que enfrentam problemas psicológicos como a depressão. 
“Embora a consulta psicológica seja primordial, o CVV é um serviço de acolhimento primário as pessoas que não se sentem à vontade em conversar com alguém mais diretamente. A ONG pode ser vista principalmente, como um intermédio que leve ao acompanhamento profissional”, explica a psicóloga.
Com voluntários disponíveis 24h por dia, os interessados podem entrar em contato com o CVV através do site www.cvv.org.br ou do telefone 188. A ligação é gratuita. 

Quem é Naiara Mariotto?

Naiara Mariotto atua há 12 anos como psicóloga clínica, seguindo a abordagem cognitivo comportamental. É especialista em relacionamentos e equilíbrio emocional, psicoterapeuta, sexóloga, supervisora clínica e palestrante.
É fundadora da Clínica Naiara Mariotto, em Araraquara (SP), onde oferece atendimentos para crianças, adolescentes, adultos, casais e famílias, além das terapias corporais e relaxantes.

Publicado em Ciência & Saúde

MATÃO/SP - No primeiro semestre de 2020, a AB Triângulo do Sol foi responsável pelo repasse de R$ 12,4 milhões a título de Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISSQN) para 27 municípios que fazem parte do trecho de concessão. De 2000 a 2019, o montante chega a R$ 288 milhões.

As cidades que receberam o repasse são: Araraquara, Barrinha, Bebedouro, Borborema, Catanduva, Catiguá, Cedral, Dobrada, Estância de Ibirá, Fernando Prestes, Guariba, Ibaté, Itápolis, Jaboticabal, Matão, Mirassol, Pindorama, Pitangueiras, Santa Adélia, Santa Ernestina, São Carlos, São José do Rio Preto, Sertãozinho, Taiúva, Taquaral, Taquaritinga e Uchôa. A alíquota do imposto é definida por legislação federal e regulamentada pelos municípios, portanto, varia para cada prefeitura. O repasse é feito proporcionalmente à extensão das rodovias sob concessão que atravessam o município.

Cada prefeitura tem a liberdade para estabelecer a melhor utilização deste recurso em benefício da população. Desta forma, além de ser empregado para melhorias na malha rodoviária, o dinheiro do pedágio também se destina a outros segmentos, como saúde, educação, segurança, esporte e transporte.

ISS no estado

De acordo com balanço da Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp), entre janeiro e junho de 2020, foram arrecadados mais de R$ 235 milhões no estado, verba compartilhada entre as 283 prefeituras atendidas pelo Programa de Concessões Rodoviárias. Desde 2000, ano em que o imposto começou a incidir sobre as tarifas de pedágio, os repasses para as prefeituras totalizaram R$ 5,8 bilhões.

AB Triângulo do Sol I Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo

A concessionária AB Triângulo do Sol é responsável pela administração de 442 quilômetros de rodovias que compreendem o Lote 9 do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo: Rodovia Washington Luís (SP-310), entre São Carlos e Mirassol; Rodovia Brigadeiro Faria Lima (SP-326), de Matão a Bebedouro; e Rodovia Carlos Tonanni / Nemésio Cadetti / Laurentino Mascari / Dr. Mario Gentil (SP-333), entre Sertãozinho e Borborema.

Publicado em Outras Cidades

MUNDO - Há dois meses da eleição presidencial, marcada para 3 de novembro, a administração de Donald Trump corre contra o tempo para fazer a vacina contra coronavírus chegar aos americanos nem que seja apenas um dia antes de os cidadãos comparecerem às urnas.

Na semana passada, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) remeteu aos departamentos de saúde dos 50 Estados e da capital do país diretrizes para o preparo de ambientes refrigerados para armazenar as doses de dois tipos diferentes de imunizantes contra o novo coronavírus e orientações sobre quem deve receber a vacina primeiro — auxiliares de enfermagem, enfermeiros e médicos. De acordo com o comunicado, pelo menos alguns milhões de doses já estarão disponíveis ao público no final de outubro.

Os documentos, revelados pelo jornal The New York Times, foram enviados aos órgãos de saúde no mesmo dia em que Trump fez seu discurso de oficialização como candidato republicano na convenção do partido. Em mais de uma hora de fala, o presidente afirmou:

"Nós estamos entregando terapias que podem salvar vidas e vamos produzir a vacina até o fim do ano, ou talvez até antes disso".

A sincronia entre o comunicado do CDC e o discurso de Trump e o fato de o presidente ter demonstrado interesse em apressar os procedimentos para uma vacina desde o início da pandemia levantaram questionamentos sobre se os órgãos de controle de saúde americanos, como o próprio CDC ou a Agência Reguladora de Alimentos e Medicamentos (FDA, em inglês), estariam agindo por pressão política.

Cerca de sete pontos percentuais atrás do candidato democrata Joe Biden nas pesquisas nacionais de intenção de voto, de acordo com o agregador estatístico do site FiveThirtyEight, Trump tem buscado formas de virar o jogo. Os Estados Unidos são o país com maior número absoluto de mortes por covid-19 — 185 mil — e enfrentam forte recessão econômica na esteira da pandemia.

A resposta de Trump ao vírus é aprovada por apenas 39% dos americanos. Ao longo dos últimos meses ele fez movimentos contraditórios diante do público: subestimou o potencial da doença, se recusou a usar máscaras até recentemente, incentivou americanos a quebrar a quarentena e advogou por tratamentos sem eficácia, como o consumo de hidroxicloroquina.

Tudo isso teria baixado as chances de Trump obter mais quatro anos na Casa Branca. E os próprios apoiadores do presidente admitem que obter uma vacina antes da votação aumentaria suas chances de sucesso eleitoral.

"Em um universo paralelo, em que a integridade do CDC e da FDA estivessem protegidas e não houvesse preocupações de que a pressão política estaria acelerando os processos regulatórios, essa poderia mesmo ser uma etapa inicial importante na preparação da logística para a distribuição da vacina, especialmente para os trabalhadores de saúde. Neste universo em que estamos, é preocupante", afirmou Alexandra Phelan, professora do Centro para Saúde, Ciência e Segurança Global da Universidade Georgetown, em Washington D.C.

A dubiedade na reação de Phelan não é gratuita. Se por um lado, a administração Trump injetou bilhões de dólares em um plano ambicioso de desenvolvimento da vacina, por outro, acumulou um histórico de conflitos e ingerência política tanto com a FDA quanto com o CDC nos últimos meses.

Velocidade de Star Trek

Normalmente, o prazo de aprovação de uma vacina é de ao menos quatro anos, mas uma série de fatores explica a velocidade com que as imunizações contra covid-19 estão sendo desenvolvidas agora.

Além de se mostrar um vírus relativamente estável, com poucas mutações, o Sars-CoV-2, causador da covid-19, é um vírus parecido com o patógeno da Sars, doença que se tornou epidemia na Ásia no começo dos anos 2000. Uma série de laboratórios pelo mundo já trabalhavam há anos com esse vírus em busca de uma vacina.

"Toda essa rapidez agora só foi possível porque os laboratórios aproveitaram a tecnologia do estudos de vacina contra Sars na nova vacina", afirmou à BBC News Brasil William Schaffner, professor de medicina preventiva e doenças infecciosas na Universidade de Medicina Vanderbilt.

Graças a esse conhecimento acumulado, muitos laboratórios conseguiram reduzir de dois anos para seis meses o tempo de conclusão das fases 1 e 2 de testes. As vacinas de covid-19 já mostraram que não produzem efeitos colaterais graves e que induzem a produção de anticorpos capazes de matar o vírus. A fase 3 inclui a aplicação da vacina e de placebo em dezenas de milhares de pessoas que serão acompanhadas pelos pesquisadores ao longo de meses — ou anos.

Após um dado período, os cientistas calculam quantos dos voluntários vacinados contraíram a doença, em comparação com o número dos que receberam placebo e adoeceram. É o contraste entre um grupo e o outro que provará a eficácia do imunizante. Por motivos éticos, os laboratórios não inoculam o vírus no corpo dos voluntários para testar a eficiência da vacina. É necessário que as pessoas pesquisadas sejam expostas naturalmente aos patógenos, o que explica porque essa é a fase mais demorada da produção de uma vacina.

Mas, dada a dimensão da pandemia, que já contaminou 26 milhões de pessoas, os resultados da fase 3 podem surgir mais rapidamente que o usual, especialmente porque os testes têm sido feitos em áreas com grande circulação do vírus, como os Estados Unidos e o Brasil.

Mas, para além dos aspectos específicos à biologia do vírus, a rapidez da ciência se deve à enxurrada sem precedentes de dinheiro e também de especialistas dedicados à corrida por uma vacina.

"Essa é a maior emergência das nossas vidas. Dinheiro não é o problema. Nós não temos é tempo", afirmou o infectologista Kawsar Talaat, da Universidade Johns Hopkins ao site especializado em medicina StatNews.

Um dos países a injetar mais dinheiro nessa busca foram os Estados Unidos. Em meados de maio, a administração Trump lançou um programa federal batizado de Operação Warp Speed, em referência à velocidade máxima da nave espacial da série de ficção científica Star Trek.

A Operação Warp Speed, com custo de cerca de US$13 bilhões de dólares, distribuiu recursos entre ao menos 14 candidatas a vacina a partir de maio. As pesquisas foram sendo eliminadas por critérios de segurança e eficiência até chegar às cinco mais promissoras imunizações. Entre elas, estão as das empresas Moderna e AstraZeneca, que usam metodologias distintas para obter a vacina. Embora as candidatas ainda estejam entre a fase 2 e a fase 3 de testes, as doses já começaram a ser produzidas em larga escala no país.

O plano inicial era ter até 300 milhões de doses até janeiro de 2021, prazo que será aparentemente adiantado em mais de dois meses agora. Trata-se de uma aposta: assim que os testes forem concluídos — e se as vacinas forem aprovadas — elas poderiam ser injetadas imediatamente na população. Se forem reprovadas — por serem ineficientes ou não seguras — todos as doses seriam descartadas, e o dinheiro, perdido. Para ser aprovada pela FDA, a vacina precisa mostrar ser eficaz em 50% das pessoas para impedir o contágio ou abrandar os sintomas da covid-19.

Os resultados da Operação Warp Speed tem endereço certo: se der certo, apenas americanos receberão as doses produzidas. Isso porque, nessa semana, a Casa Branca anunciou que não irá participar do Covax, o consórcio da Organização Mundial da Saúde (OMS) para produzir e distribuir a vacina do qual fazem parte mais de 170 países, incluindo o Brasil.

Os Estados Unidos acusam a OMS de ter sido complacente e "corrupta" em relação à pandemia e à China, onde o vírus surgiu. E está em processo de deixar o órgão, do qual era o maior financiador.

Vacina de emergência

Mas nem mesmo para os americanos a notícia da pressa na produção da vacina foi inteiramente bem recebida. Isso porque a Operação Warp Speed já previa prazos extremamente enxutos e os especialistas duvidam que seja possível concluir os procedimentos para atestar segurança e eficiência das doses se o tempo for ainda mais reduzido.

O temor é que o governo Trump lance mão de um instrumento chamado Autorização de Uso Emergencial, um protocolo da FDA desenvolvido para permitir o "uso de terapias, equipamentos e medicações em doenças para as quais eles não foram cientificamente testados e aprovados em casos em que não há uma alternativa melhor", conforme explica o site da agência.

O expediente foi usado algumas vezes durante a pandemia de covid-19: sob essa autorização, hospitais americanos usaram hidroxicloroquina em pacientes de coronavírus ao longo de algumas semanas, até que a agência concluiu que os danos aos pacientes eram maior que os benefícios que a droga produzia e a autorização foi suspensa. Da mesma forma, ventiladores foram usados em pacientes experimentalmente.

Os médicos afirmam que, em uma emergência como uma epidemia, é razoável lançar mão dos instrumentos possíveis para tentar salvar uma vida. Muito diferente, no entanto, seria injetar uma substância sem comprovação em milhões de pessoas saudáveis.

O único país a já ter iniciado vacinação em massa contra o coronavírus foi a Rússia, de Vladimir Putin. E embora tenha passado a recomendar a vacina, o governo russo não cumpriu protocolos internacionais de segurança nem comprovou a eficácia da substância que injeta em seus cidadãos. Por causa disso, a distribuição das doses foi vista internacionalmente como uma manobra populista e arriscada do ponto de vista da saúde pública.

"Nos Estados Unidos, nunca liberamos uma grande vacina sob Autorização de Uso Emergencial. Essa autorização tem um nível científico inferior, e não faz sentido lançar uma vacina nessas circunstâncias", afirmou à BBC News Brasil pesquisador em vacinas Peter Hotez, da Faculdade de Medicina de Doenças Tropicais da Universidade do Texas.

Segundo Hotez, o uso desse expediente seria ainda mais arriscado porque parte das vacinas da Operação Warp Speed adota uma tecnologia inteiramente nova, capaz de reproduzir no corpo humano cópias do código genético do Sars-CoV-2, o chamado mRNA. Ainda não existe no mundo uma vacina para humanos com essa tecnologia.

"É o caso da vacina da Moderna ou da Pfizer, e essa técnica nunca resultou em uma vacina licenciada antes. Portanto, há ainda mais razão para passar por uma revisão completa pela FDA", diz Hotez.

O risco anti-vax

Mesma opinião tem o ex-diretor do CDC Tom Frieden. Em postagem no Twitter, ele chegou a sugerir que não tomaria uma vacina aprovada sob o protocolo emergencial.

"Para ser claro: o licenciamento de uma vacina exige que ela seja comprovadamente segura e eficaz. Esse é um padrão razoável. Se alcançado, eu me sentiria confortável em receber uma dose e recomendá-la para minha família. (Uma vacina aprovada) por autorização de uso de emergência, em contraste, é um padrão muito inferior", afirmou.

Frieden joga luz sobre um problema sério. Uma vacina lançada sob condições pouco transparentes pode engrossar as fileiras dos que rejeitam imunizações. Uma pesquisa feita pelo Instituto Gallup no início de agosto mostrou que, antes da tentativa de apressar o lançamento da vacina, 35% dos americanos já afirmavam não querer tomá-la, mesmo que ela fosse aprovada pela FDA e gratuita.

O país possui uma relevante comunidade anti-vax, que se baseia em premissas religiosas ou em teorias conspiratórias (e falsas) sobre supostos malefícios da imunização para se recusar a tomá-la. Nos últimos anos, diversas cidades americanas enfrentaram surtos de sarampo em decorrência da queda no número de pessoas protegidas contra a doença.

O resultado disso é óbvio: a covid-19 se mostrou uma doença profundamente perturbadora da ordem social. Para retomar à conhecida normalidade, será preciso uma vacina. Mas vacinas se baseiam na lógica da coletividade: é preciso que a maior parte da população tome para que o vírus não encontre mais organismos em que se propagar e desapareça. Se não atingir a cobertura populacional necessária, a vacina simplesmente não funciona.

Assim, todo o dinheiro e o esforço seria jogado fora, alerta Frieden.

"Uma vacina parece ser nossa melhor ferramenta para combater a covid-19. É por isso que é tão importante acertarmos agora e não ignorarmos a segurança. Se as pessoas não confiarem na vacina, arriscamos um passo para frente e muitos para trás".

 

 

*POR: BBC NEWS

Publicado em Política

Nosso Facebook

Calendário de Notícias

« Setembro 2020 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30